1444-Violeiro Chico Lobo é atração da edição virtual da Cantoria de São Gabriel (BA)

#MPB #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #CulturaPopular #CantoriadeSãoGabriel #Bahia

Público ouvira canções que fazem parte do repertório do mineiro de São João Del Rei, há 40 anos um dos mais destacados artistas caipiras do Brasil

O cantor, violeiro e compositor Chico Lobo está comemorando 40 anos de carreira e será atração da XXIX Cantoria de São Gabriel (BA) nesta sexta-feira, dia 25. No concerto Chico Lobo relembrará à plateia online repertório que passa por suas cantigas mais conhecidas em transmissão ao vivo pelas redes sociais da Fundação Culturarte de São Gabriel. O acesso às atividades será totalmente gratuito. Para Lobo, esta será uma oportunidade para “matar a saudade” da Cantoria de São Gabriel e reencontrar, mesmo que virtualmente, o público, sempre ávido pela boa música brasileira e que sempre o recebeu com muito carinho. O violeiro já esteve em várias edições do evento, em participações memoráveis, seja solo ou ao lado de Pena Branca em Encontro de Raízes, e mais recentemente, com o grupo Violas De Minas. No repertório preparado para a sexta-feira, 25, figuram canções como No Braço Dessa Viola, Zóio Preto Matador e uma releitura de Disparada.

A Cantoria de São Gabriel é um movimento cultural promovido no sertão baiano desde o início da década dos anos 1990 e nestes e 30 anos de trajetória manteve firme seu propósito e essência; As apresentações com atividades de formação, vídeos históricos, bate-papos, shows e intervenções culturais que se iniciaram em maio são próprias para praça pública, pois promovem a diversidade da produção musical e cultural local, do estado da Bahia e do país, com a participação de artistas, mestres da cultura, trabalhadores da economia criativa e produtores culturais. Destinada ao povo sertanejo e aos interessados na cultura popular brasileira, entretanto, nesta edição devido à pandemia da Covid-19 será realizada nas plataformas virtuais, em duas etapas, nos dias 24 e 25 de setembro e nos dias 22 e 23 de outubro. Além de Chico Lobo, contará com artistas e grupos da cultura popular tais quais Socorro Lira, Banda de Pau Corda, Sabah Moraes, Alisson Menezes, Geovana Costa, Luiza Audaz, Paulo Araújo e Morão di Privintina, Babalé, Sacha Arcanjo, Os Hozzanas, Cleber Eduão, Jurandir do Acordeon, Gerri Cunha, Grupo Barlavento, Ana Barroso, Reisado de São Gabriel Roda de São Gonçalo, Reginaldo Manso e os Querubins de São Gabriel, e Filarmônica 25 de Fevereiro

Confira a programação e curiosidades sobre o eventohttps://xxixcantoria.wixsite.com/saogabriel

Chico Lobo é reconhecido como um dos mais ativos violeiros brasileiros. Há mais de 30 anos desempenha papel de “ponte” entre o som do interior de MG; do Brasil e o som contemporâneo. Seu carisma o levou a inúmeros palcos nacionais e internacionais no Canadá, Itália, Portugal, Argentina, Bogotá, Chile e China. Fundou em sua cidade natal, São João Del Rei, o Instituto Chico Lobo, que atende escolas da zona rural com aulas de viola. E, desde 2018, também, está presente na cidade de Santa Cruz de Minas (MG).

Percorrer o mapa mundi da carreira de Chico Lobo é conhecer o Brasil Profundo. O violeiro também idealizou e apresenta os programas de televisão Viola Brasil e de rádio O Canto da Viola. É finalista, mais uma vez, em duas categorias, do Prêmio Profissionais da Música, no qual já foi premiado três vezes como Melhor Artista Raiz Regional (2017, 2016 e 2015). A Viola Brasil Produções também concorre ao prêmio como Produtora Executiva. Já lançou mais de 20 álbuns; dois DVDs e um livro. Maria Bethânia gravou dele Criação no DVD e disco no qual ela festeja de 50 anos, Abraçar e Agradecer. O mineiro retribuiu em Viola de Mutirão – do Sertão Ao Mundo cantando Maria, composta em homenagem à cantora baiana

A Cantoria de São Gabriel é organizada pela Fundação Culturarte, entidade civil sem fins lucrativos constituída em 29 de novembro de 1992 que promove diversos trabalhos de fomento ao desenvolvimento cultural e promoção da inclusão social. Os realizadores do evento são voluntários autônomos, comerciantes, professores, servidores públicos, estudantes, entre outras profissões.

Saibam mais sobre Chico Lobo e leia conteúdos a ele relacionados aqui no Barulho d’água Música clicando no linque abaixo!

https://barulhodeagua.com/tag/chico-lobo/

1443 – Fernando Maranho lança álbum de rock com homenagem a líder indígena e inspirado em clássico de Orwell

Fernando Maranho, guitarrista e co-compositor com Tatá Aeroplano nas bandas Jumbo Elektro e Cérebro Eletrônico, está lançando hoje, 22 de setembro, Crimideia, segundo disco solo da carreira, disponibilizado abaixo nesta atulaização . O álbum conta com a participação do baterista Gustavo Souza (Maria Alcina, Cérebro Eletrônico) e do baixista João Velhote (Patife Band, Leptospirose). O novo trabalho do paulistano atualmente residindo em Bragança Paulista possui nove composições autorais inéditas que incluem 1980, parceria com o poeta e músico Daniel Perroni Ratto (Luz de Caroline) lançado como clipe em 7 de setembro nas plataformas digitais e que conta, também, com a participação incidental do músico bragantino Charles Paixão (Óleo Sobre Tela). O clipe da canção é de autoria da irmã de Fernando, Thais Maranho, e conta com imagens do arquivo de fitas VHS da família, gravadas durante a década dos anos 1980.

Continue Lendo “1443 – Fernando Maranho lança álbum de rock com homenagem a líder indígena e inspirado em clássico de Orwell”

1442 – Acatum se apresenta ao vivo na Casa Museu Ema Klabin (SP)*

#improvisacionconseñas #improvisaçãocomsinais #oficinaacatum #acatum #CulturaPopular

Com diferentes instrumentos, vozes e sopro, o grupo realiza composições espontâneas a partir dos sinais do regente

Cristina Aguilera, Mídia Brazil Comunicação Integrada

O Grupo Acatum vai se apresentar ao vivo como atração do Programa Tardes Musicais da Casa Museu Ema Klabin e da 15ª Primavera de Museus neste sábado, 25 de setembro, a partir das 16h30. O espetáculo restrito a menores de 16 anos terá transmissão gratuita pelo Canal do Youtube do Museu situado na cidade de São Paulo (SP) . Durante cerca de 60 minutos, os integrantes do Acatum combinarão guizos, chocalhos e atabaque para tecer um diálogo criativo entre o regente, seus gestos e os músicos/intérpretes. Para o público será possível ouvir música orgânica e espontânea, representante da pluralidade e riqueza dos ritmos.

O Acatum reúne brasileiros, argentinos, chilenos, uruguaios e equatorianos, pluralidade que reflete diretamente na sonoridade. É idealizado e dirigido pelo músico, compositor e educador Gui Augusto Pacheco desde 2017 e tem como referência trabalhos de Fernando Barba (1971-2021), do grupo Barbatuques, reconhecido internacionalmente pela linguagem única de percussão e música corporal, além de outros nomes da música como Naná Vasconcelos, Airto Moreira, Uakti e, especialmente, o músico argentino e fundador do grupo La Bomba del Tiempo, Santiago Vazquez.

Na Casa Museu Ema Klabin o Acatum terá em cena Remi Barbosa Chatain, Renata Fernanda Espoz Jerez, Domingo Duclos Aguilar, Wellington Conceição Santana, Victória Ferreira Alves, Bruno Duarte e Gabriel Draetta.   O espetáculo tem apoio cultural do Governo do Estado de São Paulo, por meio do ProAC ICMS da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e patrocínio da Klabin S.A.

1441 – Rabequeiro Alício Amaral protagoniza Ecos das Margens, projeto da Companhia Mundu Rodá com canções autorais e músicas tradicionais*

#MPB #Rabeca #CulturaPopular

Apresentações serão virtuais e ao final de cada rodada, o grupo promovera bate-papos para contar curiosidades do projeto e responder às perguntas do  público.

*Com Luciana Gandelini

Entre 17 e 26 de setembro de 2021, com início às 21 horas às sextas-feiras e aos sábados, e às 20 horas aos domingos, a Companhia Mundu Rodá promoverá Ecos das Margens, novo projeto do multiartista Alício Amaral que reúne releituras de composições tradicionais populares e composições autorais. Com participações de Amanda Martins (guitarra e voz), Henrique Menezes (percussão brasileira), Juliana Pardo (texto e maracás) e Mestre Nico (percussão brasileira), as apresentações virtuais serão transmitidas gratuitamente pelas páginas e canais sociais da Companhia Mundu Rodá. Ao final de cada rodada, o grupo promovera bate-papos ao vivo e equipe de criação contará curiosidades do projeto e responderá às perguntas dos  público.

Continue Lendo “1441 – Rabequeiro Alício Amaral protagoniza Ecos das Margens, projeto da Companhia Mundu Rodá com canções autorais e músicas tradicionais*”

1440 – Fábio Porte mergulha com a viola caipira no Choro e garimpa raridades de Ernesto Nazareth

#ViolaCaipira #MPB #Choro #Xote #Maxixe #Guarânia #Toada #RasqueadoPaulista #ErnestoNazareth

Álbum de 2017 traz releitura de Brejeiro, mas maioria das faixas passeia por composições menos afamadas do carioca

As tradicionais audições que promovemos aos sábados pela manhã aqui no boteco do Barulho d’água Música, no Solar do Barulho, em São Roque (SP), começaram neste dia 18 de setembro com Choro Caipira: Fabio Porte interpreta Ernesto Nazareth, um álbum de 10 faixas instrumentais lançado em 2017 e que pode ser ouvido clicando o ponteiro do mouse sobre o nome do disco. Porte é natural da cidade de São Paulo e mora em Jundiaí, cidade do interior paulista, onde protagoniza a carreira de músico como um dos melhores violeiros da atualidade. É autor, também, de Caboclo Folgado (2012), Jacarandá do Brasil (2013) e Trilhos da Vida (2015). Choro caipira… foi gravado com as participações de Fábio Mandika (violão de 7 cordas), Cássio Soares (percuteria) e Isaías Amorim (contrabaixo). É possível ouvir a homenagem de Porte a Nazareth também no sítio virtual do programa Revoredo, apresentado em 22/12/2017 pelo maestro José Gustavo Julião de Camargo nas emissoras de rádio da Universidade de São Paulo (USP) cujo linque estará disponível ao final desta atualização.

Continue Lendo “1440 – Fábio Porte mergulha com a viola caipira no Choro e garimpa raridades de Ernesto Nazareth”

1439 – Orquestra de Sopros de Osasco (SP) faz apresentação única no Teatro Aspro*

*Com Natália Moraes

O Teatro Aspro está gradativamente retomando as atividades presenciais e reservou seu palco a partir das 19 horas do domingo, 19 de setembro, para a apresentação da Orquestra de Sopros de Osasco (OSO), cidade da região Oeste da Grande São Paulo na qual a casa cultural está situada, no bairro da Vila dos Remédios. Atualmente regida pelo maestro José Roberto Fabiano, a OSO é vinculada à Corporação Musical Santo Antônio e foi criada há quatro anos para aproximar o público e disseminar a cultura dos grupos de sopros, seu aprendizado, aprimoramento de conjunto e execução de arranjos de repertório inusitados que flertam entre a cultura da MPB e a cultura pop. O concerto em Osasco é livre para todos os públicos e em 50 minutos deverá fazer homenagem ao município oferecendo um repertório que inclui composições de Richard Wagner (Tannhäuser Overture), Ludwig van Beethoven (Beethoven in Samba), Luiz Gonzaga (Coisas que o Lua Canta), Jack (Caminheiro), Paul Simon (Bridge Over Troubled Water) e Aldir Blanc e João Bosco (O bêbado e a equilibrista), entre outras. Fabiano regerá doze clarinetistas, sete flautistas, dois oboístas, três fagotistas, quatro trompistas, cinco saxofonistas, cinco trompetistas, quatro trombonistas, três bombardinistas, quatro tubistas e dois percussionistas e terá sob sua batuta a Orquestra completa.

Continue Lendo “1439 – Orquestra de Sopros de Osasco (SP) faz apresentação única no Teatro Aspro*”

1438 – Conheça Paula de Paula, compositora, violeira e arte educadora de Goiás

#MPB #CulturaPopular #Goiás #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #VioleirasdoBrasil #Xote #Baião #Maracatu #BumbaMeuBoi #Folk #Country #Blues

O Barulho d’água Música retoma com esta atualização dedicada a Paula de Paula a série  que busca a valorização das violeiras do Brasil e que já publicou os perfis de Cláudia Moraes e Letícia Leal, ambas mineiras, e da pernambucana Laís de Assis. Viola e sanfona são os principais instrumentos, musicais e políticos, da cantautora, multiartista e multi-instrumentista que alia sua carreira musical ao trabalho docente de arte-educadora e estabelece por meio do regionalismo da cultura sertaneja e caipira os pontos de partida para suas criações artísticas. O trabalho docente, além de ter reflexo em suas composições, colabora para a manutenção de sua vida artística.

Continue Lendo “1438 – Conheça Paula de Paula, compositora, violeira e arte educadora de Goiás”

1437 -Wolf Borges (MG), cantor e compositor, lança oitavo álbum e comemora 40 anos de carreira

#MPB #PoçosdeCaldas #MinasGerais #MúsicaIndependente #CulturaPopular

Wolf Borges, por Simone Guimarães

­O cantor e compositor Wolf Borges (MG) reuniu um time de respeitados músicos para gravar o oitavo álbum de sua carreira, em comemoração aos 40 anos de estrada: Canto Para Manter Viva a Nossa Arte. O título não poderia ser mais sugestivo diante não apenas da pandemia de Covid-19,  flagelo que tomou conta do mundo e vem causando dor, desespero, empobrecimento crônico, o aumento de mazelas sociais e mortes mundo afora, mas também face à destruição gradativa da cultura e da arte que vem sendo posta em prática como política pelo governo de Jair Bolsonaro. O disco de Borges, com 12 faixas, enviado de Poços de Caldas (MG) pelo autor ao Barulho d’água Música, abriu as audições matinais deste sábado, 11/9, aqui no Solar do Barulho, onde está a redação do blogue, em São Roque, interior de São Paulo.

Continue Lendo “1437 -Wolf Borges (MG), cantor e compositor, lança oitavo álbum e comemora 40 anos de carreira”

1436 – Paulo Tó (SP) lança Galope, seu terceiro álbum, no palco virtual Itaú Cultural*

#MPB #Indie #ItaúCultural #Samba #Tango #GipsyJazz

 Apresentação contará com participações de Guilherme Kastrup, Marcelo Cabral, Rodrigo Campos e Mariana

No domingo, 12 de setembro, Paulo Tó estará a partir das 19 horas no palco virtual do Itaú Cultural para apresentar canções da sua discografia, com destaque para Galope, seu terceiro álbum que inicia  turnê de lançamento, marca nova fase do cantor e a parceria com Guilherme Kastrup na produção musical. Neste novo disco Tó revela amadurecimento inclusive como letrista, um trabalho coeso que reafirma algumas influências que já povoavam suas canções, mas arriscando e incorporando novas sonoridades. Galope foi gravado durante a pandemia de Covid-19 com nove canções autorais e uma versão de Atrás dos Tempos, do compositor português Fausto Bordalo Dias. Explorando linguagens a partir da MPB dos anos da década de 1970, em diálogo com o rap e a música eletrônica, essas canções convidam a uma viagem lírica, que reflete os impasses e sonhos vividos nestes tempos.

Continue Lendo “1436 – Paulo Tó (SP) lança Galope, seu terceiro álbum, no palco virtual Itaú Cultural*”

1435 – Só o antidepressivo não está ajudando, mano(a)? Aí: ouça Kleber Albuquerque. E sem moderações: não há contraindicações!

#MPB #MúsicaPsicoativaBrasileira #WesternSpaghetti #BangBangÀItaliana #CulturaPopular

O Barulho d’água Música recebeu da Sete Sóis Produções Artísticas, estabelecida em Atibaia (SP), os álbuns Os Antidepressivos Vão Parar De Funcionar e CONTRAVENENO, os dois mais recentes do cantor, compositor, e artista gráfico Kleber Albuquerque, o segundo gravado em parceria com Rubi. Kleber Albuquerque, que também escreve composições para o teatro, é paulista de Santo André indicado, em 2018, para o 29º. Prêmio da Música Brasileira e vencedor dos prêmios da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e Coca-Cola Femsa, Suas canções já foram gravadas por artistas como Fábio Jr., Zeca BaleiroCeumarVanuza, Eliana Printes e Márcia Castro, entre muitos outros.

Continue Lendo “1435 – Só o antidepressivo não está ajudando, mano(a)? Aí: ouça Kleber Albuquerque. E sem moderações: não há contraindicações!”

1434 – Álbum de João Ormond e Divino Abrués destaca ritmos, temas, saberes e falas do povo mato-grossense

Cantos do Mato, lançado apenas nas plataformas digitais, tem dez faixas que suprem a carência de conteúdo de conhecimentos culturais que domina atualmente a maioria das músicas comerciais que inundam as mídias

Está disponível nas plataformas digitais Cantos do Mato, álbum lançado em junho que traz 10 músicas compostas em parceria pelos cantores João Ormond e Divino Arbués, além de contar com participações da cantora Ana Rafaela. Cantos do Mato,  dentre outras virtudes,  registra a junção da musicalidade e da criatividade desses consistentes protagonistas da música feita em Mato Grosso. O fato de suas composições terem se consolidado e angariado público ao longo dos últimos 15 anos já fala por si só, pela qualidade e autenticidade de cada autor, que, além de oferecerem pesquisas de ritmos e temas, entregam conteúdo da história, dos saberes e falares do povo de cada uma de suas regiões sem, entretanto, abrirem mão da música romântica e dos ritmos como o xote e o pagode. Ambas as obras vêm suprir a carência de conteúdo de conhecimentos culturais da música comercial que domina atualmente a maioria das mídias.

Continue Lendo “1434 – Álbum de João Ormond e Divino Abrués destaca ritmos, temas, saberes e falas do povo mato-grossense”

1433 – Cantor, compositor, violeiro ativista de causas ambientais e humanistas: Josino Medina (MG) é sertanejo plural com alma de vaqueiro roseano

#MPB #MúsicaBrasileira #MinasGerais #LiteraturaBrasileira #ViolaCaipira #ViolaBrasileira #ViolaCaipira #Araçuari #CarlosChagas #GuimarãesRosa #Sertão #Aboio #Coco #ValedoMucuri

O disco Quadras do Sertão – A história do vaqueiro Sebastião Eugênio foi recentemente enviado à redação do Barulho d’água Música, aqui em São Roque, Interior paulista, pelo seu autor, o mineiro nascido em Carlos Chagas Josino Medina. O álbum constitui um trabalho essencial à memória cultural brasileira para dele se dizer o mínimo. Lançado em 2016 após uma bem-sucedida vaquinha virtual, com pesquisa, adaptação e gravação do próprio Medina — que toca viola caipira nas 16 “faixas”, apresentadas como “Cenas” –, Quadras do Sertão… reúnem quadrinhas recolhidas da obra de João Guimarães Rosa e parte de vaqueiros dos vales do Rio São Francisco como Manoel Ferreira, Seo Erotides (da Vila dos Gaúchos, Grande Sertão Veredas) e Manoelzão, na região do município de São Francisco (MG), e por Valdomiro Francisco Medina, pai do Josino. Aboios, contradanças, ABC e coco voltado compõem o repertório cantado entre narrativas, tudo masterizado no Estúdio Lira por Bilora e gravado por Gustavo Guimarães, dois dos mais proeminentes violeiros e produtores culturais conterrâneos de Medina. Guimarães também assina o encarte, ilustrado por desenhos de Clarissa Magalhães.

Continue Lendo “1433 – Cantor, compositor, violeiro ativista de causas ambientais e humanistas: Josino Medina (MG) é sertanejo plural com alma de vaqueiro roseano”

1432 – Paulo Sérgio Santos lança pela Kuarup terceiro trabalho solo ao comemorar 45 anos de carreira

#ErnestoNazareth #RadamésGnattali #SeverinoAraújo #Aldir Blanc #K-Ximbinho #Sivuca #Pixinguinha #AbelFerreira #Bach #MúsicaClássica #Baião #MPB #MúsicaInstrumental #Benny Goodman #ChiquinhaGonzaga #Pixinguinha #Luiz Gonzaga #GravadoraKuarup #VillaLobos #Guinga

Peguei a reta passeia por canções próprias, do filho e clássicos de Ernesto Nazareth, Radamés Gnattali, Severino Araújo, Aldir Blanc, K-Ximbinho, Sivuca, Pixinguinha e Abel Ferreira, entre outros

A escrita musical tradicional foi uma das grandes invenções da humanidade. Se não houvesse a escrita musical, como aprenderíamos uma ópera de Wagner com quatro atos e quatro horas ou mais de duração? Mas se alguém acha que vai interpretar algo baseado apenas na habilidade de ler música e utilizá-la de uma forma absolutamente racional, vai se deparar com um grande equívoco. Tocar as notas de uma forma precisa e correta, matemático Newtoniana falando, pode não retratar a obra original em termos de estilo e suingue.

Continue Lendo “1432 – Paulo Sérgio Santos lança pela Kuarup terceiro trabalho solo ao comemorar 45 anos de carreira”

1431- Abertura da exposição de Elisa Bracher terá pocket show de Mônica Salmaso e do pianista Rodrigo Felicíssimo

#Artes #Esculturas #MúsicaErudita #Gravuras #Monotipias #PinturasEmPapel #GaleriaEstação #ElisaBracher

Instalação, desenhos, monotipias, pinturas em papel, gravuras e esculturas de Terra de Ninguém propõem, a partir da sua poética contemporânea, figurações e objetos de vestígios de artefatos, matérias-primas e técnicas manuais tradicionais. Visitação vai até o começo de outubro, com entrada franca.

Com a participação especial da cantora Mônica Salmaso, acompanhada em um mini concerto pelo maestro e pianista Rodrigo Felicíssimo, a vernissage de abertura de Terra de ninguém, exposição individual de Elisa Bracher na Galeria Estação, está marcada para sábado, 28 de agosto, a partir das 11 horas. Programada para permanecer em cartaz até 2 de outubro de 2021, a exposição apresentará 35 obras dispostas em três espaços da Galeria, entre elas, desenhos, monotipias, pinturas em papel, gravuras, esculturas e uma instalação que relacionam o trabalho em monotipia da artista com a pesquisa musical de Felicíssimo.

Continue Lendo “1431- Abertura da exposição de Elisa Bracher terá pocket show de Mônica Salmaso e do pianista Rodrigo Felicíssimo”

1430 -Série que visa a destacar a produção e a carreira das violeiras em atividade no Brasil traz perfil de Laís de Assis (PE)

#MúsicaBrasileira #MúsicaNordestina #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #Violeiras do Brasil #Recife #Rabeca #Violão #Frevo #LiteraturadeCordel # Etnomusicologia #PrêmioMIMO #RádioUSPFM #ProgramaRevoredo #EtniaTuxá #Frevo

Recifense que cresceu em meio a instrumentos musicais de brinquedo e assistia Viola, Minha Viola com a avó desenvolve sua obra autoral trazendo como fonte de inspiração ritmos populares e elementos da cultura nordestinos como a literatura de cordel. Primeiro disco terá participação de índias Tuxá.

A pernambucana Laís de Assis, violeira, violonista, arranjadora, pesquisadora e arte-educadora, é a escolhida para dar sequência à série especial que o Barulho d’água Música passou a publicar e que já trouxe os perfis das mineiras Cláudia Morais e Letícia Leal. Formada em viola de dez cordas desde 2018 e violão popular a partir de 2013 pelo Conservatório Pernambucano de Música (CMP), onde teve aulas com o mestre violeiro Adelmo Arcoverde, Laís de Assis é graduada em Música e Licenciatura pela Universidade Federal de Pernambuco (2016), mestre em Etnomusicologia pela Universidade Federal da Paraíba (2018), com estudos direcionados à viola de dez cordas nordestina. Embota também toque violão, sua vida ligada à música sempre teve mais cumplicidade com a viola, conforme relatou ao radialista Domingos Júnior, durante entrevista que concedeu a ele em 29 de março, para o programa 10 Cordas em 30,  com o título A cara da nova violinha pernambucana. “Desde criança eu sempre adorei música e tenho contato com instrumentos musicais. Os poucos brinquedos que eu tinha em casa não eram bonecas ou casinhas, essas coisas, eram, por exemplo, violõezinhos.” 

Continue Lendo “1430 -Série que visa a destacar a produção e a carreira das violeiras em atividade no Brasil traz perfil de Laís de Assis (PE)”

1429 -TV Dandô começa a transmitir conteúdos artísticos que incluem concertos, curtas-metragens e oficinas

#MúsicaBrasileira #CulturaPopular #Dança #Poesia

O premiado Dandô – Circuito de Música Dércio Marques expandiu ainda mais a sua atuação artística com o lançamento em 16 de agosto da TV Dandô, um novo veículo para divulgação de conteúdos inéditos que serão disponibilizados pelo canal Youtube (http://youtube.com/circuitodandobr), sempre a partir das 20 horas. A programação é das mais ecléticas e oferecerá novidades sobre os concertos que o Dandô oferece, espetáculos virtuais exibidos na íntegra, entrevistas exclusivas com os artistas participantes do circuito e convidados, depoimentos, homenagens, clipes, lives, curtas-metragens e oficinas, entre outras ações e manifestações culturais.

Continue Lendo “1429 -TV Dandô começa a transmitir conteúdos artísticos que incluem concertos, curtas-metragens e oficinas”

1428 – Série de quatro apresentações em Belo Horizonte (MG) homenageia centenário do compositor carioca Zé Kéti

#Samba # Bossa Nova #Carnaval #MúsicaBrasileira #CulturaPopular

Renomados artistas nacionais vão se revezar no palco do CCBBB em shows presenciais que serão simultaneamente transmitidos por canal virtual nos mesmos dias do evento

O Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte (CCBBBH) apresentará entre 19 e 22 de agosto, sempre a partir das 20 horas, Zé Kéti – 100 Anos da Voz do Morro, realizado pela Duo Produções com idealização e curadoria da publicitária Stella Lima e patrocínio do Banco do Brasil . As quatro rodadas reunirão atrações de diferentes gerações, com o objetivo de enaltecer e perpetuar o legado do cantor e entre os convidados para interpretar as obras do saudoso carioca nascido José Flores de Jesus no bairro Inhaúma estão  João Cavalcanti, Zé Renato, Cristóvão Bastos, Sururu na Roda, Casuarina, Fabiana Cozza, Moacyr Luz e Nilze Carvalho. O projeto integra a programação do mês do aniversário do CCBBBH, que completará em 17 de agosto oito anos de atividade. Simultaneamente, haverá sessões com transmissões virtuais grátis, programadas para os mesmos dias e horários das sessões presenciais pelo canal do Youtube do Banco do Brasil ( www.youtube.com/bancodobrasil)

Continue Lendo “1428 – Série de quatro apresentações em Belo Horizonte (MG) homenageia centenário do compositor carioca Zé Kéti”

1427 – Brasil perde Dona Lia do Coco (PE), “brincante que espalhava alegria por onde passava”

 #Luto #CulturaPopular #liadococo #pernambuco #igarassu #cmigarassu #Coco# Cantiga #Ciranda #CavaloMarinho

De causas não reveladas, morreu aos 73 anos na segunda-feira, 16, a pernambucana Maria dos Prazeres Benevidios Ramos, a Dona Lia do Coco, também conhecida por Mestre Lia. Considerada uma griô, cantora de cantigas populares, coco de roda, cirandas e cavalo marinho, entre outros ritmos, ela nasceu em Goiana (PE), vivia no Sítio Histórico de Igarassu, Região Metropolitana do Recife, onde foi velada, recebeu homenagens da Câmara Municipal e para a qual fez declaração de amor expressa na frase: “Me sinto muito feliz dentro de Igarassu, foi o lugar que eu queria morar, era aqui e aqui estou”. A Secretaria de Turismo do município lamentou a morte de sua filha ilustre observando que apenas uma mensagem “não seria o suficiente para falarmos da contribuição de Dona Lia do Coco para Cultura de Igarassu e Pernambuco. Muito obrigada Dona Lia, a brincante que espalhava alegria por onde passava.”

Continue Lendo “1427 – Brasil perde Dona Lia do Coco (PE), “brincante que espalhava alegria por onde passava””

1426 -Música brasileira, tradição irlandesa e rock progressivo se mesclam em novo álbum da banda mineira Braia

#MúsicaBrasileira #MúsicaCelta #MúsicaIrlandesa #Irlanda #HeavyMetal #Rock #Folk #Samba #Ijexá #Baião #ViolaCaipira #CulturaPopular #CulturaCelta #GuimarãesRosa #Varginha #BeloHorizonte #ClubedaEsquina

Segundo disco do grupo liderado pelo compositor e multi-instrumentista de Beagá Bruno Maia interconecta nossas raízes e antenas ao passar por Guimarães Rosa e Clube da Esquina, temperado por gaitas de fole, rabecas e fraseados jigs e reels da terra de James Joyce e William Butler Yeats

Em sonoridades que interconectam nossas raízes e antenas, o espírito mineiro surge com personalidade em Braia…e o mundo de cá, segundo álbum da banda Braia, liderada pelo compositor e multi-instrumentista mineiro Bruno Maia. Nascido em Belo Horizonte, mas com família e forte tradição musical vinda do interior do Estado, o trabalho de Bruno Maia e amigos é um prazeroso jorro de música regional fresca com origens ancestrais e muita história. Em uma frase: este trem é um baita disco!

Continue Lendo “1426 -Música brasileira, tradição irlandesa e rock progressivo se mesclam em novo álbum da banda mineira Braia”

1425 -Tavinho Limma (PE/SP) celebra ritmos brasileiros em segundo álbum pela Kuarup

#Frevo #Maracatu #Baião #Ciranda #Recife #Pernambuco #MPB #CulturaPopular #IlhaSolteira #KuarupMúsica

O Canto dos Arrecifes traz canções autorais, parcerias e as participações especiais de Zé Alexanddre, Eudes Fraga e Veridiana Nascimento

O cantor e compositor pernambucano Tavinho Limma lançou em todas as plataformas digitais pela produtora e gravadora Kuarup no começo de agosto O Canto dos Arrecifes, seu segundo projeto lançado pela gravadora, que em 2020 disponibilizou O Mundo de Raimundo Homenagem a Fagner. O Canto dos Arrecifes é uma obra autoral composta por 11 faixas e traz em sua essência ritmos brasileiros como frevo, maracatu, baião e ciranda. O álbum tem direção musical de Elton Ribeiro e arranjos de Omar Campos, Oswaldinho do Acordeon e Walmir Gil, da Banda Mantiqueira.

Continue Lendo “1425 -Tavinho Limma (PE/SP) celebra ritmos brasileiros em segundo álbum pela Kuarup”

1424 – Zé Paulo Medeiros (MG/SP) prepara LARAS, álbum com faixas já disponíveis nas plataformas digitais

#MúsicaRegional #MúsicaCaipira #MPB #ViolaCaipira #ViolaBrasileira #CulturaPopular #LimaDuarte(MG) #JuizDeFora

*Com dados informados pelo artista, por Denil Nogueira, extraídos do blogue Em Canto Sagrado da Terra e do Dicionário Cravo Albin da Música Brasileira

As tradicionais audições aos sábados pela manhã aqui no Solar do Barulho, redação do Barulho d’água Música em São Roque (SP), começaram neste dia 14 de agosto com LARAS, título do álbum que está sendo preparado pelo cantor e compositor mineiro Zé Paulo Medeiros. O disco, em cujo título o autor presta homenagem às netas Clara e Lara, terá ao todo 10 faixas, 6 das quais já estão disponíveis em seu canal do Youtube, plataformas digitais e também podem ser ouvidas durante a programação da Rádio Sudeste FM, pilotada por Denil Nogueira, emissora que fica 24 horas no ar via satélite com acessos pelo site e aplicativos gratuitos. Em LARAS, Zé Paulo Medeiros celebra novas parcerias que incluem o produtor e maestro goiano Eliel Carvalho e o radialista Nogueira, ambos respectivamente compositores de Esqueci de te esquecer e Terapia Rural. Carvalho ainda responde pelos arranjos, violões e ukulelê. Outra parceria terá Sergio Turcão, da dupla Jica y Turcão, e uma das faixas na voz de Zé Paulo será Estradeiro, por enquanto gravada apenas por Cláudio Lacerda em seu álbum Cantador

Continue Lendo “1424 – Zé Paulo Medeiros (MG/SP) prepara LARAS, álbum com faixas já disponíveis nas plataformas digitais”

1423 -San Oliver (AM) lança Minha Pequena, single que inaugura a Anonimato Records

Com Eliane Verbena, Verbena Assessoria

O manaura San Oliver cresceu curtindo John Mayer, Ed Sheeran, Jack Johnson, Maroon 5,  James Taylor, Eric Clapton e The Beatles e após perder o pai, aos 15 anos de idade, passou a se dedicar à música. Apresentando-se com o modo clássico violão e voz, cantou em igrejas e em bares. Hoje, aos 28 anos e residindo na cidade de São Paulo, Oliver comemorará nesta sexta-feira, 13, o lançamento digital pelo selo Anonimato da canção autoral Minha Pequena, produzida por Rafael Prego e a primeira das seis faixas que estarão em Mais um Pouco, em fase de preparação.

A Anonimato Records, responsável pelo single de Oliver, atuará já a partir do lançamento de Minha Pequena como  braço comercial do Estúdio Anonimato, que soma mais de 30 anos de história na indústria fonográfica brasileira.  Atualmente, além de Freddy Zular, diretor artístico e um dos fundadores do Estúdio Anonimato, a equipe de comando conta com Daniel Dhemes (diretor geral) e Adriano Costa (gerente de projetos). O selo chegará afinado com o momento atual da indústria da música e oferecerá ampla proposta de serviço para atender a todos os estilos para conseguir se projetar além dos lançamentos musicais.  

Continue Lendo “1423 -San Oliver (AM) lança Minha Pequena, single que inaugura a Anonimato Records”

1422 – Série sobre violeiras do Brasil destaca Letícia Leal (MG), coautora de Urutu, autodidata e hoje regente de Orquestra

#ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #MúsicaCaipira #MúsicaIndependente #TeófiloOtoni #BeloHorizonte #MG #MinasGerais #CulturaPopular 

Em 23 de julho, ao publicarmos a atualização 1416, iniciamos aqui no Barulho d’água Música, com o perfil de Cláudia Morais, uma série dedicada às violeiras do Brasil como forma de apoiar e de reforçar a campanha que um grupo delas promove para que em âmbito nacional se articulem, por meio do canal Violeiras do Brasil. A meta é que consigam a valorização da produção cultural do segmento feminino da viola, da mulher musicista, produtora e gestora cultural. Nesta nova matéria, a destacada é Letícia Leal, mineira de Teófilo Otoni e uma das pontas de lança do movimento ao lado de Cláudia, da conterrânea Sol Bueno, da pernambucana Laís de Assis e da goiana Paula de Paula.

Continue Lendo “1422 – Série sobre violeiras do Brasil destaca Letícia Leal (MG), coautora de Urutu, autodidata e hoje regente de Orquestra”

1421 – Canções de Elomar Figueira Mello serão interpretadas em concerto ao vivo na Casa Museu Ema Klabin(SP)*

#MPB #CulturaPopular #Elomar #MúsicaRegional #CasaMuseuEmaKlabin #SãoPaulo #SP

*Com Cristina Aguilera

Tiago Fusco e Verlucia Nogueira abordam a obra do compositor no show Estradar. O CD homônimo da dupla contou com a direção artística de João Omar, filho e parceiro musical de Elomar

Neste sábado, 7 de agosto, a partir das 16h30, a Casa Museu Ema Klabin, situada na cidade de São Paulo, terá como atração do programa #TardesMusicaisEmCasa o duo Tiago Fusco e Verlucia Nogueira. Direto da Casa Museu, com transmissão pelo seu canal do YouTube, a dupla apresentará Estradar,  um concerto que promove um mergulho investigativo e criativo na música do poeta e compositor Elomar Figueira Mello.

Tiago Fusco e Verlucia Nogueira, que lançaram recentemente pelo selo SESC um álbum com canções de Elomar homônimo ao concerto, abordam a obra do compositor a partir de uma formação inédita para este cancioneiro: o piano e a voz feminina. No repertório, eles brindam os admiradores do baiano com clássicos como Bespa, Cavaleiro Do São Joaquim, A Pergunta , Curvas Do Rio, O Pidido, Clariô, História De Vaqueiros, Cantada , Função , Campo Branco , Retirada, Incelença Pro Amor Retirante e Na Quadrada Das Águas Perdidas.

Continue Lendo “1421 – Canções de Elomar Figueira Mello serão interpretadas em concerto ao vivo na Casa Museu Ema Klabin(SP)*”

1420 – Brasil perde José Ramos Tinhorão, crítico musical marxista para quem a Tropicália teria “ritmo de goteira”

#MPB #Bossa Nova #Jazz #Tropicália #Funk #AxéMusic #JovemGuarda #CulturaPopular

Paulista de Santos, jornalista e escritor com passagem pelos principais veículos de imprensa do país e autor de mais de 25 livros morreu na cidade do Rio de Janeiro, aos 93 anos, deixando uma lista de “desafetos”

O Brasil perdeu na terça-feira, 3 de agosto, José Ramos Tinhorão, jornalista, escritor, pesquisador e talvez o mais contundente e mordaz crítico musical do jornalismo brasileiro de todos os tempos. Paulista de Santos, Tinhorão morreu aos 93 anos, na cidade do Rio de Janeiro, onde esteve internado por dois meses combatendo uma pneumonia e com a saúde abalada por um acidente vascular cerebral (AVC) que sofrera há três anos. O corpo veio para a cidade de São Paulo e está sepultado no Cemitério dos Protestantes, desde a quarta-feira, 4 de agosto.

Continue Lendo “1420 – Brasil perde José Ramos Tinhorão, crítico musical marxista para quem a Tropicália teria “ritmo de goteira””

1419 – Tuia (SP) lança novo álbum ao vivo com interpretação intimista de seu repertório

#MPB #MúsicaIndependente #CulturaPopular #GravadoraKuarup #Jacareí

Disco Ao Vivo e Só traz canções da carreira solo de dez anos e ganha edição exclusiva nas plataformas digitais

O álbum Tuia, Ao Vivo e Só que estreia nas plataformas digitais pela Produtora e Gravadora Kuarup, é o segundo disco ao vivo da carreira do cantor e compositor Tuia, o primeiro deles em formato voz e violão. O disco que traz canções em formato intimista com acústica “folk” foi gravado com versões exclusivas de várias músicas e fases da carreira solo de Tuia, entre 2010 e 2020, em São José dos Campos, no interior de São Paulo, em abril de 2021 no estúdio AS. O registro foi feito em uma única sessão para evidenciar ora a delicadeza, ora a aspereza do violão de aço e a interpretação doce e rasgada do músico Tuia. São nove faixas ao todo, entre as quais músicas que não são muito tocadas nas apresentações os com a banda por terem estilo mais intimista, caso das canções À Mexicana, música do primeiro disco de 2010 que tem influência flamenca misturada com música regional; Bar de Beira, De Repente, canção inédita e mais pop folk atual, além da recente Flores da Manhã, parceria com Guarabyra, lançada como single e que conta com a participação de Zeca Baleiro.

Continue Lendo “1419 – Tuia (SP) lança novo álbum ao vivo com interpretação intimista de seu repertório”

1418 – Álbum síntese da música, Clube da Esquina foi concebido há 50 anos*

#MPB #ClubeDaEsquina #CulturaPopular #BeloHorizonte #MG

  • Título da matéria da revista Carta Capital cujo linque é:

https://www.cartacapital.com.br/cultura/album-sintese-da-musica-clube-da-esquina-foi-concebido-ha-50-anos/

Um dos discos mais pica das galáxias da cultura popular brasileira, que serviu de afirmação para o Clube da Esquina, está completando meio século sem jamais sair da lista dos preferidos por quem ama a boa música feita no país!

Concebido em 1971, lançado em 1972, o bolachão duplo Clube da Esquina já chegou chamando a atenção pela icônica capa que trouxe a dupla de garotos¹ numa alusão aos amigos Lô Borges e Milton Nascimento, o Bituca, dois dos músicos integrantes da plêiade que inaugurou o grupo e revolucionou a MPB. A imagem, semioticamente, já vale como amostra das fusões propostas e alcançadas pelo disco cujas 21 faixas, entre outros elementos, fundem sonoridades e ritmos afros com brasileiros e latinos, entre outros méritos que fazem dele um clássico atemporal que quebrou regras mercadológicas e de produção fonográfica vigentes até então.

Matéria da revista Carta Capital (ave, Mino Carta e equipe, uma taça de vinho!) publicada em 17 de julho, assinada pelo jornalista Augusto Diniz, traz uma avaliação detalhada do discaço nas palavras do violeiro, compositor, arranjador e pesquisador Ivan Vilela. Há mais de uma década mergulhado no estudo do movimento da trupe (que juntou mineiros da gema, mas não só) em seu aspecto relativo às inovações musicais, Vilela conta, por exemplo, que elas “foram fortes e emblemáticas”, conforme poderá ser lido abaixo no texto de Diniz que o Barulho d’água Música reproduz em azul, na integra, com a devida vênia do veículo, do autor e do entrevistado.

Continue Lendo “1418 – Álbum síntese da música, Clube da Esquina foi concebido há 50 anos*”

1417 – Nego Nelson (PA) completa 50 anos de carreira com Tiquinho de Céu, álbum instrumental lançado nas plataformas digitais

#ViolãoInstrumental #ViolãoBrasileiro #ViolãoClássico #ViolãoPopular #MPB #MúsicaDoPará #Pará #Belém #MúsicosDoAmazonas #CulturaPopular #Jazz #Choro #Valsa #Samba #Bolero #Funk, #Carimbó #Guarânia 

Tiquinho de Céu, novo álbum do paraense Nego Nelson, foi o escolhido para abrir neste dia 24 as edições matinais que promovemos aos sábados aqui no Solar do Barulho, redação do Barulho d’água Música na Estância Turística de São Roque, Interior de São Paulo. Nego Nelson é o nome artístico de Nelson Batista Ferreira, violonista e compositor residente em Belém que em 2021 completa 50 anos de carreira com o lançamento do disco de nove faixas, instrumentais e todas de sua autoria, disponível em todas as plataformas digitais desde março. A faixa título homenageia o carioca do cavaquinho Waldir Azevedo e faz alusão à música Pedacinho de Céu, um dos sucessos do mestre do cavaquinho ao lado dos choros Brasileirinho e Delicado. Outro destaque, Quarto n°5, segunda da lista, composta em 1975 nunca antes fora gravada.

Continue Lendo “1417 – Nego Nelson (PA) completa 50 anos de carreira com Tiquinho de Céu, álbum instrumental lançado nas plataformas digitais”

1415 – Especial “Zezé Motta – Mulher Negra” vai celebrar Tereza de Benguela e o Dia da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha

#MulheresPretas #NãoAoRacismo #CulturaPreta #VidasPretasImportam #MúsicaPopularBrasileira #CulturaPopular #CulturaAfro #HipHop #R&B 

Apresentação será transmitida no dia 25 de julho e trará depoimentos de mulheres pretas como a cantora Iza, a filósofa Djamila Ribeiro, a escritora Conceição Evaristo e a influenciadora e ex-BBB Camilla de Lucas

O dia 25 de julho é dedicado a trazer à memória a luta das mulheres negras latino-americanas e caribenhas para uma sociedade mais justa, uma data especial para relembrar a história de Tereza de Benguela. No Brasil, em 2 de junho de 2014, foi sancionada a Lei que institui o Dia da Mulher Negra, em homenagem à líder quilombola  após intensa mobilização dos movimentos de mulheres negras brasileiras. Zezé Motta, ícone negro da cultura brasileira, para não deixar a data passar despercebida, protagonizará a partir das 17 horas o especial Zezé Motta Mulher Negra, que será transmitido no canal L!Ke (530 da Claro ou 500 da Claro NET), e pelo canal oficial do Teatro Bradesco no Youtube.

Continue Lendo “1415 – Especial “Zezé Motta – Mulher Negra” vai celebrar Tereza de Benguela e o Dia da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha”

1414 – Ouça SerTão Andante, quarto disco de Aldy Carvalho (PE), e viaje ao NE com xote, baião, coco, xaxado, galope e martelo

#MúsicaBrasileira #MúsicadoNordeste #CulturaPopular #PetrolinaPE #Petrolina #Xote # #Baião #Coco #Xaxado #Galope #Martelo #Balada #Cordel #LiteraturadeCordel

Álbum de 2018 traz 12 faixas, entre as quais duas instrumentais, e é o quarto da trajetória do cantador, compositor e cordelista que aprendeu ainda na infância a valorizar as raízes artísticas da família pernambucana

A música de Aldy é diferente do chamado forró — quase sempre vulgar e barulhento demais. Seu canto é sereno, sua voz é limpa, bonita, melodiosa, agradável”.

Dirceu Soares, Jornal da Tarde

selo papo retoO álbum SerTão Andante, do cantador, compositor, escritor e poeta Aldy Carvalho, foi o escolhido para abrirmos neste dia 17 já do mês de julho as tradicionais audições dos sábados pela manhã aqui no Solar do Barulho, redação do Barulho d’água Música, em São Roque, cidade do Interior paulista. SerTão Andante é de 2018 e traz 12 faixas nas quais o pernambucano de Petrolina mapeia o universo afetivo e a natureza que traduzem as belezas de um sertão real e imensurável, universo onde nasceu e do qual, mesmo vivendo desde os anos 1980 na cidade de São Paulo, não se distanciou, pois jamais deixou o frenético ritmo e os hábitos cosmopolitas matarem suas raízes nordestinas. A sensibilidade e a resiliência de Aldy Carvalho vêm da infância, período no qual começou a se maravilhar com as cantorias e a poética cordelista, ensinadas pelo saudoso pai, João Joaquim de Carvalho.

Continue Lendo “1414 – Ouça SerTão Andante, quarto disco de Aldy Carvalho (PE), e viaje ao NE com xote, baião, coco, xaxado, galope e martelo”

1413 – Com trio e quarteto, Neymar Dias (SP) promove apresentações virtuais que mesclam composições autorais, moda caipira, rock e música clássica*

#MPB #MúsicaCaipira #MúsicaClássica #MúsicaErudita #Rock #ViolaBrasileira #ViolaCaipira #ViolaInstrumental

* Com Miriam Bemelmans

O compositor, pesquisador e arranjador multi-instrumentista Neymar Dias fará neste mês uma série de apresentações virtuais —  formando com músicos um quarteto ou um trio, dependendo do programa a ser tocado–, sempre a partir das 19 horas. Os concertos online serão transmitidos sem cobrança de taxas pelo canal eletrônico de Neymar, cujo linque estará ao final desta atualização. O projeto foi contemplado pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei 14.017/20, do Governo Federal), prevista no ProAC (Programa de Ação Cultural) da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo.

Continue Lendo “1413 – Com trio e quarteto, Neymar Dias (SP) promove apresentações virtuais que mesclam composições autorais, moda caipira, rock e música clássica*”

1412 – Festival Malungo, da Pôr do Som, prossegue com mais quatro atrações até 12 de julho*

#MúsicaAfro #CulturaPopular

*Com Eliane Verbena, Verbena Comunicações

Entre amanhã, 9, e segunda-feira, 12 de julho, terá prosseguimento o Festival Malungo, que apresenta desde o dia 5 pelos canais virtuais da  Produtora, Gravadora e Selo Pôr do Som, sempre começando às 21 horas e com acesso gratuito, atrações que reverenciam a diversidade da música popular brasileira, feita por artistas que ressaltam nossa matriz africana em estilos como samba, jongo, capoeira, samba de roda, samba-rock, choro, afro, batuque de umbigada, samba de bumbo e partido-alto. Já passaram pelo palco Adriana Moreira (samba raiz), Henrique Araújo (choro), A Quatro Vozes (música popular) e Zé Eduardo (soul e MPB) e, agora, chegou a vez do Grupo Paranapanema (samba raiz, jongo e batuques); Luana Bayô (vissungos, jongo e samba raiz); Mestre Plinio & Angoleiro Sim Sinhô (capoeira); e Fanta Konatê (música africana). Todos os espetáculos foram gravados em vídeo no Estúdio 185 Apodi, situado em São Paulo (alô, Beto Mendonça!), com rigorosa obediência aos protocolos sanitários para evitar novos contágios pelo coronavírus (Covid-19) .

Continue Lendo “1412 – Festival Malungo, da Pôr do Som, prossegue com mais quatro atrações até 12 de julho*”

1411 – Contribua para a gravação do novo álbum do Pequeno Sertão!

#PequenoSertão #musicacaipira #musicaautoral #violacaipira #campanhasolidaria #quemsabefazaovivo #parceria #mutirão #culturapopular

Os integrantes do grupo de música caipira Pequeno Sertão, na estrada desde 2016, vão se reunir neste domingo, 11 de julho, no Teatro Paidéia, em São Paulo, para gravação ao vivo do segundo álbum da carreira. Pequeno Sertão II (2) será sucessor do homônimo volume I, que saiu  com nove faixas em 2016. Integram o conjunto os violeiros Yuri Garfunkel e Mathias Zae, Marcelo Germani (baixo e violão), Téo Garfunkel e Doga Ratun (percussões). Devido às restrições para evitar novos contágios pelo coronavírus (Covid-19), as gravações sob responsabilidade de Nilson Costa não serão abertas ao público, mesmo seguindo no estúdio todas as recomendações sanitárias. Apenas Mário de Almeida, pilotando as gravações em vídeo, estará ao lado dos músicos e de Costa.

212618076_1642009392661991_1442659771539591290_n

A empreitada para gravar um disco tornou-se ainda mais dispendiosa neste momento de quarentena e de pandemia, por isso, o Pequeno Sertão está promovendo campanha de apoio financeiro para dar cabo ao projeto em todas as suas etapas. A sugestão para quem puder contribuir parte de R$ 100, mas  doações em valores menores serão bem-vindas; independentemente da quantia, o dinheiro deverá ser enviado para a chave PIX CPF 30390417890 e o comprovante de depósito para o número (11) 982088418, acompanhado de um endereço eletrônico para troca de mensagens (e-mail). Todos os parceiros receberão no e-mail indicado o material do Pequeno Sertão II em alta qualidade e os nomes citados nos créditos.

Leia também no Barulho d’água Música: 

1256 – HQ ‘A Viola Encarnada’ traz narrativa visual inspirada no cancioneiro caipira

Saiba mais sobre Yuri Garfunkel lendo na Revista Ritmo Melodia a entrevista abaixo a Antonio Carlos da Fonseca Barbosa:

https://www.ritmomelodia.mus.br/entrevistas/yuri-garfunkel/

 

1410 – Violeira Fabiola Beni (SP) abre 4º Festival Som na Faixa de Música Instrumental

#MPB #MúsicaInstrumental #ViolaBrasileira #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #FestivalSomNaFaixa #VioleirasdoBrasil

https://violeirasdobrasil.wordpress.com/

Evento com apresentação de Adriana Farias traz oficinas gratuitas e atrações como Ricardo Vignini, Arnaldo Freitas, Marina Ebbecke, Duo Osni Ribeiro, Neymar Dias e Toninho Ferragutti 

Entre 9 e 18 de julho, a Muda Cultural promoverá o 4º Som na Faixa de Música Instrumental, festival que em edições anteriores impactou mais de 2 milhões de pessoas, segundo os organizadores. As apresentações, com a violeira Adriana Farias, começarão sempre a partir das 19 horas e serão transmitidas pelos canais da realizadora do evento com o propósito de levar entretenimento, arte e cultura ao público em quarentena e incentivar e apoiar talentos da música brasileira, uma das categorias artísticas mais atingidas por conta da pandemia da Covid-19. O Som Na Faixa também contará com oficinas nos dias 10 e 18 de julho.

Continue Lendo “1410 – Violeira Fabiola Beni (SP) abre 4º Festival Som na Faixa de Música Instrumental”

1409 – Mestiça, múltipla: Helena Badari (SP) chega sem medo, avisa que merece mais e reivindica com Orí Gem sua afirmação*

#MPB #CulturaPopular 

*Com Osni Dias

Em parceria com Luiz Waack, este é um disco para abrir olhos: celebra novos compositores e revela um repertório diversificado e renovador, com participações de Zélia Duncan e Zeca Baleiro

As tradicionais audições que promovemos aos sábados pela manhã aqui no boteco do Barulho d’água Música, em São Roque (SP), começaram neste dia 3 com Orí Gem, primeiro álbum de Helena Badari, cantora, compositora e violonista natural de Joanópolis (SP). Distribuída pela Tratore, com 12 faixas, Orí Gem chegou ontem, 2, às plataformas digitais de todo o país e revela a parceria entre Helena e o músico e produtor musical Luiz Waack, um dos integrantes da superbanda de Edvaldo Santana (ave, Lobo Solitário!).

Este ótimo trabalho em dupla, produzido em Piracaia (SP), resultou em um repertório diversificado e renovador que permitiu a Helena desenvolver como quem emite uma opinião ativa toda sua versatilidade de intérprete e compositora de linha de frente, que, para ficar em uma expressão popular comumente mal empregada, mas que resumirá seus múltiplos dons, verte o (santo) balacobaco dos capazes de nos provocar arrepios; como diz seus versos, Helena Badari é flecha certeira que leva na ponta chama para emocionar, surpreender, conquistar almas, corações e mentes e se afirmar no concorrido universo da MPB vamos combinar, sem tentar mudar de assunto: nem sempre generoso com talentos como o dela e que prefere badalar quem vende antigases e telefones, por mais que ser garota propaganda que canta também possa ser legítimo neste mercado.

Continue Lendo “1409 – Mestiça, múltipla: Helena Badari (SP) chega sem medo, avisa que merece mais e reivindica com Orí Gem sua afirmação*”

1407 – O pulsar da força da América Latina está no novo disco de Nádia Campos (MG), Luz Peregrina*

*Com Simone Gallo

Com canções autorais e parcerias inéditas, a artista mineira lançou o álbum hoje nas plataformas digitais juntamente com um minidocumentário sobre o processo de criação do recente trabalho.

 O disco Luz Peregrina, da compositora mineira Nádia Campos, disponível a partir de hoje, 29 de junho, nas plataformas digitais, nasceu a partir de suas vivências culturais pelos lugares por onde passou e das trocas com as pessoas com as quais encontrou em seu caminho. As 14 faixas trazem os valores ancestrais da cantadeira e promovem um encontro lusófono com influência moura, africana e indígena. O pulsar das culturas, instrumentos e melodias da América Latina se misturam nas veias de Nádia em busca da sua própria identidade. Como resultado desta peregrinação, ela comentou: “Quando se caminha em um território, em uma paisagem, também existe um movimento interno da consciência e do espírito que manifesta de forma atemporal o que somos”.

Continue Lendo “1407 – O pulsar da força da América Latina está no novo disco de Nádia Campos (MG), Luz Peregrina*”

1406 – Rainer Miranda de Brito (SP/PI) lança quarto álbum da série Áspero, concebida para a viola em realejo

#ViolaInstrumental #ViolaNordestina #ViolaBrasileira #ViolaDeDezCordas #CulturaPopular #Univasf #Piauí

As seis faixas de A comitiva de notícias e outras histórias foram gravadas artesanalmente e em fita cassete, com encarte feito à mão, e em breve estarão nas plataformas digitais

Rainer Miranda de Brito, violeiro e antropólogo radicado em São Raimundo Nonato (PI)

Compositor do Interior paulista, nascido em Votorantim, cidade da região de Sorocaba situada a cerca de 110 quilômetros da capital São Paulo, Rainer Miranda de Brito, atualmente residente em São Raimundo Nonato (PI) é violeiro autodidata e antropólogo. Conforme declarou recentemente em entrevista ao jornalista Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, da Revista Ritmo Melodia, Rainer desenvolve no estado nordestino como docente da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), situado no campus Serra da Capivara, um projeto de extensão para ensino e fomento da viola de dez cordas no semiárido piauiense, o VÁRIA Artes e violas na Caatinga. Em um perfeito casamento entre os ofícios de professor universitário e de músico, como um dos métodos e estratégias para resgate e afirmação de uma das possíveis afinações para a viola de dez cordas, a realejo, há sete anos ele vem lançando álbuns da série batizada Áspero, que define como “melodias estranhas para estórias de povos de lugar algum” ou “uma empreitada de narrativas instrumentais de uma viola de dez cordas”.

A série começou em fevereiro de 2014, com Queda & Regresso, prosseguiu com Duas Derradeiras, de maio de 2017, e a Casa de Héstia, de março do ano passado. Neste mês, a obra que Rainer espera completar com seis volumes ganhou o quarto: A comitiva de notícias e outras estórias, cujo repertório narra “estórias sobre a chegada de notícias em um pequeno povoado, uma carta de lembranças entre irmãos e boatos sobre a menina que seguindo um assovio na caatinga deixou de ser gente para ser um pé de espinheira”. Todas as músicas dos quatro títulos já disponíveis de Áspero podem ser ouvidas e baixadas a partir do portal que o autor desenvolveu para dar suporte ao projeto — gratuitamente, inclusive –, mas para o álbum mais recente a novidade é que A comitiva… também foi gravado e produzido em fita cassete!

Continue Lendo “1406 – Rainer Miranda de Brito (SP/PI) lança quarto álbum da série Áspero, concebida para a viola em realejo”

1405 – Dupla com 74 anos de histórias de sucessos e mais de 30 prêmios, As Galvão (SP) anunciam final da carreira

#MúsicaCaipira #CulturaPopular #Palmital #Ourinhos #ParaguaçuPaulista

Marilene, a mais nova das irmãs que são joias do universo caipira, tem Alzheimer e devido à doença não consegue mais se lembrar das letras de quase trezentas músicas 

Após 74 anos de carreira e uma trajetória que as consagrou como um dos tesouros da vertente caipira da música brasileira, As Galvão estão deixando o palco e, para tristeza do seu numeroso séquito, vão parar de cantar e de se apresentarem em público. Se já não bastassem a pandemia de coronavírus (Covid-19) e suas múltiplas variantes que vinham impedindo as cantorias das admiradas irmãs, juntas na estrada desde 1947, Marilene (a mais nova, que toca viola) está acometida por mal de Alzheimer, conforme anunciou Mary (Meire, sanfoneira) ao blogue do jornalista André Piunti.

Marilene, aos 79 anos, já não consegue se lembrar das letras das canções do repertório da dupla que soma cerca de 300 letras –muitas das quais ambas ajudaram a imortalizar, como Beijinho Doce, de Nhô Pai, e que encheram mais de 30 álbuns, entre os quais Canta Inezita, que o selo da produtora e gravadora paulistana Kuarup lançou em 2019, com produção e direção de Thiago Marques Luiz em homenagem a Inezita Barroso, com as participações de Maria Alcina, Consuelo de Paula e Cláudio Lacerda. Antes de o disco sair, foi promovida uma concorrida turnê de shows que percorreu várias cidades paulistas.

Continue Lendo “1405 – Dupla com 74 anos de histórias de sucessos e mais de 30 prêmios, As Galvão (SP) anunciam final da carreira”

1404 – Cia Cabelo de Maria comanda arraiá virtual na Casa Museu Ema Klabin (SP)*

#SantoAntonio #SãoJoão #SãoPedro #FestaJunina #CulturaPopular #CasaMuseuEmaKlabin

*Com Cristina Aguilera, Midia Brazil Comunicação Integrada

A Casa Museu Ema Klabin entrou no clima das folias juninas e neste sábado, 26, transmitirá a partir das 16h30 pelo seu canal virtual (cujo linque estará ao final desta atualização) o espetáculo São João do Carneirinho, apresentado pela Cia Cabelo de Maria. O grupo paulistano estará à frente do arraiá online para, ao vivo, tocar e cantar clássicos do gênero como atração do programa #TardesMusicaisEmCasa. O repertório divulgado inclui O sanfoneiro só tocava isso (Geraldo Medeiros e Haroldo Lobo), Olha Pro Céu , São João na Roça , São João do CarneirinhoPiririPau de AraraFogo sem Fuzil (Luiz Gonzaga); SabiáImbalançaRiacho no Navio (Luiz Gonzaga e Zé Dantas); MenininhaPisa o MilhoMasseira (Domínio Público); No meu Pé de Serra (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira); Para Pedro (José Mendes), Farofa fá (Mauro Celso) e Vida de Viajante (Luiz Gonzaga e Hervê Cordovil).

A proposta de São João do Carneirinho é embalar sem tirar ninguém de casa todas as faixas etárias em show concebido com o intuito de, apesar da pandemia da Covid-19, celebrar o período em que se agradece pelas colheitas realizadas, são acesas fogueiras e feitos novos pedidos para o próximo ano, rituais e tradições que neste ano, ainda por força da doença, ainda não podem ser realizados abertamente e em público. A Cia Cabelo de Maria é formada por Renata Mattar (voz, sanfona e direção geral), Nina Blauth (percussão e voz), Gustavo Finkler (violão, voz, arranjos e direção musical), Micaela Marcondes (violino e vocal), Clara Dum (flauta e voz) e Paulo Pixu (percussão e voz). 

O espetáculo que será transmitido tem apoio cultural do Governo do Estado de São Paulo, por meio do ProAC-ICMS da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e patrocínio da Klabin S.A. Para sintoniza-lo, bastará visitar o linque https://www.youtube.com/channel/UC9FBIZFjSOlRviuz_Dy1i2w

Para mais informações, há as redes sociais abaixo. A classificação etária é de 16 anos.

Instagram: @emaklabin Facebook:  https://www.facebook.com/fundacaoemaklabin/ Twitterhttps://twitter.com/emaklabin/Sitehttps://emaklabin.org.br/

A voz das lavadeiras

A Cia Cabelos de Maria tem ao lado de Gustavo Finkler entre seus fundadores, em 2007, Renata Mattar, formada em canto lírico pela faculdade Santa Marcelina e ex- diretora musical das apresentações Romeu e Julieta Auto do Rico Avarento, ambas do grupo Romançal de teatro, formado por Ariano Suassuna, e de Auto da Paixão, de Romero de Andrade Lima. Como cantora e acordeonista, fez parte do grupo As Orquídeas do Brasil, de Itamar Assumpção, além das apresentações A Vida É Sonho, de Gabriel Villela e Palavra Cantada, de Antonio Nóbrega.

Inicialmente, a proposta da Cia Cabelo de Maria era fazer um espetáculo com vasto material recolhido por Renata Mattar em mais de 10 anos de pesquisa pelo Brasil registrando cantos de trabalho — manifestações de comunidades que trabalham em mutirão cantando ou que alguma vez tivessem cantado no trabalho coletivo e ainda lembrassem daquelas cantigas. Levou um espetáculo deste perfil à unidade Pinheiros e ali surgiu um convite do Sesc para a gravação do primeiro álbum do grupo, com aquelas canções, lançado em dezembro de 2007. As faixas têm participação das destaladeiras de fumo de Arapiraca (SE) e trouxeram reconhecimento do público e da crítica especializada.

As cantigas recolhidas vêm das destaladeiras de fumo de Arapiraca, das descascadeiras de mandioca de Porto Real do Colégio (AL), das plantadeiras de arroz de Propriá (SE), da farinhada da comunidade de Barrocas (BA), da colheita de cacau de Xique-Xique (BA), da bata do feijão de Serrinha (BA) e das fiandeiras de algodão do Vale do Jequitinhonha (MG).Musicalmente, os arranjos privilegiam o formato acústico, passeando por uma variada gama de estilos e ritmos regionais brasileiros. As vozes femininas vêm em primeiro plano, auxiliadas pelos cantos e contracantos do violão, da viola caipira e do violino. A percussão é feita com instrumentos convencionais e com os próprios objetos utilizados na lida.

Em 2009 a gravadora Pôr do Som convidou a Cia Cabelo de Maria para gravar outro disco, com canções do período junino e dedicado ao público infantil: São João do Carneirinho. Em 18 canções, reúne repertório cheio de brincadeiras que convidam o público a participar cantando e fazendo várias atividades, simultaneamente à celebração do período junino, quando se agradecem pelas colheitas realizadas e se acendem as fogueiras fazendo pedidos para o próximo ano. Coco, xote, baião, marchinhas, formam a riqueza e a variedade de ritmos para alegrar em São João do Carneirinho e ainda homenageiam Luiz Gonzaga, o eterno rei do baião, que tantas canções de São João compôs. O espetáculo foi contemplado pelo projeto Rumos – Itaú Cultural e gravou o seu DVD no mês de julho de 2011.

 

1403 – Carlinhos Ferreira (MG) lança Fragmentos e Trilhas, álbum concebido em retiro espiritual no Caparaó capixaba

#MúsicaInstrumental #MúsicaBrasileira #CulturaPopular #Caparaó #ParqueNacionaldoCaparaó 

Disco que sai pela Quae Música é o quarto da carreira do compositor e percussionista e foi produzido durante seu recolhimento em uma das regiões mais marcantes do Brasil, entre o ES e MG 

O percussionista e compositor mineiro Carlinhos Ferreira acaba de disponibilizar neste domingo, 20, em todas as plataformas digitais, Fragmentos e Trilhas, seu quarto álbum de carreira e o segundo solo, pela Quae Música. As nove faixas, todas instrumentais, foram geradas aproveitando os rigores da pandemia da Covid-19 durante retiro espiritual e artístico de cinco meses do músico na porção capixaba da Serra do Caparaó — uma extensão da Mata Atlântica cercada por belezas naturais e que abriga o Parque Nacional do Caparaó, área que se tornou famosa no final da década dos anos 1960 por concentrar atividades de um dos primeiros grupos guerrilheiros de enfrentamento ao nefasto regime militar que se manteve no país até 1985. A utilização nos arranjos de diversos instrumentos musicais presentes no Brasil e em outros países (de cordas, de sopro e de percussão, alguns artesanais, por exemplo) que buscaram captar esta atmosfera mágica, de resistência e de transcendência resultou em um álbum definido pela cantora, escritora e compositora Consuelo Maryákoré de Paula como um “grito de vida”, um trabalho em tempos de isolamento e de pandemia “pra se ouvir com urgência”.

Continue Lendo “1403 – Carlinhos Ferreira (MG) lança Fragmentos e Trilhas, álbum concebido em retiro espiritual no Caparaó capixaba”

1402 – Conheça Mateus Aleluia (BA), voz que une a ancestralidade afro e a identidade cultural da Bahia à música brasileira

#Bahia #África #Candomblé #MúsicaBrasileira #MPB #MúsicaDePonto #Religião #CulturaPopular #Yoruba #Ioruba

As tradicionais audições matinais aqui na redação do Barulho d’água Música, no Solar do Barulho, na Estância Turística de São Roque (SP) começaram neste dia 12 de junho com Olorum, terceiro disco solo do baiano de Cachoeira Mateus Aleluia, disponibilizado apenas em versão digital pelo Selo Sesc no ano passado. O disco, que sucede Cinco Sentidos (2010) e Fogueira Doce (2017), traz em 13 faixas um tributo à divindade Olorum (Dono Além do Céu) que, na mitologia Yorubá e em algumas religiões de matriz africana é o ser supremo, responsável pela existência da humanidade e dos orixás. É o criador de tudo e de todos.

Como é o deus supremo, Olorum significa o Dono do Céu. Foi ele o responsável por criar todos os deuses – ou orixás – e também por dividir o universo sobrenatural, o Orum, do mundo em que os homens vivem – Aiê. Por fim, ele também pode ser reconhecido como Olodumare. .

Continue Lendo “1402 – Conheça Mateus Aleluia (BA), voz que une a ancestralidade afro e a identidade cultural da Bahia à música brasileira”

1401 -Marcelo Kamargo (MG) lança novo disco Samba É Amor pela Kuarup

#Samba #BossaNova #MPB #CulturaPopular #MG #MúsicaPopularBrasileira #BeloHorizonte

Quarto álbum do artista mineiro  radicado em Belo Horizonte, dedicado aos grandes sambistas, recebe as participações de Celinha Braga e Ana Espí

Samba É Amor é o título do quarto trabalho de Marcelo Kamargo, compositor, violonista e intérprete mineiro, nascido em Coronel Fabriciano e que estreou em 2001 com Clarão da Noite. Desde então, lançou mais dois trabalhos, Zerundá (2004) e Além do Sol (2008). No formato independente, o artista revelou um marcante ecletismo nas mais variadas vertentes da MPB. Nesse novo projeto, Marcelo Kamargo se reconecta com suas raízes ancestrais e se entrega de corpo e alma ao samba. Assim, realiza um tributo aos grandes sambistas brasileiros que foram suas referências nesse gênero musical. A aventura muito bem-sucedida de Marcelo Kamargo transita entre o samba mais tradicional, em composições influenciadas por Nelson Cavaquinho, Cartola, Adoniran Barbosa, Pixinguinha, dentre outros, fazendo uma ponte com os bossa novistas Paulinho Nogueira, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e Toquinho. As gerações seguintes de sambistas também não ficaram à margem desse processo criativo, pois é assíduo ouvinte de Ruy Maurity, Benito de Paula, Paulinho da Viola, João Nogueira, Paulo César Pinheiro, Gonzaguinha, João Bosco, Aldir Blanc, Chico Buarque e Zeca Pagodinho.

Continue Lendo “1401 -Marcelo Kamargo (MG) lança novo disco Samba É Amor pela Kuarup”

1400 – Tavinho Limma (PE/SP) mergulha na obra de Fagner e lança homenagem em treze faixas ao cearense

#MPB #MúsicaBrasileira #Fagner #RaimundoFagner #CulturaPopular #MúsicaNordestina

Com participação de Paulinho Pedra Azul, treze perolas do repertório do controvertido músico nordestino fazem parte do nono álbum do ex-integrante da Banda Pau e Corda

As audições matinais aos sábados aqui no Solar do Barulho, onde fica a redação do Barulho d’água Música, na Estância Turística de São Roque (SP), começaram neste dia 5 de junho com O Mundo de Raimundo, disco lançado em 2020 por Tavinho Limma e disponibilizado em plataformas digitais pela produtora e gravadora Kuarup. O álbum em homenagem ao cantor e compositor cearense que com voz rascante e timbre árabe tanto embalou este jornalista na juventude (e até hoje o admira) traz 13 canções do eclético repertório de Raimundo Fagner. Se hoje muitos na crítica torcem o nariz para Fagner e o riscaram do caderninho por conta de posições artísticas e políticas mais recentes, outros tantos zeram tais observações e, deixando de lado a patrulha ideológica, reconhecem com justiça — como este blogueiro — a inegável qualidade da sua contribuição à música e à cultura populares brasileiras, fazendo dele um dos mais luminosos astros entre os quais podem se citar, ainda, Milton Nascimento, Chico Buarque, Caetano Veloso, Alceu Valença, Geraldo Azevedo e, para ficarmos apenas nas vozes masculinas, já fora deste plano Gonzaguinha, Dominguinhos e Belchior.

Desde 1971 até 2020, Fagner já brindou os inúmeros fãs de ao menos três gerações com cerca de 40 álbuns solo — sem contar aqueles nos quais participa, por exemplo, ao lado de outras referências luminares como Ney Matogrosso, Zé Ramalho, Luiz Gonzaga, Zeca Baleiro e até o craque Zico, entre outros trabalhos que mesclam em uma primeira e inventiva fase desde a poesia e composições de Ferreira Gullar, Garcia Lorca, Pablo Milañes, Antonio Machado, Fernando Pessoa, Patativa do Assaré e Florbela Espanca ao rock rural e ritmos latinos e mouros às raízes nordestinas; duetos icônicos com Mercedes Sosa, Joan Manoel Serrat e Rafael Alberti, por exemplo, antes da bem sucedida guinada na década dos anos 1980, quando, para agradar um público menos intelectual e exigente, plateia pouco afeita a estéticas e linguagens inovadoras, assumiu perfil romântico, até explodir em trilhas sonoras de novelas da Rede Globo.  Muito mais do que uma borbulha de sabão que o vento dissolve como espuma, continua firme e dentro do seu atual estilo, formando o time daqueles que já emplacaram a casa dos 70 anos de vida nesta estrada que, atualmente, ninguém sabe onde nos levará, seja pela perseguição e pelo esvaziamento da cultura, seja pelo negacionismo da pandemia da Covid-19 em meio a retrocessos  de todas as ordens que, como cebola cortada, tanto nos fazem chorar.   

Nesta esteira que já chega aos 50 anos de história, Fagner perdeu a unanimidade entre quem lá atrás foi bicho-grilo, mas os “bregaldos” os amam e consagrou compositores como Abel Silva, Petrúcio Maia, Manassés, Sueli Costa, Clodo, Climério & Clésio e Fausto Nilo, mostrando que somos um celeiro inesgotável quando o assunto é música. E parte de seus álbuns arrebataram sucessivamente discos de ouro (vendas acima de 100 mil cópias) e platina (acima de 500 mil), superando em 1987, com Romance no Deserto (“eu tenho a boca que arde como sol, o rosto e a cabeça quente”…) mais de 1 milhão!. Joia rara, seu primeiro filho solo, Manera Fru Fru Manera (1973), incluiu em sua primeira versão Canteiros, sucesso baseado no poema A Marcha, de Cecilia Meireles, com música de Fagner, até hoje cantado em rodas de violões depois de ecoar por todo o Brasil — um verdadeiro “balaço” que vem riscando o tempo saído do disco produzido por Roberto Menescal e pelo próprio cantor, com arranjos de Ivan Lins e participações especiais de Nara Leão, Naná Vasconcelos e Bruce Henry. Dois anos depois, Fagner foi eleito por jornalistas paulistas o Cantor do Ano. Em 1990, o Prêmio Sharp de Música Popular o reconheceu como Melhor Cantor, autor do Melhor álbum (O Quinze), da Melhor canção (Amor Escondido, parceria com Abel Silva) e, de quebra, o quarto troféu: Melhor disco regional (Gonzagão e Fagner Vol. 2.)

Tavinho Limma pinçou cuidadosamente deste baú as pedras que resolveu polir e, apesar de um disco sintético/enxuto diante de tão copioso tesouro, conseguiu alinhavar as duas facetas do polêmico Fagner, deixando na boca de quem ouve um gosto de quero mais. Zeca Baleiro, junto com o mineiro Chico Lobo, tornou-se um dos padrinhos de O Mundo de Raimundo: ambos demonstraram que ao mirar, sabiam no que apostavam, que não errariam, que seria mesmo um tiro bem dado. O projeto que Tavinho Limma primeiro concretizou por meio de uma concorrida vaquinha virtual para produção dos discos físicos não deu nem para o cheiro: virou ouro em pó! Por sorte, a Kuarup topou disponibilizá-lo em versão eletrônica, já que as tiragens do cedê se esgotaram rapidamente e acessando ao linque logo abaixo desta linha será possível ouvir o disco na íntegra.

As 13 faixas começam com A canção brasileira, com participação do mineiro Paulinho Pedra Azul, depois rememoram clássicos como Mucuripe, parceria entre Fagner e o conterrâneo Belchior, que Roberto Carlos, Elis Regina e Amelinha também interpretam; Noturno e Pedras que Cantam, temas das novelas Coração Alado (1980) e Pedra Sobre Pedra (1992); Guerreiro Menino, de Gonzaguinha, também tocada em Voltei Pra Você (1983), todas da Rede Globo; mais perolas tais como Espumas ao Vento, Astro Vagabundo, Cebola Cortada, Ave Coração e Revelação.

Natural de Recife (PE), radicado em Ilha Solteira (SP), Tavinho Limma é cantor, compositor e produtor de eventos. Ex-integrante da Banda de Pau e Corda, apresentou-se em vários eventos tradicionais pernambucanos como carnavais (em O Galo da Madrugada) e Festas Juninas de Caruaru e Recife. Sua discografia possui nove discos solos, lançados desde o primeiro elepê em 1989 — Intenções, da Gravadora Continental/Colibri, em cujas faixas Tavinho Limma interpreta canções de Oswaldo Montenegro, Fátima Guedes e Beto Mi. Entre os parceiros musicais e artísticos ao longo da carreira, destacam-se nomes como Jane Duboc, Tetê Espíndola, Antonio Calonni, Martha Medeiros, Paulinho Pedra Azul, Chico Lobo, Oswaldinho do Acordeon e Ivan Vilela. Como produtor de shows, esteve também com Tetê Espíndola, além de Dani Black e Grupo Voz.

Por diversas vezes, Tavinho Limma se apresentou na Capital bandeirante, cidades da Grande São Paulo e do Interior paulista, seja como atração de edições da Virada Cultural, festivais, projetos culturais ou em concertos solo, passando por Osasco, Cunha (Festa do Pinhão), Concurso de Marchinhas de São Luiz do Paraitinga, Festival de Música de Avaré (Fampop), Festival de Música de Tatuí, Festival de MPB de Ilha Solteira, entre outros eventos. Em 2012, participou da trilha sonora da novela Carrossel, do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), com a canção Malfeito, dele e de Rita Altério, tema do personagem Firmino. Também esteve no palco do Bar Brahma para o Projeto Talento MPB, dirigido por Lenir Boldrin.

1399 – João Paulo Amaral (SP) comemora 20 anos de carreira com álbum que une sonoridade contemporânea às raízes*

#MPB #MúsicaIndependente #ViolaBrasileira #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ClubeDaEsquina #RenatoAndrade #AlmirSater

Aço da Terra já está disponível nas principais plataformas digitais com faixas que unem sonoridade contemporânea e inventiva sem abrir mão das raízes tradicionais

*Com Rafael Bittencourt, Tempo D Comunicação e Cultura

Como forma de celebrar seus 20 anos de carreira dedicados à viola caipira e na busca por ampliar seus horizontes sonoros, o músico e compositor João Paulo Amaral, que mora em Campinas (SP), lança hoje, 4 de junho, nas principais plataformas digitais, Aço da Terra. O álbum sintetiza a proposta de buscar uma sonoridade contemporânea e inventiva (Aço), mas sem abrir mão das raízes tradicionais (Terra). O projeto foi financiado com recursos do ProAC Edital (SP) e conta com participação de Alberto Luccas (contrabaixo), Ana Luiza (voz), Cleber Almeida (bateria), Ricardo Herz (violino) e Valdo Amaral, pai de João Paulo, que tem 82 anos. Aço da Terra traz em seu repertório composições instrumentais do violeiro e seus arranjos para canções como Clube da Esquina no 2 (Milton Nascimento, Lô e Márcio Borges) e Cuitelinho (Domínio Público).

Continue Lendo “1399 – João Paulo Amaral (SP) comemora 20 anos de carreira com álbum que une sonoridade contemporânea às raízes*”

1398 – Nelson Sargento: homenagem do Vasco da Gama e o frio silêncio dos que atravessam o samba e jogam contra a vida

#Samba #Mangueira #Carnaval #CulturaPopular #MPB

#MáscaraSalva #FiqueEmCasa

#Liberdade #Tolerância #Diversidade #Respeito #Pluralidade #Liberdade #Democracia #ImprensaLivre #JornalistasAntiFascistas

#ForaBolsonaro

No ano II d.C., algumas coisas parecem ainda mais fora da ordem no Brasil. Não que por aqui, antes da pandemia, tenhamos experimentado viver digamos, dentro de um cenário de normalidade. Na economia, por exemplo, o desemprego já era mais do que um grito retumbante, na política a volta ao passado e a instituição do absurdo, por exemplo, marchavam em ritmo acelerado, com o ponteiro que conduz a boiada mugindo grosso em seu cercadinho e pelas mídias sociais, “negão” comandando a Fundação Palmares onde (entre outras aberrações) ataca a negritude e devassa biografias como a de Milton Nascimento, Benedita da Silva, Marina Silva, entre outros manos de responsa que não pagam pau para branco. Ah, isto sem falar nos “trupicões” do secretário de Cultura de plantão, que já nestes tempos pandêmicos anda e se deixa ver armado e, carregado em ss, escreve mensagens com erros crassos e grosseiros ao capitão, ao invés de, por exemplo, emitir uma nota institucional de pesar, de solidariedade, por perdas na últimas semanas de Paulo Gustavo, Eva Wilma, Nelson Sargento, entre tantos brasileiros, alguns abatidos pela Covid-19, terrível flagelo que, parece, virá arrebentando ainda mais nesta terceira onda.

Continue Lendo “1398 – Nelson Sargento: homenagem do Vasco da Gama e o frio silêncio dos que atravessam o samba e jogam contra a vida”

1397 -Disco de estreia da dupla Élcio Dias & Amorim celebra a obra de Pena Branca & Xavantinho

#MúsicaCaipira #ViolaCaipira #MúsicaIndependente #CulturaPopular #EmbudasArtes

Álbum que recebe as participações especiais de Elisa Dias e grupo Folia de Reis do Lajedão ganha edição exclusiva nas plataformas digitais

Já está disponível nas plataformas digitais, lançado pela produtora e gravadora Kuarup, a versão digital de Élcio Dias & Amorim Cantam Pena Branca e Xavantinho. A dupla reside em Embu das Artes, cidade da Região Metropolitana Oeste da Grande São Paulo e nesta homenagem aos irmãos José Ramiro Sobrinho (Pena Branca, de Igarapava/SP) e Ranulfo Ramiro da Silva (Xavantinho, nascido em Uberlândia/MG) realizou um trabalho apaixonado, interpretando entre grandes sucessos consagrados nas vozes dos “manos véio” Ramiro pérolas como O Cio da Terra, Vaca Estrela e Boi Fubá, Cuitelinho e Cálix Bento. Gravado no estúdio Don Produções e Estúdio de Gravações, em Itapecerica da Serra (SP), o álbum demandou oito meses de trabalho e dedicação. O projeto tem produção e direção musical assinada pelo duo embuense e arte gráfica da concidadã artista plástica Silvia Maia.

Continue Lendo “1397 -Disco de estreia da dupla Élcio Dias & Amorim celebra a obra de Pena Branca & Xavantinho”

1396 – Luís Kiari convida Elba Ramalho e grava Tomé, evocando fé, esperança e a força nestes tempos de pandemia

#MPB #KuarupMúsica #Paraíba #CulturaPopular

Música está disponível apenas pelas plataformas digitais, lançada pela Kuarup

A partir de hoje, 21, a gravadora e produtora Kuarup disponibiliza, exclusivamente nas  plataformas digitais, Tomé, nova música de Luís Kiari em parceria com Gabriel Garcia que o cantor e compositor paraibano assina e canta, acompanhado pela conterrânea Elba Ramalho.

Kiari acredita que 2021 começou nos pedindo para termos ainda mais esperança, inaugurando um tempo de acreditar que o planeta passa por mudanças significativas, que hoje nos flagelam, mas que nos trarão novo ciclo, um período no qual poderemos voltar a fincar os pés em chão firme e estaremos capazes de encontrar saída para vencermos um dos maiores inimigos que a humanidade já conheceu, o coronavírus, causador da terrível Covid-19. Tomé foi pensada por Kiari para ser seu primeiro lançamento desse ano, evocando coragem, força e fé, imprescindíveis neste momento.

Continue Lendo “1396 – Luís Kiari convida Elba Ramalho e grava Tomé, evocando fé, esperança e a força nestes tempos de pandemia”

1393 – Conheça o premiado “one man band” que o Inter (RS) perdeu para o lugar de Falcão: Oly Jr.

“Um homem é um sucesso se pula da cama de manhã e vai dormir à noite, e, nesse meio tempo faz o que gosta” – Bob Dylan

“Pedras que rolam não criam musgo.” – Muddy Waters

“O que me impressiona, à vista de um macaco, não é que ele tenha sido nosso passado: é este pressentimento de que ele venha a ser nosso futuro.” – Mario Quintana

As tradicionais audições aos sábados pela manhã aqui no boteco do Barulho d’água Música, em São Roque (SP), começaram neste dia 15 de maio excursionando desde o Guaíba ao Mississipi com Dedo de Vidro, o 11º título da discografia de treze autorais ou com participação do premiado gaúcho Oly Jr, nascido em e morador da Capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Dedo de Vidro tem como força motriz, em termos estéticos e sonoros, a intervenção do slide em todas as faixas. O slide é um objeto cilíndrico (ou um tubo) que pode ser feito de vários materiais, mas os mais usados são os de metais, de vidro ou de porcelana, como o de Oly. É usado para produzir efeitos sonoros, deslizando-o em algum instrumento de cordas, geralmente violão ou guitarra.

Continue Lendo “1393 – Conheça o premiado “one man band” que o Inter (RS) perdeu para o lugar de Falcão: Oly Jr.”

1391 – Milton Guapo (MT) lança, pela Kuarup, álbuns com Orquestra de Mato Grosso e regência de Leandro Carvalho

#MT #Berrante #MúsicaPantaneira #PantanalMT  #Rasqueado #Cáceres #OEMT #CulturaPopular #BrasilProfundo

O Berrante Pantaneiro e Pantanal Sinfônico já podem ser ouvidos exclusivamente nas plataformas digitais

Já está disponível nas plataformas digitais O Berrante Pantaneiro, álbum do músico Milton Guapo, em parceria com a Orquestra de Mato Grosso (OEMT), lançado pela produtora e gravadora Kuarup. As composições são de autoria de Guapo, nascido em Cáceres (MT), e trazem como “solista” o berranteiro Chico do Berrante, que entoa seu instrumento de trabalho junto com a OEMT para acompanhar os movimentos da sinfonia. Guapo é um pesquisador da cultura mato-grossense, em especial a da Baixada Cuiabana e do Pantanal e, certo dia, sentiu uma vibração que mais parecia o eco de um cânone das escalas e modos que ouvia quando criança.

Continue Lendo “1391 – Milton Guapo (MT) lança, pela Kuarup, álbuns com Orquestra de Mato Grosso e regência de Leandro Carvalho”