1179 – Fabrício Conde (MG), autor de Fronteiras, representa Brasil em encontro de tiples na Colômbia

As audições que promovemos aos sábados aqui no boteco do Barulho d’água Música, neste 20/4 que é de Aleluia e véspera da Páscoa, começaram com Fronteira, álbum do compositor, escritor e violeiro Fabrício Conde, de Juiz de Fora (MG) lançado em 2015. Conde será um dos destaques entre as atrações e eventos que serão promovidos durante o X Encontro Nacional de Tiple (Encuentro Nacional del Tiple), entre 25 e 28 de abril, em Bogotá, capital da Colômbia, país vizinho ao Brasil, na América do Sul. Conde está confirmado para abrilhantar painéis, oficinas e apresentações, incluindo o concerto da noite de encerramento (veja a programação, conforme divulgada pelos organizadores, ao final desta atualização).

Continue Lendo “1179 – Fabrício Conde (MG), autor de Fronteiras, representa Brasil em encontro de tiples na Colômbia”

Anúncios

1178 – Espirais em Aquarela, álbum de estreia do Araucana (RS), inaugura a estética da “milonga desconstrutiva”

Disco lançado no Festival de Música de Rua de Caxias do Sul tem nove faixas que buscam  fusão de pessoas de mundos diferentes dentro de um mesmo trabalho, mesclando ritmos latinos com groove, rock e trip-hop

As audições matinais dos sábados pela manhã aqui no boteco do Barulho d’água Música começou neste dia 13/4 com Espirais em Aquarela, primeiro álbum do grupo Araucana, de Caxias do Sul (RS), gentilmente nos enviado pelo amigo daquela cidade, o violeiro e produtor musical Valdir Verona, a quem agradecemos em nome do grupo. O Araucana propõe em nove faixas apresentar o estilo que batizou de “milonga desconstrutivista”, fundindo vertentes da música latino-americana  com groove, rock e trip-hop para tentar imprimir nas composições o clima de temperaturas amenas do Sul do Brasil, que, conforme os músicos observam, é o ambiente ideal para as araucárias

Continue Lendo “1178 – Espirais em Aquarela, álbum de estreia do Araucana (RS), inaugura a estética da “milonga desconstrutiva””

1177 – Kuarup lança em plataformas digitais dois álbuns inéditos do cantor e compositor Johnny Alf

Gravações ao vivo compiladas nos discos O Autor e O Intérprete
trazem a genialidade de um dos fundadores da Bossa Nova

A produtora e gravadora Kuarup está lançando em todas as plataformas  digitais duas compilações inéditas de registros ao vivo do cantor e compositor Johnny Alf, realizadas no início da década dos anos 2000, abordando suas vertentes de autor e de intérprete consagrado da Bossa Nova. As gravações fazem parte do acervo de Nelson Valência, produtor e empresário de  Alf.  O raro material foi organizado e compilado pelo jornalista e produtor musical Thiago Marques Luiz para celebrar a obra  e comemorar os 90 anos do músico que completaria 90 anos em 19 de maio.

Continue Lendo “1177 – Kuarup lança em plataformas digitais dois álbuns inéditos do cantor e compositor Johnny Alf”

1176 – Sidnei de Oliveira ministra aula introdutória à filosofia da viola caipira na Casa do Saber (SP)

Mário de Andrade em diálogo com Nietzsche, Schopenhauer e Adorno para a elucidação e entendimento da filosofia que reveste a viola caipira e os elementos desta cultura é a proposta da aula aberta programada para ser ministrada pelo compositor, arranjador e violeiro Sidnei de Oliveira em 3 de maio, entre 20 e 22 horas, na Casa do Saber (clique para acessar o portal) situada na cidade de São Paulo. A inscrição é gratuita, mas precisará ser efetivada com antecedência pelo portal da Casa do Saber. Como as vagas serão limitadas e sujeitas à lotação do espaço, no dia do evento a ocupação dos lugares  respeitará a ordem de chegada  e não haverá reserva de assentos. Após Sidnei iniciar, os lugares ainda disponíveis serão cedidos àqueles  que estiverem aguardando por vaga, por isso recomenda-se aos que se inscreverem procurarem se organizar e evitar atrasos.

Continue Lendo “1176 – Sidnei de Oliveira ministra aula introdutória à filosofia da viola caipira na Casa do Saber (SP)”

1175 – “Violas ao Sul” estreia em álbum que reúne músicas do cancioneiro gaúcho e brasileiro

O quarteto difunde a versatilidade da viola de 10 cordas como instrumento musical e de manifestação cultural empregada para tocar desde canções folclóricas a músicas contemporâneas de qualquer região do país e do mundo, com foco especial àquelas que trazem marcas de pertencimento à cultura gaúcha

A audição matinal dos sábados neste 6 de abril, aqui no boteco do Barulho d’água Música, finalista do 5° Prêmio Profissionais da Música, começou pelas 13 faixas do álbum de estreia do quarteto Violas ao Sul. O disco nos foi enviado gentilmente por Valdir Verona, um dos seus integrantes e querido amigo, ao qual em nome dos parceiros Angelo Primom, Mário Tressoldi e Oly Júnior somos gratos. O disco foi gravado entre outubro de 2018 e janeiro, com produção geral de Tressoldi.

Continue Lendo “1175 – “Violas ao Sul” estreia em álbum que reúne músicas do cancioneiro gaúcho e brasileiro”

1174 Socorro Lira lança “Cantos à Beira-mar”, 12º álbum da carreira, inspirado em primeira romancista brasileira

 Apresentação no Auditório do Ibirapuera terá participação da escritora Maria Valéria Rezende, da acordeonista Cimara Fróis e da cantora Fabiana Cozza. Maria Firmina dos Reis (MA) é contemporânea de Castro Alves, mas destacou-se antes dele por escrever obra abolicionista*

A cantora, compositora  e poetisa de Brejo do Cruz (PB) Socorro Lira lançará Cantos à Beira-mar, 12º álbum da carreira, que reúne dez composições autorais a partir de poemas da escritora e poeta, professora e abolicionista negra maranhense Maria Firmina dos Reis. O nome do álbum da paraibana radicada na cidade de São Paulo é uma referência ao título do livro de poesia Cantos à Beira-mar, de Maria Firmina, lançado em 1871 pela autora que é considerada a primeira romancista brasileira, antecedendo em dez anos Castro Alves, baiano que escreveu Navio Negreiro (1869) com o romance antiescravagista Úrsula (1859), cuja temática é abolicionista.

A apresentação de estreia de Cantos à Beira-mar está prevista para começar às 19 horas do domingo, 14 de abril, no Auditório Oscar Niemeyer do Complexo do Ibirapuera, em São Paulo (ver guia Serviços).

Continue Lendo “1174 Socorro Lira lança “Cantos à Beira-mar”, 12º álbum da carreira, inspirado em primeira romancista brasileira”

1173 – Flautista Maiara Moraes (SC) homenageia Copinha, parceiro de Adoniran e de Pixinguinha, com show no MCB

Música é autora do álbum Nós, que além da obra do paulistano, aborda também a criação de expoentes contemporâneos como Léa Freire, Toninho Carrasqueira e Eduardo Neves e explora as múltiplas possibilidades do instrumento de sopro na cena nacional

A flautista Maiara Moraes, catarinense radicada na cidade de São Paulo, será neste  7 de abri, a atração do projeto Música no MCB, que o Museu da Casa Brasileira promove aos domingos, a partir das 11 horas, com entrada franca. O repertório destacará as faixas do álbum Nós, que Maiara lançou em 2018 a partir de estudo sobre a obra de Nicolino Cópia (1910-1984), o Copinha, um dos mais consagrados nomes do instrumento no Brasil. A música estendeu a pesquisa para os trabalhos de contemporâneos como Eduardo Neves, Léa Freire e Toninho Carrasqueira, entre outros, e alinhavou no disco composições próprias e criações deles.

Continue Lendo “1173 – Flautista Maiara Moraes (SC) homenageia Copinha, parceiro de Adoniran e de Pixinguinha, com show no MCB”

1172 – Espetáculo multicultural em Brasília marca lançamento de “Afrodísia”, de Renata Jambeiro (DF)

Projeto do quarto álbum da cantora brasiliense ressalta a força da mulher e segue a linha de pesquisa  já apresentada nos três anteriores, com sambas que flertam com a cultura popular, dialogam com células rítmicas africanas e passeiam pelo Brasil e pela África*

Afrodísia, novo trabalho da cantora, compositora  e atriz brasiliense Renata Jambeiro, foi lançado em formatos de álbum e de vídeo com um espetáculo multicultural promovido em 25 de março, no Clube do Choro, em Brasília (DF). O projeto Afrodísia segue a linha de pesquisa já apresentada por Renata, com sambas que flertam com a cultura popular, dialogam com células rítmicas africanas, passeiam pelo Brasil e pela África e, dessa vez, refletiram influências da diáspora africana, explorando as culturas portuguesa e latino-americana.

O ponto norteador é a mulher, conforme aponta o texto de apresentação de Afrodísia divulgado pela assessoria de imprensa de Renata, explicando que “Afrodísia é aquela que gera, aquela que se permite dar e receber prazer”. É a dona de si, do seu mundo, a grávida de seus próprios desejos e poderes, pronta para dar à luz toda a própria potência, sua voz, sua verdade, sua sensualidade, sua dor e suas angústias, sua gargalhada mais aberta, seu olhar discreto, suas ordens dilacerantes, sua saia rodada, seu vento, sua espada e seu escudo.

Continue Lendo “1172 – Espetáculo multicultural em Brasília marca lançamento de “Afrodísia”, de Renata Jambeiro (DF)”

1171 – Reforce esteios ouvindo Zé Modesto (SP) ao pé do ouvido e sinta mais leve a nossa cruz

O cantor e compositor independente, que em maio participará da Virada Cultural Paulista de 2019. violonista, é autor de três poéticos discos. O repertório tem o amor como inspiração e este fio alinhava no mesmo tecido uma plêiade de músicos dos mais tarimbados

As audições matinais que promovemos aos sábados aqui em São Roque, Interior de São Paulo, no boteco do Barulho d’água Música, começaram neste dia 30 de março – acompanhadas por Pablito Neruda, um dos gatos da casa, confortavelmente ronronando sobre a vitrolinha– com Ao Pé do Ouvido, terceiro álbum do paulistano Zé Modesto, ao qual agradecemos pelo envio de vários exemplares deste precioso trabalho.

Continue Lendo “1171 – Reforce esteios ouvindo Zé Modesto (SP) ao pé do ouvido e sinta mais leve a nossa cruz”

1170 – Rock, baião e psicodelia fervem no caldeirão de “Paêbiru”, bolachão mais caro da MPB

Quase todo o lote da única prensagem do disco lançado em 1975 por Lula Cortês e Zé Ramalho, tema de março da série  Clássico do Mês, além da fita master, foi destruída por uma enchente em Recife. Os álbuns que sobraram estão em poder de colecionadores ou fora do pais a preço de ouro, por não menos de R$ 4 mil

O Barulho d’água Música retoma neste final de março a série Clássico do Mês, dedicada a um álbum que marcou época na música brasileira. Nesta atualização o disco escolhido é Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol¹ também conhecido simplesmente por Paêbirú ou Peabiru, bolachão duplo de Lula Côrtes Zé Ramalho lançado em 1975 pela extinta gravadora Rozenblit. Paêbiru é o único trabalho lançado em parceria entre os dois, o segundo de Lula Côrtes e o primeiro de Zé Ramalho. Contém uma miscelânea de gêneros musicais como o rock psicodélicojazz, e ritmos regionais do Nordeste e é considerado um dos primeiros discos não declarados da psicodelia brasileira. Chegou a ser o vinil com maior valor comercial no Brasil: bem conservado, um disco da edição original na mão de colecionadores não custaria menos que R$ 4 mil ou até mais. Paêbiru vem acompanhado de um livro que traz estudos sobre a região e informações sobre a lenda do Caminho da Montanha do Sol.

Continue Lendo “1170 – Rock, baião e psicodelia fervem no caldeirão de “Paêbiru”, bolachão mais caro da MPB”