Violeiro de Profissão” abre a porteira para Daniel Franciscão

ImagemImagem

O violeiro Daniel Franciscão nos brindou com um exemplar de Violeiro de Profissão, lançado no segundo semestre de 2013. Primeiro álbum da carreira de Franciscão, que também é fundador, regente e diretor musical da Orquestra de Violeiros Terra da Uva, de Jundiaí, o disco tem 13 faixas, duas com as participações de Cláudio Lacerda e de Wilson Teixeira. Ricardo Vignini, das bandas Matutos Modernos, Dotô Tonho e Mano Sinistra, toca em 12. Abrindo a porteira. Esta é, por sinal, uma das músicas instrumentais escolhidas para o repertório, juntamente com 8. Rio do Peixe”. Zé Paulo Medeiros também está presente, em 3. Casinha na Colina”, e Renato Teixeira torna o disco ainda mais marcante em9. Noite Serena”.

A cortesia foi feita na quarta-feira, 4 de junho, após a participação de Franciscão e Sérgio Turcão acompanhando o convidado especial Lucas Ventania (MG) na gravação de mais um programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin, a ser apresentado em breve pela TV Cultura.

“Violeiro de Profissão” é uma mistura de muito bom gosto de sons brasileiros e andinos, passeando por ritmos como baião, chamamé e toadas entre outras muitas influências que tornam a obra diversa e sem fronteiras. O universo das 10 cordas da viola caipira está muito bem representado, traduzindo as plurais linguagens do instrumento em canções de identidade singular. Elas evocam e trazem para o ouvinte mensagens de simplicidade, admiração à natureza e amor à profissão de cantador e de violeiro.

Contatos com Daniel Franciscão podem ser feitos pelo endereço virtual daniel.franciscão@hotmail.com.

Fotos:

Da esquerda para a direita: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin (Marcelino Lima)

Daniel Franciscão autografa “Violeiro de Profissão” para este blogueiro (Andréia Beillo)

 

Anúncios

Siga firme na paçoca, moço de Avaré!

Foto: Marcelino Lima
Wilson Teixeira na Virada Cultural de Americana, em 25 de maio de 2014

 

Hoje, 9, é aniversário do violeiro Wilson Teixeira, autor de “Almanaque Rural” (2007). Parabéns e que a estrada do sucesso seja longa para tuas cantorias! Siga firme na paçoca!

Foto: Marcelino Lima

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Festa junina no Morumbi apresenta Cláudio Lacerda

Imagem

Imagem

Tiago Passos

O Barulho d’água acompanhou no sábado, 7 de junho, parte da programação do primeiro dia do “45º Arraiá do Paineiras”, promovido pelo tradicional Clube Paineiras do Morumby, situado na Zona Sul de São Paulo. Uma das atrações, o cantor e compositor Cláudio Lacerda, ocupou o palco acompanhado por Robson Russo (viola) e Tiago Passos (contrabaixo). Ao público, Lacerda apresentou entre outros clássicos da música de raiz “Vide e Vida Marvada”, de Rolando Boldrin, com a qual abriu a cantoria.

O autor de São Luiz do Paraitinga Elpídio dos Santos foi lembrado com “Você vai gostar”, também conhecida por “Casinha Branca”. De Renato Teixeira, Cláudio Lacerda escolheu “Meu Veneno” e “Romaria”. Pena Branca e Xavantinho, homenageados por meio de “Calix Bento” e “Cai sereno, cai”, e Tonico e Tinoco (“Canta moçada”), enriqueceram o repertório preparado com muito bom gosto para a festança caipira.

Músicas dos três álbuns de Cláudio Lacerda (“Alma Lavada, “Alma Caipira” e “Cantador”) complementaram a lista. Um dos maiores sucessos desta trilogia, “Canto Brasileiro”, ele assina em parceria com Eduardo Santana e no álbum “Cantador” tem a participação de Dominguinhos.

A plateia ainda ouviu “Canta que é bonito” (escrita a quatro mãos, com Júlio Bellodi) e “Bons Amigos”, moda das mais consagradas do violeiro paulistano, gravada recentemente pelo parceiro de estrada Rodrigo Zanc em “Fruto da Lida”. Zanc, por sinal, é companheiro de Lacerda em projeto de tributo a Pena Branca e Xavantinho. Com o amigo de São Carlos, mais Wilson Teixeira e Luiz Salgado, Lacerda integra o “4 Cantos”.

Vale a pena ressaltar que na sexta-feira, 13 de junho, Dia de Santo Antônio, Lacerda estará de volta ao Morumbi.  Ao lado de Zanc, ele concederá entrevista ao vivo para o “Terra Viva”, canal de agronegócios do grupo Bandeirantes, prevista para começar às 12h30.

 

Legenda:

De cima para baixo: Cláudio Lacerda, Robson Russo e Tiago Passos (Fotos de Marcelino Lima)

 

Borgetthi, Mario Zan e Gonzagão por sete sanfoneiros

Imagem
Maryhelena Gama
Imagem
Benícia de Jesus
Imagem
Claudete Alves
Imagem
Luzia de Almeida

Orquestra Sanfônica de São Paulo: gostou do nome? Então procure conhecer o trabalho deste ótimo grupo que tem à frente a maestrina Renata Sbrighi e cuja casa fica na Rua Pio XI, 570, no bairro da Lapa. Boa parte do público que compareceu no sábado, dia 7 de junho, ao Clube Paineiras do Morumby, à tarde, pode conferir (e curtiu, com certeza!) a animação dos músicos que a integram, entre os quais seis simpáticas senhoras, todas sanfoneiras virtuosíssimas, uma das quais, ainda de quebra, craque com o triângulo e exímia com o pandeiro, Benícia Maria de Jesus.

A Orquestra tocou na abertura do “45º Arraiá do Paineiras”. Muita gente, então, largou a criança (ou os pais!) para arrastar os pés defronte ao palco, entre as mesas, junto às e dentro das barracas de guloseimas, cutucada entre outras modas consagradas e típicas dos festejos juninos tais quais   “Saudades de Minha Terra” (Belmonte e Amaraí),Chalana” (Mário Zan), “Feira de Mangaio” (Luiz Gonzaga e Sivuca), “Milonga para as Missões” (Renato Borghetti). Tradicionais marchinhas de quadrilha como “Capelinha de Melão” também tiraram os sócios do Clube Paineiras do Morumby das cadeiras, ou os fizeram, no mínimo, bater palmas para acompanhar e marcar o ritmo de vários “forrós”.

Para saber mais visite a página www.sanfonica.com.br ou agende uma visita à sede pelo telefone (11)-3834-1512.

Imagem
Maestrina Renata Sbrighi
Imagem
Maria de Lourdes Martins
Imagem
João Baumann
Imagem
Sônia Gut e José Gut “Lemão”