Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Billhete (2)

Deixe um comentário

Arnesto

Arnesto era advogado e jurava de pés juntos que jamais deu bolo no amigo Adoniran Barbosa, mas admitiu que o samba o tocou profundamente, deixou-o partido ao meio

Crônica originalmente publicada em 1 de março de 2014, por Marcelino Lima

A vanguarda de Sampa que já subiu em peso. E também a Velha Guarda, a paulistana e a carioca. Gente das duas Penhas e dos morros da Cidade Maravilhosa, das Vilas Ré, Carrão, Cisper, Ermelino Matarazzo, Brás, das quebradas da ZL, e, claro, da Mooca. Noel Rosa, elegante, estava lá. De prosa e batucada com a Miriam, a da caixa de fósforos. E não era o único representante das gerações mais antigas. Donga chegou e trocou cumprimentos amáveis com Sinhô, puxou uma cadeira e ali mesmo, na hora, ambos começaram a rabiscar uma nova letra. Nem pareciam aqueles de outrora que nem ao menos pelo telefone trocavam um alô um com o outro. Agenor de Oliveira, com um caprichado chapéu feito de jornal, afinava a viola ao lado de Mano Décio quando Clara Nunes entrou. Não é à toa que o mar serenava quando Clara pisava na areia: toda de branco, assim que ela surgiu, tudo ao redor ganhou ainda mais luz, todos ficaram ainda mais iluminados. Com ela vieram Silas de Oliveira, João Nogueira, além de Roberto Ribeiro, e Ismael Silva. Bem naquela hora Dona Zica servia às rodas uma disputada água benta providenciada pelo Bezerra da Silva. Bom cabrito que não berra, o recifense descolara o de beber levando um papo reto com um querubim cuja cara era de destaque de carro alegórico — a quem, ao recompensar, apenas recomendara “aperta, mas não acenda agora!”

Moreira da Silva, Jovelina da Pérola Negra, Paulo Vanzolini, Mussum, e, com a sogra a tiracolo, Dicró. Carlos Cachaça, Herivelto Martins. Além de músicos e cantores contavam-se nada ruins da cabeça ou doentes do pé jornalistas, poetas, jogadores de futebol, atores, cronistas e escritores dos calibres de Mário Lago, Rubem Braga e João Antônio. E para onde se olhava se ouvia uma cuíca roncando, um surdo, um cavaquinho, um tamborim, um repenique, um chocalho. Ambiente de alegria e de camaradagem, misto de Café Nice com barracão em dia de ensaio. Agepê até trouxe um cachorro magro! O bicho, na dele, parecia que descansava junto a um coqueiro, ou a um fogão de lenha numa casinha branca — distante, lá, lá, bem longe, onde não mora ninguém, onde não passa ninguém. Ataulfo Alves até tentou brincar com o totó, que, no entanto, manteve-se impassível. Nem mesmo uma escultural mulata desfilando para lá, e para cá, para lá, e para cá, perturbou o cão. Dizia a moça que só estaria tentando se aproximar para pedir ao Guilherme de Brito que cantasse “Meu Dilema”; atento, o sempre parceiro e eterno companheiro do Guilherme, Nelson Cavaquinho, encontrou um jeito de contornar a saia-justa (a bem da verdade, menos que saia, e bem mais que justa): dedilhou seu violão e, em dueto com Clementina de Jesus, ofereceu à fã do amigo “Quando eu me chamar saudades”, sucesso de ambos que nenhum dos presentes tirou como ironia considerando-se as circunstâncias daquela festa!

Ah, sim, a festa! Neste momento, o anfitrião Adoniran Barbosa se tocou: “Ih, seu Gervásio, cadê aquele malandro que até agora não chegou?” E, depois, virando-se para a “Pimentinha”: “Só está faltando ele, e, há horas, já era para estar aqui. Será que aconteceu algo com nosso récem admitido, Elis?” A mesma pergunta repetida de mesa em mesa ficou sem resposta, o silêncio cresceu até todos se aquietarem com cara de ué. O Mato Grosso, olhando para o Joca, deu de ombros, soltou um muxoxo e abriu os braços. Para tentar descontrair, o Moacir ainda gritou “ah, gente, vai ver que ele perdeu o trem das onze!”, bravata pela qual acabou levando um tremendo beliscão da Gabriela. Foi então que a Iracema, ainda sem as meias e sem os sapatos, pediu a palavra. Ela acabara de encontrar um bilhete ponhado debaixo da porta com um que recado dizia assim, ó:  

“Ói, turma, num deu pra chegá. Tava vindo, mais incontrei o Tim Maia. Ele me disse que tinha de dar um show, mas preferiu ir pescá e me convidou. Ah, duvido que isso num faz mar, num tem importância, nem vai deixar ninguém com réiva como daquela outra vez, que, por sinar, não aconteceu. Assinado em cruz porque ainda num sei iscrevê. Arnesto”

N.R. 1: Diversas outras estrelas, ou, agora, anjos de várias vertentes da música e do mundo artístico, colaram na parada que Adoniran Barbosa (vestindo uma beca branca e um sapato da mesma cor bem apertado no pé) e o pessoal do samba prepararam para recepcionar o Arnesto. Paco de Lucia, por exemplo. O violonista que, por sinal, pegou o elevador no mesmo dia e, assim subiu com o Arnesto. Foi recebido com um largo sorriso por Dorival Caymmi. Paco, entretanto,  ficou pouco tempo. Após reencontrar o amigo baiano e confidenciar a Caymmi que sonhava mesmo “por julgar ser mais doce” morrer no mar, despediu-se de todos com uma reverência bem ao seu estilo flamenco. Era aguardado em outro salão na qual estavam, entre outros, Andrés Segóvia — o clássico guitarrista espanhol do qual, apesar de haver tão notórias diferenças de estilo, e até mesmo de posturas entre ambos, o andaluzo jurou que não guardava inimizade. Paco de Lucia também comentou que ansiava por dar um abraço em Pablo Neruda e em Victor Jara. E, quem sabe, enfim, acompanhar Violeta Parra em “Volver a los 17”.

Entre os jornalistas vale a pena contar que Ubirajara Coutinho e Daniel Soares, um corintiano, outro são-paulino, trocaram figurinhas para além do tempo regulamentar, da prorrogação e da decisão por penâltis com Sócrates e mestre Telê Santana. Um dos assuntos em pauta era qual clube teria o melhor time: se o São Paulo, durante o bicampeonato mundial conquistado em 1992/1993, ou o Corinthians, que em 2012 igualou o feito do rival do Morumbi ao invadir o Japão. Jesse Navarro, tal qual o Dani abnegado tricolor, entendeu-se, mesmo, foi com outro filho da Boa Terra, Jorge Amado, que entrevistara para coleção chamada “Literatura Comentada”. Jessão e Amado conversaram tanto que deu tempo de uma safra de cacau amadurecer, o papo entre ambos encheria a eternidade de laudas, resultaria em incontáveis horas de gravação, renderia bibliotecas do tamanho das de Alexandria para a série sobre o autor de “Gabriela, Cravo e Canela”.

N.R. 2 .:  Arnesto sofreu uma fratura de fêmur e foi internado na sexta-feira, 21 de fevereiro, passou por cirurgia e estava no hospital.  Era advogado aposentado, viúvo e estudioso de latim. Ele garantia que nunca convidou o amigo para um samba e nunca lhe deu “um bolo”, como diz a canção.

 “Isso é coisa da cabeça dele”, assegurou, em entrevista ao G1 em 2010. Ele lembrava com carinho que Adoniran, semanas após serem apresentados, em 1935, pediu-lhe um cartão de visitas. “Ele falou: ‘Você é Arnesto, porque seu nome dá samba. Você aduvida?'”, contava Ernesto, imitando a voz rouca do amigo. “Eu não aduvido mais”,  respondeu. O compositor prometeu escrever, então, uma canção para o amigo.

 Aproximadamente 17 anos depois, Ernesto foi surpreendido com a música em sua homenagem sendo tocada na rádio. “Fiquei muito emocionado”, conta.

 Mais tarde, Ernesto tentou dar um puxão de orelhas no amigo. “Adoniran, você me meteu em uma encrenca. Todo mundo me pergunta por que eu convidei você para o samba”, diz o advogado, que também era músico. Adoniran foi incisivo: “Arnesto, se não tinha mancada, não tinha samba”. Quando questionado pelo amigo se havia gostado do samba, Ernesto declarou a ele: “Você me abriu ao meio. [Esse samba] foi a coisa mais bonita que me aconteceu”.

Texto extraído do site G1

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s