Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Cláudio Lacerda e Rodrigo Zanc homenageiam Pena Branca e Xavantinho em Rosana

Deixe um comentário

Adriano Rosa_foto 2Pena-Branca

O Sesc Thermas de Presidente Prudente (SP) programou para este domingo, 7 de setembro, o show no qual os cantores Cláudio Lacerda (São Paulo) e Rodrigo Zanc (Araraquara) prestam tributo aos irmãos Pena Branca e Xavantinho. A apresentação será no Recinto Paulo Fernandes, situado na Rua Embu, na quadra 106/107, no distrito de Porto Primavera, na cidade de Rosana, a partir das 23h. O acesso do público ao show é gratuito.

Canções eternizadas por uma das duplas mais autênticas, amadas e importantes do universo caipira são interpretadas por Lacerda e Zanc neste show. Pena Branca e Xavantinho inovaram com um repertório que ultrapassou fronteiras e gravaram com enorme sucesso músicas de autores consagrados da MPB, como Milton Nascimento, Chico Buarque e Caetano Veloso. Em suas carreiras estiveram sempre muito bem acompanhados e assessorados por artistas inquestionáveis, tais como Rolando Boldrin e Renato Teixeira.

Rodrigo Zanc (3)

Zanc e Lacerda dividiram o palco durante o último show com a presença de Pena Branca, hoje homenageado com o irmão Xavantinho (Foto: Marcelino Lima, galeria do Cine Olido, jun. 2013)

As paixões de Cláudio Lacerda e Rodrigo Zanc pelo Brasil caipira são facilmente observadas em trabalhos que já lançaram durante o ofício do “estradar”. Como Pena Branca e Xavantinho, por meio de interpretações autorais, eles abrem novos caminhos para esta reconhecida mistura que preserva histórias, causos, sons, ritmos, melodias e culturas, uma das marcas da canção brasileira. O público, portanto, tem contato com a criatividade autoral de cada um dos músicos e intérpretes, ao mesmo tempo em que testemunha surgirem novos sentidos ouvindo canções imortalizadas pelos mineiros, que se orgulhavam de serem caipiras por natureza.

A última apresentação do cantor Pena Branca ocorreu em 25 de janeiro de 2010, no Teatro do SESC Pompéia, em São Paulo. Tratava-se de uma roda de violas entre ele, Cláudio Lacerda e Rodrigo Zanc. Ao final do show, os três decidiram vender aquele formato para outras freguesias.

Pena Branca faleceu dias depois, em 8 de fevereiro. Com três shows já marcados naquele momento, Cláudio e Rodrigo decidiram reverter o projeto inicialmente proposto para adaptá-lo ao tributo à dupla Pena Branca e Xavantinho, desde então unindo os dois cantadores em shows pelo Brasil. Em 2 de novembro, a apresentação será levada ao público do SESC Bertioga (SP). 

Rodrigo é exímio violeiro e cantador. Desde a infância, dedica-se aos valores da cultura brasileira, tocando viola desde os 17 anos. Já gravou “Pendenga” (2006) e “Fruto da Lida” (2013), nos quais apresenta suas belas composições, os diferentes sotaques e a versatilidade da viola caipira mesclada a ritmos que remetem às modernas músicas de Sá e Guarabyra, Ivan Lins e Almir Sater.

Descendente de mineiros, Cláudio sempre esteve ligado à música, com apurada dedicação entre outras à vertente regional, elo reforçado no período em que realizou sua graduação em zootecnia em Botucatu (SP), região conhecida como um dos berços da música caipira paulista e cidade na qual viveu Angelino de Oliveira, autor de “Tristeza do Jeca”. O CD de estreia, “Alma Lavada” (2003), contou com a participação de Renato Teixeira e abriu portas para o início de sua carreira. Em 2004, venceu o I Prêmio Nacional de Excelência da Viola Caipira, na categoria de melhor intérprete – iniciativa do Instituto Brasileiro da Viola Caipira –, feito repetido na segunda edição do prêmio, em 2010, e também na terceira, em 2013.

Seu segundo CD “Alma Caipira” (2007) ganhou elogios de vários críticos por ser uma compilação de músicas de vários autores do cancioneiro caipira, mas que o público não conhecia tanto quanto algumas clássicas para as quais, em geral, os interpretes dão maior preferência. Em 2010, Lacerda gravou o terceiro CD, o autoral “Cantador”, que inclui a participação de Dominguinhos. Além do saudoso sanfoneiro, dividiu palco ou faixas de seus três discos com  Renato Teixeira, Miriam Mirah, Pena Branca, Tinoco, Paulo Simões, Alzira E., Tetê Espíndola, Lula Barbosa e Paulo Freire.

Foto de Rodrigo Zanc e Cláudio Lacerda no canto superior esquerdo: Adriano Rosa

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s