Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Fase psicodélica de Alceu Valença ganha releitura com Alessandra Leão e Rafa Barreto em “Punhal de Prata”

Deixe um comentário

A pernambucana Alessandra Leão e o paulistano Rafa Barreto mergulharam em quatro consagrados discos de Alceu Valença lançados na década dos anos 1970 para a produção de um projeto intitulado “Punhal de Prata” em que promovem shows e apresentam dois vídeos produzidos por Thiago Duarte (PE). A ideia é resgatar a psicodelia do cenário que há quarenta anos inspirou Valença a lançar “Quadrafônico”, em parceria com Geraldo Azevedo (1972), “Molhado de Suor” (1974), “Vivo!” (1976) e “Espelho Cristalino” (1977). Alessandra e Barreto montaram a partir da audição destes álbuns um apurado repertório que traz novas leituras das faixas originais, já apresentado, por exemplo, na Casa de Francisca (SP), no mês de julho.

Punhal de Prataw

Punhal de Prata, por sinal, é uma das músicas de “Molhado de Suor” e que Fagner também gravou. Neste trabalho de Alessandra e Barreto, a voz da intérprete, ao invés de polida e suave, soa como gritos ásperos que se enlaçam à guitarra “invertida” e cortante do parceiro. “O resultado é um diálogo profundo com o período mais selvagem da música de Alceu, revelando ainda uma sonoridade ancestral e uma radical atualidade”, afirma Alessandra. Uma entrevista a respeito de “Punhal de Prata” dada ao programa Cultura Livre pode ser conferida abaixo.

Assista aos vídeos de Thiago Duarte 

 

Contatos podem ser feitos com Ligia Meneguello (ligiameneguello@gmail.com), telefone 55 11 98233-7195

 

Felipe Barreto e Alessandra Leão

 

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s