Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Orquestra de Violeiros Terra da Uva toca clássicos caipira, Chico Buarque, Led Zeppelin e até tarantella no Rancho Jundiaí

Deixe um comentário

regencia 1w

A Orquestra Terra da Uva toca desde 2011 e sempre apresenta um repertório eclético, que mescla músicas populares brasileiras e de raiz a clássicas, vistando todas as regiões do país (Fotos de Marcelino Lima)

regencia 2w

Há três anos representando Jundiaí e trabalhando pela preservação, memória e divulgação de tradições da cultura popular, a Orquestra de Violeiros Terra da Uva (OVTU) apresentou-se na tarde de sábado, 8 de novembro, após um agradável almoço servido pelo Rancho Jundiaí.

Regida pelo maestro e professor Daniel Franciscão, a Orquestra é composta por 29 integrantes, dos quais 20 estiveram no palco que reuniu netos, pais e filhos, violeiros que cantaram e tocaram não apenas clássicos da viola caipira, mas também sucessos consagrados da música regional e popular brasileira, a introdução de Stairway to haven (do Led Zeppelin, para abrir Cio da Terra,  de Milton Nascimento e Chico Buarque), além da tarantella Funiculí Funiculá, dedicada por Franciscão aos imigrantes de Itália que ajudaram a fundar e a desenvolver Jundiaí.

O eclético repertório do concerto, de acordo com Franciscão, é derivado em maior parte de uma pesquisa das composições nacionais de todos os tipos e ritmos. As músicas permitem passear por todas as regiões do país e por épocas distintas, apresentando tanto aos alunos (sobretudo os mais jovens) quanto ao público a criatividade e o talento dos nossos compositores, consagrados ou não, mas todos dotados de elementos que ajudam a esboçar uma identidade que define o conceito de brasilidade.

O apuro do regente e dos violeiros também se verifica na escolha de peças clássicas que possam ser adaptadas às cordas da viola caipira, tais quais o Hino da Vitória que tantos domingos marcou utilizada como tema para as vitórias do tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna. Sem modificar a linguagem do instrumento, eles comprovam que a viola de dez cordas, embora seja quase que exclusivamente vinculada ao universo de raiz e das modas populares, pode ainda frequentar as salas de concertos clássicos, tabelando perfeitamente e sem distorções com outras formas de manifestações musico-culturais. 

daniel franciscão regetew

OVTU 1

OVTU 3w

Durante a apresentação, a plateia ouviu de Luiz Gonzaga a Marcos e Paulo Sérgio Vale , passando por Patativa do Assaré, Belmonte e Goiá e Tião Carreiro, Piraci e Lourival dos Santos , chegando a Ivan Lins e a Almir Sater e Renato Teixeira. Adaptações recolhidas do folclore nacional como Tocador de Boi e Cálix Bento, respectivamente recolhidas por Théo de Barros, Braúna e Gutti, e Tavinho Moura, também receberam aplausos da plateia, além de homenagens a Xavantinho (Trem das Gerais), Heitor Villa-Lobos (Trenzinho do Caipira) e Jair Rodrigues, por meio da interpretação de Disparada.

OVTU 4w

A Orquestra Terra da Uva foi assim batizada em homenagem a cidade nacionalmente reconhecida pela produção de uva e vinho. O lançamento oficial  ocorreu em noite de gala no Teatro Polytheama, em maio de 2012, e teve participação de diversos violeiros e cantadores da região, com a renda do show revertida para a Associação Bem-te-vi. Já conquistou prêmios e ganhou destaque em programas de TV; um momento marcante foi a gravação juntamente com o coral Companhia Canto Vivo no canal ESPN Brasil, tocando um arranjo próprio do Hino da UEFA Champions League, nas cordas da viola caipira. 

OVTU 2w

Em 2013, foi uma das homenageadas pelo Prêmio Rozini de Excelência em Viola Caipira, ficando entre as três melhores orquestras de viola do país. No mesmo ano, foi uma das premiadas em um projeto da Sennheiser, chamado Mapa da Música Brasileira.

Sempre buscando se aperfeiçoar e renovar o repertório, a OVTU busca levar a viola caipira e seu cancioneiro para onde puder, tocando em várias cidades e as vezes convidando artistas para participações em alguns shows entre os quais Júnior Hartung, Wilson Teixeira, Cláudio Lacerda e Zé Paulo Medeiros.

OVTU 5w

Os ensaios da Orquestras ocorrem na sede do Clube Do Carro Antigo de Jundiaí, todas as segundas-feiras, das 20 às 22 horas. O Clube fica na avenida União dos Ferroviários, 3316, Vila Arens. No mesmo local, funciona também a Escola de Viola Caipira Daniel Franciscão, de terças feiras das 19h às 22h. As aulas do instrumento são ministradas pelo professor Daniel Franciscão, e um de seus objetivos é  formar violeiros para ingressarem na Orquestra, mas também é possível aprender na escola sem participar da mesma.

Rancho Jundiaí

Além de restaurante, o Rancho também tem sido procurado para sediar e promove eventos variados que agradam diversos públicos, que vão do reggae ao samba de raiz, passando pelo rock e pelo sertanejo de raiz. Já se apresentaram no palco Milionário e José Rico, Sérgio Reis, Teodoro e Sampaio, Planta e Raiz,  Natiruts,  Tribo de Jah, Mato Seco, Salvação, Dudu Nobre, Soweto, Marcelo Nova e a banda Velhas Virgens, entre outros. O Rancho tem ainda uma agenda semanal própria por meio da qual privilegia artistas locais.
O salão acomoda até 970 pessoas, servindo desde porco no rolete, todas às segundas-feiras, ao tradicional almoço caseiro aos domingos. Muito próximo de centros como a Capital e Campinas, acessível tanto pela Rodovia Anhanguera, como pela Rodovia dos Bandeirantes, portanto, pode ser o local ideal para festas de aniversário e para empresas promoverem as tradicionais festas corporativas de final de ano.
Para entrar em contato com o Rancho e com o proprietário Luiz Paulo há os telefones (011) 4537-2579/7833-2384, além do endereço eletrônico rancho@ranchojundiai.com.br

 
imagem-superior-grande

 

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s