Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

SESC Consolação reserva manhãs dos sábados de janeiro para gurizada ouvir “Bichos de Cá”, do Nhambuzim

4 Comentários

Nhambuzim 4

O Nhambuzim, formado em 2002, gravou dois discos com repertórios que mesclam vários ritmos brasileiros e que contemplam os amantes do escritor mineiro da cidade de Codisburgo, Guimarães Rosa,  e o público infantil (Fotos: Reproduções de vídeo do grupo)

 

Crianças também têm vez no Barulho d’água Música e em nome delas o blog convoca pais e responsáveis a levarem filhos, sobrinhos, netos, afilhados, enteados e coleguinhas destes a uma das cantorias que o grupo Nhambuzim fará aos sábados, durante o mês de janeiro, no Sesc Consolação, no Centro paulistano, sempre a partir das 11 horas, divulgando as músicas do álbum Bichos de Cá. Neste dia 10, por exemplo, até nosso pessoal vai esquecer que já tem barba e cabelos brancos e estará presente na unidade que fica na Rua Doutor Vila Nova, 245, a 900 metros da estação República, a 1.000 metros da estação Santa Cecília, ambas do Metrô, ou a 850 metros do terminal Amaral Gurgel. Para mais informações tecle 11 3234-3000. 

Premiado com nosso selo “altamente recomendável, inclusive e principalmente para marmanjos”, o repertório do disco Bichos de Cá (2012) apresenta animais de espécies diversas que ocorrem na fauna brasileira, entre as quais os locais nos quais é mais comum serem encontrados. Além do habitat de tatus, jabutis, tamanduás, jacarés, araras e, ui, até sucuris, as letras trazem informações e mensagens de conscientização ecológica. Cada canção segue um ritmo diferente, do coco a guarânia, passando por congada, chamamé e jongo, além de carimbó e, inclusive, adivinhas, escolhido de acordo com a região no qual o bicho vive. O Nhambuzim, desta forma, revela ao público, também, a riqueza da nossa cultura popular expressa tanto por meio da música, como por meio da dança, entre outros elementos presentes em cada manifestação.

Nhambuzim 3aa

Sarah Abreu, uma das vozes do Nhambuzim

Como se não bastasse tanta qualidade e diversidade, o Nhambuzim conta com outro atrativo que por si só valerá o ingresso: a marcante voz de Sarah Abreu, que forma a banda ao lado de André Oliveira (percussão), Edson Penha (voz), Itamar Pereira (baixo), Joel Teixeira (voz, viola e violão), Rafael Mota (percussão) e Xavier Bartaburu (piano e arranjos vocais).

 Bichos de cá não é o primeiro trabalho deste animado e engajado pessoal. Em 2008, o Nhambuzim lançou um disco antológico pelo selo Paulus: Rosário: Canções Inspiradas no Sertão de Guimarães Rosa. 

Inspirado na obra do escritor mineiro João Guimarães Rosa, o álbum foi lançado em 27 de junho daquele ano, data do centenário do nascimento do filho ilustre de Codisburgo, um dos nomes mais respeitados e admirados da literatura universal. Entre as 17 faixas duas pertencem à tradição oral do norte das Alterosas (Aboio, originalmente entoada pelo vaqueiro Manuelzão, uma das personagens de Rosa, e Encomendação de Almas). Outro par traz contribuições de Milton Nascimento e Caetano Veloso (A Terceira Margem do Rio), e  de João de Aquino e Paulo César Pinheiro (Sagarana).

O Nhambuzim, desta forma, mescla gêneros e linguagens que partem de elementos da cultura regional inseridos em contexto contemporâneo. Em Rosário: Canções Inspiradas no Sertão de Guimarães Rosa, ouve-se toques de jazz e de música erudita, apoiados em arranjos vocais e nas conexões da música popular com narrativas regionais e contação de histórias. Aboios, cantos de rezadeiras, congadas, catiras, moçambiques e folia de reis também evocam  o universo roseano em Pé no Chão (inspirada no livro Manuelzão e Miguilim) e Redenção (que bebe do conto A Hora e Vez de Augusto Matraga). Acerto de Contas, por sua vez, surgiu de Grande Sertão: Veredas. Há, por fim, as participações de Renato Braz (Um Miguilim), do mestre violeiro Paulo Freire (Sagarana e Nonada de Mim) e do acordeonista Gabriel Levy (Arvorecer).

10897921_782381048464329_5584243644675682480_n

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

4 pensamentos sobre “SESC Consolação reserva manhãs dos sábados de janeiro para gurizada ouvir “Bichos de Cá”, do Nhambuzim

  1. Vocês me matam de emoção! Muita gratidão pelo carinho e as belas palavras de sempre!!! É um orgulho enorme fazer parte deste blog através de vocês! Vida longa ao Barulho D’Água!!! Um 2015 arretado de bom!!!

  2. Opa, conte conosco sempre, Sarah, e o pessoal do Nhambuzim também! Curtimos demais o show e agora vamos trabalhar, a quatro mãos, para registramos aqui uma matéria ainda mais caprichada! Um abraço e sucesso!

  3. Desperta pequena, média e grande mídia. O Brasil precisa ouvir Sarah Abreu !!, Uma voz maravilhosa !!, Uma pessoa encantadora.

    • Concordamos plenamente com a frase, mas infelizmente, sabemos que a primeira parte dela está bem longe de ser completamente verdadeira. Sarah Abreu e alguns os Nhambuzins nos contarão que o espetáculo “Bichos de Cá” mereceu matéria na Folha de São Paulo e na Vejinha, o que é ótimo… No entanto, a maioria dos artistas independentes, ainda que produzam um espetáculo indiscutivelmente bem produzido como o Bichos de Cá, ainda conta apenas com o trabalho de formiguinha de divulgadores “pequenos” e dos amigos e parentes para atrair um público ao menos razoável, e, muitas vezes, sem cachê. Não é o caso do SESC, que, reconhecidamente, tem aberto seus teatros e espaços de difusão cultural para muita gente boa fora da mídia, basta ver quantas matérias mencionando eventos promovidos pelo SESC estão divulgados neste blog. E é este nosso partido: apoiar e ajudar o máximo a colocar gente talentosa, e séria, como a Sarah Abreu, mais perto do público… Um abraço, Nilson!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s