Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Léo e Bia, musical de Oswaldo Montenegro, ganha turnê de três dias em São Paulo

Deixe um comentário

Leo e Bia filme 1

Cena de Léo e Bia, na versão em filme, com Paloma Duarte ao centro: estreia de Montenegro como diretor e roteirista de cinema; em fevereiro, a obra volta ao teatro, em SP

O horário das três sessões  ainda não está divulgado. Mas o cantor, compositor, cineasta e diretor teatral Oswaldo Montenegro já soltou que para o primeiro final de semana de fevereiro retornará ao palco, do Teatro Dias Gomes (SP), o musical Léo e Bia. O público poderá ver nos dias  6, 7 e 8 o sucesso dos anos 1980 que, na ocasião, teve plateia superior a 500 mil pessoas e, recentemente, ganhou uma versão para o cinema.

A adaptação para o filme, cuja estreia ocorreu no Festival de Cinema de Pernambuco (2010), rendeu à Paloma Duarte o prêmio de melhor atriz e, ao próprio Montenegro, o de melhor trilha sonora. Que estreia do carioca como roteirista, diretor e produtor da sétima arte! Entre outros convidados, Montenegro dividiu as faixas com Ney Matogrosso, Zeca Ramalho,  Zélia Duncan, Glória Pires, Sandra de Sá e Paulinho Moska. E tudo saiu  com recursos próprios, sem qualquer patrocínio.

Léo e Bia integram um grupo de sete jovens que resolve viver de arte, em 1973, na secura de Brasília (DF), cidade na qual Montenegro viveu anos. A ditadura militar bombava e se sustentava à base de porrada, exercendo controle sobre todas as formas de divulgação e  de manifestação cultural, perseguindo artistas e agentes culturais, torturando, matando ou condenando ao exílio quem piasse contra a truculência dos generais. Montenegro, genial, monta Léo e Bia em um cenário único: a sala de ensaios do grupo. Neste ambiente produz cenários, lugares e sensações sem tirar os atores de dentro do estúdio. Não há objetos, utensílios e o mais interessante, o público não sente falta, garante ele.

No cinema, Paloma Duarte interpreta Marina, personagem que narra toda a história e é inspirada na flautista Madalena Salles, parceira profissional há mais 35 anos de Montenegro. De volta ao palco em Sampa, este papel caberá à própria Madalena, responsável ainda pela direção.

Léo e Bia, o filme, foi exibido em Los Angeles, no Brazilian Film Festival, e em Nova York, no Brazilian Endowment for the Arts Film Society.

O Teatro Dias Gomes fica na rua Domingos de Morais, 348, Vila Mariana, na zona Sul paulistana. Para mais informações há o telefone  (11) 5575-7472.

Montenegro 2

Madalena Sales, Sergio Chiavazolli, Alexandre Meu Rei e Oswaldo Montenegro que, juntos, estão em 3×4 (Fotos: Divulgação)

Inquietude e criatividade

Quem conhece Oswaldo Montenegro ou o ama, ou o odeia. Como cantor e compositor, tem ampla discografia, iniciada com o compacto simples Sem Mandamentos (1975), A obra fonográfica inclui ainda trilhas sonoras de vários musicais dos quais é o autor, além de gravações em vídeo, como o recente 3×4  cuja turnê nacional começou em Natal, acompanhada pela parceira inseparável Madalena Salles (flauta), Sérgio Chiavazzoli (bandolim) e Alexandre Meu Rei (violão blues).

Em 1980 Montenegro levou o Festival da Rede Globo de Televisão com Agonia, escrita pelo amigo de infância Mongol, que viria a se tornar uma de suas mais conhecidas e executadas músicas, tal como Bandolins, terceira colocada do último festival da extinta TV Tupi, ocorrido em 1979. Em 1985, de volta à Globo, inscreve O Condor para o Festival dos Festivais, a qual defende apoiado por um coral de 25 negros. Chega às finais, mas não arrebata nenhum dos três prêmios.

De temperamento irrequieto, ebulindo sempre em criatividade e inspiração, Montenegro viveu também em Brasília. É conhecido por gravar quase que compulsivamente, gerando em sua inesgotável fonte canções que mereceram a atenção de diversos expoentes do primeiro escalão da música popular brasileira. Além dos que o acompanham em Léo e Bia,  Alceu Valença, Zizi Possi, Zélia Duncan, Jorge Vercilo, Altemar Dutra, Gonzaguinha, Sivuca, Tânia Maya, Geraldo Azevedo e mais um ator, Carlos Vereza, já interpretaram ao menos uma composição ou poema dele. Como o Barulho d’água Música está na lista de admiradores, não dá para deixar por menos: o cara é muito, muito bom! 

Montenegro

Oswaldo Montenegro nasceu no Rio de Janeiro, mas boa parte de sua vida e diversificada obra são inspiradas em Brasília, como Léo e Bia, que tem versões para teatro e cinema, além de um disco

Em suas  letras Montenegro costuma trazer à tona sem ao menos resvalar na pieguice dramas existenciais e crises amorosas das mais doídas e doidas, como em A Lista, mas também encanta quando dedicadas ao público infantil, como em O Vale Encantado. Este é o título da obra que saiu tanto em álbum, como em livro, o primeiro que escreveu, em 1994, indicado pelo MEC por meio da Universidade de Brasília para ser adotado nas escolas de 1º grau. Em 1997, adaptou o livro para vídeo.

Para o cinema, o mais recente trabalho é Solidões (2013).  No teatro, fez ainda A Dança dos Signos (1983 e 1999),  Os Menestréis (1986), Aldeia dos Ventos (1986 e 2006); Noturno (1991); Mayã (1992) e Filhos do Brasil (2009).

 

 

nous sommees

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s