Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Música caipira perde sua rainha Inezita Barroso quatro dias após ela completar 90 anos

Deixe um comentário

inezitaww

O Barulho d’água Música, mais uma vez, coloca-se de luto,  desta vez com tristeza profunda e em solidariedade aos familiares, amigos e muitos admiradores de Inezita Barroso.

A rainha da música caipira completara 90 anos na quarta-feira, 4 de março. Ontem, Dia Internacional da Mulher, o lampião de gás, definitivamente, apagou-se. Inezita partiu após quadro de insuficiência respiratória aguda ocorrido no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde estava internada desde 19 de fevereiro.

Ignez Magdalena Aranha de Lima, nome de batismo de Inezita Barroso, era filha de família tradicional paulistana e passou a infância cercada por influências musicais diversas crescendo em fazendas, nas quais teve contato com o universo caipira em várias rodas de viola. Nascida no bairro da zona Oeste paulistana Barra Funda, também em um domingo, e de Carnaval, formou-se em Biblioteconomia pela Universidade de São Paulo, mas foi uma grande pesquisadora do gênero musical: por conta própria, percorreu o Brasil resgatando histórias e canções.

Além da cantora,  instrumentista, arranjadora, folclorista, atriz, foi professora. Teve de vencer preconceitos correntes em sua mocidade como o de que mulher não tocava viola para em cerca de sessenta anos de carreira legar ao país mais de 80 discos, gravando sucessos como Lampião de gás (Zica Bergami)Moda da Pinga (Ochelsis Laureano Raul Torres). Depois de passagens pelas TVs Record, onde foi a primeira cantora contratada, e extinta Tupi, entre outras,  chegou à Cultura e apresentou desde a década dos anos 1980 o Viola Minha Viola, inicialmente com Moraes Sarmento.

Inezita 1

Inezita gravou o programa até o final de 2014, só deixando de lado o trabalho após ser hospitalizada devido a uma queda na casa da filha, em Campos do Jordão, no interior de São Paulo, incidente no qual teria fraturado o fêmur . 

Violeiros como Paulo Freire e Pereira da Viola, ontem, 8 de março, hora antes de ela falecer, apareceram durante a exibição do Viola Minha Viola, parabenizando-a pelos 90 anos. Liderados pelas As Galvão e o Regional do Joãozinho, no encerramento do programa, um grupo de convidados e todo o auditório do teatro do Sesc Bom Retiro cantaram, em coro, Lampião de Gás.

Inezita 3

Imagem de divulgação da época em que Angela, filme da Vera Cruz protagonizado por Inezita Barroso, esteve em cartaz (Foto: Acervo da Cinemateca Brasileira)

Inezita Barroso abraçara a carreira musical em 1953, dois anos antes de gravar o primeiro álbum e quando já era admirada no cinema por protagonizar filmes como Angela, O Craque, Carnaval em Lá Maior e Isto É São PauloO primeiro disco abriu de pronto as portas para o sucesso como cantora e interprete de clássicos tais quais Ronda, de Paulo Vanzolini, e Moda da Pinga.

Doutora Honoris Causa em Folclore Brasileiro pela Unicapital (SP), Inezita ganhou entre outros prêmios o Governador do Estado e o Saci, ambos de melhor atriz pela atuação em Mulher de Verdade (1955). Em 2010, recebeu o Troféu APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) em MPB. Estava indicada para assumir a cadeira 22 da Associação Paulista de Letras (APL) em substituição à folclorista, poetisa, cronista e contista Ruth Guimarães (Cachoeira Paulista, 13 de junho de 1920 – Cachoeira Paulista, 21 de maio de 2014).

O Barulho d’água Música ficará atento à agenda de homenagens que se deverá prestar a Inezita Barroso e informara aos amigos e seguidores quando ela for divulgada qual será a decisão da TV Cultura sobre o Viola Minha Viola.

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s