Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Adelmo Arcoverde e filho (PE) revelam as belezas e as particularidades da viola nordestina no Sesc da Vila Mariana (SP)

Deixe um comentário

aaaavvr

O violeiro pernambucano Adelmo Arcoverde, acompanhado pelo filho, André, vai encerrar na noite de hoje, 19, o projeto Viola dos 5 Cantos, que tem curadoria de Zeca Collares (Grão Mogol/MG) e está transcorrendo no Sesc da Vila Mariana, bairro da zona Sul de São Paulo. Natural de Serra Talhada, atualmente residente em Nazaré da Mata, Adelmo Arcoverde estará no palco como representante da viola Nordestina, escola da qual ele é a mais importante referência da atualidade tocando uma viola dinâmica . Além do talento e da qualidade de seu trabalho,  ele destaca-se como o principal responsável por desenvolver um novo conceito da viola popular, tradicionalmente utilizada por repentistas apenas para marcar a poesia de cordel, estilo único que se perde no tempo com as regras e belezas que só o nordestino sabe fazer.

Em uma de suas vindas a São Paulo, na década dos anos 1990, Adelmo Arcoverde dividiu o palco da sala Cecília Meirelles, nada mais, nada menos, que com Turíbio Santos. Como se apenas este dado biográfico já não bastasse, foi o primeiro violeiro do país convidado a participar do Free Jazz Festival, em 1988,  quebrando  a histórica resistência dos promotores do evento em abrir espaços para representantes de outras sonoridades, principalmente para nomes tangentes ao do circuito popular da música brasileira. Mas Adelmo é mesmo um ponto fora da curva, capaz de tocar clássicos de Vivaldi em uma viola caipira, a mesma na qual dedilha as cordas com a mesma técnica e versatilidade dos trovadores da Idade Média. Não se sabe se ele, também, como reza lendas, teria introduzido os dedos em ocos de árvore ou de buracos em capelas retiradas em noite de lua cheia, mas referências espirituais marcam sua vida desde garoto. Adelmo teve avó rezadeira  e tanto dela, quanto da mãe católica, recebeu considerável bagagem a respeito do tema.  Com 17 anos, ele compôs Dança da Morte para homenagem o avô. Quando este durante certa noite, ninguém avisou  o garoto, que ao acordar no dia seguinte, abriu a porta e deu de cara com um caixão no meio da sala.

Em 1979,  solidificou sua formação de músico popular, dois anos antes de de acordo com o Dicionário de Música Brasileira Cravo Albin mudar se para Recife, onde ganhou diversos prêmios em festivais de música como arranjador, compositor e instrumentista. Em 1987, participou do disco Marvada viola, homenagem ao Capitão Furtado que saiu em vinil e contou, ainda, com Roberto Corrêa e João Lyra, além das participações especiais de Sivuca, Rolando Boldrin, Zé Mulato e Cassiano. Neste disco, seu talento pode ser notado nas faixas No quintal do matuto e Três histórias, nas quais fez os arranjos e tocou viola. O disco foi reeditado em CD em 1997, pela gravadora Atração e Funarte. Já em  2004, integrou o álbum Violeiros do Brasil, assinando a  faixa Antônio Conselheiro e o arraial do Bom Jesus. O disco foi gravado ao vivo no Teatro do Sesc Pompeia  (SP)entre agosto e setembro de 1997 e lançado em junho de 1998, pelo SESC-Núcleo Contemporâneo e, em outubro de 2004, relançado pelo Selo Revivendo. A edição apresenta importantes artistas da viola caipira das várias regiões do Brasil, entre os quais, Almir Sater, Zé Gomes, Renato Andrade, Roberto Corrêa, Paulo Freire, Ivan Vilela, Pereira da Viola, Josias Dos Santos, Angelino de Oliveira, Renato Andrade, Tavinho Moura, Heitor Villa-lobos, Zé Mulato e Cassiano e Zé Coco do Riachão. O projeto foi idealizado pela produtora Myriam Taubkin e a gravação do disco foi sugerida pelo músico e produtor Benjamim Taubkin.

O trabalho mais recente de Adelmo Arcoverde é Mensageiro, álbum instrumental que lançou no ano passado, no Conservatório Pernambuco de Música e gravado no Batuk Studio, na cidade de Carpina, com a produção artística assinada pelo filho, André Arcoverde. Mensageiro tem 11 faixas e conta ainda com a participação de Allison Budega de Freitas (baixo elétrico), e Júnior Codorna (percussão). Antes, em 2013, ele produzira o álbum Convertido, que tem 12 músicas e é um dos mais valiosos do acervo do Barulho d’água. Tanto o primeiro, quanto Convertido, valoriza a xilogravura em suas capas e encartes, reforçando a ligação de Adelmo, também, com a literatura de cordel.

O projeto Viola dos 5 Cantos, concebido por Zeca Collares e já acolhido pelo Sesc Vila Mariana, oferece  uma mostra da diversidade dos ritmos e das sonoridades que a viola de dez cordas encontra nas várias regiões do país, permitindo revelar o que cada linguagem tem de mais peculiar e em comum, além das tradições, como festas religiosas e profanas, as quais ela está vinculada e se encontra inserida. Cada convidado representa uma região brsiliraraa Júlio Santin (Irapuru/SP), do Sudeste, tocou no dia 10, e no dia 12, Daniel de Paula, com uma viola de cocho, mergulhou a plateia no universo do Centro-Oeste. No domingo, 12, o grupo Botas de Ouro (Guarulhos/SP), comandado por Floresta e Tião Ramalho, dançou e ensinou passos básicos de catira ao público que estava na área de convivência desta unidade. Ontem, 18, Zeca Collares saiu dos bastidores para baseado no repertório de seu disco Pés Descalços brindar a plateia com congadas, cocos, folias de Reis, calangos, e marujadas. 

Leia na edição de amanhã, 20 de junho, matéria detalhada sobre a apresentação de Zeca Collares e, na de domingo, 21, como foi o show de Adelmo Arcoverde, que tocará  partir das 20h30, no auditório da Torre A. Além dos quatro violeiros como atrações principais, participaram, também, os músicos André Rass e Cleber Almeida (percussão), e os violonistas Di Brandão, Marcos Azevedo e André Siqueira

O Sesc Vila Mariana fica na rua Pelotas, 141,  a menos de 1.000 m da estação Ana Rosa do Metrô e, para mais informações, o telefone é (11) 5080-3000.  

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s