Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

Leve seu piá e sua criança interior ao SESC Jundiaí (SP) e experimente voar com as palavras de algodão do Balaio de Doi2

Deixe um comentário

O Balaio de Doi2, composto por Paulo Netho e Salatiel Silva, apresentará nos próximos dias 11 e 12 de julho, a partir das 16 horas, De prosa em prosa: uma canção, no SESC Jundiaí (SP). O público, observa a dupla, não assistirá a um show tradicional, daqueles com palco e plateia, e sim a um passeio poético-musical, uma conversa amorosa que os dois do Balaio têm com as crianças e os seus adultos. Este formato é itinerante – vai ao encontro das pessoas – pois a intenção do Balaio de Doi2 é despertar estados de infância ofertando ao público palavras de algodão e canções que remetam, tanto o piá festivo, quanto o marmanjo reticente, à alegria das primeiras descobertas. Por meio desta conversa, ao pé de ouvido, toda porosa e fluída sobre o solo fértil das coisas espirituosas, o duo dá sua contribuição para deixar a vida mais leve e prazerosa.

balaio de dois arte

No cardápio do Balaio de Doi2 há uma diversidade textual que a tradição consagrou como a cantiga de roda Se esta rua fosse minha, a parlenda Hoje é domingo, além de trovas populares como O meu pai se chama caco/a minha mãe caca MariaUma prosa puxa outra. E uma canção própria puxa uma poesia, também própria. O tempo de duração de cada encontro é determinado pelo ouvinte e seu desejo de voar. Dizem que quem vê os dois do Balaio gosta e espalha, assim quem não os viu fica logo sabendo e, na apresentação seguinte, ambos tem pelo menos mais dois pássaros prestes a bater asas.

Paulo Netho, residente no Parque Continental, bairro paulistano vizinho à goma de Salatiel Silva (que mora nas imediações aqui do Solar da Lageado, no Jaguaré), também é poeta e cronista. Dos bons. Desde os tempos de criança, quando ainda corria pelas ruas da Vila Yara, bairro da vizinha cidade de Osasco, já tinha a cabeça repleta de sonhos e os olhos ávidos e curiosos a perscrutar tanto acontecimentos corriqueiros — como o vaivém de uma trilha de formigas –, quanto magistrais — como um arrebol, espetáculo que tanto metia medo nele por ser vermelho, intenso. Brotou da imaginação regada pela inquietude o autor que também exerceu o ofício de jornalista — este sempre crítico e atento, profissa que não se afrescava na hora de meter os pés no barro ou de percorrer, a pé, quebradas periféricas em busca do “furo” e da notícia que se tornaria a manchete — com olhar igualmente idílico. Com o passar dos anos, se escolhera o time errado para torcer lá na mesma infância e se tornou incorrigível são-paulino preto, branco, vermelho e roxo, fez mais tarde a opção certa ao abandonar as redações de madrugadas de pizzas frias e insones em detrimento da dedicação ao faz-de-contas e do mundo visto ao revés.

parlendas

O livro que Paulo Netho lançará em agosto é o 13º do escritor que com suas apresentações no Balaio de Dois2 encanta crianças e desencana marmajos (Foto:Divulgação)

É por estes caminhos que Paulo Feliciano Barbosa Netho, seu verdadeiro nome, tornou-se um dos melhores escritores infantis da atualidade e, em 22 de agosto, lançará na Livraria Casa de Livros, na Chácara Santo Antônio, em São Paulo, seu 13º volume destinado aos pequenos leitores. Trata-se d’O Grande Livro das Parlendas, publicado pela Editora Ciranda Cultural e ilustrado por Roberta Carvalho. Ao  todo são 184 páginas de pura diversão. O escritor parte de parlendas que a tradição eternizou para decalcar e reinventar as suas, brincadeira que os leitores poderão fazer também. Aliás, eis o desafio deste livro.

A Livraria Casa de Livros fica na Rua Capitão Otávio Machado, 259, Chácara Santo Antônio, São Paulo, e tem o telefone (11) 5185-4227.

outra coisa foto velhaaa

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s