612- Imagens do Brasil Profundo recebe José Miguel Wisnick para debate sobre Guimarães Rosa (MG) na Biblioteca Mário de Andrade (SP)

zmw_renato_stockler
Wisnick é autor de livros e como músico já gravou com Elza Soares, além de lançar dois álbuns, um dos quais o duplo Indivisível, para piano e violão (Foto: Renato Stockler)

A próxima atração do projeto Imagens do Brasil Profundo será especialíssima, pois o curador Jair Marcatti receberá no auditório da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, o professor, pesquisador, compositor e músico José Miguel Wisnik para o debate O Brasil Profundo em Guimarães Rosa: O Recado do Morro, marcado para começar às 20 horas desta quarta-feira, 19 de agosto. José Miguel Wisnik  é dono de um vasto currículo e autor de livros importantes que abordam questões essenciais para a sociedade e cultura brasileiras, como, por exemplo, O Som e o Sentido (Companhia das Letras, 1989), considerado um guia para leigos ou iniciados no estudo da música; Sem Receita – Ensaios e Canções (Publifolha, 2004); Veneno Remédio: O Futebol e o Brasil (Companhia das Letras, 2008). Entre os discos gravados elenca-se São Paulo Rio (2002) que teve participação da cantora Elza Soares, com a qual realizou alguns shows naquele ano, além de participar da direção artística do disco dela Do Cóccix até o Pescoço. Em 2011, lançou o álbum duplo Indivisível,  dedicado às canções acompanhadas por piano, e outro, por violão. Apresenta-se regularmente em shows pelo Brasil e exterior , desde 2005, tem realizado várias séries de aulas-shows com o violonista e compositor Arthur Nestrovski.

Continue Lendo “612- Imagens do Brasil Profundo recebe José Miguel Wisnick para debate sobre Guimarães Rosa (MG) na Biblioteca Mário de Andrade (SP)”

Anúncios

611 – Poeta da periferia fazendo o que gosta sem precisar de negócios há 40 anos, Edvaldo Santana (SP) hoje comemora aniversário

edvaldo santana

O Barulho d’água Música congratula-se hoje, 17 de agosto, com Edvaldo Santana, cantor e compositor paulistano nascido em São Miguel Paulista e que os amigos e admiradores do blogue já conhecem e admiram por ser um dos mais destacados bardos da periferia. Em 40 anos de carreira, Edvaldo Santana construiu uma trajetória ímpar sem jamais fazer concessões, apoiadas em composições individuais e parcerias com amigos rotulados como “malditos” tais quais Paulo Leminski, Itamar AssumpçãoSérgio Sampaio, Arnaldo Antunes, Ademir Assumpção entre outros, sempre preservando a pegada independente, peculiar e engajada.

Poesia e contestação são marcas presentes nos blues, reggaes, salsas, rock e jazz que Edvaldo Santana mescla com sambas, xotes, choros, e baiões, criando uma identidade estética única dentro do caldeirão sonoro do país. Seus balaços costumam ter as bênçãos de Tupã e de Tupi e o mais recente, certeiro mais uma vez, atingiu a mesmice na testa, deve ter doído como picada de mil abelhas na cafonalha: Jataí é das boas com mel, retrato sem retoques de moradores, personagens e costumes das quebradas de Sampa e do país afora, onde sobram tragédias, a imprensa só baixa quando rola matança, autoridades para pedir voto, mas que tem, em sua maioria, conterrâneos sangue,  manos que combatem as angústias e as barras ralando e se divertindo como e quando podem, com o maior respeito e solidariedade pelo e ao  próximo, equilibrando a vida com um churrasco ou uma boa pelada dominical, por exemplo.

 

 

O “Lobo Solitário”, em frases inspiradas em letras dele é baião com piqui, chamamé com sanfona, pandeiro do Salim e tambor de crioula. Não é pop star, mas tanto Raimundo. como Jackson e Johnson, adoram. Embora não semeie desencantos, sabe que não é santo e alguns podem até considerá-lo vira-lata, mas indiscutivelmente é mandarim que tem a cara do Brasil, cultiva amizades sem precisar de negócios e costuma estar sempre em boa companhia quando sobe aos palcos ao lado dos inseparáveis Luiz Waack (violão), Reinaldo Chulapa (baixo acústico), Ricardo Garcia (percussão), entre outros. Ouvir Edvaldo Santana, enfim, é gole de cachaça com caju, liga mais que muito fio!

Feliz aniversário, Edvaldo Santana!

carroça

610 – Orquestra de Violeiros Terra da Uva (SP) convida Rodrigo Delage e João Araújo e grava clássicos regionais, com pitada italiana, para novo DVD

dvdovtu1

A Orquestra de Violeiros Terra da Uva (OVTU), de Jundiaí, cidade do Interior de São Paulo, gravou na noite de 15 de agosto dezesseis músicas do cancioneiro regional brasileiro para um DVD que o regente e violeiro Daniel Franciscão pretende ter pronto para distribuição em dezembro. O Barulho d’água Música acompanhou o evento.

Continue Lendo “610 – Orquestra de Violeiros Terra da Uva (SP) convida Rodrigo Delage e João Araújo e grava clássicos regionais, com pitada italiana, para novo DVD”