Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

612- Imagens do Brasil Profundo recebe José Miguel Wisnick para debate sobre Guimarães Rosa (MG) na Biblioteca Mário de Andrade (SP)

Deixe um comentário

zmw_renato_stockler

Wisnick é autor de livros e como músico já gravou com Elza Soares, além de lançar dois álbuns, um dos quais o duplo Indivisível, para piano e violão (Foto: Renato Stockler)

A próxima atração do projeto Imagens do Brasil Profundo será especialíssima, pois o curador Jair Marcatti receberá no auditório da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, o professor, pesquisador, compositor e músico José Miguel Wisnik para o debate O Brasil Profundo em Guimarães Rosa: O Recado do Morro, marcado para começar às 20 horas desta quarta-feira, 19 de agosto. José Miguel Wisnik  é dono de um vasto currículo e autor de livros importantes que abordam questões essenciais para a sociedade e cultura brasileiras, como, por exemplo, O Som e o Sentido (Companhia das Letras, 1989), considerado um guia para leigos ou iniciados no estudo da música; Sem Receita – Ensaios e Canções (Publifolha, 2004); Veneno Remédio: O Futebol e o Brasil (Companhia das Letras, 2008). Entre os discos gravados elenca-se São Paulo Rio (2002) que teve participação da cantora Elza Soares, com a qual realizou alguns shows naquele ano, além de participar da direção artística do disco dela Do Cóccix até o Pescoço. Em 2011, lançou o álbum duplo Indivisível,  dedicado às canções acompanhadas por piano, e outro, por violão. Apresenta-se regularmente em shows pelo Brasil e exterior , desde 2005, tem realizado várias séries de aulas-shows com o violonista e compositor Arthur Nestrovski.

Escreve regularmente ensaios sobre música e literatura, além de participar dos livros coletivos Os Sentidos da Paixão, O Olhar e Ética (Companhia das Letras, 1987, 1988 e 1992), e do Livro de Partituras (Gryphus, 2004) e manteve coluna semanal no jornal carioca O Globo por cinco anos. Além dos discos, livros, ensaios e aulas, Wisnik também assina música para cinema (Terra Estrangeira, de Walter Salles e Daniela Thomas), teatro (As Boas, Hamlet e Mistérios Gozozos para o Teatro Oficina, e Pentesiléias, de Daniela Thomas, dirigida por Bete Coelho) e dança. Fez quatro trilhas sonoras para o grupo Corpo: Nazareth, de 1993, sobre obra de Ernesto Nazareth; Parabelo, de 1997, em parceria com Tom Zé; Onqotô, de 2005, com Caetano Veloso e Sem Mim, de 2011, com Carlos Nuñez, sobre canções de Martín Codax.

Jair Marcatti explica que o objetivo do Imagens do Brasil Profundo, cuja primeira temporada ocorreu no ano passado, é trazer à tona um país mais interior. Em 2015, o programa, ampliado em relação ao formato do ano anterior, passou a abranger vários aspectos das diversas culturas regionais do Brasil, desvendados em diferentes shows, bate-papos musicais, debates e palestras que já receberam entre outros neste ano Katya Teixeira e Cássia Maria, Paulo Freire, Benjamin Taubkin, Luiz Salgado, Galileu Garcia Júnior, Paulo Dias e Ivan Vilela. Depois de Zé Miguel Wisnick, o convidado será o cantor, compositor e multi-instrumentista de Campinas (SP) João Arruda (2 de setembro), seguido pelo cantor e compositor Cláudio Lacerda (São Paulo). Quinzenalmente, sempre às quartas-feiras, a partir das 20 horas, e com entrada franca, vão ser atrações também Consuelo de Paula, Trio José, João Ângelo Carrascoza, Renata Mattar, Jean e Joana Garfunkel e o trio Conversa Ribeira.

Serviço:

Imagens do Brasil Profundo recebe José Miguel Wisnik

 O Brasil Profundo em Guimarães Rosa: O Recado do Morro
Data: quarta-feira, 19 de agosto
Horário: 20 horas
Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade
Rua da Consolação, 94, São Paulo, a 500 m da estação Anhangabaú da linha Vermelha do Metrô
Entrada franca

unnamed

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s