Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

629 – Projeto Elas promove em Beagá segundo show, agora com Déa Trancoso, no Cine Teatro Brasil

Deixe um comentário

dea elas

A cantora Déa Trancoso dará prosseguimento nesta terça-feira, 1º de setembro, ao projeto Elas, coordenado por Luiz Trópia e Tadeu Martins, dupla que também coordena o Canto & Viola — que uma vez por mês ocorre em Belo Horizonte com um  violeiro das Alterosas. A apresentação de Déa Trancoso está programada para começar às 19h30, no palco do Teatro de Câmara Cine Brasil. O repertório mesclará músicas que ela gravou em 25 anos de carreira que fazem parte dos álbuns O violeiro e a cantora (2000), com Chico Lobo; Tum Tum Tum (2001), Serendipity (2013) e Flor do Jequi, com Paulo Bellinati (2013), além de canções inéditas que incluirá em novo trabalho, previsto para 2016. 

O projeto Elas começou em agosto, a estreia coube às irmãs Flávia, Lúcia e Marina Ferraz que formam o Amaranto. Sempre às primeiras terças-feiras de cada mês, até dezembro, Trópia e Martins receberão uma nova representante da canção feminina de Minas Gerais e, de acordo com esta agenda, depois de Déa Trancoso será a vez de Rosa Helena, em 6 de outubro. No mês de dezembro, o público terá oportunidade de apreciar Iracema Sabino, dia 1, e, duas semanas depois, Laiza Moraes. Em 3 de novembro o palco estará reservado a Lígia Jacques.

O repertório de Déa Trancoso está reunido em quatro álbuns raríssimos de tanto que são procurados, os quais formam a base para suas cantorias, mas a nativa de Almenara também interpreta canções de nomes consagrados da música brasileira tais como João Bá e Dércio Marques. O que a caracteriza, além da voz singular, é a energia que costuma desprender oriunda de sua formação de uma autêntica filha de Minas Gerais, universo abençoado e sagrado, fonte renovadora e reveladora de talentos.

Déa Trancoso abre portas tanto em terreiros, quanto é bem-vinda em altares, já que parece ser ungida por orixás, santos e anjos e no palco fica ainda mais intensa esta luz própria. Em seu ofício e dedicação à música, recolhe desde canções de lavadeiras entoadas às margens de rios e afluentes do norte mineiro, como o São Francisco, até cantigas de domínio público, chegando à sofisticação de gravar cocos, lundus e batuques, com  Bellinati, e cantigas que retratam a cultura caipira, com o conterrâneo Chico Lobo,  em O Violeiro e a Cantora.

concrto nu

Em sua discografia ouve-se de banjo e acordeom a rabeca e cítara, tocados com muita suavidade, e não faltam batuques e outros instrumentos de percussão cujas batidas ritmadas recordam nossos traços indígenas e afros; em sua obra há o olor, a pulsação, a alma, as diversas formas de espiritualidade brasileiras, revela-se o retrato do povo do sertão que apesar de sofrer tantas mazelas sabe e tem a mania de ser feliz e de se alegrar por encontrar pelo caminho uma simples flor ou rés desgarrada; são alento e uma forma de comunhão entre o chão e a paixão, uma celebração ao amor, aos seres vivos e à vida — que deveria ser ávida, não no sentido de mesquinha ou de demasiada sonhadora ou avara, mas de ampla e continua busca e tomadas de atitudes pela realização e pela completude.

Déa Trancoso também protagoniza Concerto nu para voz e percussão, com Carlinhos Ferreira, e integra o Quarto Crescente, ao lado dos também mineiros Titane, Wilson Dias e Pereira da Viola. O Concerto é apresentado apenas com voz e instrumentos bastante peculiares — alguns confeccionados por Ferreira, de percussão, de cordas ou de sopro como tumbi, pandeirão, flautas de PVC, cabaças, rabeca de duas cordas (Fá e Dó) cuja caixa de ressonância é uma lata de sardinha –, com os quais formulam inusitados arranjos e interpretações para vários sucessos populares. Isto sem contar tambores, bongô chinês e berimbau, que muitos acreditam ser da Bahia, mas que apenas foi abrasileirado. Já a inspiração para o trabalho com Titane, Wilson Dias e Pereira da Viola e participação de André Siqueira (Londrina/PR) é o legado de Dércio Marques (Ubereba/MG), notadamente a obra Segredos Vegetais

Programação do Projeto Elas, sempre a partir das 19h30

1 de setembro: Déa Trancoso ◊ 6 de outubro: Rosa Helena ◊ 3 de novembro: Lígia Jacques ◊ 1 de dezembro: Iracema Sabino ◊ 15 de dezembro: Laiza Moraes

O endereço do Cine Teatro é Praça Sete/Rua dos Carijós, 258, Centro de Beagá. Os telefones para contato são (31) 3201-5211 e (31) 3243-1964.

no-racism1

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s