Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

685 – Diana Pequeno faz apresentação única no Sesc Belenzinho

Deixe um comentário

Diana Pequeno 2

Detalhe da capa de Eterno como areia, que tem musicas de João Bá e Vidal França, Elomar e Hilton Acioli

A unidade Belenzinho do Sesc de São Paulo reservou o palco para a cantora e compositora Diana Pequeno (BA) a partir das 21 horas desta sexta-feira, 16 de outubro, que está de volta ao cenário da música e em junho encerrou a Virada Cultural Paulistana, com direito à concorrida apresentação no Theatro Municipal. Neste novo show, que envolve o trabalho da produtora Charrua Charrua, do violeiro Noel Andrade (SP), os amigos e admiradores de Diana Pequeno deverão ouvir sucessos que ela consagrou e a transformaram em uma das mais cultuadas artistas populares a partir do início da década dos anos 1970 como a elogiada interpretação da versão Blowin’ In The Wind, de Bob Dylan.

Diana Pequeno é natural de Salvador. Possui um repertório caracteristicamente brasileiro que mescla baladas românticas a composições com influências medievais, orientais e afro-brasileiras. Em sua voz ficaram conhecidas poesias de Mário Quintana e  de Cecília Meireles e, por exemplo, peças como Cuitelinho, tema folclórico recolhido e adaptado por Paulo Vanzolini. Acalanto, de Elomar Figueira de Melo; Los caminos, de Pablo Milanez; e Relvas, de Dércio Marques e Cláudio Murilo, juntam-se a Um girassol da cor do seu cabelo (Márcio e Lô Borges) e Olhos abertos (Guarabyra e Zé Rodrix) desde que ela está na estrada e foram reunidas em sete discos.

Diana Pequeno ainda estudava Engenharia Elétrica quando resolveu dar os primeiros passos como cantora, encantando quem a prestigiava em palcos universitários. Ao optar pela música, gravou o primeiro disco em 1978, com direção de criação de Osmar Zan e direção artística e de estúdio de Dércio Marques. O álbum traz as participações especiais de Osvaldinho do Acordeom,  de Gereba, do Grupo Bendegó, de Dorothy Marques e do próprio Dércio Marques, que a acompanha em Blowin’in the wind ao violão.

Em 1979, Diana Pequeno classificou-se para as finais do festival de música da extinta TV Tupi com a música Facho de fogo, de João Bá e Vital França, emplacando, assim, outro de seus sucessos, incluído em Eterno como areia. Outras faixas como Esse mar vai dar na Bahia, de Hilton Acioli; Cantiga de amigo, de Elomar; e Camaleão, do folclore pernambucano, além da música título, de José Maria Giroldo, fazem deste um dos mais antológicos álbuns da música tanto popular, quanto regional.

Públicos de países tão diversos como o Japão aplaudiram Diana Pequeno. Ela participou em Tóquio do 13º Festival Internacional da Canção Popular e recebeu o prêmio originalidade com a música Papagaio dos cajueiros

A discografia de Diana Pequeno, que se consagrou ainda pela versão de You’ve got a friend, de Carole King, gravada como Serei seu bem, e já foi tratada por Joan Baez do Brasil, está disponível para ser baixada em versão mp3. do blogue Quadrada dos Canturis. 

O Sesc Belenzinho fica na rua Padre Adelino, 1.000, a 1.000 metros da estação Belém da linha 3 Vermelha do Metrô. Oferece estacionamento, comedoria e no andar do teatro (terceiro), cafeteria. Os valores da entrada para ver Diana Pequeno partem de R$ 7,50. Para mais informações há o telefone 11 2076 9700.

diana pequeno 1

Álbuns de Diana Pequeno disponíveis para baixar pelo blogue Quadrada dos Canturis

[1978] Diana Pequeno
[1979] Eterno Como Areia
[1981] Sinal de Amor
[1982] Sentimento Meu
[1984] Mistério das Estrelas
[1989] Mistérios
[2002] Cantigas

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s