Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

699 – Violeiros Fábio Porte (SP) e Lucas Ventania (MG) apresentam canções autorais e da tradição caipira no Campo Limpo e no Bixiga, em Sampa

Deixe um comentário

fabio-porte-quadro

O Sesc do Campo Limpo, situado no bairro homônimo na zona Sul paulistana, reservou o palco para o cantor e compositor Fábio Porte apresentar neste domingo, 25, músicas do seu mais recente álbum, Trilhos da Vida e do anterior, o instrumental Jacarandá do Brasil, mescladas a canções consagradas do cancioneiro caipira e regional tais quais Caboclo na cidade (Dino Franco), Merceditas (Ramoncistos Gomes) e Menino da porteira (Teddy Vieira e Luizinho). Não haverá cobrança de ingresso para curtir a cantoria, prevista para começar às 13 horas. 

O Sesc Campo Limpo fica na rua Nossa Senhora do Bom Conselho, 120, próximo à estação Campo Limpo da Linha 5 Lilás do Metrô e do terminal de ônibus do bairro. O repertório que Fábio elaborou levará o público a passear por todo o país  e a conhecer um pouco da história e da cultura de cada região. 

Ao som de viola caipira e de violão, a plateia poderá ouvirá entre outros ritmos com sotaques regionais rasqueado, chamamé, polca paraguaia, pagode caipira, valsa, baião, xote, mais samba e choro — interligados ao tema Sustentabilidade; Jundiaí, cidade onde Fábio Porte reside, fica aos pés da Serra do Japi, bioma que defende e cuja preservação apoia protestando contra a exploração desmedida da madeira e o uso irracional dos seus mananciais, por exemplo. Portanto, a meta da apresentação vai além da divulgação e do resgate de valores de nossa cultura popular: é também um modo de despertar a necessidade imperiosa e inadiável de adotarmos posturas responsáveis e nos engajar no combate à degradação ambiental.

Trilhos da Vida marca a afirmação de Fábio Porte como violeiro e cantor da atual safra da música regional. É amor à poesia em parceria com a Natureza, que ele considera como inspiração divina. Nascido em São Paulo  e que desde criança alimenta raízes sertanejas, neste mais recente trabalho há canções autorais e em parcerias com Sergio Simões, Paulo Alan, Alexandre Fonseca, Pedro Camargo e João Ormond, com produção de Fernando Gambini e arte gráfica do Dalua Marcos.

O novo disco e Jacarandá do Brasil podem ser ouvidos em www.fabioporte.com.br, portal que permite baixar canções e conhecer um pouco mais o trabalho musical  de Fábio Porte.  Ainda menino, ele conviveu com consagrados violeiros durante noites de cantorias das quais participava levado pela sua grande inspiração  com a qual aprendeu os primeiros acordes e o caminho para o universo musical: o pai. Também violeiro e luthier, o artesão Luís Porte era amigo, entre outros, do genial Bambico. E foi o senhor Porte quem fez a primeira viola em que o filho começou a “arranhar” as cordas.  À medida que crescia, Fábio Porte também recebeu influências de elementos das culturas dos estados de origem dos seus pais, Minas Gerais e Paraná.

ventania

Lucas Ventania

Antes de prestigiar Fábio Porte no Campo Limpo um boa pedida de música de viola e outra dica do Barulho d’água Música é dar ainda na véspera uma esticada até a rua São Vicente, 157, endereço situado no tradicional bairro paulistano Bixiga onde fica a casa na qual a partir das 21 horas o cantor e compositor Lucas Ventania apresentará músicas típicas da cultura cabocla pelo projeto A Viola e o Queijo. Natural de Alpinópolis, cidade mineira que já foi conhecida por Ventania, da qual herdou o nome artístico,  Lucas Ventania já se apresentou em diversos festivais e no programa Sr. Brasil, como convidado de Rolando Boldrin, em 2014. 

Anistia

 

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s