707 – Fabrício Conde (MG) toca de ijexá a cateretê e encanta com viola “mágica” plateia do Sesc Pinheiros (SP)

fc arte

Fabrício Conde gosta de contar entre uma música e outra um “causo” que deixa a plateia arrepiada. Ele mesmo fica assustado e não toca a “sinistra” composição (e curioso: ninguém a pede, ao contrário!) que menciona nesta história, a qual aprendeu com uma anciã, Dona Alzira — moradora de retirada casinha situada em São Francisco (MG), cidade às margens do Velho Chico –, pois jura: não mexe com nada do outro mundo. Mas embora conte que procede de Juiz de Fora, cidade terrena da Zona da Mata mineira, o próprio não parece ser deste plano, não, vai ouvindo: com apenas as duas mãos, Fabrício Conde tira dos “instrumentos” sonoridades de outros mundos!

Continue Lendo “707 – Fabrício Conde (MG) toca de ijexá a cateretê e encanta com viola “mágica” plateia do Sesc Pinheiros (SP)”

706 – Walgra Maria e Diana Pequeno: não perca o Sr.Brasil do primeiro domingo de novembro!

wm

Neste domingo, 1º de novembro, o programa Sr. Brasil será compromisso obrigatório para quem curte boa música: Rolando Boldrin receberá as cantoras Walgra Maria e Diana Pequeno, a partir das 10 horas, e também declamará o causo A Italianinha. As gravações serão reprisadas às 2 horas da quarta-feira, 4.

Walgra Maria é de São João da Boa Vista (SP) e estava acompanhada no dia da gravação no teatro do Sesc Pompeia por Renata Melo (voz), Vinícius Alves (viola) e Mauro César (cajón). Walgra cantou duas belas modas dos artistas daquela cidade Edvina e Fábio Noronha em disco que ela gravou, dedicado a ambos, e que deixaram Boldrin encantado por serem “simplesinhas”.  Ela doou ao final das gravações um exemplar do álbum para o acervo do Barulho d’água Música, junto com Caminho da Fé, que tem a participação do saudoso Dércio Marques. Vinícius Alves disponibilizou o álbum  instrumental Violas e Veredas.

Já Diana Pequeno (Salvador/BA) foi recebida com Mauro Peroni (violão), Ney Marques (bandolim) e Cássio Poletto (violino) e relembrou entre tantos sucessos que a consagraram Cantiga de Amigo (Elomar), Diverdade (Chico Maranhão) e Trem do Pantanal (Geraldo Roca e Paulo Simões).

dp

Sobre Edvina e Fábio Noronha

edivina
Foto de Edivina Noronha extraída do álbum gravado por Walgra Maria

Alegre e dinâmica, Edvina Noronha (1893-1985) nasceu e viveu sempre em São João da Boa Vista. Ainda criança manifestou veia artística aprendendo piano com o pai, instrumento considerado nobre no início do século XX. Mas a menina gostava mesmo era do violão, este apontado como supostamente vulgar para época e só tocado em botequins, o que não ficava bem para uma mocinha.

Ignorando as convenções, Edvina fez do violão o instrumento de sua paixão e teve participação ativa na vida cultural da cidade organizando musicais, saraus e peças teatrais apresentados no Teatro Municipal. Foi titulada membro honorário da Academia de Letras de São João da Boa Vista e compôs cerca de 500 músicas, todas para violão, a maioria ligada à vida simples do campo, ao folclore são-joanense e à exaltação patriota. As músicas Cateretê e Bolinho de Fubá tornaram-se nacionalmente conhecidas ao serem gravadas por Inezita Barroso.

Office Lens_20151030_120139_processed
Retrato de Fábio Noronha pintado por Ronaldo Noronha

Fábio Noronha (1918-1991), também são-joanense, aprendeu as primeiras letras no Grupo Escolar Coronel Joaquim José. Portador de um grave e raro defeito físico, ainda criança, examinado por especialistas, acabou desenganado pelos médicos, mas não se abateu. Atuou como jornalista, radialista, cronista, músico, poeta e escultor e desde jovem afirmou-se como um dos expoentes da intelectualidade local.  Trabalhou na Rádio Difusora, depois, como filial da Rádio Piratininga de São Paulo, tornou-se diretor- gerente.

Escritor dotado de fina sensibilidade, em 1971, Fábio Noronha foi um dos fundadores da Academia de Letras de São João da Boa Vista, instituição na qual ocupou a cadeira 17.  Como músico dominava cinco instrumentos. É coautor do hino Oficial de São João da Boa Vista ao lado da professora Lucila Martarello Astolfo e deixou valioso acervo de trabalhos literários.