748 – João Arruda e Nádia Campos, recebidos pelo Sankara Duo, levam ao Chile o Dandô Circuito de Música Dércio Marques

joão e nádia

O Dandô Circuito de Música Dércio Marques, premiado projeto idealizado pela cantora e compositora paulistana Katya Teixeira, completando o segundo ano, atravessou fronteiras e está chegando ao Chile, país sul-americano no qual estará representado no dia 9 de dezembro pelos músicos João Arruda e Nádia Campos. Os brasileiros serão recebidos por Felipe Ignacio Valdez Carraha e Fernanda Mosquera Castro, que formam o Duo Sankara, anfitriões do show marcado para começar às 20 horas no teatro da La Casona Nemésio Antúnez, cujo endereço é avenida Alcalde Fernando Castillo Velasco, 8.580, a ex-avenida Larran, situada em La Reina, Santiago. O ingresso custará $ 3.000.

O Sankara Duo surgiu do Grupo Merkén,  em 2006. Enquanto aquele projeto pretende fundir a música erudita com a popular, a proposta do Sankara visita as raízes da música latino-americana. Formado por Felipe e Fernanda, a singular dupla chileno tem dado amostras do seu talento em importantes eventos como o Festival Charango al Sur del Sur (Chubut, Argentina, 2009); Taller Pantheatro y Noche del Charango Chileno (Santiago, 2010); Urubamba Chile (Santiago); e VIII Encuentro Internacional de Charanguistas (Sucre, Bolívia), ambos em 2011. Em 2012 lançou o primeiro disco, Sombras, realizado com financiamento do Fondo de Fomento de la Música Nacional e apresentado em junho no Teatro Sidarte.

sankara duo

Tanto Felipe como Fernanda são licenciados em Artes com Menção em Teoria da Música, egressos da Universidad de Chile. A sua importante formação e experiência se somam ao gosto por melodias e canções da nossa Patria Grande, vertidas com entrega e detalhada interpretação em distintos instrumentos: violões, kalimba, charango, ocarina, walaycho, apoiados por expressivas vozes.

Nádia Campos é cantora, compositora e educadora nascida em Belo Horizonte (MG) e canta desde menina: sua voz não guarda fronteiras e com seu violão vem aprendendo e divulgando a música  de diversas culturas, com destaque para o amor às raízes brasileiras e  latinas. Nádia estudou em importantes centros de música, mas a própria vida vem sendo a maior escola. Aos 9 anos participou do disco infantil Enrola Bola,  do conterrâneo Rubinho do Vale; mais tarde enriqueceu trabalhos como Andejo, de Joaci Ornelas; Cantilenas de Jardim, de Fernando Guimarães; Umamakaia -Espírito do Vento, de Sotero Sol; Cavaleiro Macunaíma, de João Bá; a coletânea O Jardim de Todos, poemas musicados de Carlos Rodrigues Brandão.

Em 2008, gravou o disco Por que Cantamos, inspirado no poema do uruguaio Mario Benedetti, com canções próprias, populares e tradicionais nas quais relê outras obras. Em 2013 Nádia Campos publicou Cantigas de Beira Rio, dedicado ao tema águas — rios, mares, povos ribeirinhos. A maioria das canções são parcerias com o mestre e amigo João Bá. Participou e se apresentou em diversos espaços, encontros e seminários e dividiu o palco com Dércio Marques, Doroty Marques, João Bá, Pena Branca, Katya Teixeira, Pereira da Viola, Fernando Guimarães, João Arruda, Levi Ramiro, Joaci Ornelas, Carlinhos Antunes, dentre outros.

O cantor, compositor e multi-instrumentista João Arruda, natural de Campinas (SP), possui destacado talento para tocar violas e instrumentos de percussão. Declara-se um trovador apaixonado pela cultura e tradições populares e vem ganhando elogios como  artista comprometido com a valorização e a criação de temas e canções da cultura popular brasileira e da América Latina. Além de músico, João Arruda é produtor fonográfico. Sua obra pode ser encontrada em mais de 15 álbuns, nos quais aparece como artista, convidado ou produtor. É constantemente requisitados para festivais, programas de rádio e emissoras de televisão e assina diversas trilhas sonoras para espetáculos, documentários e filmes.

A trajetória musical inclui turnês por Brasil e exterior; com o grupo de Pífanos Flautins Matuá integrou o projeto Samarro’s Brazil realizando concertos na França e na Itália, e já percorreu Argentina, Bélgica, Inglaterra e o País Basco com seu concerto Entre Violas e Couros. É idealizador e curador do projeto musical Arreuní, que promove encontros mensais com diversos artistas brasileiros e convidados estrangeiros. Em 2007 lançou Celebrasonhos, seu mais recente disco é Venta Moinho (2013), mas já está preparando o terceiro “filho”, celebrando dez anos de carreira solo, Entre Violas e Couros, apenas com canções autorais gravadas ao vivo.

Sobre o Circuito Dandô

 

Ao idealizar o Dandô Circuito de Música Dércio MarquesKatya Teixeira pretendia fomentar a circulação de música de qualidade inquestionável por todo o Brasil, reunindo artistas de várias regiões, e, assim, além de criar intercâmbios, gerar novas plateias. Quem já se apresentou possui trabalhos reconhecidos e merece melhor projeção no panorama nacional, o que proporcionaria às pessoas acesso a outras linguagens e propostas produzidas fora da “grande mídia”.  Um artista sai de cada cidade e passa por todos os pontos do circuito, girando a roda de forma contínua. Cada edição conta sempre com um artista do local recebendo e abrindo o espetáculo para o convidado, em shows de aproximadamente noventa minutos. Ao final, um bate-papo entre artistas e plateia fecha a apresentação. O público de várias cidades de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina, do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais, de Goiás, de Pernambuco e do Distrito Federal já prestigiou shows da caravana.

O objetivo de Katya Teixeira é, ainda, tornar popular o nome de Dércio Marques e seu inestimável legado não apenas para a música, mas para toda a cultura brasileira. Mineiro de Uberaba, Dércio Marques morreu em julho de 2012, em Salvador (BA), deixando como maior legado uma grande escola que transcende a composição musical e poética e propõe, ainda, uma postura mais íntegra e solidária de viver, voltada tanto para a preservação da natureza, quanto para o aprimoramento espiritual de cada individuo, sem deixar de lado o engajamento político e social. 

O Dandô recebeu em dezembro de 2014 o Prêmio Brasil Criativo na categoria Artes de Espetáculo/Música, no Auditório Ibirapuera (SP). Promovido pelo Ministério da Cultura, pelo Projeto Hub e pela 3M, o Brasil Criativo contemplou 22 projetos  perante um público de mais de 800 pessoas. 

moinho

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s