803 – Ratos de Porão e trio “caipira” estão na programação de fevereiro de projeto do Sesc sobre o Lira Paulistana (SP)

Casa-Benedito-Calixto-credito-Calil-Neto
O Lira Paulistana começou como um pequeno teatro em Pinheiros, depois acolheu várias outras formas de manifestação artística dos integrantes da Vanguarda Paulistana engajada com a renovação de linguagens e do conceito de entretenimento durante seis anos, agitando os parâmetros culturais não apenas em Sampa, mas país afora (Foto: Arquivo Pessoal de Calil Neto)

O Sesc Ipiranga está promovendo espetáculos musicais e atividades protagonizados por expoentes da turma de artistas que formou a Vanguarda Paulista entre 1979 e 1986, inicialmente concentrada no teatro Lira Paulistana, que ficava no bairro de Pinheiros, na cidade de São Paulo. Batizado Lira Paulistana: 30 anos. E depois?, o projeto pretende gerar reflexões e por em debate a produção contemporânea, convidando artistas daquele movimento para discorrer sobre os caminhos da criação e como se desenha hoje, em Sampa, os espaços catalisadores da nova produção e do experimentalismo. O cronograma começou a ser cumprido em janeiro e prosseguirá com novas atrações neste mês, com ingressos cotados entre R$ 6 e R$ 20,00.

Continue Lendo “803 – Ratos de Porão e trio “caipira” estão na programação de fevereiro de projeto do Sesc sobre o Lira Paulistana (SP)”

Anúncios

802 – Maria Alcina e Roberto Seresteiro são atrações da folia no Sesc de São Caetano do Sul (SP)

alcina arte scs
Maria Alcina: em mais de quarenta anos de carreira a irreverência sempre foi a marca principal da cantora que interpreta gênios como Luiz Gonzaga e Pixinguinha e que no Sesc cantará Carmem Miranda (Foto: Marcelino Lima/Arquivo Barulho d’água Música)

Para quem mora em Sampa e região metropolitana e está a fim de folia, mas não gasta paciência incrustado em uma poltrona assistindo aos desfiles de escolas de samba, nem alimenta disposição para encarar a muvuca do Anhembi ou de um bloco de rua, o Barulho d’água Música tem duas dicas relacionadas a conteúdos de Carnaval, ambas a serem promovidas pelo Sesc São Caetano, situado em São Caetano do Sul. A primeira, já na sexta-feira, 5, é curtir Maria Alcina interpretando sucessos consagrados por Carmem Miranda, a partir das 20 horas, na área de convivência, com entrada entre R$ 5 e R$ 17. No mesmo espaço, mas no dia seguinte, e mais cedo, a partir das 15 horas, estará Roberto Seresteiro relembrando marchinhas e músicas tradicionais que marcaram época na festa mais popular do Brasil. De graça!

Continue Lendo “802 – Maria Alcina e Roberto Seresteiro são atrações da folia no Sesc de São Caetano do Sul (SP)”

801- Anderson Baptista e Rodrigo Nali encerram festival violeiro em São Francisco Xavier (SP)

catrumano 2

Os violeiros Anderson Baptista e Rodrigo Nali serão a atração deste sábado, 30 de janeiro, da última rodada da temporada do festival São Chico das Violas, que a Photozofia Cozinha & Arte anualmente promove no distrito de São Francisco Xavier, situado em São José dos Campos, cidade do Vale do Paraíba, no estado de São Paulo. A dupla estará no palco montado no Largo São Benedito, 105, a partir das 21h30, apresentando repertório inspirado em Cornélio Pires e outras referências da cultura caipira como Tonico e Tinoco, Tião Carreiro, Tião do Carro, João Mulato, Bambico e Zé Mulato. Em 2016, o público do São Chico das Violas já curtiu Daniel Franciscão & Sérgio Turcão; Wilson Teixeira; e Ricardo Vignini e Zé Helder, estes apresentando o mais recente lançamento da série Moda de Rock.

Experientes violeiros com passagem por importantes formações de viola instrumental pelo Brasil e exterior, Anderson Baptista e Rodrigo Nali também vão animar a plateia que frequenta o projeto Viola&Café do Sesc Campinas (SP), a partir das 10 horas do domingo, 14 de fevereiro. Desta vez o repertório trará composições do primeiro álbum, que está em fase de produção, e deverá ser lançado ainda em 2016, sempre baseado na autêntica música caipira. Enquanto degusta um típico café de roça, os admiradores poderão curtir sucessos como Gato de Três Cores (Carreirinho), Capiau (Tião do Carro e Caetano Erba), Louco Romântico (Zé Mulato) e Sistema Bruto (Ruan e Juarez Benites), entre outros.

O Sesc Campinas não cobra entrada para os concertos do Viola&Café,  fica na rua Dom José I, 270, Bonfim, e o telefone para mais informações é (19) 3737-1500

11800199_10153415689722088_4094266585024229638_n

 

 

800 – Barulho d’água Musica completa discografia do violeiro, compositor e professor Ivan Vilela (MG)

ivan arte sesc instrumental

O compositor, arranjador, pesquisador e professor universitário Ivan Vilela (Itajubá/MG) forneceu ao Barulho d’água Música arquivos de sua obra fonográfica que incluem álbuns hoje raros como Hortelã e Vereda Luminosa, Teatro do Descobrimento e Espiral do Tempo. Ivan Vilela é considerado um dos mais talentosos violeiros de todos os tempos no Brasil e não apenas em seu meio já que é muito respeitado entre os colegas músicos de todos os segmentos e ainda na Academia, ambiente no qual ajudou a despertar o interesse pelas pesquisas e produções cujo tema é a viola caipira e o universo rural a ela associado, incluindo costumes e o linguajar em variados períodos desde a colonização por Portugal. É autor de Cantando a própria história – Música caipira e enraizamento, livro da Editora da USP (Edusp). 

Continue Lendo “800 – Barulho d’água Musica completa discografia do violeiro, compositor e professor Ivan Vilela (MG)”

798 – Itaú Cultural (SP) anuncia apresentações de Cida Moreira e Trovadores Urbanos em fevereiro

Cida Moreira 

A cantora Cida Moreira está anunciada como uma das atrações musicais do Itaú Cultural no mês de fevereiro para apresentar ao público composições de Soledade, recente trabalho no qual interpreta entre outras releituras de Viola Quebrada (Mario de Andrade), Construção (Chico Buarque) além de O Pulso (Titãs). A apresentação de Cida Moreira ocorrerá na quinta-feira, 18, a partir das 20 horas, na sala térrea da Galeria Itaú Cultural situada na Avenida Paulista 149, São Paulo, próxima à estação Brigadeiro da linha 2 Verde do Metrô). Terá duração de 60 minutos, classificação etária livre e distribuição de ingresso uma hora antes do e início do espetáculo.

 

trovadoresurbanos730
Juca e Maída Novaes, Valéria Caram (vestido rosa) e Edhuardo Santana formam o quarteto fundador do grupo Trovadores Urbanos (Foto: Divulgação)

Um dos mais tradicionais grupos paulistanos de serestas, o Trovadores Urbanos, está completando 25 anos, e para comemorar a marca protagonizará na sexta-feira, 19, show no qual os admiradores poderão curtir de perto a partir das 21 horas a irreverência e também o lado romântico de composições entremeadas a recordação de histórias e de curiosidades neste período de atividades. O repertório que está sendo elaborado para o Auditório do Ibirapuera já reúne canções como Começaria Tudo Outra Vez (Gonzaguinha), Luar do Sertão (Catulo da Paixão Cearense), Sinfonia Paulistana e (Billy Blanco)  Se Todos Fossem Iguais a Você (Tom Jobim). Na ocasião um álbum e um DVD com a participação de artistas convidados será gravado. O Auditório Ibirapuera está na Avenida Pedro Álvares Cabral, Parque do Ibirapuera, com entrada pelo portão 3. Uma hora antes a entrada será distribuída, com limite de duas por pessoa e em quantidade sujeita à lotação da casa. Para mais informações tecle 11 3629 1075 ou consulte www.auditorioibirapuera.com.br 

11800199_10153415689722088_4094266585024229638_n

797 – Shows com Gilberto Gil e Maria Gadú, concertos, trio elétrico e musical infantil são destaques dos 462 anos de Sampa

Gilberto Gil
O cantor e compositor Gilberto Gil estará no bairro Luz para show em homenagem a São Paulo, com entrada franca e abertura dos Demônios da Garoa (Foto: Vagner Campos/MSilva Online – 12/09/2014)

Maior cidade do Brasil, São Paulo completará 462 anos de fundação na segunda-feira, 25, e para marcar a data já estão sendo promovidos eventos e atrações para todos os públicos, das mais variadas formas de manifestação artística e cultural, além de atividades esportivas e de lazer em vários bairros. Boa parte das opções é gratuita e algumas permitirão ao público interagir com figuras de proa em seus segmentos de atuação. Quem curte boa música, por exemplo, poderá assistir com um pulinho ao Centro Esportivo e de Lazer Tietê (avenida Santos Dumont, 843, Luz) Gilberto Gil cantando os sucessos da carreira precedido pelos Demônios da Garoa, a partir das 16 horas. Por volta das 10h30, quem estiver nas imediações da Catedral da Sé terá a chance de prestigiar o maestro João Carlos Martins regendo a orquestra Bachiana Filarmônica do Sesi. Entre as composições clássicas que os paulistanos e os turistas ouvirão o repertório destacará obras de Beethoven, Bach e Mozart, além de uma versão de Trem das Onze, uma das mais emblemáticas canções sobre São Paulo, de Adoniran Barbosa.

Notória filha da Boa Terra assim como o conterrâneo Gilberto Gil, Daniela Mercury puxará trio elétrico por vias da zona Sul de São Paulo à véspera do feriado, a partir das 15h30. Quem ainda não morreu e gosta de botar para quebrar encontrará o início do cordão na avenida Faria Lima, 1635. Maria Gadú também reforçará o coro de parabéns a São Paulo durante apresentação do mais recente álbum, Guelã, a partir das 20 horas do sábado, 22. O palco estará na Casa de Cultura Palhaço Carequinha (rua Professor Oscar Barreto Filho, 252, Grajaú). Duas horas antes, Criolo animará a galera que pintar no Palco Parelheiros.

Bichos de Cá e Fabiana Cozza

As festividades pelos 462 anos de Sampa incluem, ainda, a abertura do Theatro Municipal (Centro) na segunda-feira, 25, para concertos com a Orquestra Experimental de Repertório (OER), com participações do Coro Lírico Municipal de São Paulo (sob regências de Carlos Moreno, OER, e Bruno Greco Facio, Coral) e Fabiana Cozza, na Escadaria Interna; o Salão Nobre, simultaneamente, estará reservado ao Quarteto da Cidade. A distribuição de ingresso começará às 8 horas. A programação estará sujeita a mudanças mesmo após a publicação deste texto.

Fabiana-Cozzafoto-Daniel-Kersys
Os frequentadores do Theatro Municipal ouvirão Fabiana Cozza cantando para acompanhar concerto com participações da Orquestra Experimental de Repertório e do Coro Lírico Municipal de São Paulo (Foto: Daniel Kersys/Conversa com Verso)

Para a garotada, a dica do Barulho d’água Música é colar no Sesc Vila Mariana e a partir das 15h30 passear por várias regiões do Brasil levada pelo musical Bichos de Cá, do grupo paulistano Nhambuzim.  Durante a viagem, os guris e os marmanjos conhecerão diversas espécies que ocorrem na fauna brasileira e os locais nos quais é mais comum elas serem encontradas, todas muito bem caracterizadas por um figurino e adereços impecáveis  de Cibele Jardim.

Além do habitat de tatus, jabutis, tamanduás, jacarés, araras e sucuris, as letras trazem informações e mensagens de conscientização ecológica. Cada canção segue um ritmo diferente — do coco à guarânia, passando por congada, chamamé e jongo, além de carimbó — escolhido de acordo com a região no qual o animal vive. O Nhambuzim, desta forma, une mensagens que reforçam a luta contra a extinção e de quebra ainda revela ao público a riqueza da nossa cultura popular expressa tanto por meio da música, como por meio da dança e esquetes teatrais, entre outros elementos presentes em cada manifestação. Integram o Nhambuzim a cantora Sarah Abreu, André Oliveira (percussão), Edson Penha (voz), Itamar Pereira (baixo), Joel Teixeira (voz, viola e violão), Rafael Mota (percussão) e Xavier Bartaburu (piano e arranjos vocais).

11800199_10153415689722088_4094266585024229638_n

796 – Moda de Rock II vai ralar as botas no Interior paulista e pega a estrada depois do concerto de estreia no Sesc Pinheiros

moda de rock arte

Assim que as luzes se acenderam para iluminar o palco do Sesc Pinheiros no domingo, 17, no qual começavam a tomar postos Ricardo Vignini e Zé Helder, um gaiato da plateia gritou, certamente fazendo troça: “toca Raul!”. Os músicos com certeza ouviram (em outras ocasiões durante a mesma apresentação nas quais foram chamados ou escutaram gracejos interagiram bem humorados com o público), mas cornetada ou não, frustraram o pedido. Obviamente, ambos nada têm contra o Maluco Beleza, que até poderia ter ganhado, sim, uma releitura de algum dos seus muitos sucessos na obra que os dois astros da noite ali iriam começar a mostrar, oferecendo um eclético repertório que mesclou desde Black Sabbath a Ozzy Osbourne, The Ramones (do tempo em que Zé Helder “era o único punk de Cachoeira de Minas”) e Pink Floyd (do período durante o qual Ricardo Vignini “passava a semana inteira em São Tomé das Letras tomando apenas cafezinho e comendo pão com mortadela e estava tudo lindo”). O concerto número 1 do álbum Moda de Rock II, entretanto, acabou sendo tão variado que até mesmo Raulzito o aplaudiria de pé  (se é que não estava no pedaço, vai saber!) fazendo o característico gesto de esticar apenas os fura-bolos e os mindinhos das duas mãos, sem se queixar, portanto, da compreensível omissão, yeah!.

O banquete proposto pelo cardápio, enfim, foi farto, uai, satisfez missourianos e piracicabanos: além dos já citados astros e grupos, o show de lançamento do segundo álbum da série iniciada em 2011, agora com mais 12 versões instrumentais de clássicos do rock para viola caipira (no Sesc foram sete, incluindo duas dinâmicas, com afinações em Cebolão D e E e Rio Abaixo, por exemplo) teve ainda Tião Carreiro, Matuto Moderno, Mozart e AC/DC, com direito até mesmo a Chico Mineiro (Francisco Ribeiro/Tonico), consagrado hino do sertão que Vignini e Zé Helder fundiram a Why Worry (do “caboclinho Mark Knopfler”, líder do Dire Straits) a passagens que fizeram lembrar e por na roda, ainda, os magistrais Ravi Shankar e Luiz Gonzaga quando Vignini e Zé Helder recebiam o ilustre convidado Robertinho do Recife!

O ícone da guitarra brasileira mundialmente conhecido tomou parte também em Bachianas Brasileiras (Villa Lobos), Gemedeira (parceria dele com Capiba)/Natureza (Ruy Maurity) e Paint in Black (The Rolling Stones). Já os característicos riffs de Robertinho do Recife soaram brilhantemente em Ghost Riders In The Sky, a famosa canção de  Stan Jones popularizada por Johnny Cash e Elvis Presley que relata  a visão do estouro de uma boiada de olhos avermelhados e patas de aço sendo perseguida por vaqueiros  amaldiçoados e que por aqui ganhou uma versão de Carlos Gonzaga, interpretada por Milton Nascimento. Pois é, viagem pura, mano!

O Moda de Rock II chegou às lojas e à internet em 6 de janeiro amparado em prêmio previsto em lei por meio do ProAC, vinculado à Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, para a produção do disco e circulação dos shows pelo Estado. Assim, a dupla pretende revisitar agora todos os lugares onde foi recebida por plateias entusiasmadas que lotaram as casas de espetáculos para curtir o primeiro Moda de Rock & Viola Extrema, gastando ainda mais a sola das botas, ou dos pares de tênis que calçarem para compor o visual da roupa preta sob camisa xadrez. Após a apresentação em São Paulo, Moda de Rock II será levado a várias cidades do interior e região metropolitana paulistas, com a primeira escala já neste sábado, 23, no distrito de São Francisco Xavier, localizado em São José dos Campos, movimentando mais uma rodada do festival São Chico das Violas (largo São Sebastião, 105), a partir das 21h30 (mais informações e reservas pelo telefone 12 3926-1406

O primeiro Moda de Rock & Viola Extrema contabilizou mais de 300 concertos,  saiu em DVD com as participações dos guitarristas Pepeu Gomes e Kiko Loureiro e do tradicional grupo Os Favoritos da Catira e colocou a dupla em palcos ao lado dos guitarristas Andreas Kisser (Sepultura), Lúcio Maia (Nação Zumbi), além de Renato Teixeira. Tocou em todo o Brasil, Estados Unidos e Argentina, um fenômeno de mídia e de vendas para um projeto nascido quase como brincadeira e que, em tese, seria arriscado por unir duas tendências dispares. A intenção era mostrar aos alunos o potencial da viola (Ricardo e Zé atuam também como professores do instrumento) e reviver a trilha sonora da adolescência. Foi assim que no espírito da viola caipira In the Flesh (Pink Floyd), por exemplo, tornou-se uma singela valsinha, Aces High (Iron Maiden) e Master of Puppets (Metallica) ganharam levadas de pagodes de Tião Carreiro e a viola bombou em templos até então inéditos para mostrar com o virtuosismo do ousado duo que há muitas semelhanças entre os jeitos de tocar Chora, Viola! e peças como Norwegian Wood (This Bird Has Flown), entre outras. Um brinde regado ao melhor 12 anos aos roqueiros que usam chapéu de palha e esgravatam os dentes com um ramo de capim gordura depois de apreciar um bom naco de pamonha!

Agenda de shows do Moda de Rock II

23 de janeiro, 21 horas, São Francisco Xavier/SP
12 de fevereiro, 20 horas, Assis/SP
13 de fevereiro, 20 horas, Guarulhos/SP
19 de fevereiro, 20h30, Santa Barbara D’Oeste/SP
25 de fevereiro, 20 horas, Tatuí/SP
27 de fevereiro, 20 horas, Brotas/SP
3 de março, 20 horas, Bragança Paulista/SP
9 de março, 20 horas, Botucatu/SP
10 de março, Patrocínio Paulista
12 de março, São Bernardo do Campo

 

795 – Com concerto em Porto Alegre, Duo de Viola e Acordeon comemora dez anos de parceria

11149528_667081943437476_3935056832776481879_n
Rafael de Boni e Valdir Verona tocam juntos há dez anos e resgatam a utilização da viola caipira na música gaúcha e a força do acordeon como catalisador de influências das culturas regionais (Crédito: Divulgação do Duo de Viola e Acordeon)

O Duo de Viola e Acordeon, formado pelos músicos gaúchos Valdir Verona e Rafael de Boni, está completando dez anos de atividades e começará os festejos pela frutífera marca neste sábado, 23, como atração do 2º. Ecarta Musical de 2016, evento marcado para começar às 19 horas, com entrada franca, no palco da Fundação Ecarta, em Porto Alegre. Valdir Verona (viola e craviola de 8 cordas) e Rafael de Boni  (acordeon) apresentarão ao público repertório instrumental baseado nos álbuns autorais Encontro das Águas (2007) e Parceria nº 2 (2014), além do DVD ao vivo lançado em 2015, trabalho que contou com a participação de Yamandu Costa. As composições selecionadas buscam resgatar o uso da viola caipira na música do Sul e por meio do acordeon repercutir traços da cultura das regiões fronteiriças do Brasil. O programa inclui Parceria nº 1, Corcoveado, Chacarera para desvendar caminhos, Temas do folclore gaúcho, Estações, Das bandas do poente, Cinco tentos Felicidade/Luar do sertão, La muerte del indio e Parceria nº 2.

 A Fundação Ecarta fica na Avenida João Pessoa, 943, Porto Alegre/RS, e disponibiliza para mais informações o  número de 51 4009-2970.

Galpão Nativo

941041_797481937064142_3783396670352451963_n
Elton Saldanha (de chapéu), Loma, os integrantes do grupo Chão de Areia, Valdir Verona e Rafael de Boni

Ao lado do grupo Chão de Areia (formado pelos músicos Mário Tressoldi, Chico Saga e Flávio Júnior, com participações da cantora Loma), o Duo de Viola e Acordeon gravou na sexta-feira, 15, passagem para o programa de Elton Saldanha Galpão Nativo, destaque da TVE gaúcha aos domingos e em horário alternativo aos sábados, sempre a partir das 8 horas. A gravação com ambos ainda aguarda encaixe na programação da emissora para ser levada ao ar.

Além da boa música gaúcha, Elton Saldanha promove entrevistas e abre espaço para  reportagens sobre manifestações artísticas do Sul do Brasil incluindo  literatura, costumes e lidas campeiras, procurando promover  um olhar reflexivo, diversificado e contemporâneo sobre a cultura gaúcha. Ele recebe no palco tanto novos talentos, quanto artistas consagrados e autores de trabalhos instrumentais. O objetivo é estabelecer pontes entre o urbano e o rural, o tradicional e o contemporâneo, o antigo e o atual, ressaltando os sotaques e os estilos das diferentes regiões do estado e gerando intercâmbios com a arte latino-americana.

Valdir Verona, conforme observa a jornalista Dóris Fialcoff, vem resgatando a viola na música do Sul em recitais, concertos, composições, gravações, edições de partituras, aulas e oficinas de música e como um dos baluartes do Dandô Circuito de Música Dércio Marques. Autor de sete álbuns, um DVD e três livros com discos encartados, além de diversas participações em gravações e produções de CDs e DVDs, tem entre os troféus que já arrebatou duas estatuetas do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira. O talento de Valdir Verona é reconhecido e prestigiado também no exterior: o caxiense representou o Brasil na homenagem ao país durante o Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça em 2012, e a 25ª Feira Internacional do Livro de Bogotá, na Colômbia.

Rafael De Boni é natural de Vacaria, radicado em Caxias do Sul. Acompanhou de acordo com Doris Fialcoff vários conjuntos e artistas solos em concertos e festivais de música. A carreira solo já possui quatro álbuns e um DVD gravados, aos quais se somam acima de  300 participações em CDs dos mais diferentes estilos, fora jingles e campanhas publicitárias como acordeonista e contrabaixista. Rafael de Boni enriqueceu o currículo passando por diversos festivais, entre os quais o  8º Brasil Instrumental de Tatuí, em São Paulo, e o 1º Festival Voa Viola edição de Brasília, ambos com o Duo de Viola e Acordeon.

Show do Duo de Viola e Acordeon, com Rafael De Boni e Valdir Verona
23 de janeiro, sábado, às 19h
Fundação Ecarta: Avenida João Pessoa, 943, Porto Alegre
Informações: 51 4009.2970 e www.ecarta.org.br

11800199_10153415689722088_4094266585024229638_n

794 – I Mostra Dandô de 2016 leva caravana de músicos a três cidades gaúchas e ao Uruguai

dando sul

Alô povos e seguidores do Dandô Circuito de Música Dércio Marques! O projeto distinguido pelo Prêmio Brasil Criativo que leva a vários estados do Brasil música de qualidade e já chegou ao exterior iniciará neste dia 24 de janeiro o terceiro ano de atividades consecutivas. Três cidades gaúchas, começando por Torres, compõem o roteiro dos primeiros giros da nova temporada, que entre 26 e 29 passará também pelo vizinho Uruguai, o quarto país sul-americano depois do Chile, da Bolívia e da Argentina a receber as caravanas da Mostra Dando Latino América. O time escalado desta vez terá a idealizadora do Dandô, Katya Teixeira (São Paulo/SP), Erick Castanho (Uberlândia/MG), Giancarlo Borba (Terra de Areia/RS), e Valdir Verona (Caxias do Sul/RS), mais o trombonista Roberto Sousa (Pelotas/RS).

 As mostras do Dandô Latino América são chamadas para a circulação de shows que cobrem o período de março a dezembro. A  Bolívia recebeu Giancarlo Borba, a Argentina contou com Katya Teixeira, acolhida por Ximena Villaro, e em  de dezembro João Arruda (Campinas/SP) e Nádia Campos foram recepcionados no Chile pelo Duo Sankara, no Chile.

Depois das apresentações no Rio Grande do Sul e no Uruguai, Katya Teixeira e os demais membros que protagonizam o Dandô em diferentes estados nacionais têm encontro marcado entre 17 e 21 de fevereiro, novamente em Uberaba (MG), a exemplo do que ocorreu em no ano passado, onde com apoio imprescindível de Gilberto Rezende e da Fundação Cultural de Uberaba definirão as diretrizes de 2016, no Hotel Casa do Folclore. A cantoria de confraternização e de abertura oficial da jornada deste ano do Dandô estão previstas para 20 de fevereiro, no mesmo espaço que vem abrigando os músicos do circuito desde 2014, o Teatro Experimental de Uberaba (TEU).

Os ingressos sairão por R$30 (inteira) ou R$15 (meia) e para quem comprar antecipado reduzidos para R$ 20 e R$ 10, respectivamente. Em 2015, além do pessoal de apoio e que atuou nos bastidores, o Dandô colocou no palco do Teatro do Sesi de Uberaba Rosa Barros (Formosa/GO), Cacá Sankari (Uberaba/MG), Paulo Matricó (Recife/PE), Oswaldo Rios (Curitiba/PR), João Arruda, Valdir Verona, Katya Teixeira, Giancarlo Borba, Erick Castanho, André Salomão (Barbacena/MG), Marcelo Taynara (Uberlândia), Nádia Campos, Lilian Fulô e Luiz Salgado (Araguari/MG).

Intercâmbio e novas plateias

Por meio do Dandô Circuito de Música Dércio Marques Katya Teixeira e os demais músicos envolvidos fomentam desde 2013 a circulação de música de qualidade inquestionável por todo o país, reunindo artistas de várias cidades de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e passagens por Pernambuco, além do Distrito Federal e assim, além de criar intercâmbios, gerar novas plateias. Quem já se apresentou possui trabalhos reconhecidos e merece melhor projeção no panorama nacional, o que proporcionaria às pessoas acesso a outras linguagens e propostas produzidas fora da “grande mídia”. 

encontro 2015

Um artista sai de cada cidade e passa por todos os pontos do circuito, girando a roda de forma contínua. Cada edição conta sempre com um artista do local recebendo e abrindo o espetáculo para o convidado, em shows de aproximadamente noventa minutos. Ao final, um bate-papo entre artistas e plateia fecha a apresentação.

Primeiras apresentações do Dandô em 2016

24/1 Torres/RS,  21h, Coreto da Praça Central, com apoio da Prefeitura Municipal
26 a 29/1 Uruguai
30/1 Feira do Livro em Rio Grande/RS
31/1 Pedro Osório/RS

II Encontro Dandô*

17 a 21 de fevereiro, Uberaba (MG), Hotel Casa do Folclore

* Restrito aos músicos e pessoal de apoio

Show de confraternização e abertura da jornada 2016 do Dandô

20/02, 20 horas, Teatro Experimental de Uberaba Augusto César Vanucci (Rua Padre Zeferino, 988 – Fabrício), telefone: (34) 3312-5906

11800199_10153415689722088_4094266585024229638_n

O Barulho d’água Música, mais que um blog de divulgação de música de qualidade, é um canal, também, de apoio às causas que ajudem a transformar para melhor o mundo e a convivência entre os seres vivos, possibilitando assim vivermos já a partir de agora da forma mais saudável, justa e pluralista possível. As bandeiras do Greenpeace, neste sentido, são também as nossas! Acompanhe a página da entidade no Facebook clicando aqui  e se engaje, também, em suas ações e atividades! 

 

1779827_10152534693162543_8379987754406568880_n