Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

811 – Déa Trancoso (MG) traz a São Paulo “A minha canção vem pela nuca”, espetáculo “divisor de águas” e que marca seu “ponto zero”

Deixe um comentário

A cantora e compositora Déa Trancoso (Almenara/MG) estará novamente em São Paulo, na sexta-feira, 19, trazendo aos aos amigos e fãs A minha canção vem pela nuca, que ela classifica como um ” um pequeno recorte” de Líricas Breves para a Construção de uma Alma,  primeiro livro que assinará, ainda inédito, e no qual aborda os temas vida, alma e morte. O espetáculo marcado para começar às 21 horas é feito de pequenos relatos poéticos que viraram canções e serão apresentadas em recital todo à capella — a exceção de duas nas quais Déa Trancoso utilizara rabequinhas que produziu artesanalmente, junto com seu mestre Carlinhos Ferreira. A minha canção vem pela nuca é uma realização da Jequitibá Cultural, com produção de Pamela Gopi e cuidados cenográficos confiados à Folias Têxtil.

 

O Espaço Eco-Cultural Casa Jaya, que promoverá o reencontro da artista com o público paulistano, fica na rua Capote Valente, 305, no Jardim Paulista, nas imediações da estação Clínicas da linha 2/Verde do Metrô. Déa Trancoso é a convidada de mais uma rodada do projeto Sextas Musicais, que tem duração de 45 minutos. Os artistas de diversas vertentes musicais são recebidos e interagem com o público em um ambiente de clima intimista, cuja proposta é um favorecer um olhar diferente entre a atração e a plateia, possibilitando perceber minúcias, em plano horizontal, para no máximo máximo de 85 pessoas. Para reserva de ingresso e mais informações o contato deverá ser feito por intermédio do endereço eletrônico inscricoesculturapopular@gmail.com

A minha canção vem pela nuca marca o meu ‘ponto zero'”, comentou Déa Trancoso, que o estreou durante 5ª Mostra Cantautores de Belo Horizonte, e vivia “momento muito especial dos pontos de vista espiritual e musical” que identificou como “um divisor de águas”. Agora, em Sampa, “sigo experimentando, pra, mais adiante, registrar em disco”

dea arte

Déa Trancoso atualmente está baseada em São Gonçalo do Rio das Pedras (MG) e vem construindo uma carreira cujas obras são marcadas por elementos de tradições populares do Vale do Jequitinhonha,  mesclados aos seus princípios religiosos e a questões existenciais. Com este perfil, apoiado em um das mais belas vozes da atualidade entre as cantoras brasileiras, já percorreu várias regiões do Brasil e também da Europa. Possui duas indicações ao Prêmio da Música Brasileira. Os três álbuns autorais que gravou pelo selo próprio Tum Tum Tum Discos, de 2011, tiveram aceitações imediatas e devido à grande procura, atualmente, são raros de se encontrar:  Tum Tum Tum, Serendipity e Flor do Jequi. Algumas de suas canções foram gravadas por nomes como Ná Ozzetti, Mônica Salmaso e Ceumar e Déa Trancoso ainda participa de álbuns em parceria com conterrâneos como o violeiro Chico Lobo (O Violeiro e a Cantora, de 2002) e outras oito cantoras das Alterosas (Elas de Minas, 2014)

 

12507499_1074634292580636_2879148617463964285_n

#‎NãoTemDesculpa é uma campanha da Controladoria Geral da União (CGU) que utiliza frases muito repetidas para justificar pequenos desvios de conduta – e até delitos – no dia a dia. Procura chamar a atenção e promover a reflexão de que, mesmo que pequeno, um erro ainda é um erro. O importante é agir sempre com ética e honestidade, sem desviar o olhar para os lados. Grande, média ou pequena, todas as corrupções devem ser evitadas! O Barulho d’água Música compartilha esta iniciativa! Conheça os demais cartazes em cgu.gov.br/diganao. Quem faz o certo não precisa de justificativas!  #naotemdesculpa

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s