Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

894 – Juliana Amaral (SP) lança o quarto disco da carreira, Açoite, com direção de João Paulo Amaral

Deixe um comentário

A coexistência do antigo e do novo pode ser entendida como um emblema brasileiro. O moderno brasileiro não extingue o arcaico, mas alimenta-se dele; herança colonial, açoite contemporâneo – tudo desigual e combinado. Deste casamento, nascem e persistem as tradições culturais brasileiras em toda sua complexidade, entre elas o samba e a música caipira. O encontro das pesquisas de Juliana Amaral e do irmão, João Paulo Amaral, que buscam, de diferentes modos, entender essas tradições desde um prisma reflexivo, é o mote para o projeto Açoite

Com direção musical e arranjos de João Paulo Amaral, compositor, pesquisador e um dos grandes nomes da viola caipira no país, o disco de Juliana Amaral traz canções inéditas, composições próprias e regravações, juntando um repertório que busca tensionar as relações entre tradição e modernidade, campo e cidade, tanto do ponto de vista poético quanto musical. Assim, são enfocados os diversos “açoites” do nosso tempo, de todos os tempos – solidão, abandono, violência, desamor, não-pertencimento.

Entre as releituras um dos grandes desafios foi gravar a monumental Matita Perê (Tom Jobim/ Paulo César Pinheiro), cuja orquestração original parecia indissociável da composição, mas que ganhou novo colorido com arranjo conduzido pela viola caipira de João Paulo Amaral. Para reverenciar o repertório caipira, estão Rio de Lágrimas, uma joia de raro lirismo composta por Tião Carreiro, Piraci e Lourival Santos, e Padecimento, moda de viola de Carreirinho, feita de modo tradicional em dueto com João Paulo. De Tom Zé veio Carta, canção que versa sobre as distâncias, os abandonos, aquilo que não podemos ou conseguimos dizer. Um Trem para as Estrelas, de Gilberto Gil e Cazuza, recebeu arranjo que combina ijexá e funk para que não esqueçamos dos navios negreiros que ainda estão por aqui. Há ainda Léo, rara parceria de Milton Nascimento, uma das principais referências da cantora, com Chico Buarque, e Vassalo do Samba, samba de beleza extraordinária de Ataulfo Alves.

Um dos grandes compositores do nosso tempo, Douglas Germano está presente com três inéditas: Cosme, um samba rápido que empresta de Mário de Andrade o cenário de Pauliceia Desvairada; Marcha do Homem Bala, que fala sobre o carnaval, nosso açoite primordial;  e Pra Rua, letra oportuna que Douglas escreveu para Juliana Amaral musicar, inaugurando a parceria dos dois. Há ainda Desvão, música de Juliana para poema de Humberto Pio, seu parceiro de música e vida, Gases Puro, canção de Lincoln Antonio para fala de Stela do Patrocínio que está no espetáculo Entrevista com Stela do Patrocínio – no qual Juliana atua há mais de dez anos – e Brado Aberto, tema instrumental composto por João Paulo Amaral.

jamaralarte2

Em oposição ao disco anterior, SM, XLS (sigla para Samba Mínimo, Extra Luxo Super), em que cantava acompanhada apenas de um instrumentista em cada faixa, Açoite apresenta uma sonoridade intensa, quase extrema, explorando os limites de cada instrumento, com uma formação musical que inclui, além das vozes e da viola caipira, violão, guitarra, bateria, contrabaixo e teclados. Para isso, Juliana contou com a colaboração de grandes músicos da cena instrumental paulista: Alberto Luccas (contrabaixo acústico), Gustavo Bugni (teclados), Rodrigo Digão Braz (bateria), além do próprio João Paulo Amaral (viola caipira, violão e guitarra).

Sobre Juliana Amaral

Cantora, compositora, escritora e atriz, Juliana Amaral canta profissionalmente há 23 anos. Tem três discos autorais lançados: Águas Daqui (2002, Lua Music), Juliana Samba (2007, Lua Music) e SM, XLS (2012, Selo Sesc), além de participações em inúmeros espetáculos, discos e DVDs de músicos, compositores e orquestras, no Brasil e exterior.

Açoite, seu quarto álbum, nasceu após show realizado com João Paulo Amaral, seu irmão violeiro, em junho de 2013. “Depois de mergulhar na poética do samba, e chegar muito perto do silêncio, sinto que é hora de sangrar. Por isso, o disco se chama Açoite. Porque o mundo não está fácil. E é preciso falar sobre ele, sobre nossas dores, escancarar o peito, rasgar a pele, mostrar as feridas, pra tentar transformar toda essa violência em beleza. Encantar pra subir, fazer do açoite, bálsamo. Devir”, explica.

Multiartista, a cantora se apresentou durante 12 anos no Ó do Borogodó, tradicional reduto do samba e do choro em São Paulo. No teatro, atua na peça Entrevista com Stela do Patrocínio,  espetáculo encenado e dirigido por Georgette Fadel e Lincoln Antonio, sobre Stela do Patrocínio (1941-1997), interna psiquiátrica da Colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro, cujo talento foi descoberto durante os trabalhos terapêuticos da psicóloga Nise da Silveira.

Juliana também é escritora, com dois livros lançados – Transitivos”, 2011 e Samba Mínimo, Extra Luxo Super, 2012 – e artista gráfica sócia do Estúdio Risco, coletivo de artistas de trajetórias variadas e múltiplas que presta serviços de arquitetura, cenografia, expografia, desenho de produto, desenho gráfico e videografia.

 

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s