Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!

942 – Vídeos Intergerações Viola Paulista trazem narrativas e performances de violeiros, poetas e luthiers da região de Atibaia e Limeira (SP)

Deixe um comentário

O Barulho d’água Música recebeu do Instituto Câmara Clara (SP) e do Voamundo Cultural exemplares do DVD resultante do projeto Intergerações Viola Paulista, que traz cinco filmes com narrativas e performances de violeiros, violeiras, poetas e luthiers da região de Atibaia e Limeira, ambas cidades do Interior de São Paulo. Em entrevistas ao violeiro Domingos de Salvi (SC), os atores contam, cantam e ponteiam sobre artes do fazer, do tocar e do lembrar durante cinco belos documentários intitulados Viola Encantada, Alma Sonora, Inventorias, Encontro de Mestres e Viola de Reis.

Viola encantada é um curta-metragem de 29 minutos. Os depoimentos colhidos apresentam ao público mestres violeiros e integrantes do Grupo Raízes de Atibaia, Orquestra de Viola Brasileira de Atibaia e da Companhia de Reis São Lucas, de Limeira, revelando as relações com o instrumento e comentando a cultura caipira, enquanto Alma sonora (23 minutos) registra personagens e bastidores da Escola de Lutheria de Atibaia, abordando as minúcias na construção de violas, da escolha da madeira aos detalhes de acabamento.

O média metragem Inventorias (39 minutos) capta as visões de mundo de quatro luthiers autônomos de Limeira e de Mairiporã, município próximo a Atibaia; todos, poeticamente e profeticamente, refletem sobre o universo da construção artesanal de instrumentos musicais de madeira. Viola de Reis (31 minutos), com personagens e apresentações da Companhia de Reis São Lucas aborda a musicalidade, as simbologias e os significados culturais da Folia de Reis, destacando a importância da viola caipira neste contexto.

O quinto documentário é Encontro de Mestres (20 minutos): violeiros e mestres da Congada Verde e de Atibaia contam e cantam sobre seus aprendizados na congada e nas rezas de São Gonçalo que acompanham desde a infância; no sítio da Câmara Clara é possível assistir, ainda, Drama de Palhaço (dois violeiros e um poeta narram suas aventuras e desventuram musicais no circo) e Introdução à Lutheria de Viola (Mele Florio, Coordenadora da Escola de Lutheria de Atibaia, apresenta em linhas gerais as etapas para a construção artesanal de uma viola).   

 

Os filmes tiveram direção, fotografia e edição de Daniel Choma, com direção de pesquisa e produção de Tati Costa e Sara Melo, direção de pesquisa e trilha musical original de Domingos de Salvi. Todos os documentários estão disponíveis para acesso gratuito no You Tube e em http://www.camaraclara.org.br/violapaulista. A tiragem de quinhentos exemplares do Intergerações Viola Paulista foi distribuída gratuitamente a mais de duzentas instituições culturais do estado de São Paulo, além de colaboradores e grupos envolvidos na pesquisa vídeo-musical. Os audiovisuais produzidos resultaram dos processos gerados nas Oficinas de Documentário, Viola e Canção realizadas em Atibaia e Limeira entre julho e agosto de 2016 com mais de setenta participantes.

O projeto Intergerações Viola Paulista é uma realização do Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo (ProAc) da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo, produzido pelo Instituto Câmara Clara em parceria com o Voamundo Cultural, com o apoio da Oficina Cultural Carlos Gomes (Limeira), Instituto Poiesis, Secretaria Municipal de Cultura de Limeira, Garatuja Instituto de Arte e Cultura, Escola de Lutheria de Atibaia e Aluthiers Associação de Luthiers do Brasil.

Agora é a vez de Campinas

Estão abertas as inscrições gratuitas para a Oficina de Documentário, Viola e Canção do projeto Intergerações Viola Paulista, que terá início em Campinas (SP) em 6 de maio, das 14 às 20 horas, no Centro de Cultura Caipira e Arte Popular/Museu da Cidade (casarão da subprefeitura de Joaquim Egídio, localizado à Rua José Ignácio, 14). Entre 7 e 11 de maio, práticas de entrevista serão realizadas em diversos pontos da cidade, em horários e locais a combinar.

Para participar bastará baixar a ficha de inscrição, preenchê-la  e enviá-la para contato@camaraclara.org.br. Feito isso, é só aguardar o e-mail de confirmação.

A oficina unirá a linguagem do audiovisual e da música, com foco no universo da viola, seu processo artesanal de construção e sua presença em manifestações culturais populares em Campinas por meio de duplas caipiras, orquestras de viola, grupos de catira, Folias de Reis etc. Os participantes realizarão práticas de entrevista, captação de áudio e filmagem, além de discutir aspectos éticos, técnicos e estéticos da produção audiovisual e temas como memória, envelhecimento e relações intergeracionais.

A oficina também oferecerá um panorama sobre a presença da viola nas diferentes regiões do Brasil, suas variadas formas, denominações, afinações e modos de tocar. Além disso, uma roda de viola, memória e canção também está prevista como atividade prática de registro audiovisual, com a participação especial do Grupo de Catira São Gonçalo, do distrito campineiro de Joaquim Egídio.

A exemplo do que foi realizado durante o ano de 2016 em Limeira e Atibaia, as ações do projeto Intergerações Viola Paulista  nesta etapa em Campinas também resultarão na produção e circulação livre de curtas documentários, produção e distribuição gratuita de DVDs a cineclubes e instituições culturais, publicação de sítios eletrônicos realização de eventos vídeo musicais.

O projeto Intergerações Viola Paulista – Etapa Campinas será mais uma realização do ProAC, produzido por artistas e pesquisadores do Instituto Câmara Clara e do Voamundo Cultural, com o apoio do Museu da Cidade e Secretaria de Cultura da Prefeitura de Campinas.

Anúncios

Autor: barulhomarcel

Jornalista nascido em Bela Vista do Paraíso (PR). Corintiano por herança do pai, Geraldo Caetano de Lima. Do velho também puxou a paixão por modas de viola, música de raiz e caipira, que era chamada de "sertaneja" antes da mídia comercial se apropriar, indevidamente, do nome. Quando criança ouvia aos pés da cama dele, vindas de um rádio à pilha que chiava muito, clássicos destes gêneros que marcaram para sempre a sua vida. Eu e Andreia Beillo não temos nada em comum. Para começo de conversa, ela torce pelo Palmeiras. Mas resolvemos juntos botar o pé na estrada e acreditar nas bençãos de São Gonçalo do Amarante e tentar encontrar na atividade de blogueiros dedicados à música de qualidade algo que nos una e ajude muita gente boa espalhada por todo este país, e lá fora, também, a ter seus méritos reconhecidos, resgatando e preservando valores de nossa cultura popular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s