1021 – Cinco álbuns da rica discografia de Roberto Corrêa (MG/DF) já podem ser ouvidos em plataformas digitais

O som sertanejo antes do dilúvio

“Para fechar o arco interiorano, o mineiro de Campina Verde, Roberto Corrêa (…), ponteia com erudição sua assumida viola caipira no CD independente Uróboro, na pele de um Guimarães Rosa encordoado.”
Tárik de Souza, Jornal do Brasil, 10/10/1995

Cinco dos álbuns autorais de Roberto Corrêa, um dos mais conceituados violeiros da atualidade, agora estão disponíveis e podem ser ouvidos, integralmente, em plataformas digitais. Uróboro (1994); Crisálida (1996); Extremosa-Rosa (2002); Temperança (2009); e Viola de Arame (2012), que o mineiro de Campina Verde radicado em Brasília (DF) chama de “filhos muito queridos” é apenas uma amostra da valiosa discografia de Corrêa, respeitado no meio da cultura popular e erudita como instrumentista, arranjador, compositor, pesquisador e professor. Apenas a produção autoral dele conta, ainda, com mais sete títulos e, além destes doze que incluem os cinco disponíveis na internet, ele assina mais uma dúzia, todos dedicados à pesquisas (Chapada dos Veadeiros, 2008; Cantos de Festa e Fé, 2002, por exemplo) e toca e canta como parceiro em outros onze (Violas de Bronze, com Siba, que saiu em 2009; e Esbrangente, com Paulo Freire e Badia Medeiros, de 2003, estão nesta lista). As participações em coletâneas e obras de outros artistas somam 22 (Mestres do Rasqueado, com a Orquestra do Estado do Mato Grosso, sob direção artística de Leandro Carvalho, no qual atua como solista de viola caipira e viola de cocho, 2010; e Meu Céu, de Zé Mulato & Cassiano, 1997)

 

“ Sinto alegria imensa de ver estas crias assim, em uma linha do tempo”, publicou Roberto Corrêa em sua mídia social. “Percebo com carinho as fases e desafios de cada momento”, completou, destacando: “Mas sinto, principalmente, tudo muito atual e vivo dentro e fora de mim: Acho que isso é felicidade!”

Roberto Corrêa já se apresentou em palcos por quase todo o território nacional e mundo afora, mas se tivesse seguido os planos que tecia quando, ainda jovem, trocou Minas Gerais pela Capital Federal, seria hoje Físico e não o artista versátil que já protagonizou concertos em cerca de 30 países nos quais entusiasmou plateias de espaços nobres tais como Konzerthaus (Viena, Áustria), Beijing Concert Hall (Pequim, China) e Haus der Kulturen der Welt (Berlim, Alemanha). Em várias ocasiões, como convidado, representou oficialmente o Brasil na França, no Canadá, na Itália, em Portugal, nos Estados Unidos, no México e em toda a América do Sul e Central. Por onde passa, ele executa um repertório diverso que brinda o público com canções caipiras e sofisticadas composições instrumentais. Toda esta virtuose alia, ainda, ao costume de contar causos, histórias de seus instrumentos e da cultura interiorana. Portanto, seja em salas de concerto ou em eventos abertos para grandes plateias, sua performance carrega a força e a expressividade do sertão.

“Roberto Corrêa é um dos maiores violeiros de todos os tempos e, certamente, o maior dos teóricos da viola”, escreveu Mauro Dias para O Estado de São Paulo, em dezembro de 1997, observando que Corrêa atua como solista junto a Orquestras, e, em duos de voz e viola, por exemplo, já se apresentou ao lado de Inezita Barroso e Ely Camargo. Roberto Corrêa também ministra palestras e oficinas nos quais aborda temas que versam sobre a presença do instrumento no Brasil; o uso da voz no meio rural; as práticas das técnicas específicas da viola; e os ritmos característicos da música caipira.

A Viola Corrêa Produções Artísticas administra a carreira e obra de Roberto Corrêa. Para contratar shows e oficinas de Roberto Corrêa o contato é Juliana Saenger (juliana@violacorrea.com.br), telefone/fax (61) 3036-6686 / (61) 9214-3051. Pelas mídias sociais, acompanhe Corrêa nestas plataformas twitter orkut facebook youtube myspace   ou envie mensagem para roberto@violacorrea.com.br

Leiam também no Barulho d’água Música:

880– Paulo Freire (SP) abre Imagens do Brasil Profundo para público infanto-juvenil com “Violinha Contadeira” 
Viola de Arame, mais uma obra-prima de Roberto Corrêa
Barulho d’água Música recebe Ciência Matuta, álbum de Zé Mulato e Cassiano, melhor dupla da música brasileira
Bambas da viola brasileira encontram-se na Galeria Olido, em São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s