1126- Joyce Moreno e Alfredo Del-Penho lançam em Sampa álbum em homenagem a Sidney Miller *

Disco do selo Kuarup celebra a obra do compositor carioca de clássicos como A Estrada e o Violeiro, O Circo e É Isso Aí  e dupla que interpreta as faixas protagoniza  pocket show com entrada franca no Conjunto Nacional, em Sampa
*Com Renato Vieira, da assessoria de imprensa da Kuarup

A audição matinal deste sábado, 10, aqui na redação do Barulho d’água Música começou tocando as 16 belas faixas do álbum Argumento (Canções de Sidney Miller), com Joyce Moreno e Alfredo Del Penho, uma das joias do catálogo da gravadora Kuarup, gentilmente nos cedido pelo amigo Rodolfo Zanke e que será lançado nesta terça-feira, 13, em São Paulo (ver guia Serviço). Amiga de Sidney Miller (1945 — 1980), Joyce foi convidada pelo Instituto Moreira Salles para revisitar as doze músicas do primeiro álbum do compositor, em apresentação da série Grandes Discos, em abril de 2012. O LP original saíra pelo selo Elenco, em 1967, após o cantor e compositor carioca participar do III Festival de Música Popular Brasileira, defendendo A Estrada e o Violeiro, ao lado de Nara LeãoComo o dueto era um dos grandes momentos da estreia fonográfica de Miller, Joyce chamou Alfredo Del-Penho para acompanhá-la no show que deu origem ao Argumento….

Poucos associam Sidney Miller à autoria de clássicos como O Circo (“Vai, vai, vai, começar a brincadeira, tem charanga tocando a noite inteira…”). Lançada por Nara naquele mesmo ano de 1967, a música tornou-se tema de abertura da novela À Sombra dos Laranjais (1977), na voz de Marília Barbosa. Também célebre, É Isso Aí, que Sidney  cedeu para Doris Monteiro interpretar no Festival de Juiz de Fora, em 1971, foi regravada por Paula Lima três décadas  depois e até hoje enche  pistas em bailes de samba-rock e festas dedicadas à MPB.

Em 15 anos de carreira, Sidney Miller foi polivalente, produzindo discos e dirigindo espetáculos, além de trabalhar no Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro e na Funarte — entidade que mantém a Sala Funarte Sidney Miller na capital fluminense. Gravou nesta abreviada carreira apenas três LPs, mas Nara, Dóris, o Quarteto em Cy, Paulinho da Viola e o MPB4 se encarregaram de revelar músicas dele para o grande público e ajudaram a construir o lugar que ocupa na memória musical do país. Mais recentemente, canções dele também foram gravadas por Roberta Sá, Teresa Cristina e pelo grupo Casuarina. Com boa repercussão na cena teatral carioca, o musical Deixa a Dor por Minha Conta (2017), escrito por Hugo Sukman e Marcos França, teve como base o cancioneiro do artista.

O encontro de Joyce com Alfredo Del-Penho, representante do samba carioca contemporâneo que reverencia o compositor, mostra que a obra de Sidney Miller continua relevante para várias gerações. Alternando-se entre solos e duetos, a dupla passeia pelo repertório que ele construiu quando tinha apenas 22 anos, época em que chegou a ser comparado a Chico Buarque pelas afinidades estéticas das canções dos dois e por terem Nara Leão como principal intérprete. A influência do samba, a busca pelo diálogo com bambas de outrora expressa na máxima “Vá cantar um samba antigo pra entender o que há de novo”, da faixa Argumento (não confundir com a canção de mesmo nome de Paulinho da Viola) e a temática de músicas baseadas em cantigas de roda dão o tom da estreia de Sidney Miller em disco. 

Joyce e Alfredo homenageiam a dobradinha entre Sidney Miller  e Nara Leão interpretando as duas canções que eles gravaram no bolachão de estreia do compositor: a ruralista A Estrada e o Violeiro  e Menina da Agulha, ambas com letras construídas como diálogos.  Vale a pena lembrar: A Estrada e o Violeiro arrebatou o prêmio de melhor letra do festival em que tinha concorrentes de peso como Domingo no Parque, de Gilberto Gil, e Alegria, Alegria, de Caetano Veloso. E, recentemente, o cantor e compositor Cláudio Lacerda a incluiu como faixa 2 do seu mais recente álbum, Canções para Acordar o Sol, que interpreta em dueto com Mônica Salmaso e arranjo de Neymar Dias tocando viola caipira e contrabaixo, mais Toninho Ferragutti (acordeon) e Luiz Ribeiro (percussão).

As imagens fotográficas que registraram Sidney Miller em ação são poucas, mas a produção da curta carreira o coloca no mesmo patamar de Chico Buarque e não apenas à época dos festivais, quando ambos despontaram

Joyce e Del Penho ainda interpretam no álbum da Kuarup Chorinho do Retrato e Passa, Passa, Gavião, inspirada em cantiga de roda, assim como Marré-De-Cy, que Joyce canta sozinha. Ela também dá voz a O Circo e aos sambas Maria Joana, Argumento, Meu Violão e Pede Passagem. Esta, Joyce gravara em Passarinho Urbano (1975), versão que Sidney considerou a melhor de todas. Escritas por ótica masculina e boêmia, Minha Nega e Botequim nº 1 parecem feitas sob medida para a voz de Alfredo.

Depois de repassarem as 12 músicas do primeiro disco de Miller, Joyce e Alfredo ficaram livres para cantar o que quisessem. Decidiram, então, fazer o que Joyce definiu como “baile do Sidney”, visitando  pérolas que ele compôs posteriormente. Inédita por décadas até ser gravada pelo Casuarina, em 2007, Me Dá Um Dó é interpretada por Alfredo. Criada em meio ao flerte com o rock que gerou o álbum Línguas de Fogo (1974), a canção é prova de que Sidney Miller jamais deixou de ter o samba como referência. Na sequência, Joyce transmite segurança na tristeza contemplativa de O Navegante; Inscrita no Festival de Juiz de Fora, em 1972, foi gravada pelo MPB4. A versão do grupo vocal entrou na trilha sonora da primeira versão da novela Mulheres de Areia (1973), exibida pela extinta TV Tupi.

Encerrando a apresentação, a dupla canta Nós, os Foliões — lançada por Paulinho da Viola, em gravação irretocável de 1982 — e, para animar, É Isso Aí. (Volta a fita: enquanto pessoas da plateia choravam durante o show naquela ocasião da regravação do primeiro disco de Miller, Joyce fez o possível para segurar a emoção, especialmente ao ver a família de Sidney na primeira fila. Nos bastidores, a atriz e cantora Soraya Ravenle perguntou a ela: “O que este homem estaria fazendo agora?”. Nunca saberemos, mas é possível afirmar que a obra de Sidney vem bravamente resistindo ao tempo e Argumento (Canções de Sidney Miller) é prova disso).


Serviço

Joyce Moreno e Alfredo Del-Penho apresentarão as canções de Argumento (Canções de Sidney Miller)  em São Paulo nesta terça-feira, 13, durante pocket show com entrada franca que a Livraria Cultura do Conjunto Nacional promoverá a partir das 19 horas. Para quem é de Sampa e cidades do entorno, a livraria fica bem perto  de estações do Metrô, na Avenida Paulista, 2073, no bairro Cerqueira Cesar.  Cole na grade e prestigie!

Leia também no Barulho d’água Música

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s