1165- Kuarup lança “Canta Inezita”, álbum que homenageia Rainha da Música Caipira

Consuelo de Paula, Maria Alcina, As Galvão e Cláudio Lacerda interpretam 15 clássicos eternizados na voz da dama da viola,  a imortal Inezita Barroso

Ontem, 8 de março, data dedicada ao Dia Internacional da Mulher, completaram-se quatro anos da morte de Inezita Barroso — apenas quatro dias depois de ela ter completado 90 anos de vida.  Em homenagem à data global e para reverenciar a memória e a obra da Rainha da Música Caipira, o selo Kuarup lançou nas plataformas digitais e nas lojas Canta Inezita, aproveitando o espetáculo gravado ao vivo reunindo intérpretes de diferentes estilos e gerações no teatro do SESC Santo André, em São Paulo, nos dias 17 e 18 de agosto de 2018, com sucessos da apresentadora do programa Viola Minha Viola, cantora, atriz, violonista, professora e folclorista, uma das principais personagens da história da música popular brasileira. O álbum, gentilmente enviado à redação pela Kuarup, pelo qual mais uma vez agradecemos ao amigo Rodolfo Zanke e equipe, foi o escolhido para as tradicionais audições aos sábados pela manhã neste dia 9 de março aqui no Barulho d’água Música.

Música boa, de qualidade, está sempre tocando na vitrolinha aqui do boteco e Canta Inezita é um daqueles discos que não dá vontade de parar de ouvir. Tenho me emocionado relembrando nas vozes de amigos estimados como Consuelo de Paula, Maria Alcina, As Galvão e Cláudio Lacerda sucessos do cancioneiro caipira que, quando garoto, ouvia minha mãe, Catarina, cantar à beira do fogão, ao tanque ou em outras de suas muitas atividades da faina doméstica, inclusive assar pães, ou ao lado dela e do meu pai, Geraldo, assistindo nos velhos televisores Trancham e Telefunken Viola Minha Viola, com Inezita e Moraes Sarmento.

Os pais do blogueiro Marcelino Lima, Catarina e Geraldo, com os quais ele assistia Viola Minha Viola e aprendeu a gostar das músicas que Inezita interpretava e a Kuarup resgatou no mais recente álbum do selo (Foto: Marcelino Lima/Acervos Barulho d’água Música e Família Caetano Anjos Lima)

Defensora da cultura e das raízes da música sertaneja e caipira, Inezita  ganhou o registro fonográfico de seu eterno repertório em espetáculo que colocou no palco os três cantores e as longevas irmãs, sob direção musical do violonista Paulo Serau, acompanhado de um sexteto versátil de músicos ¹. Em noite de puro encantamento e emoções — que também chegou, mais tarde, em outras casas, como o da Galeria Olido –, Canta Inezita apresentou canções por ela imortalizadas em interpretações impecáveis, agora com novos arranjos para celebrar sua inestimável obra.  As tradicionais As Galvão, a performática Maria Alcina (ê, lasquêra!), uma das maiores compositoras da nova geração, Consuelo de Paula e o jovem cantor e compositor Claudio Lacerda integraram o time que relembra aquelas melodias que a apresentadora do programa Viola, Minha Viola trazia a público ao lado de Sarmento ou, posteriormente, como âncora única, e que tanto ouvia na voz doce e saudosa de dona Catra.

A feliz seleção musical inspirada no cancioneiro preferido de Inezita Barroso pela produtora e gravadora Kuarup traz clássicos como Viola Quebrada (canção do poeta modernista Mário de Andrade), Ronda (Paulo Vanzolini), Colcha de Retalhos (Raul Torres), Cuitelinho (Antonio Xandó e Paulo Vanzolini), O Menino da Porteira (Teddy Vieira e Luizinho, eternizada pelo cantor Sérgio Reis), Prenda Minha (do folclore popular gaúcho, música que ganhou interpretação marcante de Nara Leão), Marvada Pinga (Ochelcis Laureano), Cheiro de Relva (Dino Franco e José Fortuna), Beijinho Doce (Nhô Pai), Poeira (esta, para mim, a mais emblemática daquele período, composta por Luiz Bonan e Serafim Gomes, que tocava no radinho de pilhas, chiando, de meu pai, interpretada tanto pelo Duo Glacial, como por Cascatinha & Inhanha). Fecha o disco Lampião de Gás, canção de Zica Bergami, que Inezita tratava como o clássico que é e com a qual tanto embalou várias gerações. 

A produção do álbum que traz todas as letras das canções e fotos de Inezita Barroso no encarte é assinada pelo jornalista e produtor Thiago Marques Luiz, com mixagem e masterização do respeitado engenheiro de som José Luiz Costa (Gato) e projeto gráfico realizado por Rosana Alencar Ribeiro.

Sessão solene para entrega dos troféus do 3º Prêmio Inezita Barroso; à mesa, ao lado da bandeira paulista, o deputado Marcos Martins, propositor do prêmio (Foto: Marco Antonio Cardelino)

Prêmio e reconhecimento*

*Com Isabella Tuma, da Alesp

Em solenidade promovida no dia 1º/3 de março, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) promoveu o 3º Prêmio Inezita Barroso, em sessão solene realizada no plenário Juscelino Kubitschek. O prêmio foi criado pela Resolução 910/2016, de autoria do deputado estadual Marcos Martins (PT) — um amante da música caipira e autor de outras proposituras desta envergadura na carreira parlamentar, como a que reconhece a Orquestra de Violeiros de Osasco, cidade da região Oeste da Grande São Paulo onde mora e tem base política, como a pioneira do gênero. 

A ideia de Martins é que a cada edição sejam homenageados dez expoentes do universo sertanejo considerados de raiz, segundo critérios da Comissão de Educação e Cultura da Alesp. Os escolhidos de 2019 foram a Orquestra Urubupungá (do município de Ilha Solteira); o Grupo de Violeiros de Descalvado; a dupla sertaneja Craveiro e Cravinho (do município de Piracicaba); Pedrinho Sertanejo ( Pedro da Silva Emboava, do município de Taubaté); os Amigos Violeiros de Mairiporã; o cantor e compositor Pardinho (Antônio Henrique de Lima);  Mouraí (Luiz Carlos Ribeiro, compositor parceiro de Dino Franco); Orquestra Violeiros Coração da Viola; Ramiro Viola (cantor de Botucatu); e Sandra Marri (Sandra Jacob, representando as mulheres do universo da música caipira. 

Para o deputado Marcos Martins é preciso valorizar todos os espaços de resistência da cultura caipira. “É uma cultura genuinamente brasileira, que precisa ser preservada. Trata-se do resgate do trabalho que Inezita Barroso fez durante muitos anos, que era valorizar quem trabalha com a música, as entidades, as duplas, os cantores, os artistas, significativa parcela da população que é o trabalhador e o morador caipira que viveu no campo e agora vive na cidade.”

¹Ana Rodrigues (piano e acordeão), Davi Martin (baixo acústico), Alexandre Cortina (bateria), Luciana Rosa (violoncelo), Paulo Cerau (cavaco e viola caipira) e Mário Campanha (violão nas faixas com As Galvão)

Leia também no Barulho d’água Música estas matérias relacionadas a Inezita Barroso

1075 – Ceumar, Lui Coimbra e Paulo Freire lançam álbum em homenagem a Inezita Barroso no Ibirapuera (SP)
Inezita Barroso ganha emocionante tributo em histórica noite na Sala São Paulo (SP)
Música caipira perde sua rainha Inezita Barroso quatro dias após ela completar 90 anos
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s