1219 – Ivan Vilela lança disco com Orquestra do Mato Grosso reunindo clássicos da música caipira  

Com regência do maestro Leandro Carvalho, álbum A Força do Boi, da Kuarup, traz clássicos da música regional, do The Beatles e a serenata para cordas do inglês Edward Elgar

A produtora e gravadora Kuarup está lançando um novo disco, agora reunindo em 9 faixas instrumentais a Orquestra de Mato Grosso (OEMT), sob regência do maestro Leandro Carvalho, e Ivan Vilela, em um trabalho que evidencia a versatilidade da viola caipira acompanhada por instrumentos de uma orquestra de câmara. Todo instrumental, A Força do Boi traz temas como Tristeza do Jeca e Eleonor Rigby (faixa disponível somente no álbum digital) com nova roupagem por meio de arranjos ousados e criativos. O encontro de Ivan Vilela com a OEMT ocorreu em novembro de 2014, em Mato Grosso, quando eles apresentaram conceitos e entraram em estúdio para registrar o resultado. 

Ivan Vilela é um dos principais instrumentistas brasileiros da atualidade e referência no estudo, pesquisa e composição para viola caipira. Professor doutor da Universidade de São Paulo (USP), foi um dos idealizadores do primeiro curso de bacharelado de viola caipira no país. Este é seu primeiro álbum em parceria com uma orquestra e um exemplar do disco está rolando agora na vitrolinha aqui no boteco do Barulho d’água Música enquanto escrevemos esta atualização. O disco nos foi enviado, gentilmente, por Rodolfo Zanke, diretor cultural da Kuarup, ao qual e à toda equipe somos mais uma vez gratos!  .

“Me senti muito honrado quando recebi o convite do maestro Leandro para apresentar um repertório que contivesse clássicos do cancioneiro popular arranjados para viola e orquestra de câmara mesclados a composições de minha lavra, também arranjadas para esta formação”, comentou Ivan. As faixas que dão título ao disco, A Força do Boi e Saudades da Minha Terra, são integrantes, ainda, de Paisagens, primeiro trabalho de Vilela e que em 2019 completa 21 anos,  tema da atualização 1207 deste blogue.

O violeiro destacou ainda ao comentar o lançamento da Kuarup como a viola caipira conecta universos, aparentemente distintos: “A possibilidade de se juntar um instrumento tão marcadamente antigo e ligado às culturas populares, portuguesa e brasileira, como a viola, com uma orquestra que bem representa o universo erudito das artes musicais, traz a possibilidade de que a música é uma só e que nem sempre deveria ser compartimentada por situações simbólicas que quase nunca se remetem à expressão e à criação musical”. 

Sobre o solista Ivan Vilela, o maestro Leandro Carvalho disse: “Faz parte de um grupo raro de artistas que, além de exímios instrumentistas, são compositores e pesquisadores. Há mais de duas décadas Ivan Vilela vem contribuindo para o repertório da viola caipira, criando, arranjando e estimulando outros artistas a fazerem o mesmo”. Sobre o conceito do trabalho, Leandro Carvalho observou: “a combinação inusitada e proposital de repertório objetivam quebrar barreiras e estimular as pessoas a abrirem os ouvidos e ouvirem música sem pensar em rótulos e classificações”. 

Em 13 temporadas, a Orquestra de Mato Grosso realizou mais de 700 concertos em mais de 120 cidades de todas as regiões do país até 2018, quando encerrou as atividades. Nesta jornada, gravou 17 álbuns com repertório inovador e colaboração de solistas brasileiros e estrangeiros de ponta, além de 4 DVDs e dezenas de novas composições, arranjos e adaptações especialmente encomendados a compositores brasileiros. A Força do Boi é o primeiro trabalho lançado após a interrupção das atividades. A Orquestra deixou outros trabalhos gravados com grandes nomes da música brasileira que serão lançados oportunamente e um deles, com participação do cantor e compositor Renato Teixeira, também sob regência de Carvalho, já foi lançado e está disponível no catálogo da Kuarup.

O álbum da OEMT em parceria com Ivan Vilela tem direção artística de Leandro Carvalho e foi gravado em novembro de 2014, no Estúdio Inca, em Cuiabá, Mato Grosso. Mixado por Sidney Marques e Manuel Neto (Inca) e masterizado por Homero Lotito do Estúdio Reference, em São Paulo, o disco físico está disponível nas lojas do ramo e a versão digital pode ser ouvida em plataformas como iTunes, Deezer, Spotify e Tidal.

A Orquestra do Estado de Mato Grosso (OEMT) foi criada em 2005 numa iniciativa do Governo do Estado de Mato Grosso em parceria com o Ministério da Cultura e empresas privadas de diversos segmentos. Até 2017, a OEMT apresentou, aproximadamente, 700 concertos em mais de 120 municípios de 23 estados brasileiros, sempre valorizando a cultura mato-grossense em diálogo com a música universal, desenvolvendo uma sonoridade singular, com repertórios e timbres únicos.

Conhecido por sua vitalidade e abordagem singular de arma variedade de repertórios, o paulistano Leandro Carvalho é considerado um dos mais proeminentes artistas brasileiros da nova geração. Foi um dos fundadores da OEMT, diretor artístico e regente principal durante os 13 anos de atividades da Orquestra.

Neste período, ele dirigiu mais 700 concertos, distribuídos em diferentes séries, em diversos municípios de Mato Grosso e do Brasil, com destaque para duas grandes turnês realizadas em 2008 quando a OEMT apresentou 162 concertos em 92 cidades de 22 estados brasileiros, Com esta Orquestra, Leandro Carvalho gravou os 17 discos e os 4 DVDs com obras inéditas e de compositores consagrados; também com instrumentistas como Yamandu Costa, Hamilton de Holanda, Vittor Santos, Cristiano Alves, Turíbio Santos, Antonio Del Claro, Emmanuele Baldini, Roberto Corrêa, Pablo Agri, Carlos Corrales, Ivan Vilela e Renato Teixeira.

Leandro Carvalho graduou-se em Música Erudita em São Paulo, fez pós-graduação em Regência Orquestral na Holanda e na Järvi Academy, na Estônia (Foto: Protásio de Morais/Assessoria OEMT)

Leandro Carvalho graduou-se em Música Erudita em São Paulo, fez pós-graduação em Regência Orquestral na Holanda e na Järvi Academy, na Estônia. Participou de festivais, na classe de regência, na Inglaterra e no Brasil (Campos do Jordão) e de master classes com os maestros Valery Gergiev e Kurt Masur. Nos Estados Unidos, desenvolveu-se como regente sob a batuta de Leonid Grim. Como instrumentista gravou nove álbuns que foram lançados no Brasil e no exterior com destaque para os duos com Turíbio Santos e Baden Powell. Realizou concertos no Brasil e fora do país em salas de grande prestígio como Royal Festival Hall, em Londres. 

Ivan Vilela (Itajubá/MG) é mestre em composição musical pela Unicamp e professor de viola na Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto. Iniciou a carreira artística aos 18 anos, integrando o Grupo Pedra e depois o Grupo Água Doce, que faziam pesquisas das raízes da música mineira. É idealizador da ONG Núcleo  da Cultura Caipira. Desde 1996 faz apresentações no exterior, em países como França, Portugal, Itália, Inglaterra, Espanha e Alemanha, de onde chegou há poucos dias, realizando concertos e conferências em salas de espetáculos e universidades. Possui mais de 100 composições e entre outros lançou Dez Cordas, em que destaca a técnica que utiliza para tocar e a sonoridade extraída da viola. No repertório, clássicos da música brasileira e internacional, com arranjos inéditos. Atualmente, Vilela é pesquisador na Universidade de Aveiro, Portugal. Seu trabalho abarca composições, peças instrumentais, trilhas sonoras, peças de teatro e uma ópera caipira, Cheiro de Mato e de Chão. Tem seis discos gravados. 

Ivan Vilela faz parte de um grupo raro de artistas que além de exímios instrumentistas são compositores e pesquisadores. Há mais de duas décadas Ivan vem contribuindo para o repertório da viola caipira, criando, arranjando e estimulando outros artistas a fazerem o mesmo. Como professor doutor da Universidade de São Paulo (USP), vem lecionando e escrevendo sobre o rico universo da música caipira. Autor de livros e de mais de uma dezena de discos, Ivan tem seu universo próprio, do qual faz parte a viola caipira. Foi neste mundo que tivemos o privilégio de mergulhar para a gravação deste disco. 

Selecionamos composições importantes de sua autoria, de diferentes safras, incluímos temas clássicos do universo caipira, e acrescentamos uma peça da nova geração ‘da viola brasileira. Além destas obras, incluímos a original para orquestra de cordas do compositor inglês Edward Elgar, ressaltando a versatilidade da Orquestra de Mato Grosso Esta combinação inusitada e proposital de repertório objetiva a quebrar barreiras e estimular as pessoas a abrirem seus ouvidos e ouvirem música sem pensar em rótulos e em classificações. Aproveitem! 

Leandro Carvalho

Ivan Vilela é mestre em composição musical pela Unicamp e professor de viola na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto (Divulgação Kuarup)

Sempre apreciei a produção artística do maestro Leandro Carvalho, sobretudo pela sua capacidade de olhar para as manifestações musicais do Brasil de Dentro e a maneira como, com suas interpretações, renova a beleza dessas músicas. 

Me senti muito honrado quando recebi dele o convite para apresentar um repertório que contivesse clássicos do cancioneiro popular arranjados para viola e orquestra de câmara mesclados a composições de minha lavra, também arranjadas para esta formação.

Me espantou sobremaneira o elenco de músicos selecionado para os concertos e gravação. Músicos de diversos locais do Brasil juntamente com músicos mato-grossenses, alguns dos quais eu já conhecia de discos ou apresentações. 

Ivan Vilela é mestre em composição musical pela Unicamp e professor de viola na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto (Divulgação Kuarup)

A possibilidade de se juntar um instrumento tão marcadamente antigo e ligado às culturas populares portuguesa e brasileira, como a viola, com uma orquestra que bem representa o universo erudito das artes musicais, traz a possibilidade de que a música é uma só e que nem sempre deveria ser compartimentada por situações simbólicas que quase nunca se remetem à expressão e à criação musical. 

Uma ideia auspiciosa que aponta para um caminho de comunhão da qual nos vemos como parte de uma mesma condição humana que se manifesta por meio da sensibilidade. A música e sua prática e escuta se mostra como uma bela seara para resgatarmos o lado sensível da nossa humanidade e nos vermos, assim, como iguais.

Ivan Vilela

Concerto em Guarulhos

O violeiro Ivan Vilela e o pianista Benjamim Taubkin lançaram na quarta-feira, 7 de agosto, no palco da unidade 24 de Maio do Sesc paulistano o disco Encontro, feito em parceria e que leva ao público nove músicas, sendo três compostas por Taubkin, três por Vilela e outas três por Milton Nascimento.

Os músicos tocaram pela primeira vez juntos na série Encontros Musicais, promovida pela unidade Pompeia do Sesc em 2014. “Eu acompanhava a música do Ivan e o Ivan acompanhava a minha há muito tempo, mas nós nunca tínhamos tocado juntos”, comentou Taubkin.

O repertório do álbum conta com composições de um dos grandes nomes da música popular brasileira, Milton Nascimento, que é uma importante referência tanto para o pianista quanto para o violeiro. “Nós dois somos ‘ultra fãs’ do Milton, a gente acabou, em comum acordo, incluindo estas músicas que adoramos”, disse o pianista.

A faixa Caipira, que tem composição de Benjamim Taubkin e interpretação dele com Ivan Vilela, foi escolhida como a Música da Semana no “De Volta ‘Pra’ Casa”.

Já no sábado, 24 de agosto Vilela será atração na unidade Guarulhos do Sesc de São Paulo (sala 4 – Auditório) protagonizando a partir das 18h30, com entrada franca, o concerto no qual apresentará composições e arranjos que se utilizam de elementos das culturas populares brasileiras, mesclando-as com sonoridades da música clássica e da música popular. Vilela transitará por diferentes paisagens sonoras, explorando texturas e contrapontos, mesclando sutilezas melódicas, onde o tonal e o polimodal se fundem num misto de cruzamentos rítmicos.

Além de músicas consagradas dos últimos álbuns – como Paisagens, A Força do Boi e Solidão -, destacam-se obras como O Castelo dos Mouros e Sertão, que farão parte de um novo disco dele, já em fase de gravação.

Ivan Vilela tocará viola de dez cordas, acompanhado por Filipe Massumi ao violoncelo e  Ari Colares à percussão. O ingresso vai ser distribuído a partir das 17h30, no Centro de Música.

O Sesc de Guarulhos está na rua Guilherme Lino dos Santos, 1200, Jardim Flor do Campo. Para mais informações disponibiliza o telefone (11) 2475-5550

Leia mais sobre Ivan Vilela ou conteúdos a ele relacionados aqui no Barulho d’água Música clicando no linque abaixo: 

https://barulhodeagua.com/tag/ivan-vilela/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s