1264 – Conheça a obra de Lydio Roberto, cantor, compositor e musicólogo de Curitiba (PR)*

Com cinco discos gravados e vasta experiência como educador, paranaense que aprendeu o caminho das pedras em festivais também é autor de trilhas para teatro ,de jingles publicitários e de livros para o público infantil

*Com Katia Fontoura

As tradicionais audições que aos sábados pela manhã promovemos aqui no boteco da redação do Barulho d’água Música começaram neste dia 30 de novembrojá a um mês da chegada de um novo ano! — pelo álbum Violada, terceiro da discografia do cantor, compositor, musicoterapeuta e professor Lydio Roberto, lançado em 2005. Paranaense nascido e residente em Curitiba, Roberto tem ao todo cinco discos a partir do primogênito, Choros e Águas, vinil com o qual estreou em 1985, além de assinar algumas produções musicais de colegas de estrada. Entre outras atividades que desenvolve em paralelo à trajetória artística, licenciado em Música (1987) e bacharel em Musicoterapia (1989) pela Faculdade de Educação Musical do Paraná (1987), é especialista em Educação Especial (PUC-PR/1988) e em Fundamentos Estéticos da Arte Educação (FAP/1991), além de Mestre em Mídia e Conhecimento (Engenharia da Produção) pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001).

Violada traz 11 faixas, das quais 10 são de autoria própria, além de Horizontes, que assinou em parceria com Iso Fischer, Guilherme Rondon e Paulo Simões. Lydio Roberto cuidou pessoalmente dos arranjos e concepções musicais do projeto, confiando a direção ao produtor e violonista Álvaro Ramos. O projeto gráfico, de Antônio Fontoura, destaca ilustração dos artistas plásticos Mazé Mendes e Tiago Mendes, com fotos de Dani Mees e textos da poetisa e compositora paranaense Etel Frota. Rogério Gulin (viola caipira), Fernando Montanari (acordeon), Jonas Cella (baixolão) e Beline Cidral (percussão) participam do trabalho que tem, ainda, entre outros músicos, contribuições especiais dos grupos Viola Quebrada, Trio Ameríndia e Comtrasteduo. O projeto de Violada foi viabilizado pela Lei de Incentivo à Cultura da Prefeitura Municipal de Curitiba, com o incentivo da Ultralab e Serra Verde Express.

A produção artística e acadêmica de Lydio Roberto é bastante extensa e tem, inclusive, um olhar dedicado ao universo infantil. Como professor assistente, atualmente, leciona Musicoterapia na Faculdade de Artes do Paraná (FAP) e também nas Faculdades Integradas do Brasil, agora no curso de Publicidade e Propaganda. Também é professor assistente do Instituto Brasileiro de Pós-Graduação e Extensão da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Itecne e PUC/PR, instituições nas quais ministra módulos nos cursos de Pós-graduação Lato Sensu.

Afora o trabalho em salas de aula, Lydio Roberto soma experiência na área de Educação e em Arte Música. Dedica-se em cursos e outras atividades correlatas a temas voltados à musicoterapia, música, contexto terapêutico, educação e folclore. Como compositor popular e cancionista com larga vivência em festivais e integrante de vários grupos que integrou, aborda o universo do folclore, a cultura, a cultura de raiz, os brinquedos e as cantigas, com especial cuidado aos aspectos artísticos e educacionais.

Por estes caminhos, hoje, o compositor considera essencial para suas produções o fato de, ao lado de outros educadores e cancionistas, ser integrante do Movimento Brasileiro da Canção Infantil. Há muitos anos lida diretamente com crianças em escolas públicas e privadas e conta que com elas aprendeu caminhos e cuidados que devem ser observados quando se propõe a pensar, sentir e a fazer música. Nesta perspectiva é que se debruçou, na produção artístico musical e acadêmica, ao segmento infantil, complementando-a com a elaboração de materiais com caráter didático-pedagógico para a capacitação de professores, em parceria com a compositora e pesquisadora Mara Fontoura.

Assim, além de compor canções para crianças, Roberto já publicou livros destinados a este segmento como:Cancioneiro Folclórico Infantil, volumes I e II;  Festa Junina – volume 2, Datas Especiais; além de servir como referência ao estudo publicado na obra (livro e CD) Musicando, das educadoras musicais Cris Lemos e Solange Maranho Gomes.

Lydio Roberto também produz trilhas e jingles publicitários, mas sempre optou por desenvolver trabalhos com maior compromisso estético e artístico na área de composição, especialmente em shows musicais e gravações de fonogramas. Assim sua obra, violão e voz enriquecem não apenas os trabalhos autorais, mas ainda os de compositores e intérpretes tais como o Grupo Nymphas, Gerson Bientinez, Iso Fischer, O Tao do Trio, Rosy Greca, entre outros. E nesta trajetória leva na bagagem parcerias com João Gilberto Tatára, Etel Frota, Cristina Saraiva, Fernando Pereira, Mara Fontoura, Cláudio Ribeiro, Hardy Guedes, Gerson Fiesbein, Milton Zauer, Comtrasteduo (Márcio Silva e Glauber Carvalho) e Cris Lemos, além de ter no currículo o privilégio de dividir o palco com Leni Andrade, Maurício Carrilho, João de Aquino, Sivuca, Carlos Lyra, Elizeth Cardoso, Leila Pinheiro, entre outros.

Linques para saber mais sobre e ouvir Lydio Roberto

https://myspace.com/lydioroberto

www.reverbnation.com/lydioroberto

http://osulemcima.com/blog/2017/06/30/o-sul-em-cima-lydio-roberto/

http://www.youtube.com/user/lydiorobertosilva

https://www.youtube.com/channel/UCPgVYEmbTVEexbdSmEZvZ9g

http://estrelascuritibanas.blogspot.com

http://musicaludica.blogspot.com

http://musicoholos.blogspot.com/

http://produzindoaudio.blogspot.com

Contatos para shows e atividades afins:

katiafontoura67@gmail.com

lydioroberto@gmail.com

Discografia de Lydio Roberto

Em ordem cronológica a partir de 1985, no sentido horário, capas dos demais álbuns da discografia no qual Violada é o terceiro de Roberto (Foto: Katia Feitosa)

1985 – Choros e Águas (LP)/1999 – Estrelas Guia (CD)/ 2005 – Violada (CD)/2008 – Alma Brejeira (CD)/2012 –Nhengarí Inami – a arte do poeta (CD)

Em Choros e Águas há muitas ideias do parceiro, arranjador e guitarrista Ricardo Saporski, com quem Lydio Roberto começava a trabalhar na época de lançamento do disco e com o qual afirma ter encontrado estabilidade para trabalhar.

Uma parceira muito feliz”, assim ambos atestaram o LP no qual constata-se o fascínio das águas, uma espécie de parto em água, onde o choro se confunde com a água para encher de brilho e encanto a vida. O disco procura traduzir descontração e simplicidade com grandes doses de emoção. Na busca dessa identidade sonora, uma preocupação que não se encontra com muita facilidade na cabeça do compositor brasileiro, Lydio Roberto espera que seu trabalho seja reconhecido, na medida em que vai alcançando e conquistando espaço, com músicos de alta qualidade e competência.

Choros e Águas é resultado dos trabalhos de Lydio como músico e compositor desenvolvidos nos quatro anos anteriores de carreira e não traz uma preocupação com o estilo, mas sim, uma busca de identidade sonora em 10 faixas, divididas em cinco para cada lado, A e B. Os músicos são: Lydio Roberto (voz e violão), Helinho Sant’Ana (bateria, percussão e coro), Dennis Belik (baixo), Celso Piratta (volão Gibson), Cesar Reis (piano), Mizael Passos (polysix), Edson Souza (Tatá) (trompetes), Dico (trombones), Rogério Krieger (violino), Ricardo Saporski (guitarra, sinthesizer GR 500, regência e coro), Sergio Bianchi (arranjo), Rosangela, Marcio e Denise (Coro de Botequim), Flávio Belô (percussão e coro), Ricardo Roche (bateria), Jamur Fressato (sax alyo), Eduardo Coelho (guitarra, solo e base), Salustiano S. Ribeiro Junior. (baixo), Maracoro e arranjo vocal), Rosa Lídia (solo vocal), Hylea Ferraz (flautas), Osíris (violino), Fernando Pereira (flauta), Cillas (acordeon), Netto (chicote),Álvaro Van Steen Ramos (violão), Orlando Comandulle (sax tenor), Roberto Bürgel (arranjo, piano acústico, piano fender e polysix) e Orlando Baumel (sax tenor).

Estrelas Guia tem produção musical, arranjos instrumentais/vocais e pianos do carioca Vicente Ribeiro, com direção artística do próprio Lydio Roberto. O autor convocou amigos talentosos para participar tais quais Milton Zauer, Belô, Xanda Lemos e os grupos vocais “Tao do Trio” e “Nymphas”; Endrigo Bettega toca bateria e percussão, Boldrini,contrabaixo, João Egashira, bandolim, Sergio Albach clarinete, Helinho Brandão, sax alto, Zelinha Brandão, flauta e Orlando Baummel, sax tenor, entre outros músicos que participam das 14 canções de lavra própria ou em parcerias “Flor do Asfalto”, por exemplo, envolve Gerson Fisbein, Louco Sentimento conta com Flávio Belô, Bailarina com Ethel Frota e Meu Poder com o flautista e musicoterapeuta Fernando Pereira. Um dos destaque é a faixa título, que contou com a emotiva participação dos filhos Ian e Yuri, acompanhados pelo violão de Alvaro Ramos.

Alma Brejeira expressa a preferência por uma sonoridade acústica, com cuidados estéticos, sem perder de vista a busca por elementos que contemplem o regional e o nacional. Sem dúvida, é uma proposta de sonoridade paranaense, que se vê pela natureza das composições, pela instrumentação utilizada e, sobretudo, pela temática paranista. Composto de músicas próprias assim como algumas músicas do cancioneiro nacional

Nhengarí Inami/A Arte do Poeta Popular, é um projeto concebido por Lydio Roberto e desenvolvido em parceria com a cantora Cris Lemos e com o músico Ricardo Janotto (O Rosinha), cujos motes estão vivos nos registros musicais feitos por Inami junto à cultura fandangueira do Paraná nas décadas dos anos de 1950, 1960 e 1970 e mais, em suas composições de caráter popular. Por isto, este projeto não trata de nenhuma proposição de inovação estética, seja na música, seja nos estudos culturais. É sim, tão somente um movimento de fazer soar de novo a vida, os sons, a doçura e o encanto de quem muito fez pela cultura popular do Paraná e do Brasil. Este registro é um movimento para fazer re-soar a simplicidade e encanto do poeta popular Inami Custódio Pinto.

O álbum foi gravado na Gramofone+Musical em 1999, por meio da Lei de Incentivo à Cultura da Prefeitura Municipal de Curitiba e teve o incentivo da empresa Clinihauer – Saúde Global.

Álbuns e livros de Lydio Roberto poderão ser encomendados junto à empresa Cântaro Arte e Educação, cujo telefone é (41) 3203-7989 e o endereço para envio de mensagens contato@cantaroarteeducacao.com.br. ou à Gramofone, situada à rua Curupis, 450, Santa Quitéria, em Curitiba. Os telefones para contato são +55 41 98516-5131 e (41) 3228-1044 e o endereço virtual gramofone@gramofone.com.br

Leia também no Barulho d’água Música sobre a música no Paraná:

1251 – Com uma viola caipira nas mãos, Lu Pasinato (SP/PR) revalida ditado “quem puxa aos seus não degenera… e a todos eleva!”

1238- Clareando, do violeiro Emiliano Pereira, evoca laços familiares, paisagens do Paraná e faz tributo ao Velho Lua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s