1303 – Produtora cultural paulistana promove apresentações virtuais para comemorar 90 anos de Sivuca (PB)

Autor de composições e trabalhos que incluem, dentre outros ritmos, choros, frevos, forrós, jazz, baião, música clássica e até blues, ele ganhará homenagens das mais especiais pelo aniversário durante uma semana inteira, a partir da terça-feira, 19, ancoradas por Thadeu Romano e Marcelo Caldi

#luluculturalinfluencer #redecolaborativalulu #luciapro

#FiqueemCasa

#ForaBolsonaro

Um dos mais queridos multi-instrumentista, maestro, arranjador, compositor, orquestrador e cantor brasileiro, o paraibano Sivuca passou ao Mundo Maior em dezembro de 2006, mas ao lado de outros “bambas” como Luiz Gonzaga e Dominguinhos continua presente no nosso dia a dia, influenciando novos artistas e reverenciado em todos os setores da cultura popular. Natural de Itabaiana (PB), Sivuca era Severino Dias de Oliveira, nascido em 26 de maio de 1930, data que dentro de alguns dias completará 90 anos. Autor de composições e trabalhos que incluem, dentre outros ritmos, choros, frevos, forrós, jazz, baião, música clássica e até blues, ele ganhará homenagens das mais especiais pelo aniversário durante uma semana inteira, a partir da terça-feira, 19, promovidas pela paulistana Rede Colaborativa LuLu. Com rodas de conversas, debates, vídeos, indicações de música e apresentações ao vivo (lives), o projeto terá como âncoras os acordeonistas, pianistas, compositores e arranjadores Thadeu Romano e Marcelo Caldi, que são artistas que têm muita intimidade e interpretam com propriedade o repertório do mestre.

As idealizadoras do projeto Sivuca 90 anos- o poeta dos sons, as produtoras culturais Lúcia Rodrigues, da Central das Artes, e Lu Lopes, da Rubra Rosa Projetos Culturais, representando a Rede Lulu, convidaram para as apresentações e mesas de conversas, entre outros, os também acordeonistas Toninho Ferragutti, Renato Borghetti e Daniela Spielmann. Como recomendam as autoridades sanitárias para evitar contágio pelo coronavírus durante a quarentena de combate à Covid-19, todos os artistas vão aparecer on-line, a partir do dia 19, sempre às 21 horas. Marcos Nimrichter dará o pontapé inicial e, na sequência, as demais rodadas, diárias, terão Fabio Peron e Ítalo Peron (20/5); Duo Txai (21/5), Daniela Spielmann (22/5), Toninho Ferragutti (23/5), e Pedro Miranda (24/5); ainda será confirmada a atração do dia 25. Na terça-feira, 26, dia do nascimento de Sivuca, as honras ao aniversariante caberão a Romano e Caldi. As mesas de conversas reunirão Renato Borghetti, Durval (Zabumba, da banda de Elba Ramalho) e Fernando Gasparini (jornalista e musicólogo autor em parceria com Flávia Barreto do livro biográfico Sivuca e a Música do Recife), entre outros.

Improvisação e virtuosismo

Sivuca, de acordo com a biografia dele disponível na Enciclopédia Itaú Cultural, começou a tocar sanfona aos 9 anos, como autodidata, e, aos 15, quando se mudou para Pernambuco, já participava de programas de calouros, porta de entrada para apresentações na Rádio Clube de Recife, emissora na qual permaneceu por três anos, assumindo seu nome artístico. Contratado pela Rádio Jornal do Commercio, em 1948, ficou neste veículo até a década dos anos 1950. Um ano antes, fora convidado para gravar com a cantora Carmélia Alves (1923-2012), em São Paulo.

Carmélia foi a primeira a gravar, em 1951, o baião Adeus Maria Fulô, composição de Sivuca e de Humberto Teixeira, coautor de Asa Branca ao lado de Luiz Gonzaga; a música também acabou interpretada pelos Mutantes, em 1968. Já em 1951, com Carmélia Alves, ele lançou em 78 rotações o disco cujos destaques são o baião No Mundo do Baião, um pot-pouri de composições de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga (1912-1989), o choro Tico-Tico no Fubá, de Zequinha de Abreu (1880-1935) e o frevo Vassourinhas, de Matias da Rocha (1864-s.d.) e Joana Batista Ramos (1878-1952). 

Em 1955, Sivuca desembarcou na cidade do Rio de Janeiro, contratado pelas Emissoras Associadas de Rádio e Televisão Tupi. Estudou durante três anos com Guerra Peixe (1914-1993), com o qual aprendeu teoria musical e harmonia. No ano seguinte, lançou Eis Sivuca, seu primeiro disco solo, além de participar  em trabalhos de outros artistas. Também em 1956, gravou o choro Homenagem à Velha Guarda e partiu para a primeira temporada pela Europa com o grupo Os Brasileiros.

Em 1959 saiu um disco de música angolana, Duo Ouro Negro, com participação do paraibano. No início de 1960, ao lado de Waldir Azevedo (1923-1980), ele se apresentou com o grupo Brasília Ritmos, com o qual já havia gravado no Brasil. Em Portugal, lançou Vê se Gostas. Entre 1960 e 1964, residiu em Paris e participou do filme Le Diable et les Dix Commandements (O Diabo e os Dez Mandamentos), do francês Julien Duvivier (1896-1967). 

Em 1964, chegou de mudança a Nova York, atendendo convite da cantora Carmen Costa (1920-2007); na Big Aplle viveu por 12 anos e atuou como diretor musical, arranjador e violonista da cantora africana Miriam Makeba (1932-2008), com quem gravou três discos e realizou turnês internacionais, lançando a música Pata-Pata. Em 1969, assumiu a direção musical e realizou o espetáculo Joy, com o norte-americano Oscar Brown Junior (1926-2005) e Jean Pace, para o qual compôs Mother Africa’s Day, em parceria com Junior. 

Na década dos anos 1970 Sivuca dedicou-se a trilhas para filmes em curta-metragem de televisões educativas norte-americanas, trabalho pelo qual recebeu indicação ao Prêmio Grammy. Nesse período, celebrou parcerias com artistas como Hermeto Pascoal e os norte-americanos Bette Midler, Paul Simon e Harry Belafonte. Em 1972, em meio às turnês com Belafonte, gravou, em Nova York Sivuca e lançou espetáculo de música brasileira no Village Gate que alcançou projeção internacional, originando o elepê Live at the Village Gate (1973).

Sivuca subiu ao altar em 1975, com a compositora e médica Glorinha Gadelha, com quem desenvolveu parcerias artísticas. Nessa época, voltou para a cidade do Rio de Janeiro e participou da série de espetáculos Seis e Meia, no Teatro João Caetano, com o show Sivuca e Rosinha de Valença.  Este, gravado ao vivo, tornou-se o primeiro registro do baião Feira de Mangaio, parceria dele com Glorinha considerada um clássico do forró e que atingiu estrondoso sucesso na voz de Clara Nunes, em 1979.

Em 1977, o cantor, compositor e escritor carioca Chico Buarque de Holanda escreveu a letra para uma melodia de Sivuca, composta em 1947, dando origem a João e Maria, única parceria entre ambos e que estourou na voz de Chico e Nara Leão. Em 1985, Sivuca escreveu a primeira peça sinfônica: Concerto Sinfônico para Asa Branca, inovando ao mobilizar a orquestra pela ótica do acordeonista. Além dos projetos e apresentações nacionais que desenvolveu na década dos anos 1980, gravou Rendez-vous in Rio(1985) com o gaitista belga Toots Thielemans (1922-2016) e a cantora sueca Sylvia Vrethammar (1945); Chiko’s Bar (1986), com Toots Thielemans; e Bad Boys From Brasil (1986), com o sueco Rune Öfwerman Trio. Em janeiro de 1992, lançou na Dinamarca One Good Turn, com Erik Petersen.

Sivuca regressou à Europa para novas turnês e apresentou-se na inauguração do teatro Cité de la Musique, em Paris, 1994. Em 2003, regressando à Paraíba, trabalhou até gravar no ano seguinte, em Recife, com a Orquestra Sinfônica da cidade, Sivuca Sinfônico. Três anos depois, comporia seu último arranjo sinfônico, Choro de Cordel, com Glorinha.

Além de compositor e arranjador, Sivuca é um mestre da sanfona, instrumento do qual é um dos principais divulgadores na música nacional e internacional. Desde jovem, viajou pelo interior do Nordeste brasileiro, tocando música regional com músicos locais, vivendo um período de aprendizagem e experimentações que lhe concedeu o conhecimento do universo musical nordestino. Segundo o artista, essa vivência entre músicos da cultura popular  forneceu as bases de sua obra. Apesar de decisiva, a arte de Sivuca não se resume à influência regional, transitando entre diversos gêneros da música nacional e internacional. A experiência é tão diversificada que se tornou impossível estabelecer seu perfil estilístico com base em determinado movimento ou gênero. Seus trabalhos podem ser identificados com a bossa-nova, jazz, forró, choro, baião, maracatu, frevo.

Seja qual for o ritmo, no entanto, predomina em Sivuca o virtuosismo no acordeon e o improviso musical, característico de expressões da Paraíba, como os cantadores de coco. Nas primeiras décadas do século XX, o acordeon estava associado à música tradicional e foi necessário um longo trabalho para sua aceitação na música popular moderna e para ser considerado um instrumento de concerto. O instrumento tem destaque na produção musical de Sivuca, que se definia como “um ser humano diferente dos outros porque tinha um membro-extra, o acordeon”. Ele não o abandonava nem ao transitar pela bossa-nova, rock  ou jazz, apesar da dificuldade inicial de aceitação do instrumento, o que o forçou, por vezes, a optar pelo violão para se manter no mercado musical. Em sua trajetória, contudo, ele buscou demolir tais barreiras, com habilidade e inovação artística.

O reconhecimento do acordeon é uma luta que Sivuca empreendeu ao longo da vida: “Agora é que o preconceito está acabando. E eu, sem querer me vangloriar, trabalhei muito por isso. Mas, preconceitos à parte, eu continuo tendo, como instrumento principal, a sanfona”, disse em certa ocasião. Tal aceitação relaciona-se à difusão por meio do rádio, desde a década dos anos 1930, de estilos musicais rurais, dentre os quais a música nordestina  é um exemplo. Divulgada com o sucesso do baião, na década dos anos 1950, chamou a atenção da indústria fonográfica para seu potencial comercial, o que favoreceu a presença do acordeon no cenário musical.

O trabalho de Luiz Gonzaga exemplifica esse processo que, simultaneamente, levou a música do campo às cidades e busca um novo sotaque para esta sonoridade, de forma a adaptá-lo e torná-lo mais palatável ao público urbano. No período, as rádios constituíram laboratórios musicais, promovendo intercâmbios e experimentações ao reunir, em seus estúdios e auditórios, distintos gêneros musicais e seus representantes, cada qual com sua formação instrumental. O ambiente foi importante para Sivuca durante a sua permanência em Recife, pois, além do contato com diversos gêneros e artistas, permitiu que estudasse teoria musical com os músicos da orquestra das rádios. Ali, tornou-se aluno do maestro e compositor Guerra-Peixe, aprimorando suas noções de harmonia, fundamental para a produção sinfônica que iniciou na década dos anos 1980 e manteria pelo resto da vida. Nesse contexto, Sivuca conheceu também, a música das Big Bands norte-americanas, que influenciam sua obra.

O artista também se destacou pela atuação como produtor musical de discos, espetáculos e trilhas sonoras. Com seu trabalho, divulgou a música brasileira no cenário internacional, colecionando admiradores e prêmios. Em 2006, o Ministério da Cultura reconheceu a importância de seu trabalho em prol da música brasileira, concedendo-lhe a Ordem ao Mérito Cultural.

Sivuca desencarnou em 14 de dezembro de 2006, depois de dois dias internado para tratamento de um câncer que combatia desde 2004. Do casamento com Glorinha Gadelha nasceu a filha, Flávia, coautora do livro com Gasparini, e os três netos, Lirah, Lívia e Pedro.

Programação Do Projeto Sivuca 90 Anos- O Poeta Dos Sons

Dia 19 /05 – Marcos Nimrichter/Dia 20/05 – Fabio Peron e Ítalo Peron/Dia 21/05 – Duo Txai/Dia 22/05 – Daniela Spielmann/Dia 23/05 – Toninho Ferragutti/Dia 24/05 – Pedro Miranda/Dia 25/05 – a confirmar/Dia 26/05 Thadeu Romano e Marcelo Caldi

Mesas de conversas: Renato Borghetti, Durval (Zabumba, da banda de Elba Ramalho) Fernando Gasparini, entre outros.

Acesse o linque abaixo, conheça melhor e veja como é possível colaborar com as ações da LuLu Rede Colaborativa:

https://www.facebook.com/278892585457529/posts/3422188027794620/?sfnsn=wiwspmo&extid=TSzFEKt4QXARnWVD&d=n&vh=e

 

Clique no linque abaixo e leia entrevista de Sivuca e Glorinha Gadelha na Revista Ritmo Melodia, de Antonio Carlos da Fonseca Barbosa:

Patrimônio musical e cultural inigualável

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s