1316 – Documentários e acervo de entrevistas com violeiros do Distrito Federal estreiam na internet

#FiqueemCasa #MáscaraSalva

#ViolaCaipira #ViolaBrasileira #ViolaInstrumental #CulturaPopular #MúsicaForadaCaixa #MúsicaIndependente 

#Respeito #Diversidade #Tolerância #Pluralidade #Democracia #BLM  #AmorAosAnimais

#MédicosSemFronteiras

#ImprensaLivre #JornalistasAntifascistas

#ForaBolsonaro #ForaSalles

Mosaicos, rosetas, colchas, balaios, picuaios, colagens. Imagens e figuras de linguagem que talvez expressem um pouco da diversidade de culturas que se encontram no Distrito Federal, a “Arca de Noé Cultural” a que se referiu o violeiro Zé Mulato (mineiro residente em Brasília desde 1973). Esta diversidade se expressa no corpo e na voz, nos modos de contar e de cantar. Nos sotaques, gestos, linguagens, olhares, faces, jeitos, trejeitos, sonoridades e tonalidades próprias de cada um. Nas diferentes visões de mundo e horizontes de expectativa. Na multiplicidade de toques e ritmos da viola caipira e na variedade de modalidades da cantoria repentista. 

Sextilha. Moda de viola. Quadrão. Catira. Martelo agalopado. Toada. Matuto do pé rachado. Pagode. Mourão voltado. Cururu. Quadrão perguntado. Cateretê. Voa sabiá. Querumana. Coqueiro da Bahia. Canção rancheira. Martelo alagoano. Chalana. Galope à beira-mar. Rasqueado. Mourão em cinco. Guarânia. Quadrão mineiro. Choro. Gabinete. Me responda cantador. Cada uma destas palavras é uma janela para um universo de saberes, práticas, memórias, modos de ser, de fazer e de lembrar. Cada um destes ritmos e gêneros é arte com regras, métodos, liberdades, métricas, éticas e estéticas próprias e que, por sua riqueza poética, musical, cultural e social, merecem ser cada vez mais reconhecidos e valorizados publicamente.

Registrar e difundir parte deste conhecimento sobre a viola e sobre o Brasil, por meio das narrativas e performances de violeiros e violeiras residentes no Distrito Federal, foi o que motivou o desenvolvimento do projeto Viola Central. Realizado entre os anos de 2017 e 2019, com o apoio do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal, o trabalho gerou a constituição de um acervo com 21 entrevistas com músicos e construtores do instrumento. A partir destes encontros, e das mais de 40 horas de material audiovisual captado, foram editadas versões em vídeo, áudio e texto, conteúdo disponível para acesso no site http://www.camaraclara.org.br/violacentral

Nesta primeira etapa do projeto Viola Central foram entrevistados 21 violeiros e violeiras residentes no Distrito Federal: Aparício Ribeiro, Cacai Nunes, Carol Carneiro, Chico de Assis, Donzílio Luiz, Ivo Amancio, Joaquim de Felipe, Zé Moacir, Zé Mulato, Cassiano, João Pedro da Silva e Alexandre Silva (Advogado e Engenheiro), João Santana, Manoel Araújo de Souza (Zitão), Marcos Maciel, Marcos Mesquita e Vitor Mesquita (Duo Viola Progressiva), Marcello Linhos, Messias de Oliveira, Dyego Violeiro, Pedro Vaz, Valdenor de Almeida, Volmi Batista da Silva, Roberto Corrêa.

As entrevistas foram realizadas em sua maioria na casa de cada violeiro e violeira, mas também na Casa do Cantador e na Feira da Guariroba, em Ceilândia, e na Praça São Sebastião, Igrejinha Velha, em Planaltina. Para ir a todos estes encontros a equipe integrada por Sara de Melo, Domingos de Salvi, Tati Costa e Daniel Choma percorreu mais de 2 mil quilômetros dentro do Distrito Federal, entre idas e vindas do Guará a Sobradinho, Ceilândia, Planaltina, Taguatinga, Brazlândia, Santa Maria, Park Way, Candangolândia, Plano Piloto, Altiplano Leste, Águas Claras, Asa Sul, Asa Norte e Samambaia.

Carol Carneiro e Valdenor de Almeida, dois dos violeiros do Distrito Federal que fazem parte dos documentários

A partir das entrevistas foram editadas e publicadas versões em texto, áudio e vídeo, que circularão por meio de eventos virtuais e portal na internet, livro, DVD e exibição em televisões públicas e educativas. Esta diversidade de formas de apresentação do conteúdo dos depoimentos e performances visa a expandir a acessibilidade, além de propiciar diferentes experiências de leitura.

Como vídeos complementares à pesquisa foram editados cinco audiovisuais: Me responda cantador, Vocação violeira, Ser ou não ser caipira, Memória requinta e Flor do cerrado. Estes mosaicos audiovisuais intercalam depoimentos e músicas autorais executadas pelos violeiros e violeiras entrevistadas, sendo disponibilizados a televisões públicas e educativas e para acesso na internet e DVD. Estão programados para os dias 20 a 24 de julho de 2020, sempre às 20 horas, cinco eventos virtuais para estreia destes vídeos no You Tube, acompanhados por sala de bate-papos com a equipe e convidados.

A organização de publicação, impressa no formato de livro e DVD, apresenta alguns dos depoimentos, imagens de bastidores e performances musicais autorais registrados. Os 500 exemplares produzidos serão distribuídos gratuitamente entre instituições culturais e educacionais e colaboradores do projeto. A lista de distribuição encontra-se em fase de elaboração e interessados podem se inscrever por meio do endereço eletrônico contato@camaraclara.org.br.

Patrimônio nacional

A difusão de todos estes conteúdos busca oferecer um panorama parcial da viola no Distrito Federal, atualmente. Para os próximos anos, pretende-se continuar o registro, integrando novos personagens ainda não entrevistados. Este acervo pretende se expandir, incluindo pouco a pouco as entrevistas com as centenas de pessoas que estiveram de fora desta primeira etapa e que certamente contribuem para a vitalidade da viola e da música no Distrito Federal.

A realização deste trabalho objetiva a contribuir, mesmo que de forma modesta, para a formação do conhecimento em torno do patrimônio histórico e artístico do Distrito Federal. Por extensão, deseja-se ampliar o reconhecimento social da viola como patrimônio cultural nacional, seja de suas formas de fazer e de tocar como as expressões culturais nas quais está integrada. Sobretudo, valorizar as pessoas que constroem, tocam e se encantam com a viola como profissão de fé, festa e ofício.

O projeto Viola Central é uma realização do Fundo de Apoio a Cultura (FAC) do Distrito Federal, Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Governo do Distrito Federal, produzido por artistas e pesquisadores colaboradores do Instituto Câmara Clara e Instituto Voamundo.

Serviço:

O quê:

Estreia dos documentários do projeto Viola Central no You Tube, seguida de bate-papos, e lançamento do acervo de entrevistas com violeiros e violeiras do Distrito Federal na internet.

Quando e onde:

Linques das estreias dos documentários Viola Central no You Tube, sempre às 20 horas:

20 de julho | Vocação violeira: https://youtu.be/m7oWp8lj7qs
21 de julho|
Memória requinta: https://youtu.be/0SDgvOiGcnQ
22 de julho|
Me responda cantador: https://youtu.be/Qvq6Ey9qctU
23 de julho|
Ser ou não ser caipira: https://youtu.be/e5czegDCd8w
24 de julho|
Flor do cerrado: https://youtu.be/yJYIF-tWWfQ

Mais informações:

No site: www.camaraclara.org.br/violacentral
E-mail:
contato@camaraclara.org.br
Telefone: (61) 98336-8598 – Domingos de Salvi

Na Revista Ritmo Melodia você encontra centenas de entrevistas com vários expoentes de todos os gêneros da MPB. Conheça, acesse, leia e colabore em https://www.ritmomelodia.mus.br/amp/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s