1362 – Cibele Codonho e Silvia Goes apresentarão Música é Feminino em 8 de março*

#MPB #CulturaPopular #DiaInternacionaldaMulher

Cantora e a pianista paulistanas homenageiam as mulheres em apresentação virtual, no Dia Internacional da Mulher

*Com Lúcia  Rodrigues (Lúcia Produções)

As tradicionais audições aos sábados pela manhã aqui no cafofo do Barulho d’água Música, no Solar do Barulho (São Roque/SP) começaram com Afinidade, álbum que a cantora paulistana Cibele Codonho lançou em 2016. Cibele vem pilotando, às segundas-feiras, a série de apresentações virtuais ao vivo (lives) Música é Feminino, nas quais conversa com amigas da estrada. Ela já recebeu, por exemplo, Léa Freire, Bárbara Barcellos, Wanessa Dourado, Débora Gurgel, Roberta Valente e Alana Alberg e, agora, para celebrar o Dia Internacional da Mulher, dividirá a tela com a pianista Silvia Goes, com direção e produção musical de Felipe Senna, da produtora Ninho do Corvo. Embora já tenham trabalhado em parceria, esta será a primeira vez que ambas se juntarão para um concerto de voz e piano, marcado para começar às 20 horas e que poderá ser acompanhado pelo canal Youtube da anfitriã.

O repertório contemplará o universo feminino e contém as canções Essa Mulher (Joyce e Ana Terra), Deixa a Menina e Folhetim (Chico Buarque), Samba de Mulher (Léa Freire e Joyce Moreno), Não há lugar (Ivan Lins, Gilson Peranzzetta e Vitor Martins), Xote das Meninas (Luiz Gonzaga e Zé Dantas), Samba sem você (Rosa Passos e Fernando de Oliveira), Clotilde Baiana (Cibele Codonho), Mãos de Afeto (Ivan Lins e Vitor Martins), Cravo e Canela (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos) e Feminina (Joyce).

Silvia Goes é da geração que abriu caminhos para instrumentistas femininas e arranjadoras. Fez parte da Banda da Patroa e dos grupos Silvia Goes Big Band e Três daqui e uma de lá. O primeiro álbum, Piano à Brasileira (2000), saiu quando completou 42 anos de profissão. Depois gravou mais oito, lançou oito livros e hoje acumula experiência ao lado de artistas como Dori Caymmi, Maurício Einhorn, Leny Andrade, Toninho Horta, Dominguinhos, Toquinho, Heraldo do Monte e Arismar do Espírito Santo.

Cibele Codonho formou o grupo feminino de harmonia vocal e instrumental A Três, que tem o álbum Vocalise (1998) lançado no Brasil e Japão. Como primeira voz do trio, apresentou-se ao lado de Roberto Sion, Jane Duboc e Toninho Ferragutti, no Japão; Djavan, Leny Andrade, Johnny Alf, Rosa Passos, Milton Nascimento e Alaíde Costa pelo Brasil. Produziu o disco Porto Seguro, de Filó Machado, com quem também lançou Tom Brasileiro (2005) em duo de voz e violão homenageando a obra de Jobim. Seu álbum solo Afinidade (2017), com produção de Pichu Borrelli, atraiu a participação especial de um time de peso como o líder do grupo vocal Take 6, Mark Kibble, e o baterista norte-americano Lewis Nash.

Saiba como contribuir com as artistas visitando o linque https://www.eventbrite.com.br/e/musica-e-feminino-tickets-143358042765?aff=erelexpmlt

Leia também aqui no Barulho Música:

1303 – Produtora cultural paulistana promove apresentações virtuais para comemorar 90 anos de Sivuca (PB)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s