1398 – Nelson Sargento: homenagem do Vasco da Gama e o frio silêncio dos que atravessam o samba e jogam contra a vida

#Samba #Mangueira #Carnaval #CulturaPopular #MPB

#MáscaraSalva #FiqueEmCasa

#Liberdade #Tolerância #Diversidade #Respeito #Pluralidade #Liberdade #Democracia #ImprensaLivre #JornalistasAntiFascistas

#ForaBolsonaro

No ano II d.C., algumas coisas parecem ainda mais fora da ordem no Brasil. Não que por aqui, antes da pandemia, tenhamos experimentado viver digamos, dentro de um cenário de normalidade. Na economia, por exemplo, o desemprego já era mais do que um grito retumbante, na política a volta ao passado e a instituição do absurdo, por exemplo, marchavam em ritmo acelerado, com o ponteiro que conduz a boiada mugindo grosso em seu cercadinho e pelas mídias sociais, “negão” comandando a Fundação Palmares onde (entre outras aberrações) ataca a negritude e devassa biografias como a de Milton Nascimento, Benedita da Silva, Marina Silva, entre outros manos de responsa que não pagam pau para branco. Ah, isto sem falar nos “trupicões” do secretário de Cultura de plantão, que já nestes tempos pandêmicos anda e se deixa ver armado e, carregado em ss, escreve mensagens com erros crassos e grosseiros ao capitão, ao invés de, por exemplo, emitir uma nota institucional de pesar, de solidariedade, por perdas na últimas semanas de Paulo Gustavo, Eva Wilma, Nelson Sargento, entre tantos brasileiros, alguns abatidos pela Covid-19, terrível flagelo que, parece, virá arrebentando ainda mais nesta terceira onda.

Sem trocadilhos, posturas assim das ditas autoridades são mais do que frias, são levianas, duras. Felizmente, no caso do sambista que para nossa tristeza agonizou e acabou morrendo aos 96 anos há dois dias (mesmo depois de vacinado!) ao menos ouve comoção popular, longas matérias nos telejornais e na imprensa em geral e nos programas de conteúdo artístico cultural. E bambas e a galera dos quintais e terrenos onde a cuíca ronca e gato dá o ritmo das marcações, mas não só, atiraram-lhe mais do que flores (que já recebia em vida), várias homenagens e mensagens de pura gratidão.

A linda atriz de Mulheres de Areia, mais o comediante que foi uma peça fora da engrenagem e do quadradinho, também não ficaram no vácuo, é verdade. Mas no caso de Nelson Sargento, ele também mereceu, para alivio de nossos ais, um tributo do Clube de Regatas Vasco da Gama, no estádio de São Januário; aliás, aqui há outra incongruência que demonstra como os dias de hoje beiram o sinistro: o que o Gigante da Colina está fazendo na Série B, meu Deus? Pelamor: chamemos Martinho da Vila e Paulinho da Viola e entreguemos a ambos o leme da nau cruz-maltina, antes que aja colisão dela com um iceberg ainda maior que a mande para fundo mais abissal do que aquele onde jaz o Titanic. Ah, e  que existam suficientes botes e coletes salva-vidas também para o Fogão, a Raposa, o Coxa, o Verdão do Cerrado para que ao menos boiem na lâmina d’água caso não se salvem pelas próprias braçadas…

Era uma alegria ver e ouvir Nelson Sargento jogar, ou melhor, cantar e tocar. O Vasco da Gama, seu clube do coração, momentos antes da desastrosa partida contra o Operário (PR) começar neste sábado,  29, abrindo a primeira rodada da Série B nacional, tirou o chapéu para o multiartista torcedor do clube, depositando uma bandeira e outros objetos da Estação Primeira de Mangueira no centro do gramado. O autor de Nosso Amor é Tão Bonito também era presidente de honra da Verde e Rosa. Internado na cidade do Rio de Janeiro, após ser diagnosticado com o coronavírus e enquanto também combatia as caneladas de um câncer na próstata, seu Nelson partiu na quinta-feira, 27, ao encontro do também vascaíno e vítima do coronavírus, em 2020, Aldir Blanc. Perdemos, de novo, para a doença que tem batido para cima da medalhinha .

A  homenagem vascaína a Nelson Sargento, antes de a bola rolar no estádio de São Januário, em jogo pela Série B nacional (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco da Gama)

A família do cantor e compositor, acertadamente, decidiu por não realizar ontem, 26, um velório público, para evitar aglomerações e espalhar ainda mais o nosso maior adversário neste momento da partida que andamos perdendo por mais de 450.000 a zero e parecemos baratas tontas, sem plano tático dentro e sem comando à beira das quatro linhas — e pensar que, até então, ainda nos condoíamos pelos 7×1. Pudesse haver tal ajuntamento coletivo para a cerimônia fúnebre, apenas um Maracanã não seria suficiente para fazer caber tanto arquibaldos e geraldinos que para lá se dirigiriam portadores de um verso de adeus. Se o país fosse presidido como um clube grande, não um catado de várzea no qual o suposto melhor erra passe de um metro,  todas as bandeiras ficariam a meio mastro. Sendo mais incisivo, nem futebol, haveria. Aeroportos estariam fechados. Rodovias interditadas. Os loucos devidamente guardados. E os genocidas jogando baralho com o Cabral em respeito a um luto que merece muito mais que um breve minuto de silêncio já que, pelo visto, a peleja não vai terminar nem mesmo depois de sucessivas prorrogações, deixando-nos todos na marca da cal. 

No ano passado, quando Nelson Sargento chegou às 96 primaveras, o Barulho d’água Música trouxe em sua atualização 1318, em 8 de agosto, uma matéria a respeito da vida e obra deste gigante de nossa cultura popular. O texto, de autoria de Luiz Ricardo Leitão,  compartilhado na ocasião, mais uma vez será utilizado nesta atualização. Antes, um grito que agora está nas ruas Brasil afora, como se viesse das arquibancadas em dia de decisão:  #Fora, Bolsonaro!

Quando o menino Nelson Mattos nasceu, na Santa Casa do Rio de Janeiro, em 25 de julho de 1924, os negros já estavam “livres do açoite da senzala”, mas viviam presos “na miséria da favela”, como advertiram os versos [para o samba-enredo da Mangueira] de Hélio Turco, Jurandir e Alvinho no desfile carioca de 1988 (Cem Anos de Liberdade, Realidade ou Ilusão?). Àquela época, lutando contra o preconceito das elites e a repressão do regime oligárquico da Primeira República, o samba, sem renegar seu passado rural, buscava se afirmar como expressão musical dos negros humildes que habitavam os morros e cortiços da cidade.

De fato é que, desde 1870, estimulado pelos ex-escravos baianos que fizeram [da cidade] do Rio [de Janeiro] sua morada após a Guerra do Paraguai, o velho batuque da fazenda vinha assumindo sua nova feição urbana, bem mais melódica e sincopada. Após 1888, ampliou-se a “Pequena África”, com os escravos libertos das lavouras se unindo aos negros livres que prestavam serviços na cidade.

A eles também se somariam os soldados egressos da cruel e genocida Guerra de Canudos. Desprovidos de teto, instalaram-se, sob expressa autorização do Ministério da Guerra, no Morro da Providência, na Zona Portuária, dando origem à primeira favela carioca. Após a separação dos pais, o menino Nelson foi viver com a mãe em um barraco alugado no Morro do Salgueiro, onde aos 10 anos se iniciou nas lides do samba, desfilando na Azul e Branco, uma das raízes dos Acadêmicos do Salgueiro  agremiação fundada em 1953. Na década dos anos 1930, as escolas já gozavam de certo prestígio: em 1932, o jornalista Mário Filho organizou pelo jornal Mundo Sportivo o primeiro cortejo oficial na Praça XI. Em 1935, o prefeito Pedro Ernesto legalizou os grêmios recreativos e instituiu os desfiles de rua.

O garoto, então com 12 anos, saiu do Salgueiro para vai viver na Mangueira, com Rosa e o novo companheiro, o pintor de paredes Alfredo Lourenço, que viera de Portugal e se fixara no lugar. O berço da Estação Primeira já era, desde os anos da década de 1920, um sítio pródigo na cartografia do samba carioca, com a turma de Cartola, Carlos Cachaça, Marcelino, Zé Espinguela e outros bambas soltando o bicho no Bloco dos Arengueiros.

Não por acaso, eles recebiam amiúde a visita de Paulo da Portela, fundador da Águia de Oswaldo Cruz e um dos maiores militantes da causa negra no Rio, que, junto com Mano Elói, percorria os subúrbios da Central ajudando a organizar os grupos de samba nos morros e terreiros. E também acolhiam as “embaixadas” da Deixa Falar, escola pioneira da turma do Estácio  Bide, Ismael Silva, Marçal, Baiaco e companhia.

Na virada do século 20, inspirada na reforma de Paris, a elite da Belle Époque buscou remodelar a cidade do Rio, tratando de expulsar os “bestializados” do centro da Capital, como fez o prefeito Pereira Passos, o “Bota abaixo”, para abrir a avenida Central  atual avenida Rio Branco -, derrubando centenas de casas. A maioria dos desabrigados se alojou nos morros da região, mas outros seguiram rumo à Zona Norte e ao subúrbio (como ocorreu na década dos anos 1960, no governo de Carlos Lacerda, com o “desterro” na Zona Oeste).

Nesse ambiente de resistência que floresceu a poesia do samba verde e rosa, cultivada por figuras como Carlos Cachaça, Cartola e Geraldo Pereira  três fontes da arte singular de Nelson Sargento.

Legado de um poeta griô

A vida de Nelson se confunde, pois, com a própria história da Mangueira. Criada em abril de 1928 pela turma dos Arengueiros, ela traz consigo todas as marcas de um século de luta e de resistência pela causa do samba. E o nosso luminoso aniversariante de 96 sublimes estações se tornaria um de seus griôs, preservando e transmitindo aos mais jovens os saberes, os cantos e os mitos da nação mangueirense.

São trilhas gloriosas, mas também adversas, que ele vivenciou a partir da década de 1930, em plena “era Getúlio [Vargas]”, em que o país superou a etapa liberal-oligárquica do capitalismo periférico e ingressou na fase corporativo-monopolista de nossa “via prussiana” de desenvolvimento. Eram os tempos buliçosos da “era do rádio”, com Noel, Pixinguinha, Lamartine Babo, Chico Alves, Mário Reis, Carmen Miranda e companhia difundindo para o Brasil e o mundo um novo ícone de identidade nacional  o samba , tal qual ocorreu na Argentina de Perón com o tango.

Contudo, isso não impediu que seus maiores artífices, os sambistas dos morros e da periferia, sofressem dissabores e reveses, sugados pela crescente indústria cultural que se instalava. Como canta Sargento em Agoniza, Mas Não Morre:

Ala de compositores

Sob o estímulo do padrasto amante do fado e do samba, a veia musical do jovem Nelson desabrochou com as primeiras canções ao violão. Em contato com os bambas da Mangueira, já em 1942, prestes a completar 18 anos, apoiado por Alfredo Português e Carlos Cachaça, Nelson entrou na ala de compositores da escola.

Mesmo que sua obra musical não seja marcada por sambas enredo  fato comum entre vários baluartes da verde e rosa, como Cartola, Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, entre outros -, ele se sagrou bicampeão pela Mangueira, em 1949 e 1950, assinando com Português dois hinos oficialistas  Plano Salte e Unidade Nacional. Mais tarde, em 1958, já reconhecido pelos pares, foi eleito presidente da renomada ala.

Nem só de música vivem as cigarras. Para ganhar a vida, Nelson trabalhou numa fábrica de vidros, em Vila Isabel, a terra boêmia de Noel, parceiro de Cartola que ele mal pôde conhecer. Prestando o serviço militar, foi sargento do Exército de 1945 a 1949, patente com a qual se batizou na cena artística. Na época, em meio ao entusiasmo pelo fim da Segunda Guerra e sob a política de “boa vizinhança” de Tio Sam na América Latina, o samba reluzia nas telas de cinema e nos palcos de cassinos e de teatros. Ainda assim, o brilho do gênero não evitou o ostracismo e a pindaíba de bambas como o próprio Cartola, que sumiu das lides musicais por duas décadas e, para sobreviver, foi até lavador de carros.

Às vésperas do sinistro golpe que se avizinhava, a cultura explodia com o primeiro Festival do Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional do Estudantes (UNE), o filme Cinco Vezes Favela, de Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman e Cacá Diegues, o Teatro de Arena de Augusto Boal, Vianinha e Guarnieri, além, é claro, de eventos marcantes do samba, cujo epicentro era o Zicartola, o lendário restaurante de Dona Zica e Cartola.

Engajado na causa da arte popular desde os anos 1950, o autor de Agoniza, Mas Não Morre, um canto de exaltação à resiliência do samba, participou do musical Rosa de Ouro e integrou o conjunto A Voz do Morro, criado em 1965 por Zé Kéti, com Elton Medeiros, Paulinho da Viola e outros. Brilhando nas noites do Zicartola, o griô abria sua caixa de ourivesaria e começava a compor um relicário poético que inclui pérolas líricas, como Cântico à Natureza e Homenagem ao Mestre Cartola, e crônicas saborosas sobre a condição humana  como a burlesca Falso Amor Sincero:

96 primaveras

De lá para cá, sobreveio a ditadura de 21 anos, uma “Nova República” de araque e a democracia “meia boca” que fomenta a exclusão e a desigualdade social, hoje acirradas pela homofobia, o racismo e o machismo raivoso da “era Bolsonaro”. Nada disso abateu o ânimo do griô, que ainda atuou como ator em filmes e minisséries, além de abraçar as artes plásticas e as letras, expondo em mostras de pintura e escrevendo livros e crônicas, inclusive um perfil de Geraldo Pereira, lançado em 1981, pelo Projeto Lúcio Rangel, da Fundação Nacional de Artes (Funarte), e um inusitado conto erótico para a revista Ele & Ela.

Se tanto não bastasse, em 1996, o poeta griô, casado com Evonete Belizário e pai, avô e bisavô de uma grande família, foi agraciado com a Medalha Pedro Ernesto pela Câmara Municipal do [município do] Rio, por sua vida dedicada à cultura. Por isso, quando ele apagou as velas do bolo no último dia 25 [de julho de 2020], no Museu do Samba, os olhos de milhões de brasileiros brilharam, convictos de que a esperança, tal qual o samba, pode até agonizar, mas jamais morrerá. Evoé, Baco! Axé, Nelson Sargento!

*Luiz Ricardo Leitão é escritor e professor associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutor em Estudos Literários pela Universidad de La Habana. Coordenador do Acervo Universitário do Samba,  autor de Noel Rosa: Poeta da Vila, Cronista do Brasil e das biografias de Aluísio Machado, Zé Katimba e Rosa Magalhães.

https://barulhodeagua.com/2020/08/08/1320-negro-destemido-e-forte-nelson-sargento-autor-de-sambas-classicos-e-ate-conto-erotico-chega-aos-96-anos/#more-14924

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s