1426 -Música brasileira, tradição irlandesa e rock progressivo se mesclam em novo álbum da banda mineira Braia

#MúsicaBrasileira #MúsicaCelta #MúsicaIrlandesa #Irlanda #HeavyMetal #Rock #Folk #Samba #Ijexá #Baião #ViolaCaipira #CulturaPopular #CulturaCelta #GuimarãesRosa #Varginha #BeloHorizonte #ClubedaEsquina

Segundo disco do grupo liderado pelo compositor e multi-instrumentista de Beagá Bruno Maia interconecta nossas raízes e antenas ao passar por Guimarães Rosa e Clube da Esquina, temperado por gaitas de fole, rabecas e fraseados jigs e reels da terra de James Joyce e William Butler Yeats

Em sonoridades que interconectam nossas raízes e antenas, o espírito mineiro surge com personalidade em Braia…e o mundo de cá, segundo álbum da banda Braia, liderada pelo compositor e multi-instrumentista mineiro Bruno Maia. Nascido em Belo Horizonte, mas com família e forte tradição musical vinda do interior do Estado, o trabalho de Bruno Maia e amigos é um prazeroso jorro de música regional fresca com origens ancestrais e muita história. Em uma frase: este trem é um baita disco!

O álbum com 10 faixas, mais duas de bônus, celebra diálogos instrumentais entre música brasileira, cultura popular, tradição irlandesa e o rock progressivo. É acompanhado por um encarte cuidadoso que oferece a experiência de ouvir as canções com imaginação de cinema, explorando mais a fundo a riqueza dos ritmos brasileiros; os temas fazem referências a aspectos e fatos da memória e da história brasileira, principalmente do imaginário cultural mineiro, como a Guerra dos Emboabas, a corrida do ouro, a magia de Diadorim (um dos mais famosos personagens de Guimarães Rosa, de Grande Sertão: Veredas) dentre outros. A música deste novo disco se aprofunda em ritmos e expressões como samba, ijexá, baião, música mineira, moda de viola, sem deixar a “irlandesidade” de lado, o que se afirma em gaitas de fole, rabecas irlandesas e fraseados típicos das tradicionais jigs e reels ¹’².

Entre o navegar sem rumo nesse Rio das Mortes, proseando com Guimarães Rosa que ganha em Diadorina uma pequena homenagem a seu personagem gigante; pegar esse Trem do Rio e dar de cara com o Boitatá, que ginga em um “sambIrish”; ou lembrar o “doer e o lutar dos muitos que tombaram e sangraram aqui, desde as descobertas das minas”, na melancólica e amorosa Quebrando Cataguá, seguimos por uma trilha de diamantes e antigos amores.

Capa do segundo disco e os músicos da Braia

Bruno Maia, que produziu o disco e tocou violão, viola caipira, banjo, bouzouki, bandolim, flautas irlandesas, escaleta, guitarra e teclados, apaixonou-se pela cultura celta ainda na infância por conta de um desenho animado do Rei Arthur, no final dos anos 1980. Montou a banda Tuatha de Danann em Varginha (MG), em 1996, pioneira no estilo Folk Metal (heavy metal com música folclórica irlandesa) e já lançou no Brasil e na Europa (incluindo turnês) sete álbuns e um DVD. Também em Varginha, organizou por 19 anos o Roça’n’Roll, um dos mais resistentes e renomados festivais de rock pesado do interior do país – contam que até o famoso ET era visto batendo cabeça nestas vibes, todo de preto, calçando coturnão e mandando uns das qualé irados para a galera, yeah!

Com a Tuatha, Bruno Maia já havia explorado muitas possibilidades musicais dentro do rock. Desde 2006, com a Braia, o músico passou a valorizar ainda mais sua diversidade artística: “Na Braia me sinto mais livre, parece que as porteiras estão todas abertas e posso ir e voltar pela vereda que eu quiser que ainda estarei em casa, afirmou. “Já na Tuatha de Danann, embora tenhamos total liberdade de criação e autonomia, estou inserido dentro de um universo categorizador que, querendo ou não, tem seus limites e uma origem mais bem delineada”, emendou. “Com a Braia posso fazer música celta, baião, moda de viola e mesmo rock, sem pertencer a qualquer um destes estilos.”

Bruno Maia , mineiro de Beagá, com os dois discos da banda

Formado em Letras e com mestrado em Literatura, Bruno Maia também é pesquisador da História Colonial e da cultura popular mineira. Por meio deste olhar curioso, já produziu um documentário sobre o folclórico personagem mineiro Sete Orelhas (lembrado na imponente faixa Tira-Couro), nome de uma figueira que vive há mais de 300 anos em São Bento Abade, no sul de Minas Gerais, cenário que encerra e enterra o fim da vingança do personagem. A “mineirice” também se apresenta com personalidade em Um besouro na Esquina que homenageia em um só fôlego a banda inglesa The Beatles e o importante movimento musical criado em Belo Horizonte, o Clube da Esquina, contando com a participação especial do baixista Felipe Andreoli, da banda Angra.

O primeiro disco da banda que turbina o café da canequinha de esmalte com baileys, boxty e broa de milho e pita cigarro de palha tomando Guinness, Braia…e o mundo de lá, foi lançado em 2007 no Brasil e na França e conquistou o Prêmio Mineiro de Música Independente. A turnê veio em seguida, o que rendeu um DVD ao vivo. Em português, as letras apresentavam motes da cultura celta: fadas, duendes, autores irlandeses como James Joyce e Willian Butler Yeats e magia em geral. Falalafada é um bom exemplo dessa produção, assim como Tempos Idos, que neste segundo disco é uma das faixas bônus, mas com viola caipira e percussão mineira. Uma pequena ponte separa esses dois universos, segundo Bruno: “Neste disco novo, embora a influência celta e da tradição musical irlandesa esteja talvez até mais presente que no primeiro trabalho, o enfoque foi maior na brasilidade, em ritmos e nuances da música brasileira e, por isso o título veio contrapor ao título do anterior”, explicou. “Se antes evidenciávamos o ‘‘mundo de lá’’, agora é a vez do ‘‘mundo de cá”

Tanto no disco físico quanto no site oficial, é possível ler os textos explicando o porquê das escolhas dos títulos das obras. O endereço virtual é https://www.braia.net.br/release/e-o-mundo-de-ca/

Braia…e o mundo de cá foi produzido com recursos de um grupo de apoiadores e por meio da Lei Aldir Blanc – Minas Gerais. Os músicos são Bruno Maia (violão, viola caipira, banjo, bouzouki, bandolim, flautas irlandesas, escaleta, guitarra e teclados); Alex Navar (gaita de fole irlandesa); Anderson Silvério (contrabaixo); Fabrício Altino (bateria) e Rafael Castro (teclados), com participações de Felipe Andreoli e Daiana Mazza (violino). As músicas do grupo são compartilhadas gratuitamente na internet, mas quem quiser incentivar e apoiar o grupo adquirindo os álbuns físicos e/ou digitais basta visitar a loja virtual em braia.net.br.

Leia também no Barulho d’água Música:

1056- Banda O Bardo e o Banjo lança O Tempo e a Memória em três cidades de São Paulo

1065- Conhecido por apresentações na avenida Paulista, The Leprechaun atinge marca de 15 mil discos vendidos

770 Erick Castanho (MG) lança “Elemental”, primeiro disco da carreira, no Teatro Rondon Pacheco, em Uberlândia

 


¹ A música irlandesa tem suas origens na música céltica da Idade Média, comum também à região da Bretanha, Escócia e ao País de Gales. A maioria das músicas instrumentais irlandesas eram ouvidas apenas como acompanhamento das danças. A divisão dessas duas artes (música e dança) ocorreu, principalmente, a partir dos anos 60, quando começaram a surgir diversos pubs que se espalharam por toda a Irlanda e difundiram a música tradicional do país.

Três ritmos de dança se destacam na música irlandesa: a “jiga”, que tem suas raízes na Itália da Idade Média; a “reel”, na qual dois temas principais são entremeados por seções de improviso; e a “hornpipe”, que pode apresentar andamento tanto moderado como rápido, exigindo neste caso, maior habilidade de dançarinos e músicos.

 A instrumentação utilizada na música irlandesa é diversa e conta com instrumentos das famílias dos sopros (como flautas, gaita de foles, acordeon, hornpipe e concertina), das cordas (como violão, banjo, bandolim, harpa e violino, este último chamado de Fiddle) e da percussão (bones, bodhán e etc).

Fonte:Caderno de Música, EBC Brasil de 18/06/2019 

²Jig ou jiggs também é o nome genérico dado a uma pequena comédia burlesca, para de dois a cinco personagens, cantada em versos com melodias bem conhecidas, com números de danças animados; foi popular na Inglaterra e na Europa continental a partir de 1550.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s