1458- Nino Karvan (SE) lança quinto álbum com músicas inéditas, parcerias e canções de 20 anos de estrada

#MPB #MúsicaNordestina #Folk #MarteloAgalopado #Rock #SimãoDias #Sergipe #CulturaPopular #KuarupRádioeTelevisão #Gravadorae ProdutoraKuarup

Elogio do Amor traz parcerias com Chico Cesar e o poeta inglês Shakespeare entre outros. As letras do projeto falam do amor em suas mais variadas vertentes, inclusive sobre a falta de amor e a indiferença

A produtora e gravadora Kuarup disponibilizou neste domingo, 24/1O, Elogio do Amor, quinto álbum do cantor e compositor Nino Karvan. O disco traz parcerias com o músico Chico César, o poeta e dramaturgo inglês Willian Shakespeare, os poetas Jeová Santana e Gilton Lobo além do cantor e compositor Marcos Vilane. Concebido e produzido durante a pandemia, o novo trabalho autoral de Nino Karvan traz 12 canções, algumas delas mais antigas do seu repertório, outras bem novas, a exemplo da faixa A Gente, deles e em dueto com Chico Cesar. A letra fala sobre uma das lições desses momentos difíceis de que é preciso “descer do salto” e perceber que a falta de empatia, a prepotência e a arrogância impedem o desenvolvimento humano e que, calar-se diante disso, é contribuir com a barbárie.

Nino Karvan traduziu e fez uma livre adaptação do Soneto XVIII de Willian Shakespeare, que resultou na canção A Poesia e a Eternidade, uma balada com tons românticos e com um solo de guitarra assinado pelo guitarrista pernambucano Fred Andrade. Outras parcerias do disco são as canções Permitido, em colaboração com o cantor e compositor baiano, radicado em São Paulo, Marcos Vilane além de O Azul, o Cinza, o Verde e o Amarelo e Quando o Mundo Voltar a Existir, canções criadas com os poetas sergipanos Gilton Lobo e Jeová Santana, respectivamente. Outra participação no álbum é a do cantor, guitarrista e compositor Júlio Andrade, o Julico da banda The Baggios, cantando com Nino e tocando também sua guitarra “blueseira” no rock baião As Plantas Não Fazem Self.

As letras do projeto falam do amor em suas mais variadas vertentes, inclusive sobre a falta de amor e a indiferença. Falam também das buscas e reflexões da alma humana sobre o significado da existência e da necessidade do autoconhecimento através de uma jornada interior. Há também um conteúdo político forte em algumas letras. Musicalmente falando, o disco flerta com o folk e o rock, mas tem em sua essência a marca dos violeiros e repentistas do cancioneiro romântico nordestino em canções como a faixa título, Elogio do Amor, um martelo agalopado que fará o ouvinte se lembrar de Zé Ramalho. Multiartista, Nino Karvan também trabalha com artes visuais, especialmente a pintura e o desenho e já realizou diversas exposições coletivas e individuais.

Karvan também é luthier e exercendo esta atividade ministrou diversas oficinas voltadas para adolescentes em situação de risco, formando-os na arte da luteria. Viajou em 2006 para Beijing para participar da II Expo Brasil na China, com a exposição de dez instrumentos musicais fabricados por ele, entre violões e cavaquinhos. Talvez a sua obra mais conhecida seja a guitarra Arenguêra, instrumento feito especialmente para o músico Chico Cesar, com uma pintura psicodélica no tampo.

Produzido, mixado e masterizado pelo maestro Ricardo Vieira do Estúdio Arapuca, o quinto disco conta com Gabriel Perninha na bateria e Rafael Ramos nos teclados, ambos da banda The Baggios, além de Rafael Aragão no baixo, Fred Andrade na guitarra e Nino Karvan nos violões folk de 6 e 12 cordas. Os vocais são assinados pela cantora capixaba Rebeca Vieira, do Duo Vieira, e a arte gráfica é assinada pela designer Gabi Ettinger. As imagens são do fotografo Alê Alcântara. Nino Karvan assina a direção musical e artística do projeto que foi realizado graças aos recursos da Lei Aldir Blanc, via Funcap/SE.

Sobre Nino Karvan

Nino Karvan é multiartista e musicoterapeuta que atua como cantor, compositor, artista visual e luthier. Nascido em Simão Dias, no interior de Sergipe, há 51 anos, e radicado em Aracaju, na Capital do, Estado há 33. O músico lançou seu primeiro disco solo em 2001, o Mangaba Madura. O segundo trabalho surgiu em 2006, Aquarela Pra Pandeiro. O terceiro projeto, José, saiu em 2014 e o quarto e mais recente lançamento, No Romper da Madrugada, foi lançado em 2016. Nino Karvan participou de mais de 15 coletâneas de festivais dos quais se sagrou vencedor em oito deles. Participou da coletânea L’oreille de Melanie, com a canção Mergulho Bom, em parceria com o compositor belga Sebastien Wilhames, lançado na Europa pelo selo Cyprés.

Como luthier, viajou para a China em 2006 para realizar exposição de sua fabricação artesanal de instrumentos musicais na II Expor Brasil na China, onde teve a oportunidade de fazer alguns shows na capital chinesa. Nino Karvan já dividiu o palco com artistas como Belchior, no projeto Seis e Meia 1996; Beth Carvalho e Chico Cesar no MPB Petrobrás, em 2003 e 2013, respectivamente; e com Moraes Moreira no Circuito Cultural Banco do Brasil, em 2005. Desde 2013 faz parte do grupo Anavantou, banda que une músicos brasileiros e belgas misturando forró, música tradicional europeia, jazz, rock e reggae entre outras influências. O projeto já rendeu seis turnês pela Europa, um DVD e um disco autoral, lançado em 2017. Como artista visual já participou de algumas coletivas e fez uma individual chamada Violas e Outras Modas, no Café da Gente Sergipana, em 2012. Nino divulga constantemente suas obras nas redes sociais e as comercializa e prepara para novembro mais uma exposição individual com quadros em pintura sobre tela e desenhos sobre papel.

Também pela Kuarup Nino Karvan lançou no ano passado De Lua, Canções de Luiz Gonzaga, com o violonista sergipano Alberto Silveira, no qual fazem uma tocante homenagem ao Rei do Baião: o repertório escolhido reúne canções das décadas dos anos 1940/50/60, período de ouro do baião e de maior sucesso de Luiz Gonzaga. Clique no linque a seguir e saiba mais: https://barulhodeagua.com/2020/05/27/1305-luiz-gonzaga-ganha-homenagem-em-disco-dos-musicos-nino-karvan-e-alberto-silveira/

BADEN POWELL, RENATO TEIXEIRA, NEY MATOGROSSO.

Especializada em música brasileira de alta qualidade, o acervo da produtora e gravadora Kuarup concentra a maior coleção de Villa-Lobos em catálogo no país, além dos principais e mais importantes trabalhos de choro, música nordestina, caipira e sertaneja, MPB, samba e música instrumental em geral, com artistas como Baden Powell, Renato Teixeira, Ney Matogrosso, Wagner Tiso, Rolando Boldrin, Paulo Moura, Raphael Rabello, Geraldo Azevedo, Vital Farias, Elomar, Pena Branca & Xavantinho e Arthur Moreira Lima, entre outros.

Além desta eclética galeria de cantores e duplas cujos trabalhos já lançados formam o acervo de álbuns, também é possível ao internauta que visita o portal da Kuarup, entre outras atividades no campo da produção cultural, saber pela guia Notícias as novidades que estão chegando para reforçar este precioso catálogo e, ainda, ouvir 52 seleções de músicas disponíveis na plataforma Spotify (playlists) apresentadas por temas e recortes dos mais diversificados, revelando a riqueza de sonoridades e de gêneros que a empresa guarda. Uma das preferidas aqui na redação do Barulho d’água é Nova Geração Kuarup (clique no nome da lista para ouvi-la). 

www.kuarup.com.br/ Telefones: (11) 2389-8920 e (11) 99136-0577/ Rodolfo Zanke rodolfo@kuarup.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: