1481 -Três gerações de pianistas homenageiam Nelson Freire, em São Paulo*

#MúsicaBrasileira #MúsicaClássica #Piano #RioDeJaneiro

* Com Tambores Comunicações

Recital aberto ao público será promovido pela Fundação Maria Luisa e Oscar Americano. Com entrada franca,  mas pede-se doação de um brinquedo novo em prol do Natal das crianças do Instituto de Tratamento do Câncer Infantil


O pianista Nelson Freire (1944-2021), que morreu há um mês, aos 77 anos, na capital do Rio de Janeiro (RJ), será homenageado na cidade de São Paulo pela Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, neste domingo, 5/12, a partir das 11h30. O repertório destacará obras como Morte de Isolda (Wagner/Listz); Barcarola op. 60 (Chopin) e Rudepoema (Villa-Lobos) em memória a um dos mais talentosos pianistas do mundo desde o século 20 e que muito influencia os jovens músicos que se apresentarão no concerto: Eduardo Monteiro, Érika Ribeiro e Lucas Thomazinho.

Mineiro de Boa Esperança, Nelson Freire começou a tocar piano aos três anos de idade, aos 12 já era aluno em escolas conceituadas da Europa e aos 15 protagonizava sessões das mais concorridas. Consagrado pela crítica europeia, convocado constantemente pelas melhores orquestras do mundo, rapidamente se tornou especialista em interpretar Beethoven, mas também impressionava quando executava peças de Chopin.

Durante décadas, Nelson Freire se recusou a fazer gravações: preferia encontros musicais ao vivo, tocando ao calor do público. Somente a partir de 2001 decidiu lançar discos, como o dedicado à obra de Debussy, que foi bastante elogiado. Também fez interpretações da obra de Heitor Villa-Lobos. Em 2019, ao completar 75 anos, lançou Encores, um mês antes de tropeçar em uma calçada de pedras portuguesas na altura do Posto 3, na Barra da Tijuca, bairro da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, incidente que contribuiu para seu desencarne. Freire passou por cirurgias no ombro, mas não conseguiu se recuperar. Seu retorno aos palcos estava previsto para o ano passado, contudo os recitais foram cancelados por conta da pandemia de Covid-19. Dois meses antes de subir ao Plano Maior, cancelara participação como jurado do Concurso Chopin de Varsóvia (Polônia).

Foto: Inês Lampreia

O carioca Eduardo Monteiro é considerado um dos maiores expoentes da cena pianística no Brasil. Atualmente vive na cidade de São Paulo, onde é vice-diretor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Seu talento é reconhecido internacionalmente desde muito cedo: em 1989, recebeu, por unanimidade, o primeiro lugar no Concurso Internacional de Piano de Colônia, na Alemanha. Foi laureado, também, nos concursos de Dublin, na Irlanda (1991) e Santander, na Espanha (1992); atuou como solista das principais orquestras do Brasil e de renomadas orquestras do Exterior, entre elas as Filarmônicas de São Petersburgo, Munique, além da Orquestra de Câmara de Viena (Áustria), a Sinfônica de Novosibirsk (Rússia) e a Orquestra da Rádio e Televisão Espanhola. Apresentou-se com os principais maestros brasileiros e com regentes como Yuri Temirkanov, Philippe Entremont e Arnold Katz.

O abrangente repertório de Monteiro tem como principal característica refinado critério de escolha, com especial interesse pela música brasileira. Em sua discografia destaca-se Piano Music of Brazil, que saiu pelo selo inglês Meridian Records, lançado no Wigmore Hall, em Londres (2007).

A Fundação Maria Luisa e Oscar Americano entende que a melhor maneira de honrar a memória de Nelson Freire é promover a música, como tem feito ao longo de mais de três décadas com sua tradicional série de concertos”, disse Eduardo. “Desta forma, decidimos realizar um recital em sua homenagem inspirado em um traço marcante de sua personalidade, que pude testemunhar em diversas oportunidades: sua generosidade e acolhimento para com os pianistas mais jovens. Dentro desse espírito, esse concerto contará com a participação de três pianistas de diferentes gerações: eu mesmo, Érika Ribeiro e Lucas Thomazinho.”

Foto: Inês Lampreia

Érika Ribeiro é uma das pianistas mais destacadas de sua geração. A sua musicalidade e a sua versatilidade permitem combinar diversos estilos e contribuíram para torná-la vencedora de vários concursos nacionais– entre eles o III Concurso Nelson Freire — e ser premiada em mais de vinte. Ela tem se apresentado como solista nas principais salas do país, como Cecília Meirelles (RJ), São Paulo e  Theatro Municipal de São Paulo. Além destes concertos, atuou como solista à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira, Filarmônica de Gaia (Portugal) e Filarmônica de Kalisz (Polônia), dentre outras.


O seu primeiro álbum,
Images of Brazil (selo Naxos Latin Classics Series), em parceria com a violinista norte-americana Francesca Anderegg, recebeu elogiosos comentários da crítica — que o classificou como “um dos melhores discos de 2019”, na avaliação de João Marcos Coelho, da Rádio Cultura FM, e como “Imagens do que o Brasil tem de melhor”, conforme as palavras de Irineu Franco Perpetuo, da Revista Concerto.

Erika iniciou estudos musicais, estimulada pela mãe, aos quatro anos de idade. Já madura, cursou a Universidade de São Paulo (USP) e em 2019 obteve o título de Doutora com a tese O pianismo e seus elementos na música de Egberto Gismonti. É professora de Piano e Música de Câmara e do Departamento de Piano e Cordas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Foto: Heloisa Bortz

Premiado com o Finalist Prize no XIX Santander International Piano Competition (Espanha), o pianista paulista Lucas Thomazinho aos nove anos ganhou o primeiro concurso. Já atuou como solista de orquestras como a Sinfônica da Rádio e Televisão Espanhola, do Estado de São Paulo e a Filarmônica de Minas Gerais, sob a regência de maestros como Marin Alsop e Neil Thomson. Como camerista, colaborou com Emmanuele Baldini e Elizabeth Chang e se apresentou em locais como o Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, e Conservatório de Coimbra, ambos em Portugal; Sala São Paulo, Theatro Municipal de São Paulo e Sala Cecília Meireles.

Em 2017, lançou o primeiro disco, disponível nas principais plataformas digitais.

A Fundação Maria Luisa e Oscar Americano fica na avenida Morumbi, 4077, e o telefone para mais informações é (11) 3742-0077. Os organizadores do recital informam que continuam respeitando o distanciamento e protocolos sanitários contra a Covid-19, como o uso de máscaras e álcool em gel, e solicitam à plateia que também os observe. A entrada é franca, mas pede-se, como ingresso, a doação de um brinquedo novo em prol do Natal das crianças do Instituto de Tratamento do Câncer Infantil.

PROGRAMA

Eduardo Monteiro: H. Villa-Lobos – Impressões Seresteiras op. 105/C. Santoro – 3 Prelúdios e 3 Paulistanas/R. Wagner/F. Liszt – Morte de Isolda

Érika Ribeiro: F. Chopin – Mazurka op. 17 n. 4/Barcarola op 60

Lucas Thomazinho: H. Villa-Lobos – Rudepoema

A programação completa da série se encontra em https://www.concertosfmloa.com/. Inscreva-se no canal do Youtube: cutt.ly/fundacaoconcertos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.