1439 – Orquestra de Sopros de Osasco (SP) faz apresentação única no Teatro Aspro*

*Com Natália Moraes

O Teatro Aspro está gradativamente retomando as atividades presenciais e reservou seu palco a partir das 19 horas do domingo, 19 de setembro, para a apresentação da Orquestra de Sopros de Osasco (OSO), cidade da região Oeste da Grande São Paulo na qual a casa cultural está situada, no bairro da Vila dos Remédios. Atualmente regida pelo maestro José Roberto Fabiano, a OSO é vinculada à Corporação Musical Santo Antônio e foi criada há quatro anos para aproximar o público e disseminar a cultura dos grupos de sopros, seu aprendizado, aprimoramento de conjunto e execução de arranjos de repertório inusitados que flertam entre a cultura da MPB e a cultura pop. O concerto em Osasco é livre para todos os públicos e em 50 minutos deverá fazer homenagem ao município oferecendo um repertório que inclui composições de Richard Wagner (Tannhäuser Overture), Ludwig van Beethoven (Beethoven in Samba), Luiz Gonzaga (Coisas que o Lua Canta), Jack (Caminheiro), Paul Simon (Bridge Over Troubled Water) e Aldir Blanc e João Bosco (O bêbado e a equilibrista), entre outras. Fabiano regerá doze clarinetistas, sete flautistas, dois oboístas, três fagotistas, quatro trompistas, cinco saxofonistas, cinco trompetistas, quatro trombonistas, três bombardinistas, quatro tubistas e dois percussionistas e terá sob sua batuta a Orquestra completa.

Continue Lendo “1439 – Orquestra de Sopros de Osasco (SP) faz apresentação única no Teatro Aspro*”

1391 – Milton Guapo (MT) lança, pela Kuarup, álbuns com Orquestra de Mato Grosso e regência de Leandro Carvalho

#MT #Berrante #MúsicaPantaneira #PantanalMT  #Rasqueado #Cáceres #OEMT #CulturaPopular #BrasilProfundo

O Berrante Pantaneiro e Pantanal Sinfônico já podem ser ouvidos exclusivamente nas plataformas digitais

Já está disponível nas plataformas digitais O Berrante Pantaneiro, álbum do músico Milton Guapo, em parceria com a Orquestra de Mato Grosso (OEMT), lançado pela produtora e gravadora Kuarup. As composições são de autoria de Guapo, nascido em Cáceres (MT), e trazem como “solista” o berranteiro Chico do Berrante, que entoa seu instrumento de trabalho junto com a OEMT para acompanhar os movimentos da sinfonia. Guapo é um pesquisador da cultura mato-grossense, em especial a da Baixada Cuiabana e do Pantanal e, certo dia, sentiu uma vibração que mais parecia o eco de um cânone das escalas e modos que ouvia quando criança.

Continue Lendo “1391 – Milton Guapo (MT) lança, pela Kuarup, álbuns com Orquestra de Mato Grosso e regência de Leandro Carvalho”

1382 – Ema Klabin oferece Mostra Lei Aldir Blanc, com cinco apresentações virtuais*

#CasaMuseuEmCasa #MúsicaBrasileira #MúsicaPopularBrasileira #WorldMusic #CulturaPopular #LeiAldirBlanc

Martha Galdos, Orquestra Mundana Refugi, Liv Moraes, Ricardo Baldacci Trio, Vanessa Moreno & Salomão Soares participarão do evento que será promovido entre 23 e 27 de abril

*Com Cristina Aguilera, Mídia Brazil Comunicação Integrada (cristina.aguilera@midiabrazil.com.br/@midiabrazilcomunicacao)

jornaslistas antifascistasA Casa Museu Ema Klabin, situada na cidade de São Paulo, oferecerá até 27 de abril a Mostra Lei Aldir Blanc, com cinco apresentações virtuais iniciadas na sexta-feira, 23, que serão transmitidas pelo canal YouTube da promotora, permitindo ao público assisti-los sem sair de casa e assim respeitar as restrições sanitárias em vigor por conta da pandemia de Covid-19.

A cantora peruana Martha Galdos abriu a série, com participação de Dante Ozzetti, e será seguida por Dedicado a Você, protagonizado por Liv Moraes (voz) e Cainã Cavalcanti (violão). A programação inclui o primeiro de seis episódios do projeto Foxtrot e a Música Brasileira: 1920 a 1960, interpretado pelo Ricardo Baldacci Trio. Os internautas também poderão passear por diversas vertentes da música brasileira em Chão de Flutuar, com Vanessa Moreno (voz) e Salomão Soares (piano), além de conhecer mais da música étnica que caracteriza o eclético repertório da Orquestra Mundana Refugi, formada por músicos brasileiros, imigrantes e refugiados.

Continue Lendo “1382 – Ema Klabin oferece Mostra Lei Aldir Blanc, com cinco apresentações virtuais*”

1375 – Livro de Sidnei de Oliveira (RS/SP) que traz visão sem estereótipos do caipira já pode ser encomendado

#ViolaCaipira #ViolaInstrumental #MúsicaCaipira #CulturaCaipira #CulturaPopular

Obra em fase de impressão recebeu o Prêmio Marcus Pereira de Pesquisa em Música Popular Brasileira. com distribuição planejada para o começo do segundo semestre, terá três capítulos

A arte da capa do livro inserida nesta publicação é de Renato Pontello

 jornaslistas antifascistasFicará aberta até 15 de maio a campanha de pré-venda do livro Requiem: O arquétipo e a transfiguração do caipira, que o compositor e professor gaúcho radicado na cidade de São Paulo, Sidnei de Oliveira, lançará com produção de Leonor Bianchi, patrocínio da Editora Flor Amorosa, promoção e divulgação da Revista do Choro. Contemplado pelo Prêmio Marcus Pereira de Pesquisa em Música Popular Brasileira na cidade do Rio de Janeiro, o livro, composto de três capítulos, começará a ser entregue em 1º de julho, podendo a distribuição, inclusive, vir a ser iniciada antes desta data. Detalhes para a operação de reserva de exemplares estarão em um linque ao final desta atualização. Cada volume custará durante a fase de pré-venda R$50,00, mais R$10,00 para o frete, totalizando R$60,00.

Continue Lendo “1375 – Livro de Sidnei de Oliveira (RS/SP) que traz visão sem estereótipos do caipira já pode ser encomendado”

1321- Orquestra de Câmara da USP, Chico César e poeta Bráulio Bessa gravam audiovisual em homenagem às vítimas da Covid-19* 

#MáscaraSalva #NomesNãoSãoNúmeros #MúsicaPopularBrasileira #CulturaPopular#PoesiaNordestina #ChicoCesar #GilJardim #Ocam25Anos

#Respeito #Tolerância #Diversidade #Pluralidade #Liberdade #Generosidade #Gentileza #Democracia #LGBT+ #BLM #RespeitoAosAnimais 

#ImprensaLivre #JornalistasAntifascistas

#ForaSalles #ForaMarioFrias #ForaErnestoAraújo #ForaMiltonRibeiro #ForaDamaresAlves #CadeiaNeles  

#ForaBolsonaro

O vídeo tem direção musical de Gil Jardim, direção de arte de Anderson Penha e participações de Neymar Dias (viola caipira), Coro de Câmara Comunicantus e Coral da ECA/USP.

*Com Tambores Comunicações

Será impossível, no futuro, falar destes tempos atuais, mesmo de 2020, sem citar a pandemia causada pelo Covid-19. A Orquestra de Câmara da Escola de Comunicação e Artes da USP (OCAM-ECA/USP),liderada pelo maestro Gil Jardim, com o vídeo Espero que nomes consigam tocar!, com participação de Chico César, quer sensibilizar a sociedade no sentido de celebrar a identidade e a vida dessas vítimas, iluminando suas histórias, e rebelando-se quanto à maneira massificada e indigente de se contar corpos perdidos nessa dolorida batalha. Hoje, são mais de 140 mil mortos, só no Brasil.

O audiovisual foi criado a partir da canção Inumeráveisde Chico César com o poeta Bráulio Bessa. A concepção e direção musical é de Gil Jardim e a direção de arte de Anderson Penha. Mesmo trabalhando online, a OCAM, como diz Jardim, “exalta a vocação civilizatória da Música e coloca sua energia em produções que estimulem a sociedade brasileira a ouvir a si mesma, identificando e acolhendo o clamor de sua gente, de sua natureza, de sua terra”. Participam, além de Chico, Bráulio Bessa, Neymar Dias (viola caipira), Coro de Câmara Comunicantus e Coral da ECA/USP.

Continue Lendo “1321- Orquestra de Câmara da USP, Chico César e poeta Bráulio Bessa gravam audiovisual em homenagem às vítimas da Covid-19* “

1303 – Produtora cultural paulistana promove apresentações virtuais para comemorar 90 anos de Sivuca (PB)

Autor de composições e trabalhos que incluem, dentre outros ritmos, choros, frevos, forrós, jazz, baião, música clássica e até blues, ele ganhará homenagens das mais especiais pelo aniversário durante uma semana inteira, a partir da terça-feira, 19, ancoradas por Thadeu Romano e Marcelo Caldi

#luluculturalinfluencer #redecolaborativalulu #luciapro

#FiqueemCasa

#ForaBolsonaro

Um dos mais queridos multi-instrumentista, maestro, arranjador, compositor, orquestrador e cantor brasileiro, o paraibano Sivuca passou ao Mundo Maior em dezembro de 2006, mas ao lado de outros “bambas” como Luiz Gonzaga e Dominguinhos continua presente no nosso dia a dia, influenciando novos artistas e reverenciado em todos os setores da cultura popular. Natural de Itabaiana (PB), Sivuca era Severino Dias de Oliveira, nascido em 26 de maio de 1930, data que dentro de alguns dias completará 90 anos. Autor de composições e trabalhos que incluem, dentre outros ritmos, choros, frevos, forrós, jazz, baião, música clássica e até blues, ele ganhará homenagens das mais especiais pelo aniversário durante uma semana inteira, a partir da terça-feira, 19, promovidas pela paulistana Rede Colaborativa LuLu. Com rodas de conversas, debates, vídeos, indicações de música e apresentações ao vivo (lives), o projeto terá como âncoras os acordeonistas, pianistas, compositores e arranjadores Thadeu Romano e Marcelo Caldi, que são artistas que têm muita intimidade e interpretam com propriedade o repertório do mestre.

Continue Lendo “1303 – Produtora cultural paulistana promove apresentações virtuais para comemorar 90 anos de Sivuca (PB)”

1276 – Gil Jardim rege OCAM e grava clássicos nacionais com gaitista Gianluca Littera

|| tambores comunicações || assessoria de comunicação

Repertório traz releituras de Chico Buarque, Milton Nascimento, Cartola, Djavan, Paulo Bellinati, Cesar Camargo Mariano , com participação de Léa Freire, Ari Colares e Neymar Dias, entre outros

O gaitista italiano Gianluca Littera descobriu a música brasileira na adolescência. Como conta, ‘foi amor à primeira escutada’. Na década dos anos 1970, um amigo apresentou para Luca um disco do violonista Baden Powell (1937-2000) e “com aquela música diferente, num equilíbrio perfeito entre ritmo e melodia”, relembrou, observando que naquele tempo ainda não havia as facilidades das redes sociais, e conseguir LPs brasileiros, na Itália, não era tarefa fácilGianluca não desistiu. Teve acesso a outros LPs, viu shows de músicos brasileiros em Roma, ficou amigo de alguns deles e se envolveu tanto, que, em 2003, foi convidado a tocar no Brasil, com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo Paulo (Osesp). Foi quando conheceu Gil Jardim, diretor artístico da Orquestra de Câmara da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), maestro que, por coincidência, tinha sido chamado pela Osesp para dirigir o concerto.

Continue Lendo “1276 – Gil Jardim rege OCAM e grava clássicos nacionais com gaitista Gianluca Littera”

1274 – Com Bruno Sanches e seu belo disco Do Barroco às Barrancas do Rio, abrimos os trabalhos em 2020

Solista inventivo, cantor e arranjador, violeiro recentemente vencedor do Prêmio Mimo é considerado pelo professor e pesquisador Ivan Vilela, seu mestre na USP, um músico completo, “aquele que pensa, toca, cria e recria”, elevando a viola um universo sonoro cada vez mais amplo. 

O Barulho d’água Música retoma os trabalhos após a passagem das festas do final de 2019 e nesta primeira atualização de 2020 apresenta aos amigos e seguidores o premiado violeiro paulista Bruno Sanches, nascido em Regente Feijó, “Cidade Pérola da Alta Sorocabana”, situada na região de Presidente Prudente, a cerca de 550 quilômetros a Oeste da Capital do Estado, a cidade de São Paulo. Compositor, cantor, pesquisador e arranjador que se dedica à música desde os 12 anos de idade, Sanches foi destaque em outubro de 2019 e em agosto de 2018 dos programas Sr.Brasil e Revoredo, na TV Cultura e na Rádio USP FM (de São Paulo e de Ribeirão Preto), respectivamente convidado por Rolando Boldrin e pelo maestro José Gustavo Julião de Camargo, e, em ambas as ocasiões, falou sobre a carreira, os projetos e o álbum Do Barroco às Barrancas do Rio. Com 11 faixas instrumentais que mesclam composições próprias com obras de Gaspar Sanz, J.S. Bach, Carreirinho, Dorival Caymmi, Paulo Cesar Pinheiro e Guinga e Augustin Barrios, o disco tem direção artística do professor, pesquisador e compositor violeiro Ivan Vilela, do qual Sanches foi aluno na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP).

Continue Lendo “1274 – Com Bruno Sanches e seu belo disco Do Barroco às Barrancas do Rio, abrimos os trabalhos em 2020”

1272 – Selo Sesc lança “Estradar”, disco de Verlucia Nogueira e Tiago Fusco com releituras da obra de Elomar (BA)

A voz firme e natural da cantora cearense se alia ao piano nítido e preciso do paulista para, juntos, construírem novas interpretações e diálogos com a obra catingueira do sertanez, promovendo fascinante viagem camerística pelo cancioneiro do baiano e suas canções de amor, lamentos de retirantes, histórias de vaqueiros, festas, bênçãos, lugares perdidos

O Selo Sesc está vendendo nas lojas físicas de suas unidades e também pela virtual o álbum Estradar, disco no qual a cantora cearense de Juazeiro do Norte, Verlucia Nogueira, e o pianista paulista de Leme, Tiago Fusco, interpretam 13 canções de Elomar Figueira Mello, com direção artística de João Omar, filho do cantor e compositor sertanez de Vitória da Conquista (BA) e um dos mais geniais artistas da cultura popular brasileira de todos os tempos. Em outubro, por ocasião do lançamento de Estradar, o Sesc publicou em sua seção online Conteudoteca a matéria que seguirá abaixo e em cujo corpo as músicas podem ser apreciadas. O disco também está disponível nas plataformas digitais e pode ser baixado, em versão MP3, do blogue Terra Brasilis.

Continue Lendo “1272 – Selo Sesc lança “Estradar”, disco de Verlucia Nogueira e Tiago Fusco com releituras da obra de Elomar (BA)”

1234 – André Siqueira (SP/PR) lança SOLO, álbum que marca sua maturidade e traz cheiro de gente, cidade e mato

Às vezes com  simplicidade de caipira, às vezes com texturas mais densas, Pixinguinha, Chico Mário, Edu Lobo, Tom Jobim e Jacob do Bandolim são revisitados em álbum lançado pela Kuarup 

*Com TP1 (Todos por Um) Conteúdo

O compositor e multi-instrumentista André Siqueira (Palmital/SP) acaba de ver lançado pela produtora e gravadora Kuarup o álbum instrumental SOLO, quarto disco da carreira e que marca o reencontro dele com a própria trajetória, reunindo arranjos feitos ao longo dos anos para músicas presentes em sua e na memória afetiva de várias gerações. Além dos arranjos inéditos, SOLO traz uma variação de timbres graças à utilização de dois instrumentos parecidos, porém distintos: o violão de seis cordas e o violão barítono, ambos construídos pelo luthier londrinense Nilson De Mari. Um exemplar de SOLO, gentilmente enviado por Rodrigo Zanke, diretor artístico da Kuarup, já faz parte do acervo do Barulho d’água Música, pelo qual somos gratos ao amigo e toda a sua equipe.

Continue Lendo “1234 – André Siqueira (SP/PR) lança SOLO, álbum que marca sua maturidade e traz cheiro de gente, cidade e mato”