Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!


Deixe um comentário

998 – Roberto Seresteiro é a próxima atração do Projeto Retratos do Brasil-Prosa e Música, na BMA (SP)

Serestas e Serenatas Brasileiras será o tema da edição de setembro do Projeto Retratos do Brasil – Prosa e Música, marcada para a quinta-feira, 21, quando o curador Jair Marcatti receberá o músico e pesquisador Roberto Seresteiro para um bate-papo com entrada franca, à partir das 19 horas, no palco da Biblioteca Mário de Andrade (BMA). Roberto Saglietti Mahn, nome de batismo do convidado de Marcatti, é jornalista, cantor, professor e ministra palestras sobre a História da Música Popular Brasileira, trabalhando desde 2010 em cursos da Pontifícia Universidade Católica (PUC), Unisant’anna, Anhembi Morumbi e em algumas unidades do Sesc. Seresteiro estará acompanhado do violonista Júnior Pitta.

Continuar lendo

Anúncios


Deixe um comentário

958 – Em giro por Sampa e Cotia, David Silvah lança Gratidão, álbum que mescla mpb, soul e black music

O cantor, compositor e instrumentista paulistano David Silvah terminou de gravar Gratidão, primeiro álbum da carreira, e para comemorar fará várias apresentações em bairros de Sampa e na Granja Viana, situada em Cotia, cidade da região metropolitana a 34 quilômetros de São Paulo (lindeira à Rodovia Raposo Tavares) com ingresso variando entre R$ 10,00 e R$ 12,00 — exceto no domingo,3 de junho, quando estará no palco de um hotel a partir das 20h30, em Cerqueira César, onde não haverá cobrança de entrada. Quem comparecer aos shows certamente curtirá a pegada intimista que David Silvah promete imprimir para embalar o público com um repertório de sonoridades que mescla música brasileira, black music, soul music e samba em canções alegres, dançantes e românticas: todas são composições próprias e revelam letras bem humoradas que abordam temas como romance, esperança,homenagem às mulheres e a loucura da garotada pelo futebol. Recentemente, Silvah e a dinamarquesa Julie Degas deram início ao projeto Café do Mundo, que consiste em composições da dupla misturando as influências da música brasileira com o jazz e com a soul music. Este trabalho ainda está em fase de finalização permitirá ao ser concluído uma conexão artística intensa entre São Paulo e Londres. 

Confira clipes de David Silvah pelo linque https://www.youtube.com/channel/UCoA8ahlIbw2jzOanCERSBSw/videos

Agenda de lançamento de Gratidão

31/05/2017, 20 horas
Local: Rua Atílio Inocente, 277, Vila Olímpia, São Paulo. Ingresso: R$ 12,00

01/06/2017, 20h30
Rua José Felix Oliveira, 764, Granja Viana, Cotia, Ingresso: R$ 10,00

02/06/2017, 20 horas
Rua Fradique Coutinho, 1064, Vida Madalena, São Paulo. Ingresso: R$ 10,00

03/06/2017, 14h30
Avenida Estácio de Sá, 891, São Paulo ll, Granja Viana, Cotia. Ingresso: R$ 10,00

Data: 03/06/2017, 20h30
Alameda Santos,2233, Cerqueira César, São Paulo. Grátis

04/06/2017, 14h30
Avenida Sapopemba,1311, Vila Regente Feijó, São Paulo. Ingresso: R$10,00

*Com  Leonardo Almeida Assessoria de Imprensa

 


Deixe um comentário

921 – Saturno, novo álbum de Chico Teixeira, chega às plataformas digitais com homenagens a João Lavraz e Geraldo Roca*

Saturno, nome do terceiro álbum de Chico Teixeira, já pode ser ouvido e pré-comprado na íntegra em várias das mais acessadas plataformas digitais. A novidade que antecede o lançamento do disco físico estreou em 17 de março com dez músicas para fãs e amigos do cantor e compositor paulistano, entre as quais a faixa-título — singela e poética homenagem ao irmão, João Lavraz, que morreu em 1 de novembro de 2014. Song Swan, outro tributo póstumo, é dedicado a Geraldo Roca (parceiro de Paulo Simões em Trem do Pantanal), encontrado morto, em casa, no Natal de 2015. A audição prossegue com A cara da gente, na qual Chico Teixeira e o coautor, Rodrigo Hid, buscaram imprimir características que assinalam como referências o lugar, a identidade e a noção de pertencimento. Continuar lendo


Deixe um comentário

914- Edvaldo Santana e banda, incluindo metais, lançam “Só vou chegar mais tarde”, no CC Vergueiro

O Barulho d’água Música congratula-se, mais uma vez, com Edvaldo Santana que, entrando no 43° ano de carreira, brinda seu público com Só Vou Chegar Mais Tarde, oitavo álbum da carreira dele, marcada por um perfil de independência e irreverência. O novo disco está bombando sem parar aqui na redação do blogue, onde baixou devidamente autografado pelo cantor e compositor, e será apresentado em 25 de março, a partir das 19 horas, na Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural Vergueiro, ao lado da estação Vergueiro da linha 1/ Azul do Metrô de São Paulo. Cole lá, amigo ou seguidor, pois mesmo que o camelo passe no buraco da agulha nenhuma das 13 faixas (abaixo apresentadas em um primoroso texto do jornalista e escritor Jotabê Medeiros* que reproduzimos na íntegra) tocará em rádio ou será apresentada em programas de televisão…    

Continuar lendo


Deixe um comentário

909 – Victor Mendes, integrante do Trio José, estreia carreira solo com “Nossa Ciranda”*

O cantor, compositor e instrumentista Victor Mendes lançou no começo deste ano Nossa Ciranda, seu primeiro disco solo. Aos 29 anos, Victor Mendes atualmente mora na capital paulista, município para onde se mudou de São José dos Campos com o objetivo de cursar História na Universidade de São Paulo (USP). Antes de fazer as malas e zarpar do Vale do Paraíba, contou, já se entendia com um violão da mãe e a guitarra dada de presente pelo pai, habilidades que começou a aprender bem cedo, aos 11 anos. Versátil, o filho do casal Márcia e Júlio também tem intimidade com a bateria e marcou presença na banda de rock que ele e os amigos batizaram de Ethama (Terra, em tupi-guarani), a qual legou aos fãs dois álbuns independentes antes de encerrar as atividades, em 2006.

Continuar lendo


Deixe um comentário

893 – “O Bar, o Botequim e a Cultura Brasileira”, com Ugo Giorgetti e Lúcia Helena Gama, é novo tema do Imagens do Brasil Profundo

O projeto Imagens do Brasil Profundo em sua terceira temporada promoverá nova rodada nesta quarta-feira, 29 de junho, a partir das 19 horas, com entrada franca, na Biblioteca Municipal Mário de Andrade, situada em São Paulo. O curador Jair Marcatti desta vez mediará debate sobre o tema O Bar, o Botequim e a Cultura Brasileira, precedido pela exibição do filme Boleiros, de Ugo Giorgetti. A partir das 20h30, Marcatti, Giorgetti e a socióloga Lúcia Helena Gama, autora do livro Nos Bares da Vida – produção cultural e a sociabilidade em São Paulo-1940-1950, discorrerão sobre o tema.

Instituição brasileira por excelência, o botequim é uma espécie de último sopro da antiga  Ágora grega, no qual todos os assuntos, dos mais simples aos mais sofisticados, são tematizados e discutidos. Nas palavras de Nelson Rodrigues, que se inspirou em andanças e em observações nesses ambientes democráticos, “o boteco é ressoante como uma concha marinha. Todas as vozes brasileiras passam por ele”. Palco de encontros e de lançamentos de manifestos de incontáveis movimentos culturais brasileiros, o botequim se constitui como uma arena, lugar democrático e um local aberto, espaço de sociabilidade, falas, conversas e bate papos, marcando a paisagem da vida social brasileira com um dos aspectos mais ricos do país: a informalidade e a força das relações pessoais e cotidianas. Estranho que um dos mais importantes espaços sociais brasileiros não tenha o destaque que merece. Por conta disso e por representar um aspecto importante das camadas mais profundas e constitutivas da sociedade brasileira, o projeto Imagens do Brasil Profundo resolveu realizar uma mesa de debates sobre essa questão.

Ugo Giorgetti

Cineasta, trabalha como roteirista e diretor de filmes publicitários desde 1966, a princípio nas agências Alcântara Machado, C&N, Denison e Proeme, mais tarde nas produtoras Companhia de Cinema, Frame e Espiral.

No início dos anos 1970 realizou dois curtas-metragens sobre aspectos da cidade de São Paulo. Seu primeiro longa, Quebrando a Cara, iniciado em 1977, mas lançado apenas em 1986, é um documentário sobre a carreira e as lutas do boxeador Éder Jofre.

Jogo Duro, primeiro longa de ficção de Giorgetti, conta a história de um grupo de marginalizados que disputam a ocupação de uma casa em bairro nobre de São Paulo. Festa recebeu o prêmio de Melhor Filme no Festival de Gramado de 1989. Dirigiu ainda SábadoBoleiros e Boleiros 2 – Vencedores e Vencidos, entre outros filmes

Em 2004, a Coleção Aplauso Cinema Brasil, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, publicou o volume Ugo Giorgetti – o sonho intacto, de Rosane Pavam . Desde 2006, Giorgetti assina uma coluna semanal sobre futebol nas edições de domingo do jornal O Estado de S. Paulo.

Lúcia Helena Gama

Socióloga com doutorado em Ciências Sociais

Pesquisadora do corpo técnico dos órgãos de preservação: estadual –  CONDEPHAAT/SP 1979 a 1982 e municipal COMPRESP 1983 a 1989.

É funcionária da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo – Departamento de Expansão Cultural – coordenação das Casas de Cultura.

Atuou como professora em várias faculdades de São Paulo

Tem uma série de artigos publicados em que se destacam a pesquisa e a reflexão sobre as cidades, em particular São Paulo.

É autora dos livros Nos Bares da Vida – produção cultural e a sociabilidade em São Paulo-1940-1950, edição SENAC, 1999. Entre os finalistas na indicação do Prêmio Jabuti, na categoria de Ciências Humanas, de 1999 e uma das organizadoras e articulista de São Paulo Metrópole em Trânsito – percursos Urbanos e Culturais editora SENAC/PMSP 2004, entre os dez finalistas na categoria Arquitetura e Urbanismo, Prêmio Jabuti 2005

Serviço

Projeto Imagens do Brasil Profundo apresenta:

Quarta-feira, 29 de junho

19 horas: Exibição do filme Boleiros, de Ugo Giorgetti

20h30: Mesa de Debates – O Bar, o Botequim e a Cultura Brasileira, com Ugo Giorgetti e Lúcia Helena Gama, mediado pelo curador Jair Marcatti

Entrada franca

Local: Auditório da Biblioteca Mário de Andrade

Endereço: rua da Consolação, 94, Centro, entre as estações República e Anhangabaú do Metrô