1239 – Passoca apresenta “Canta e Toca”, no Sesi da avenida Paulista (SP)

Apresentação com entrada franca marca os 40 anos de carreira do violeiro que recentemente gravou com o Duofel disco qe destaca regravação de clássico de Noel Rosa e parceria inédita com Renato Teixeira

O cantor, compositor e violeiro PASSOCA será atração neste domingo, 6 de outubro, mais uma vez em São Paulo, cidade que ele tão bem representa e ilustra em várias composições de sua autoria consagradas. Neste retorno a Sampa, Passoca estará a partir das 10 horas no lounge de convivência do foyer do Teatro do Sesi, situado na emblemática avenida Paulista, acompanhado por Ronaldo Rayol (violão) e Noel Bastos (bateria e percussão) para apresentar à plateia Canta e Toca, que traz em retrospectiva os 40 anos de sua carreira, em mais uma rodada do projeto Café com Música, do Sesi (ver guia Serviços).

Continue Lendo “1239 – Passoca apresenta “Canta e Toca”, no Sesi da avenida Paulista (SP)”

1229 – Instituto Cultural Abrapalavra promove Mostra Internacional de Violão em Beagá (MG)

De acordo com o cronograma do evento, plateia apreciará concertos de violão e poderá trocar ideias e experiências com Elodie Bouny, André Siqueira, Diego Salvetti, Lucas Telles, Conrado Paulino, Celso Faria, Alessandro Soares, Letícia Leal e José Lucena Vaz.

O Conservatório da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) sediará entre amanhã, 4, e a sexta-feira, 6 de setembro, o evento musical que proporá o encontro entre a tradição e a pluralidade Sons da cidade: Mostra Internacional de Violão de Belo Horizonte, que deverá levar à Capital mineira importantes violonistas da música brasileira e internacional como protagonistas de recitais, além de rodadas de bate-papos para potencializar relações de convivência. Os participantes receberão certificados e poderão acompanhar as sessões de conversas com a ajuda de tradutores especializados em Libras (Linguagem Brasileira de Sinais).

Continue Lendo “1229 – Instituto Cultural Abrapalavra promove Mostra Internacional de Violão em Beagá (MG)”

1084 – 49º Festival de Inverno de Campos do Jordão (SP) recebe Neymar Dias tocando Bach na viola caipira

Arranjador e multi-instrumentista de São Paulo vai se apresentar no dia 21, às 17 horas, com entrada franca
Marcelino Lima

O compositor, arranjador e multi-instrumentista Neymar Dias será uma das atrações que o 49º Festival de Inverno de Campos do Jordão oferecerá no sábado, 21 de julho, aos moradores e turistas da aprazível cidade da Serra da Mantiqueira, encravada na Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte. A apresentação, gratuita, está prevista para começar às 17 horas na Capela do Palácio Boa Vista do Governo , com distribuição de pulseiras a partir de uma hora antes do concerto, na portaria do Palácio, limitada à capacidade do local, de 120 lugares. O acesso à Capela se dará com até 5 minutos de antecedência antes de Neymar Dias ocupar o palco; neste horário também será permitida a entrada de fila de espera, limitada à lotação do espaço. Não será permitida entrada após o início do concerto no qual o paulistano executará transcrições na viola caipira de Johann Sebastian Bach (ver programa em Serviços) e composições autorais.

Continue Lendo “1084 – 49º Festival de Inverno de Campos do Jordão (SP) recebe Neymar Dias tocando Bach na viola caipira”

1034 – Tavinho Moura recebe amigos e lança no Clube da Esquina (MG) O Anjo na Varanda

O 18° álbum do mineiro de Juiz de Fora traz safra singular de canções de um dos mais originais e sofisticados compositores do Brasil

Marcelino Lima, com Dubas Música

O cantor, compositor, escritor e fotógrafo Tavinho Moura, um dos mais aclamados violonistas e violeiros do país, lançou no dia 10 de março o décimo-oitavo álbum da carreira em apresentação concorrida que levou amigos e fãs ao templo sagrado da música mineira, o Museu do Clube da Esquina, em Belo Horizonte (MG). O Anjo na Varanda, lançado pelo selo Dubasdá sequência à premiada carreira iniciada com Como Vai Minha Aldeia, há 40 anos.

Continue Lendo “1034 – Tavinho Moura recebe amigos e lança no Clube da Esquina (MG) O Anjo na Varanda”

957 – Selo Sesc disponibiliza primeiros 16 álbuns do catálogo para audição por streaming

Quem curte os álbuns fonográficos do Selo Sesc já pode acessar parte do catálogo por meio de plataformas como Spotify, Deezer, Apple Music, Google Play Music, e Napster. O primeiro lote reúne 16 títulos entre os quais No Voo do Urubu, de Arthur Verocai; A Saga da Travessia, de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz; Com Alma, da Banda Mantiqueira; Virgínia Rosa Canta Clara, de Virgínia Rosa; e Café no Bule, de Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos e Paulo Lepetit. Doravante, os lançamentos também serão liberados para os servidores de streaming e a promessa do Sesc é que até dezembro todos os discos já lançados desde 2004 estejam disponíveis.

Continue Lendo “957 – Selo Sesc disponibiliza primeiros 16 álbuns do catálogo para audição por streaming”

882 – DVD gravado em Ribeirão Preto (SP) revela a excelência do repertório da Orquestra Paulistana de Viola Caipira

O Barulho d’água Música recebeu um exemplar de Viola in Concert Ao vivo, DVD gravado em 2009 pela Orquestra Paulistana de Viola Caipira (OPVC) no Teatro Pedro II, situado em Ribeirão Preto (SP), produzido pela Associação São Gonçalo de Estudos Caipiras e com direção musical e arranjos de Rui Torneze. Mais do que um mergulho no universo caipira, resgatando e reinterpretando no presente álbum clássicos tais quais Cabocla (Tonico e Tinoco), Natureza (Dino Franco), Saudades de Matão (Jorge Gallati, Raul Torres e Atenógenes Silva), e Índia (J. Assuncíon Flores/M. Ortiz Guerrero, consagrada por Cascatinha e Inhana em versão de José Fortuna), a OPVC apresenta um trabalho que demonstra o esmero em buscar permanente aprimoramento técnico desde quando foi fundada, mergulhando em outras culturas nacionais e estrangeiras com o intuito de divulgar peças de vários ritmos e épocas e permitir (conforme uma palavra dita por Torneze em certa altura da gravação) “plasmar” pelo emprego da viola outras sonoridades, algumas até antes de serem alcançadas supostamente bem mais complexas e distantes dos recursos possíveis de se extrair do pontear das dez cordas do pinho.

Continue Lendo “882 – DVD gravado em Ribeirão Preto (SP) revela a excelência do repertório da Orquestra Paulistana de Viola Caipira”

850 – Joaci Ornelas (MG) lança álbum que evoca tradições e hábitos do lugar onde o dia chega mais cedo e o céu quase nunca escurece

O músico, compositor, violeiro e cantador Joaci Ornelas (Salinas/MG) está convidando amigos e admiradores residentes em Belo Horizonte (MG) e cidades da região para prestigiarem o concerto inaugural de No dizer do sertão, marcado para 15 de abril, a partir das 20h30. O álbum, segundo da carreira de Joaci Ornelas, será lançado na Sala Juvenal Dias no Palácio das Artes, onde trará pela primeira vez ao público o resultado de pesquisas, vivências e participações em atividades culturais de tradição de mestres violeiros, tocadores e foliões em comunidade rurais no vale do São Francisco que balizam o trabalho de composição do autor.

Continue Lendo “850 – Joaci Ornelas (MG) lança álbum que evoca tradições e hábitos do lugar onde o dia chega mais cedo e o céu quase nunca escurece”

830 – Cancioneiro do século XVI será atração da série “Tardes Musicais” da Fundação Ema Klabin (SP)

A Fundação Ema Klabin (São Paulo), em parceria com o Laboratório de Música de Câmara da Universidade de São Paulo, promoverá um ciclo de seis apresentações temáticas com o intuito de criar um panorama da música ocidental. A série proporcionará sempre com entrada franca uma viagem temporal pelos principais períodos estéticos da música ocidental após a Idade Média, oferecendo ao público obras do Renascimento, do Barroco, do Classicismo, do Romantismo e dos primórdios da música moderna no século XX.

A primeira apresentação ocorrerá já neste sábado, 12 de março, com início previsto para as 16h30. O palco estará reservado ao núcleo artístico Companhia das Antigas, que estrelará o espetáculo Cancioneiro de Bolso, dedicado às obras compiladas no Cancioneiro de Lisboa, do século XVI. O grupo reúne o cravista Pedro Augusto Diniz, a gambista Iara Ungarelli e as vozes de André Angenendt, Guga Costa, João Vitor Ladeira e Tiago Pinheiro, e selecionou para o repertório obras sacras de tradição católica para a Quaresma, Paixão, Páscoa e Eucaristia, além de músicas profanas.

Antes do concerto Cancioneiro de Bolso, a partir das 14 horas, o público que frequenta a casa situada na Rua Portugal, 43, poderá participar da visita temática O Gabinete de Ema Klabin.  A visita é uma proposta para favorecer uma visão sobre a história dos museus de arte, desde os gabinetes de curiosidades até as instituições que contemplem produções contemporâneas. Serão abordadas as principais metamorfoses desses espaços, refletindo como a história possibilitou a criação de locais como a Fundação encravada no Jardim Europa, na zona Sul paulistana. 

Para mais informações o telefone da Fundação Ema Klabin é 11 3897-3232.   

800 – Barulho d’água Musica completa discografia do violeiro, compositor e professor Ivan Vilela (MG)

ivan arte sesc instrumental

O compositor, arranjador, pesquisador e professor universitário Ivan Vilela (Itajubá/MG) forneceu ao Barulho d’água Música arquivos de sua obra fonográfica que incluem álbuns hoje raros como Hortelã e Vereda Luminosa, Teatro do Descobrimento e Espiral do Tempo. Ivan Vilela é considerado um dos mais talentosos violeiros de todos os tempos no Brasil e não apenas em seu meio já que é muito respeitado entre os colegas músicos de todos os segmentos e ainda na Academia, ambiente no qual ajudou a despertar o interesse pelas pesquisas e produções cujo tema é a viola caipira e o universo rural a ela associado, incluindo costumes e o linguajar em variados períodos desde a colonização por Portugal. É autor de Cantando a própria história – Música caipira e enraizamento, livro da Editora da USP (Edusp). 

Continue Lendo “800 – Barulho d’água Musica completa discografia do violeiro, compositor e professor Ivan Vilela (MG)”

787 – Projeto Escambo celebra encontro entre sonoridades do Brasil e da França em álbum e oficinas de dança

Com a proposta de interação estético-musical entre duas culturas musicais distintas, o projeto Escambo, idealizado pelos irmãos, músicos e pesquisadores João Arruda e Carlos Valverde, apresenta um trabalho que exprime diferentes sonoridades musicais que se harmonizam no encontro das culturas tradicionais do Brasil e da França. “Escambo” significa tanto no Brasil quanto no dialeto Occitan do sul da França troca, permuta e intercâmbio e é neste sentido que o presente projeto se fundamenta. Para comemorar o lançamento do álbum homônimo, um grupo de músicos franco-brasileiros pretende promover turnê pelo estado de São Paulo entre fevereiro e março para oferecer apresentações musicais e oficinas de danças tradicionais francesas, com músicas ao vivo, e lançá-lo ainda no primeiro semestre de 2016, na França. No álbum a utilização de instrumentos rústicos e tradicionais da França e do Brasil permite mostrar a força da cultura popular que existe nos dois países.

A sonoridade da viola caipira associada à vielle à roue, do pífano e do fifre e da rabeca e das gaitas de fole (Boha e Craba) originam melodias, timbres e ritmos específicos, que juntos, geram músicas inusitadas, festivas e alegres. Assim, o Escambo traz em sua composição a atmosfera das festas populares típicas dos dois países; o encontro de diferentes artistas, instrumentos, culturas, hábitos, sotaques e saberes fazem deste álbum um importante, inédito e ousado registro dançante que integra qualidade, tradições e autenticidade.

valverdeee
Carlos Valverde é um dos idealizadores do projeto Escambo

 

Instrumentos utilizados

A vielle à roue é um instrumento tipicamente europeu e seu primeiro registro foi feito na França, no século IX, graças às esculturas esculpidas em igrejas. É um instrumento de variável reputação, já foi tocado por artistas que interpretavam Mozart e símbolo da mendicidade da rua. O som é produzido por uma roda curvada de madeira que está ligada com uma manivela rústica. Algumas sequências podem tocar uma melodia, enquanto outros sons se assemelham a abelhas voando.

O pandeiro é um instrumento de percussão que consiste numa pele esticada em uma armação circular e estreita. Ao redor do aro existem platinelas duplas de metal. O pandeiro se toca com a palma da mão e os dedos. No Brasil, o pandeiro é muito usado no samba e no pagode, mas não se limitando a esses ritmos, sendo encontrado ainda no baião, coco, maracatu, entre outros.

A viola caipira, também conhecida como viola sertaneja, viola nordestina, viola cabocla e viola brasileira, é um instrumento musical de dez cordas, no que se diferencia do violão, que tem doze. A viola é um dos símbolos da música popular, principalmente no Interior do Brasil. As violas brasileiras têm origens em Portugal, oriundas de instrumentos árabes como o alaúde e chegaram ao Brasil com os jesuítas que catequisaram indígenas. Mais tarde, os primeiros caboclos começaram a construir violas com madeiras toscas da terra e foi ai o início da viola caipira.
A rabeca é um instrumento musical parecido com o violino, mas tocado de forma diferente. Em São Paulo é usada nas manifestações populares do fandango, em Folias do Divino, moçambique, congadas, dança de São Gonçalo e Folia de Reis. No Nordeste, foi popularizada por diversas bandas.

O atabaque é um instrumento musical de percussão, cilíndrico ou ligeiramente cônico, com uma das bocas coberta por couro de boi, veado ou bode. É tocado com as mãos, com duas baquetas, ou por vezes com uma mão e uma baqueta, dependendo do ritmo que está sendo tocado. O atabaque é muito utilizado nos rituais das religiões Umbanda e Candomblé, o que faz dele um instrumento muito utilizado no Brasil.

O berimbau é um instrumento de corda de origem angolana, trazido pelos escravos angolanos para o Brasil, onde é utilizado para acompanhar a dança/luta acrobática chamada capoeira. A sonoridade do berimbau é rústica e mais percussiva que melódica.

arrudinha
João Arruda (à mesa, utilizando o notebook), irmão de Valverde e um dos músicos do grupo franco-brasileiro

O acordeon, também chamado sanfona, é um instrumento musical aerofone de origem alemã, composto por um fole, um diapasão e duas caixas harmônicas de madeira. No Brasil, é comum em bailes de forró e na música tradicional do Sul do país. Já na França, é bastante utilizado nos bailes tradicionais.

Gaita de fole, também chamada de cornamusa, museta, musette ou simplesmente gaita, é um instrumento da família dos aerofones, composto de pelo menos um tubo melódico (chamado ponteiro ou cantadeira, pelo qual se digita a música) e de um insuflador mediado por uma válvula (chamado soprete ou assoprador), ambos ligados a um reservatório de ar (chamado fole ou bolsa); na maioria dos casos há pelo menos mais um tubo melódico pelo qual se emite uma nota pedal constante em harmonia com o tubo melódico (chamado bordão ou ronco). No presente projeto, serão utilizadas as gaitas do tipo Boha e Craba.
Músicos do projeto Escambo

Carlos Valverde (Pífano, flauta transversal, fifres e ganzá, berimbau, triangulo e pequenas percussões) é músico, fabricante de instrumentos em bambu e realiza pesquisas no campo da cultura popular brasileira. Desde 2000 ele ministra oficinas de iniciação musical e de fabricação de pífanos em escolas, universidades e outros eventos culturais. Nesta linguagem, da transmissão oral, já criou diversas bandas de pífanos, no Brasil e no exterior, conectando pessoas, projetos e saberes.

Em 2011, Carlos Valverde recebeu da Embaixada da França o visto de “Competência e Talento” que teve como objetivo desenvolver um projeto de intercâmbio entre as culturas tradicionais do Brasil e da França. Em 2012, recebeu o diploma em músicas tradicionais no conservatório de Toulouse, fez um mestrado em Musicologia Université Toulouse – Jean Jaurès  e criou duas novas bandas de pífanos na França, as quais integram a música brasileira e francesa. Hoje é professor de pífano no conservatório Occitan (COMDT) e realiza diversos projetos pedagógicos com crianças (de 3 a 10 anos), adolescentes, pessoas com necessidades especiais e músicos de conservatórios que não são habituados com a linguagem da transmissão oral.

João Arruda (viola de cabaça, viola de dez cordas, rabeca de bambu, violão, zabumba e atabaques) é músico, cantor, percussionista, violeiro e produtor fonográfico considerado um dos jovens promissores da música brasileira. Nascido em Campinas (SP), o artista é comprometido com a valorização e recriação de temas e canções da cultura popular brasileira, bem como de outros países. Seu trabalho está presente em mais de 15 álbuns nos quais atuou como artista convidado e produtor. Com dois autorais gravados (Celebrasonhos e Venta Moinho), já participou de mostras, festivais e programas de rádio e TV além de compor diversas trilhas sonoras para espetáculos, documentários, mostras e filmes.

Cris Monteiro (percussões) é pesquisador dos ritmos brasileiros, foi integrante do grupo musical-cênico Gandaiá, onde tocava percussão, dançava e interpretava. Do espetáculo nasceu o álbum Brasilusões, em 1997, no qual assina os arranjos de percussão. Com o Grupo Zauwli, estudou os ritmos do Sul da África voltados para o djembe, instrumento típico africano. Com este grupo participou de espetáculos de teatro, ministrou oficinas de percussão e gravou o álbum que leva o mesmo nome do grupo.

Participou como músico e dançarino do grupo de dança brasileira Saia Rodada, de Tião Carvalho e com o grupo viajou com o espetáculo Bloco do Baralho, em turnê no estado de São Paulo. Mudou-se para Europa em 2006, tocando na França, Espanha e Portugal. Em Toulouse, onde fixou residência, trabalhou com estágios de percussão em associações, companhias de teatro e escolas primárias, além de ter participado de concertos em festivais por todo o território francês com vários grupos de música brasileira e fusion. De volta ao Brasil, hoje é diretor musical da banda Bate Lata, ministra oficinas de percussão na Associação de Paes e Amigos dos Excepcionais (APAE) Campinas. Desenvolve seu projeto percussivo Murungundum, e atua nas bandas Nega Madame e Black Dog Funk.

Xavier Vidal (violino, rabeca, boha/gaita de fole da Gasconha, crabo/gaita de fole da Montanha Negra, graille (oboé occitan, charamelas e bandolim) começou a estudar música quando criança e com a idade de 10 anos integrou a Harmonia de Tournefeuille (Haute Garonne). Xavier Vidal descobriu a música Occitan tradicional no ano de 1976, por meio da companhia de Ballets de Occitans de Toulouse, onde realizou diversas turnês. A partir de 1977, junto com o Occitan Conservatório Toulouse, participou do movimento Folk que tinha como objetivo recuperar, recriar e revalorizar as tradições populares da França.

Ele é formado em etnologia na l’EHESS no ano de 1983 e realizou seminários de etno musicologia no Museu da ATP e do Museu do Homem sobre os instrumentos da tradição popular de Lauragais. Recebeu o diploma D.E.A. Civilização Occitan e sabe falar esse dialeto correntemente. Em 1989, produziu um trabalho sobre as tradições populares da França com o apoio e financiamento do ministério da Cultura. Em 1983 se instalou na região do Lot (Sul da França), onde em 1985 fundou a Associação de Música de Tradições em Quercy. Nessa associação, Xavier Vidal começou um trabalho de pesquisa e registro de diversas músicas populares do Lot. Ele fundou a associação La Granja, que é um lugar dedicado à pesquisa, ensino e divulgação da cultura Occitan, música folk e world music.

Em 1987, tornou-se professor de música tradicional do conservatório do Lot. Ele também ensina os alunos de DEM (Diplôme d’Etudes Musicales) do conservatório de l’Aveyron desde setembro de 2011. Hoje ele é o coordenador do departamento de música tradicional no conservatório de Toulouse, que abrange o ensino de áreas de música: Occitan, flamenco e oriental. Toca mais de doze instrumentos tradicionais, além de cantar em diversas línguas. Ele é autor de várias composições musicais e conhece um imenso repertório de músicas tradicionais da França, o que faz dele uma referência da música tradicional da França.  

Bastien Fontanille (vielle à roue, accordeon) é diplomado em música tradicional pelo conservatório de l’Aveyron Departamental. É licenciado em Jazz e em Antropologia pela Universidade Mirail de Toulouse. Atualmente é aluno de mestrado em Musicologia também pela Universidade do Mirail.  É multi-instrumentista, tendo experiência de mais de dez anos com a vielle a roue, oito anos em piano e cinco anos em sanfona. Ele aprecia a mistura entre músicas, pois gosta de experimentar diferentes ambientes sonoros. Seu gosto eclético e amplo faz com que traga em sua bagagem musical um repertório que integra a música barroca, tradicional francesa, reggae, brasileira, entre outras.  

Lola Calvet (rabeca, violino e canto) é nascida em 1990 em Saint-Cere e segue desde pequena uma formação musical completa em escolas de música e conservatórios. Ela descobriu a música tradicional ao estudar violino com o professor Xavier Vidal e a partir de deste momento começou a tocar em bailes e festas locais tradicionais. Seus estudos avançaram integrando sucessivamente a escola Atla em Paris e Music’Halle em Toulouse. Durante os últimos 15 anos, Lola pratica o canto, violino e percussão brasileiros e participa ativamente do grupo Samba Ti’Fol. Desde o início de 2012 integra o grupo Bomb de Bal, cantando, tocando violino e a rabeca brasileiros.

Elisa Treboauville (bandolim, banjo, canto, fifre e pífanos)  começou a sua formação musical em 1999 pelo violão clássico, instrumento que permitiu um primeiro encontro com o universo da música popular brasileira, incluindo o choro. Em 2013 recebeu o diploma em musicologia na Université Toulouse – Jean Jaurès onde dedica-se ao estudo do cavaquinho e do pífano brasileiros. Desde 2014 estuda Mestrado em Etnomusicologia e participa de diferentes formações musicais como o grupo de Choro Assim Assado, La Pifada e Forró de Fora. No inicio de 2015 comeou a estudar no DEM de Música Tradicional no Conservatório de Toulouse, onde desenvolve estudos com a musica tradicional occitana.

Oficinas culturais 

O projeto Escambo propõe oficinas e estágios de danças tradicionais francesas, com ou sem música ao vivo, opcionais e complementares aos shows. Para mais informações contate Raphael Valverde (raphael@raphaelvalverde.com.br) l : (19) 98420-1212 ou Carlos Valverde (flutebresil@gmail.com)

bam mundo cor