1551 -Zé Geraldo e Francis Rosa lançam O Poeta e o Violeiro, com a participação de Xangai*

#MPB #Violade10Cordas #ViolaBrasileira #ViolaCaipira #CulturaPopular

*Com Adriana Bueno

Single chega e clipe já estão em plataformas digitais e antecipam chegada do álbum homônimo, programada para o segundo semestre

As plataformas digitais já oferecem aos amantes de Zé Geraldo e de Francis Rosa a canção O Poeta e o Violeiro, canção que celebra um novo encontro entre os dois parceiros e dá nome ao álbum inédito que a dupla planeja lançar no segundo semestre. Um clipe da música também já está disponível na internet, com a participação especial do cantador Eugênio Avelino, o querido Xangai. É o bom baiano que faz a declamação para a entrada dos versos quase autobiográficos “Era uma vez um poeta nascido em solo mineiro/Caminhando pela vida, cruzou com um violeiro/Um completou o outro feito a casa e o terreiro/Plantando e colhendo amor/Saíram do interior pra correr o mundo inteiro”, na voz de ambos que, em 2016, gravaram seu primeiro trabalho juntos, no DVD ao vivo Canções e Versos, lançado pela gravadora Sol do Meio Dia, com distribuição pela Tratore.

Além de Zé Geraldo (voz), Francis Rosa (voz, viola caipira e baixo) e Xangai (declamação), O Poeta e o Violeiro tem os toques de Rafael Schimidt (violão de nylon), João Lima (percussão), Daniel Blando (sanfona), e os vocais de Bia Tucci, Helena Badari, Nô Stopa e Tata Fernandes. O álbum está sendo preparado e sairá nas versões bolachão de vinil (LP) e compacto a laser, além de tocar nas plataformas digitais, após o lançamento de outros dois singles promocionais inéditos.

O Poeta e o Violeiro, lançamento da Sol do Meio Dia, com distribuição da Ingrooves, pode ser pré-salvo em https://ingrv.es/o-poeta-e-o-violeiro-3eu-k; o clipe estreou em 24 de junho, no canal do YouTube de Zé Geraldo (https://youtu.be/xmgEIkvDRjc) ou no canal de Francis Rosa (https://youtu.be/9G9P260xR-w).

Continuar lendo

1542 – Leyde &Laura (MT) são destaque do projeto Viola Encanto de Mulher, homenagem a pioneiras do gênero caipira

MPB #MúsicaCaipira #MúsicadeViola #MulherVioleira #VioleirasdoBrasil #CulturaPopular

Dupla de irmãs mato-grossenses e revelações como Lizandra e Victória e Mel Moraes vão se apresentar a partir de 1º de junho em teatros e em praça no bairro paulistano da Penha, sem cobrança de ingresso. Concertos serão tributos a Inezita Barroso, Helena Meirelles e As Galvão, entre outras vozes femininas. Com Cristina Aguilera, Midia Brazil Comunicação Integrada

Com objetivo de dar voz ao gênero feminino na música e como instrumentista de viola caipira, será promovido no sábado, 4 de junho, a partir das 14 horas, o projeto Leyde e Laura – Viola Encanto de Mulher. O espetáculo sem cobrança de entradas levará ao público relevantes expoentes do gênero na atualidade como as irmãs  Leyde & Laura reconhecidas pela crítica e pelos fãs como um dos mais aplaudidos duetos femininos da história da música caipiraCarol Viola & Duda Cintra, revelações da música de raiz; Lizandra e Victória, meninas violeiras da cidade de Nova Odessa (SP); Jéssica & Juliana, que participaram do programa Esquenta (Rede Globo) e foram finalistas do concurso Esquentanejo, revelador de novos talentos da música sertaneja; e  Mel Moraes, selecionada no Festival Viola da Terra, com a composição instrumental Primavera dos Pássaros. Os concertos da série terão por palco a Praça do Rosário, no bairro da Penha, reconhecido ponto turístico da Zona Leste da cidade de São Paulo, onde está a Igreja do Rosário dos Homens Pretos, construída no século XIX, patrimônio histórico tombado. 

Continuar lendo

1540 – Grupo de Choro, Seresta e Serenata de São Roque (SP) recebe homenagem no Dia Nacional do Seresteiro

#MPB #Choro #Seresta #Serenata #DiaNacionaldoSeresteiro #SãoRoqueSP #CulturaPopular #AtibaiaSP

Vereadores Clóvis da Farmácia e Niltinho Bastos propuseram a Moção de Congratulações aprovada por unanimidade no dia do nascimento de Sílvio Caldas

Em homenagem ao Dia Nacional do Seresteiro, os vereadores Clóvis da Farmácia (Podemos) e Newton Dias Bastos (PP), o Niltinho Bastos, outorgaram a Moção de Congratulações  190/2022 na noite de segunda-feira, 23 de maio, ao Grupo de Choro, Seresta e Serenata da Estância Turística de São Roque. A efeméride coincidiu com a data da 16ª sessão ordinária da Câmara Municipal de São Roque e a Moção, foi subscrita pelo vereador Diego Costa (PSB) e teve aprovação unanime. A maestrina Mari Dineri e parte do Grupo de Choro compareceram à Casa de Leis e, antes de serem convocados ao plenário para receberem o diploma, cantaram Carinhoso (composição de Pixinguinha que em 2017 completou 100 anos) e Chão de Estrelas (que Silvio Caldas e Orestes Barbosa assinaram em 1937).

Continuar lendo

1538 – Chico Lobo lança O Tempo É Seu Irmão e celebra mais de 40 anos de carreira com convidados especiais

#MPB #ViolaCaipira #VioladeDezCordas #ViolaBrasileira #MinasGerais #BeloHorizonte #SãoJoãoDelRey #CulturaPopular #GravadoraKuarup

27º álbum do violeiro mais atuante da cena brasileira tem participações especiais de Luiz Caldas, da dupla Kleiton & Kledir, da cantora Tetê Espíndola e do cantor Sérgio Andrade

Segundo especialistas em inovação, a necessidade de se reinventar existe há muito tempo, faz parte da história da humanidade. Tanto quanto mudar é questão de sobrevivência. Assim o violeiro mineiro, compositor e cantador Chico Lobo, em 2021 consagrado com o quarto troféu do Prêmio Profissionais da Música (PPM) na categoria Melhor Artista Raiz Regional e com a Medalha de Honra da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) pela sua relevante atuação na cultura e sociedade, colocou em prática justamente isso, em plena pandemia de Covid-19. Após lançar Alma e Coração, em 2020, já nesse processo de ousar e criar, tornar-se outro, Chico Lobo não parou e no ano passado produziu, em parceria com a Kuarup, mais um álbum nesses tempos difíceis.

Continuar lendo

1537 -Reitor da Univali (SC) publica livro sobre Zé Geraldo, um dos mais queridos poetas e cantores populares do Brasil

#MPB #Literatura #Futebol #CulturaPopular #Univali #Itajaí #RodeiroMG #SãoRoqueSP

Mineiro de Rodeiro, o autor da clássica canção Cidadão, entre tantos outros sucessos, tornou-se amigo pessoal de Valdir Cechinel Filho, que lhe dedicou a obra de 250 páginas, com prefácio de Renato Teixeira

O reitor da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), situada em Santa Catarina, Valdir Cechinel Filho, lançou em março Cidadão Zé Geraldo: 40 e Poucos Anos de História e Estradas, livro no qual narra a trajetória de um dos principais nomes da Música Popular Brasileira, o mineiro Zé Geraldo. A obra, repleta de fotos e ilustrações, tem prefácio assinado por Renato Teixeira e um dos seus exemplares Cechinel enviou, gentilmente, à redação do Barulho d’água Música, situada no Solar do Barulho, na Estância Turística de São Roque (SP). Dividida em 11 capítulos, revela história e causos sobre Zé Geraldo desde a infância na cidade natal de Rodeiro (MG), alguns narrados pelo próprio biografado e compartilhados na vivência com o autor.

A rica discografia também pode ser encontrada nas 250 páginas do livro, relacionada pelos álbuns próprios e dos quais Zé Geraldo participa (com as respectivas capas, incluindo-se as coletâneas) e nelas há depoimentos de amigos, fãs e músicos como João Carreiro, Zeca Baleiro, Kleiton Ramil, Chico Teixeira, Chico Lobo e Luiz Vicentini. O leitor ainda encontrará 20 músicas de Zé Geraldo cifradas pelo cantor e compositor capixaba Max Gasperazzo, mais a transcrição de entrevista para a comunicadora Katyanne Krull ao programa Violas, Versos & Prosas, da Rádio Educativa Univali FM e TV Univali.

Este era um projeto que eu já acalentava há alguns anos e que foi possível tirar da gaveta durante a pandemia [de Covid-19]”, contou Cechinel. “Escrevi essa obra com o aval do próprio Zé Geraldo, de quem virei fã imediatamente após escutar pela primeira vez a canção Cidadão, em 1979. Durante muito tempo sonhei em conhecê-lo e a vida permitiu que pudéssemos ser amigos pessoais e até compor músicas em parceria”, emendou. “O livro traz causos, histórias e destaca a generosidade de Zé Geraldo como artista e como ser humano único que ele é”, frisou Cechinel.

Carinhosamente conhecido por Biá, além das atividades acadêmicas, Valdir Cechinel é compositor e assina parcerias com o próprio Zé Geraldo e diversos outros autores como o cantor e compositor itajaiense Luiz Vicentini. Uma das facetas de Zé Geraldo que Cechinel destacou, a generosidade, é descrita como característica peculiar do Zé pois o mineiro sempre procura “dar ênfase aos novos talentos e difundir seus versos e prosas, emprestando seu nome e voz aos cantores e compositores de nosso imenso país”. O próprio reitor é um desses compositores parceiros em Enquanto a Cidade Dorme, que ganhou clipe gravado em Itajaí, com autoria e interpretação de Gasperazzo.

O livro está disponível para venda na Editora da Univali e pelo portal da Amazon.

De rica trajetória acadêmica e científica, Cechinel atualmente é Reitor da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), professor do mestrado e doutorado em Ciências Farmacêuticas e pesquisador 1C do CNPq, além do pé que de longa data mantém na arte e na cultura, ligação acentuada a partir ­de 2002, quando ficou responsável pela área cultural na Univali, como Pró-Reitor de pesquisas, pós-graduação, extensão e cultura, atuando por 16 anos à frente de ações culturais na instituição. Essa função possibilitou contato direto e mais intenso com muitos artistas, incluindo seus ídolos Zé Geraldo e Renato Teixeira, entre outros. Organizou inúmeros shows no Teatro da Univali com artistas nacionais e foi responsável pela seleção do repertório dos álbuns e DVD do Coral da Univali, Simplesmente Simples 1 (2011) e Simplesmente Simples 2 (2014). Escreveu sua primeira composição musical em 2008, Vida Rural, com Luiz Vicentini, que gravou a canção.

 

O reitor Valdir Cechinel Filho também é compositor. Tem três discos lançados e organizou inúmeros shows no Teatro da Univali com artistas nacionais.

 

Até o presente, Cechinel possui mais de 60 canções em parceria e lançou três álbuns: Valdir Cechinel Filho e Amigos: Pedaço de Mim (2018); Urbano e Rural (2019); e Eu Nunca Chegarei Só (2021), todos disponíveis nas plataformas digitais Nessa sua segunda incursão literária (a primeira foi escrever três versões do livro Casos, Causos e Algumas Mentirinhas), aborda os passos do ídolo, amigo e parceiro musical José Geraldo Juste, o Zé Geraldo, cuja importância ele resume na apresentação: “Quando Deus interrompeu a carreira de jogador de futebol do Zé Geraldo, certamente o Brasil já estava repleto de moleques bons de bola, mas carecia de cantores e compositores de canções que dissessem a verdade sobre a vida e atingissem os corações dos cidadãos!

O livro Cidadão Zé Geraldo: 40 e Poucos Anos de História e Estradas que Cechinel enviou ao blogue chegou acompanhado pelos álbuns Simplesmente Simples e Eu Nunca Chegarei Só; a faixa 7, Simplicidade, do segundo disco, ele compôs com Vicentini, cantor que a interpreta acompanhado por Renato Teixeira. Já ultrapassou 86 mil visualizações em postagens e se tornou trilha sonora de mais de 17 mil vídeos rápidos nas redes sociais, conhecidos como Reels.Nos surpreendemos, Valdir e eu, quando soubemos que Simplicidade vem sendo postada mais de 150 vezes por dia nos Reels do Instagram, aparecendo em mais de 17 mil postagens de vídeos usando a música, com média de 5 mil visualizações em cada postagem, somando 86 milhões de visualizações”, celebrou Vicentini. “Considerando que não fizemos nenhum impulsionamento pago, vemos isso como uma possível viralização da canção, o que nos deixa muito felizes.”

Simplicidade também faz parte do álbum de Vicentini Os Passos do Poeta (2019), que tem a participação de Renato Teixeira. Em Eu Nunca Chegarei Só ela integra uma seleta lista que inclui interpretações e parcerias de Cechinel com Cleiton Marques de Oliveira, Francis Rosa, Luciano Guarise, Zé Geraldo, Zé Grande, Samuel & Grace, Chico Lobo, Carlos Magrão, Carlos Bona, Sunny Dolga, Carol Hands e Gasperazzo. Francis Rosa, Zé Geraldo e Chico Lobo também cantam na canção O Homem de Taubaté, que Cechinel recentemente compôs para homenagear Renato Teixeira.

O mato-grossense de Arenápolis radicado em Jundiaí (SP), João Ormond também é parceiro de estradas de Zé Geraldo. Ambos já têm músicas gravadas e agora programaram lançar em 27 de maio um novo single, Revivendo, que além da dupla conta com a participação de Clemente Manoel. Esta canção retrata a vida interiorana que os três que criaram a letra tiveram, promovendo a junção das experiências vividas individualmente e que culminou na bela história.

Essa foi a primeira composição com parceria selada com Zé Geraldo, pois gravamos anteriormente Eu Nasci com Asas e gostamos muito dessa mistura da viola com a música Folk”, disse Ormond. “O Zé Geraldo é de uma simplicidade enorme, veio aqui para casa para botar a voz na música, e o Clemente veio para nos rever e prosearmos após a gravação”, prosseguiu Ormond. “Passamos um dia agradável. Além do trabalho, emplacamos um bom bate papo. Eu assino a produção da música e contei com apoio dos amigos e músicos Paulinho de Jesus, Cássio Soares, Rafael Virgulino.” Zé Geraldo

SÓ ENTRA NA MISSA DE AZUL E AMARELO

Zé Geraldo, todo fã sabe, é apaixonado por futebol e um dos beneméritos do Spartano Futebol Clube, equipe amadora de Rodeiro com mais de 90 anos e muito tradicional na Zona da Mata Mineira. Veste azul e amarelo, tem estádio próprio, o Alfredo Nicolato, e uma torcida entusiasmada entre os, com muito esforço na contagem, 8 mil habitantes; aos domingos, contam, se houver jogo do Spartano na cidade, o padre não deixa fiel entrar na igreja se não estiver vestindo roupas com as cores da equipe. O nome do clube é uma referência aos guerreiros de uma das cidades mais antigas da humanidade Esparta, da Grécia. O Spartano também tem expressiva carteira de sócios e dependendo de quem enfrenta em casa, o público supera as médias de todos os times do interior do Campeonato Mineiro.

Quando escrevíamos esta atualização, o Spartano estava disputando a 8ª Copa dos Campeões Regionais (Champions LEC) e ocupava a segunda colocação do grupo C, com 6 pontos ganhos, metade dos 12 do líder, Pombense, tricolor de Rio Pomba, após quatro rodadas. O onze rodeirense vinha de vitória fora de casa por 2×0 sobre o União Esporte Clube, de Piraúba (MG); na classificação geral aparecia em sétimo.

A Champions LEC é rivalizada e acirrada competição que reúne 16 times da Zona da Mata mineira e da porção Noroeste do estado do Rio de Janeiro, divididas em quatro grupos de 4. É  promovida pela Liga Esportiva de Cataguases (LEC), munícipio a cerca de 40 quilômetros do berço de Zé Geraldo. A sequência do torneio para o Spartano marcava para o domingo, 22 de maio, um jogo no qual o bicho deverá pegar: o clássico contra o Pombense, a partir das 16 horas, no alçapão do Alfredo Nicolato. Detalhe: o ingresso custava 15 paus, antecipado (20 pilas para o dia do duelo). E a carga de cerca de 3 mil entradas já estava quase esgotada!

CAMPEÃO BRASILEIRO, SEM GOLEIRO

O futebol também é tema do causo que o Barulho d’água Música pinçou do livro e que, pedindo licença do espoiler ao autor, compartilharemos abaixo:

Numa das idas à casa do Zé Geraldo, na Serra da Cantareira [em São Paulo], levei como presente um quadro que preparei com muito carinho, do Santos Futebol Clube, seu time do coração, campeão brasileiro de 1962”, escreveu Cechinel em “3. Meu presente ao Zé bateu na trave”. “Inseri sua foto entre a dos jogadores e ficou um quadro muito bacana, conforme a foto abaixo. O Zé olhou e disse: ‘Bicho, gostei, mas você inventou um time novo. Sem goleiro, uai…’”

O arqueiro esquecido por Cechinel era ninguém menos que Gylmar dos Santos Neves, o Gilmar, campeão mundial de 1958 e 1962 pelo Brasil.

O fac-símile do quadro que Cechinel criou para Zé Geraldo (página 69 do livro) não está lá estas coisas, mas dá para ver que o camisa 7 santista foi companheiro de Zito, Coutinho, Pelé e Pepé na volta olímpica..

Ouça entrevista de Valdir Cechinel Filho sobre o livro:

https://radiomarconi.net/2022/02/14/livro-narra-a-trajetoria-do-cantor-e-compositor-ze-geraldo/

Leia mais sobre Zé Geraldo ou conteúdos a ele relacionados aqui no Barulho d’água Música ao clicar no link abaixo:

https://barulhodeagua.com/tag/ze-geraldo/

1535 – Barulho d´água Música recebe Moção de Congratulações da Câmara Municipal de São Roque (SP)

Proposta apresentada pelo vereador Clóvis da Farmácia — que também é músico trompetista da primeira banda de uma instituição universitária formada no país —  recebeu 100% de aprovação, sem nenhum voto contrário

O Barulho d’água Música está em regozijo! Prestes a completar em junho mais um ano de atividades, o blogue recebeu na Câmara Municipal da Estância Turística de São Roque, no Interior de São Paulo, a Moção de Congratulações 172/022 em homenagem justamente ao oitavo aniversário. A proposta, apresentada pelo vereador Clóvis da Farmácia (Podemos), obteve os 14 votos favoráveis possíveis da Egrégia Casa de Leis, ou seja, foi aprovada por unanimidade entre os demais vereadores. Encerrada a votação na noite da segunda-feira, 16, o jornalista e responsável pelo blogue Marcelino Lima, chamado ao plenário, recebeu o diploma equivalente à distinção das mãos do proponente; Clóvis da Farmácia integra a primeira banda formada por uma escola de curso universitário do país (pelo campus UniSant’anna da Capital) e sob regência do maestro Fábio Carneiro toca trombone entre outros instrumentos de sopro. É, ainda, apoiador de primeira linha de várias manifestações culturais tanto em São Roque, quanto em outras cidades limítrofes.

Estendo este agradecimento pela Moção de Congratulações aos inúmeros amigos que têm nos apoiado e incentivado nesta caminhada, em especial ao Instituto Çare e seus coordenadores e integrantes na pessoa da antropóloga e produtora cultural Marcela Bertelli, pela qual cumprimento à escultora Elisa Bracher, e aos agentes da comunidade musical a quem dedicamos nossa cobertura e nos ajuda como Ivan Vilela, Jair Marcatti, Rodolfo Zanke, Beto Priviero, Moisés Santana, Cristina Aguilera, Eliane Verbena, Chiara Carvalho, Graciela Binaghi, Rafael Bittencourt, Paula Corrêa, Picuá Produções, Juá Cultural, Gustavo Guimarães, Gustavo Ribeiro de Vasconcelos, Rádio Sudeste, Cervejaria Zuraffa, Daniel Kersys, Yuri Garfunkel, Ana Lúcia Fernandes, Elisa Espíndola, Thiago Ribeiro, Babu Baia e minha “policial má”, agora advogada aprovada na Ordem dos Advogados do Brasil, Andreia Beillo.  

Abaixo segue o texto lido pela Mesa da Câmara antes da aprovação da Moção de Congratulações, que reconhece e valoriza o trabalho que vem sendo prestado desde junho de 2014 pelo Barulho d’água Música:

O Barulho d’água Música completará oito anos de atividades ininterruptas em junho. É um veículo digital de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular, instrumental e de raiz que estão fora da mídia ou que raras vezes recebem atenção dos canais comerciais. Neste período já publicou mais de 1.500 matérias inéditas, das quais apenas duas não foram redigidas ou editadas por Marcelino Lima.

Momento da entrega no plenário da Câmara de São Roque, pelo vereador Clóvis da Farmácia, da Moção de Congratulações ao blogue Barulho d’água Música, distinção recebida pelo blogueiro Marcelino Lima (Foto :André Prado)

 

“Marcelino Lima é jornalista formado pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, com especialização em Teoria do Jornalismo e Jornalismo Impresso pela Fundação Cásper Líbero (SP). Natural de Bela Vista do Paraíso (PR), desde novembro de 2017 reside em São Roque. Ingressou na carreira há 40 anos, tempo em que trabalha como repórter, revisor, e editor ou assessor de imprensa com passagens por vários jornais, revistas, entidades como o Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região, a Câmara Municipal de Osasco e Prefeituras Municipais como a de Osasco e de Jandira; em 2020, integrou a equipe de comunicação que ajudou a eleger Dany Floresti (PSD) prefeito da vizinha Pirapora do Bom Jesus.

Os textos do Barulho d’água Música são elaborados com independência, de maneira autônoma. Exigem amplo trabalho de pesquisas que podem levar vários dias, além de viagens, coberturas de shows e de eventos e audição de discos. Tudo é feito com muita dedicação e profissionalismo, de maneira espontânea – ou seja, nada é cobrado para a divulgação de matérias. Seguido em vários países, em todas as partes do mundo, é integralmente produzido de acordo com os mais rigorosos parâmetros do Jornalismo profissional. Preserva a memória musical do país, colabora para a criação de um novo público, e ajuda a revelar inúmeros talentos da música brasileira, sendo para muitos destes valiosos artistas o primeiro e único veículo a dar espaço para seus projetos e trabalhos. Em 2018 e em 2019 foi finalista do Prêmio Profissionais da Música (PPM), na categoria Canais de Divulgação da Música.”

 

1534- Giancarlo (RS/MG) lança em Brumadinho Por Onde Vamos, segundo álbum da carreira, já disponível no formato digital

#MPB #MúsicaGaúcha #Moeda(MG) #Herval(RS) #CulturaPopular

O músico e cantautor Giancarlo Borba está lançando hoje, 14 de maio, o segundo álbum autoral da carreira, Por Onde Vamos, com canções que propõe reflexões sobre as crises sociais, políticas e ambientais. A apresentação está marcada para a cidade de Brumadinho (MG) e coincide com a chegada do disco às plataformas digitais pela distribuidora QUAE. Giancarlo Borba terá a companhia de músicos convidados e líderes indígenas e a renda da bilheteria será revertida para o apoio às retomadas indígenas Kamakã Mongoió e Xucuru Kariri na região. Com produção musical assinada pelo cantautor e direção artística de Sol Bueno, Por Onde Vamos traz provocações de um lugar no presente que reflete sobre quais caminhos a humanidade quer prosseguir. Se ainda não sabemos de um mapa ou ponto de chegada que contemple o pleno respeito à vida, no perguntar-se para onde ir pode habitar a poética de sonhar utopias que caminham. E talvez aí more o sonho do cantador: cantar utopias que caminham pode ser força e movimento para que corpos e vidas possam ser bom de bem viver e esperançar.

Continuar lendo

1532 – Samba de Bumbo, tradição nascida em Pirapora do Bom Jesus (SP), será destaque durante III Festival Cidade Musical

#MPB #SambadeBumbo #SambaPaulista #SambadeRosa #SambadeLenço #SambadeUmbigada #SambaCampineiro #Tambu #PiraporadoBomJesus #TurismoReligioso #EsportesRadicais #CulturaPopular

Berço do Samba de Bumbo entre outras manifestações populares e da fé, a cidade de Pirapora do Bom Jesus, situada na Grande São Paulo a cerca de 60 quilômetros da Capital paulista, está gradativamente retomando suas atividades após o período mais crítico da pandemia de Covid-19. Fundada em 6 de agosto de 1725, hoje sob administração desde o começo do ano passado do prefeito Dany Floresti (PSD), Pirapora do Bom Jesus é conhecida, ainda, por atrativos naturais, o que leva ao município não apenas romeiros de várias partes do país que lá pagam promessas e renovam suas crenças em um ambiente de elevada espiritualidade, mas turistas e amantes de esportes de aventura ou radicais, de um modo geral. Floresti tem divulgado que em seu mandato desenvolverá uma gestão que não apenas possibilite atender às reais necessidades dos moradores, mas, para além desta meta, resgatar e potencializar eventos que tanto atendam aos costumes e às demandas locais, quanto integrem e encantem o visitante, oferecendo-lhes eventos e festejos dentro ou fora do calendário oficial municipal que revelem os potenciais que a cidade guarda – estratégia que deverá possibilitar, por exemplo, ao romeiro e aos seus acompanhantes ou mesmo àqueles só de passagem para uma saudável pedalada, desfrutarem por mais tempo (além do compromisso religioso ou de um rápido passeio) da hospitalidade com ares de Interior e das diversas tradições piraporanos nos mais diversos setores, do religioso ao gastronômico e aos esportivos e/ou culturais.

Continuar lendo

1531 – Matheus Pezzotta mergulha na própria ancestralidade quilombola em espetáculo cênico musical em São Roque (SP)*

#MPB #SambadeBumbo #Jongo #Congadas #Capoeira #CulturaPopular #ArtesCênicas #QuilombodoCarmo #ResistênciaQuilombola #ArteNegra #EstânciaTurísticadeSãoRoque

*Com Samantha Zucas

O palco do projeto social Quilombo do Carmo, localizado na Estância Turística paulista de São Roque, na região de Sorocaba, estará reservado a partir das 17 horas do domingo, 15 de maio, para a apresentação com entrada franca, por meio da Divisão de Cultura da Prefeitura de São Roque, do espetáculo cênico musical Descendente, produção que, recentemente, esteve em turnê pela Bahia e narra experiências identitárias negras do artista local Matheus Pezzotta em contato com sua descendência quilombola por meio de uma das tataravós, dona Izabel do Carmo, cuja família calcula que tenha nascido entre 1850 e 1860 e de cujo sobrenome deriva o nome do bairro são-roquense. De acordo com o texto de divulgação da produção, movido pela investigação sobre memórias e reminiscências musicais no Quilombo do Carmo, Pezzotta remontou e busca reafirmar a presença negra e quilombola no Sudeste do Brasil, oferecendo ao público uma experiência artística atravessada por vozes negras; sonoridades afro-diaspóricas, como Samba de Bumbo, Jongo, Congadas e Capoeira; e a visualidade da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Descendente ainda remonta cenários históricos, geográficos e musicais e percorre paralelos entre a descendência de Pezzotta, o Quilombo do Carmo e episódios históricos silenciados, como a Insurreição Negra de 1854, liderada pelo Ngangá sorocabano José Cabinda.

Continuar lendo

1528- Cantigas de andar, novo álbum de Osni Ribeiro (SP), reúne memórias, histórias do autor e crônicas do seu tempo e lugar

#MPB #MúsicaCaipira #MúsicadeViola #CulturaCaipira #CulturaPopular #Botucatu #DandôCircuitodeMúsicaDércioMarques

* Com Mercedes Cumaru

As andanças do cantador, compositor e violeiro Osni Ribeiro por diversos palcos Brasil afora serviram de inspiração para a gravação deste mais recente álbum de sua discografia, Cantigas de Andar, já disponível nas plataformas digitais, Partindo da emblemática Botucatu, onde nasceu e reside, Osni Dias contou que “dos encontros e rodas musicais nas cidades por onde passei e mesmo nos caminhos virtuais que desbravamos durante a pandemia [da Covid-19] surgiram novas canções, muitas delas parcerias inéditas. O ‘andar’ artístico continuou e até ampliou-se em formato online. Assim, o álbum revisita essas passagens e apresenta os frutos dessas interações”. O nome Cantigas de Andar faz referência ao conceito do Dandô – Circuito de Música Dércio Marques, projeto coletivo que também ‘anda’ pelo Brasil impulsionando a circulação de shows. “Faço parte do circuito desde 2018 e isso permitiu maior capilaridade para os meus trabalhos autorais, proporcionando interações com plateias e artistas de muitas e diferentes localidades e linguagens”, observou Ribeiro.

O repertório do novo disco incorpora ao trabalho autoral de Osni Ribeiro os traços e as influências de seus parceiros musicais que, da mesma forma, protagonizam, defendem e mantêm vivas as características das tradições culturais e propõem um novo diálogo com a atualidade. Na composição utilizo elementos de nossas raízes culturais e uma linguagem musical que proporciona às plateias a proximidade com um universo que muitas vezes é pintado com cores que não condizem com a realidade e com a história de nossa cultura”, ponderou.

Assim, para Osni Ribeiro, Cantigas de Andar procura ressignificar o movimento da música que flui dos interiores para as metrópoles e carrega na sua essência elementos de ligação e afetividade entre os grandes centros urbanos, as pequenas cidades e o campo. Apresenta novas perspectivas musicais a partir dos regionalismos diversos que sobrevivem dentro de uma nação continental e que necessitam de cuidados com suas matrizes culturais, de reconhecimento e do fortalecimento da sua identidade. É asica caipira, regional, que nos dá a oportunidade de sabermos quem somos e de onde viemos. Cuidar das raízes, sempre, mas sem perder de vista os brotos, flores e frutos, naturais do cultivar, inerentes à dinâmica da cultura, reforçou 

Cantigas de Andar reúne 13 canções assinadas por Osni Ribeiro e parceiros de composições, dos mais recorrentes aos novos, em todas as faixas, o que ampliou consideravelmente os sotaques, as linguagens e as temáticas musicais do disco. Pela ordem de execução, ela são:

1.Rio Acima, Rio Abaixo – Feita com Fernando Vasques, conterrâneo de Botucatu;
2.Porte de Almas Parceria tripla com Vasques e com o mineiro Marcelo Taynara;
3.Rio Amargo – Novamente tripla parceria, desta vez com os poetas mineiros
Paulo Nunes e Juca da Angélica (in memoriam);
4.Nada é Casual– Composição de estreia do escritor Joel Emídio da Silva (SP)
na criação musical;
5.Manhã Violeira – Composta com Bernardo Pellegrini, de Londrina (PR);
6. Milonga Pra Cuidar Da Alma – Milonga caipira com sotaque gaúcho de
Rodrigo Rocha, de Encruzilhada do Sul;


Disponível em todas as plataformas digitais e em https://tratore.ffm.to/cantigasdeandar


7.Estações – Trabalho compartilhado com Alexandre Lemos, compositor
carioca consagrado com músicas gravadas por Renato Teixeira e Ney Matogrosso;
8.Dança de Nhanderu – Com o parceiro mais recorrente, premiado poeta e
escritor Marco Cremasco;
9.Viagem de Folia– Com o poeta mineiro Paulo Nunes;
10.Tanto Trem – Com o jornalista, pesquisador, escritor e poeta Sérgio Santa Rosa;
11.Simples Assim – Parceria com o companheiro de cantorias e vizinho de  Botucatu Cláudio Lacerda;
12.O Pó da Rabiola – Parceria inédita com o pernambucano Tavinho Limma, radicado em Ilha Solteira (SP) e amigo de festivais há mais de 30 anos;
13.Viola Que Chora – Com o poeta mineiro radicado em Brasília Edimar Silva

O TRADICIONAL E O CONTEMPORÂNEO COMO BROA E CAFEZINHO

Nascido em Botucatu, no interior de São Paulo, Osni Ribeiro começou sua trajetória musical em 1981 cantando música caipira com o parceiro José Lira. Em 1986, já em carreira solo, passou a se apresentar em casas noturnas e projetos alternativos. Rodou São Paulo, Minas Gerais e Paraná participando de festivais de MPB, um deles, o Festival de Música e de Poesia de Paranavaí (PR), o Femupo, onde e quando nos tornamos amigos em 1997 e ano no qual passou a desenvolver trabalhos de pesquisa e composição baseado na música do interior de São Paulo com influência rítmica e temática da música caipira.

Em 2018, integrou a coletânea Viola Paulista I lançada pelo selo SESC/SP, com curadoria de Ivan Vilela. Fez parte de montagens musicais como Mazzaropi, o Carlitos Caipira, Sobre Trilhos e Canções, No Coração do Brasil tributo à Tonico e Tinoco e SP CaipiraCriou, dirige e apresenta a série virtual Manhã Violeira, programa de entrevista expoentes e emergentes da cena da viola, da música e da cultura caipira. Entre as temáticas de destaque presentes em seu trabalho estão a valorização e difusão da música caipira de raiz, a viola e o constante diálogo entre o tradicional e o contemporâneo na música brasileira.  A discografia inclui Osni Ribeiro” (1994), Bebericando (1996), Arredores (2018) e, agora, Cantigas de Andar, disponível em todas as plataformas virtuais). Rabiola, primeiro álbum de viola integralmente instrumental está em fase de preparação.

Leia mais sobre Osni Ribeiro ou conteúdos a ele relacionados aqui no Barulho d’água Música em:

https://barulhodeagua.com/tag/osni-ribeiro/