1597- Blas Rivera, Chico Lobo e Ricardo Gomes lançam Vertentes, mais um álbum da eclética grife Kuarup

#MPB #MusicaInstrumental #Jazz #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #Córdoba #BeloHorizonte #SãoJoãoDelRei #MinasGerais #Argentina #Portugal #EncontrodeViolasdeArame

Já disponível nas plataformas digitais, disco instrumental de composições autorais e clássicos da MPB forma caldeirão de sons e arranjos

Águas que transbordam, jorram, vertem pelas encostas, pelos declives. Assim três artistas com suas histórias, seus instrumentos, suas raízes e seus estilos formam, cada um, uma nascente de águas musicais que, ao escorrer, gera riachos de arranjos e de sons e dá vida a um rio fértil, de leito profundo. Essa é a descrição que mais bem pode definir o encontro de Chico Lobo (mineiro, natural de São João Del Rei), com Blas Rivera (natural de Córdoba, Argentina, radicado na cidade do Rio de Janeiro) e Ricardo Gomes (mineiro, de Belo Horizonte), um “power trio” universal que une viola caipira, sax e piano, e baixo elétrico, respectivamente. Formação inusitada, o talento do triunvirato ganhou liga e força com a presença do produtor musical Sérgio Lima Netto e resultou em Vertentes, disco gravado em parte no Estúdio Araras (encravado nas montanhas da região serrana da capital fluminense) e parte no estúdio RG, em Belo Horizonte) que apresenta composições de Rivera e de Chico Lobo mescladas a releituras de clássicos nacionais. São sons que têm raízes nas milongas argentinas, nos toques mágicos da viola dos sertões de Guimarães Rosa e também passam pela linha jazzística da fina flor da música popular brasileira e constituem o eclético mosaico de mais um ótimo disco lançado e distribuído pela Produtora e Gravadora Kuarup, estabelecida na cidade de São Paulo .

Vertentes é um caldeirão de músicas instrumentais e arranjos que emociona. Milonga Sudaca, Vazante, Réquiem, Agreste, O Mundo é Um Moinho vão se misturando às demais faixas executadas com a precisão comum aos três artistas. Cada qual com seu estilo, eles se juntaram e conseguiram produzir tons de cores sonoras mais quentes em músicas instrumentais que deslizam de forma leve. E os ouvintes ainda são brindados com as participações especiais de Walther Castro (bandoneon) e do inglês David Chew, ao violoncelo. O resultado é mesmo belíssimo, com alma tanto regional, quanto universal, tradicional e contemporânea.

1) Milonga Sudaca é uma composição de Blas Rivera, que tem forte rítmica e execução, reforçada pela participação de Walther Castro ao bandoneon, junção que confere ao álbum um início vigoroso;

2) Vazante: um dos principais temas instrumentais de Chico Lobo e que simboliza a vida, pois a vazante ocorre quando há cheia nos rios e formam-se lagoas adjacentes, nas quais os peixes procriam e a terra se torna mais fértil para o plantio;

3- Ave Maria no morro: um dos maiores sucessos do compositor e cantor Herivelto Martins em Vertentes ganhou versão inédita e inusitada, releitura que permitiu o encontro poético entre sax, viola caipira e baixo, um conjunto perfeito para emocionar e homenagear a música popular brasileira;

4- Córdoba: composição de Chico Lobo para o álbum, esta música homenageia a cidade natal de Blas Rivera. Com ares de guarânia e de milonga, nasceu a partir da vivência do violeiro mineiro com a música da América do Sul e de sua aproximação com o argentino. O baixo bem marcado de Ricardo Gomes contribui para criar o belo chão para o diálogo afinado entre viola caipira e sax;

5- Réquiem: Blas Rivera compôs para Osvaldo Bayer, querido, admirado, respeitado historiador, jornalista, pesquisador e escritor. O réquiem é uma missa com música e texto que celebra a memória de um falecido, mas aqui não existe luto, só emoção. Réquiem tem ritmo de milonga. Embora seja para a memória de Dom Osvaldo, mais que tudo, tem a intenção de fazer muito barulho para ele voltar, acordar ao invés de descansar! Por isso Rivera optou pela Milonga, não pelo Sanctus;

6- O mundo é um moinho é uma das mais clássicas composições do mestre carioca Cartola, apontado como o maior sambista que o Brasil já conheceu e ganha agora versão instrumental, com levada de jazz;

7- Alma perdida: balada em ritmo de zamba, uma dança (danza) folclórica argentina, composta por Rivera para recordar um ser querido. O lamento é completamente acolhido pelo trio para poder assim passear junto a uma alma que se foi;

8- Luar do sertão: joia de Catulo da Paixão Cearense vertida para violas e baixo que promove um diálogo de cordas em tributo ao sertão brasileiro;

9- Até a sua volta: mais uma música de Rivera, especialmente para o violoncelista inglês David Chew. No álbum promove conversa mágica entre os quatro instrumentos; além do ritmo, do tempo, do espaço e dos limites formais do som;

10- Agreste: assinada por Chico Lobo em uma de suas idas a Portugal. Ao ver o Alentejo amarelo seco, o mineiro fez um contraponto com o agreste brasileiro. É um tema dramático, que flerta com a música armorial nordestina.

Argentino de Córdoba, as origens de Rivera misturam ainda raízes francesas, italianas e espanholas e, atualmente, o multi-instrumentista mora na cidade do Rio de Janeiro (Foto: Arquivo do Facebook de Rivera)

Blas Rivera é saxofonista, pianista, compositor e arranjador nascido em Córdoba, na Argentina, cidade na qual estudou piano, sax e composição. Rivera cresceu sob a influência do rock e da música clássica, mas se apaixonou pelo jazz e pela bossa nova. Nos Estados Unidos da América estudou jazz, música para cinema e música étnica como aluno do conceituado Berklee College of Music e também no New England Conservatory. Depois de viver durante 15 anos no Brasil, mudou-se para a Espanha, mas já regressou ao nosso país.

As origens de Rivera misturam raízes francesas, italianas e espanholas. O multi-instrumentista levou seu tango-jazz por todo o continente americano, além da Nova Zelândia, da Indonésia e por vários países da Europa tais quais: França, Alemanha, Dinamarca, Inglaterra, Itália, Espanha, Grécia, Islândia e Suíça, onde, em 1999, foi reconhecido como músico revelação no Festival de Jazz de Montreux. Desde então já lançou oito álbuns, o mais recente em 2018, Jaque Mate, produzido entre as cidades do Rio de Janeiro, Buenos Aires, Córdoba, Madrid e Paris.

Suas apresentações variam desde solo (em sax tenor e piano), a duetos, passando por trios, quartetos (inclusive de cordas), quintetos e orquestra de cordas, entre outras formações. Rivera sempre turbina suas turnês com seminários e workshops não só para instrumentistas e compositores, mas também para bailarinos e coreógrafos. Na capital fluminense participa de projetos sociais de musicalização para jovens de comunidades carentes; já dividiu o palco com mestres como Fernando Suarez Paz e Pablo Ziegler, músicos do Quinteto de Astor Piazzolla, Paulo Moura, Marcos Suzano, Yamandu Costa, David Chew, Vitor Biglione e Carmen Paris, entre outros.

Apresentador de televisão, de rádio, produtor musical, escritor, cantor, o violeiro inquieto faz com que sua obra torne a aldeia global mais caipira (Foto: Ricardo Gomes)

Chico Lobo é natural de São João Del Rey e já completou mais de 40 anos de carreira. É considerado pela crítica um dos artistas mais atuantes no cenário nacional pela divulgação e valorização da cultura de raiz brasileira. Com 27 discos, dois DVDs e um livro lançados protagoniza shows por todo o Brasil e já encantou plateias em Portugal, Itália, China, Canadá, Argentina, Chile, Colômbia cantando suas raízes, mas sempre conectado à contemporaneidade.

Folias, catiras, modas, batuques, causos e toques de viola desfilam com alegria em seus concertos. Chico Lobo é tetracampeão (2015, 2016, 2017 e 2021) do Prêmio Profissionais da Música (PPM) como Melhor Artista Regional, troféus que recebeu em Brasília (DF). O violeiro mantém na cidade natal o Instituto Chico Lobo e por meio dele desenvolve projetos de ensino de viola e da cultura raiz para crianças das zonas rurais.

Desde 2006, Chico Lobo mantém relação artística com Portugal por meio do Encontro de Violas de Arame, em parceria com o músico e parceiro português Pedro Mestre, representante maior da viola campaniça da região do Alentejo. Esses encontros geraram o álbum Encontro de Violas e o DVD De Minas ao Alentejo e deu vida ao congraçamento de um projeto que caminha para o 11° Encontro de Violas de Arame. Chico Lobo já trouxe duas edições presenciais ao Brasil, além de uma virtual, fortalecendo a amizade e a partilha pelas cordas da viola que unem Brasil e Portugal. Em 2015 Maria Bethânia escolheu Criação, de autoria de Lobo, para compor o repertório do show e do DVD Abraçar e Agradecer, em comemoração aos 50 anos de sua carreira. Depois Bethânia gravou participação no álbum Viola de Mutirão, no qual canta a moda de viola Maria, que Chico Lobo fez em homenagem à baiana. Apresentador de televisão, de rádio, produtor musical, escritor, cantor, o violeiro inquieto faz com que sua obra torne a aldeia global mais caipira.

Autodidata e amante de MPB e jazz , Ricardo Gomes estreou na cena musical, em Belo Horizonte, há 30 anos (Foto: Ayra Mendes)

Ricardo Gomes é produtor musical e baixista de carreira e está em atividade desde 1992. Iniciou a carreira tocando em casas noturnas de Belo Horizonte, acompanhando cantores sertanejos e de música popular brasileira. Autodidata, sempre curtiu jazz e música brasileira até que em 1992 estreou no mercado de produções e gravações atuando em centenas de criações de músicas. Já trabalhou como produtor para Chico Lobo, Luiz Carlos Sá (parceiro de Guarabyra), Luís Kiari, Marcelo Kamargo e João de Ana, entre outros. Atualmente, mantém o Estúdio RG na capital mineira.

Especializada em música brasileira de alta qualidade, o acervo da Kuarup, que está prestes a alcançar a marca de 45 anos no mercado, concentra a maior coleção de Villa-Lobos em catálogo no país, além dos principais e mais importantes trabalhos de choro, música nordestina, caipira e sertaneja, MPB, samba e música instrumental em geral. Em seus discos pode-se encontrar o melhor de Baden Powell, Renato Teixeira, Ney Matogrosso, Wagner Tiso, Rolando Boldrin, Paulo Moura, Raphael Rabello, Geraldo Azevedo, Vital Farias, Elomar, Pena Branca & Xavantinho e Arthur Moreira Lima, entre outros.

1579 – FAAP (SP) terá a partir de 6 de outubro temporada de musical em homenagem a Dominguinhos

#MPB #MúsicaNordestina #Garanhuns #Recife #Pernambuco #FAAP #Faap #ViolaNordestina #ViolaDinâmica #CulturaPopular

A entrada estará bem salgada para os padrões socioeconômicos e financeiros da maioria, hoje, aqui destes tristes trópicos e, vamos combinar? mesmo para um espetáculo que, indubitavelmente, deverá ter muita qualidade – a julgar pela competência dos idealizadores e diretores e dos envolvidos com a produção, ou seja, a galera que a fará acontecer no palco, em homenagem ao ícone da nossa cultura popular que a inspirou. Então se você, amigo e seguidor, tiver 120 mangos disponíveis na carteira ou no banco, não pense duas vezes, e, se der, abstraia as demais despesas como, por exemplo, estacionamento, transporte etc: invista-os na entrada para assistir ao menos uma das sessões de Dominguinhos: Isso Aqui Tá Bom Demais. Muito mais do que contar de forma linear e cronológica a história de Dominguinhos, a montagem dramatúrgica explora a combinação entre o documental e o poético. A temporada vai começar em 6 de outubro e seguirá em cartaz até 27 de novembro, no Teatro da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), que fica em Higienópolis, bairro da capital paulistana.

Continuar lendo

1576 – Em mais um concerto para marcar seus 20 anos, Orquestra Filarmônica de Violas (SP) recebe em Jundiaí Toninho Ferragutti

#MPB #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #Guitar #MusicaCaipira #ViolaCaipiraInstrumental #CulturaPopular #Campinas #Piracicaba #Jundiaí #TeatroPolytheama

A Orquestra Filarmônica de Violas (OFV), estabelecida em Campinas (SP), já com 21 anos de atuação e três álbuns gravados, foi contemplada pelo Programa de Ação Cultural (ProAc) da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo para promover três concertos comemorativos às duas primeiras décadas de contribuições à cultura popular. A série de apresentações passou por Campinas em 24 de agosto, quando contou com a participação do compositor, pesquisador, professor e violeiro Ivan Vilela, idealizador da OFV; em 26 de agosto, em Piracicaba, a convidada para a segunda rodada foi Ana Luiza, poeta, cantora e compositora. Para a noite de 30 de setembro, a atração que estará ao lado dos 14 músicos atualmente regidos por João Paulo Amaral será o acordeonista Toninho Ferragutti, no palco do Teatro Polytheama, em Jundiaí.

Continuar lendo

1572 – V Festival Pedra Branca de Violas e Sonhos reúne 20 atrações em Caldas (MG)

#MPB #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #Violade10Cordas #CapelaSantaBárbara #Caldas(MG) #PocinhosdoRioVerde #SerradaPedraBranca #MinasGerais #Pernambuco #CulturaPopular

Apresentações estão programas para o período de 9 a 11/9, com entrada franca

Com Rafael Melo: (35) 98403-7068

A Capela Santa Bárbara, situada no bairro rural Pedra Branca da cidade de Caldas, no Sul de Minas Gerais, abrigará o V Festival Pedra Branca de Violas e Sonhos, evento que oferecerá com entrada franca 20 atrações musicais, entre 9 e 11 de setembro. A proposta do festival é valorizar a cultura popular, as tradições regionais e sensibilizar o público para cuidar da natureza, de modo particular, da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Pedra Branca. Luis Perequê abrirá os trabalhos no primeiro dia, a partir das 19 horas, seguido por Iúna e A Montanha Que Chora. Para o encerramento, os organizadores convidaram Adiel Luna, cantador e repentista pernambucano.

A Capela Santa Bárbara fica a cerca de 10 quilômetros do centro de Caldas, em direção a Pocinhos do Rio Verde (Foto: Prefeitura Municipal de Caldas)

Continuar lendo

1564 – O livro do desassossegado: Letícia Bertelli revisita trajetória do cantor e compositor Dércio Marques (MG)

#MPB #MúsicaLatinoAmericana #MúsicaIberoAmericana #CulturaPopular #InsitutoÇare 

Estudo que sai pelo Instituto Çare (SP) resgata potência da obra e atualidade do pensamento do cantador, compositor e pesquisador que a mídia e a cultura de massas negligenciam, mas que revelou ao mundo a força e as tradições anticolonialistas latino-americanas

Autor de uma obra que espelha a riqueza multicultural da música, Dércio Marques dedicou sua carreira a pesquisar as raízes musicais ibero-americanas e a pensar a cultura popular como forma de ação social. Cantador, compositor, agregador, Dércio produziu talentos como Elomar e Diana Pequeno e tornou-se elo entre o Brasil e os movimentos musicais latino-americanos de resistência política a partir dos anos 1960. Dércio Marques: da Latinoamérica ao Brasil de dentro, livro da artista e pesquisadora Letícia Bertelli, que o Instituto Çarê, situado na cidade de São Paulo, lançará na sexta-feira, 19 de agosto, resgata a potência singular de um ícone apagado pela crítica canônica – e ilumina a atualidade de um pensamento que valoriza o legado musical autóctone do continente e o papel social da cultura. A noite de autógrafos começará às 18 horas. 

Continuar lendo

1560-Grupo Raízes de Atibaia (SP) lança álbum comemorativo aos dez anos de estrada em defesa da cultura caipira

#MPB #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #Atibaia #EstânciaTurísticadeAtibaia #CulturaPopular 

O Grupo Raízes de Atibaia lançará no sábado, 30 de julho, o segundo álbum da trajetória que marca já dez anos de estrada. O disco é totalmente autoral e reafirma o compromisso dos músicos de promover a defesa da música e da cultura caipiras que são traços identitários da aprazível cidade localizada no Interior de São Paulo a 66 quilômetros da Capital. Nesta década de trabalho, o Raízes de Atibaia foi premiado como Ponto de Cultura em 2018 pelo então Ministério da Cultura em reconhecimento dos seus esforços pela causa. O disco tem 10 faixas e seu concerto de lançamento será no Cine Itá Cultural em 30 de julho, a partir das 20 horas, sem cobrança de ingresso. O endereço é Rua Visconde do Rio Branco, 51, Centro,

O álbum foi gravado com recursos próprios do grupo e apoio da Prefeitura de Atibaia. A capa é assinada por Yuri Sopa.

Continuar lendo

1558 – Almir Sater (MS) abre série de concertos da volta do RevelandoSP ao Parque da Água Branca, em São Paulo

#RevelandoSP #MPB #MúsicaLatinoAmericana #Gastronomia #Artesanato #FoliadeReis #Congada #Catira #ViolaCaipira #Jongo #Batuques #AmigosdaArteSP #JuntosPelaCultura2022 #CulturaPopular

O festival de cultura tradicional e economia criativa paulista RevelandoSP voltará a ser aberto ao público. Entre a quarta-feira, 20, e o domingo, 24 de julho, o Parque da Água Branca, situado no bairro homônimo da zona Oeste da cidade de São Paulo, sediará o evento realizado desde 1997 pelo Governo do Estado de São Paulo e gerido pela empresa Amigos da Arte desde 2017. O RevelandoSP oferece sem cobranças de ingresso atrações gastronômicas, de artesanato e manifestações culturais populares tais como folia de reis, congada, catira, viola caipira, jongo e batuques vindas de todo o Estado. O cantor e compositor Almir Sater (MS) é o convidado para o concerto de abertura, marcado para começar às 19 horas. Para o encerramento, no mesmo horário, os organizadores destacaram o cantor, compositor e apresentador Rolando Boldrin. O Sr.Brasil subirá ao palco acompanhado do Trio Gato Com Fome.

Continuar lendo

1553 – Mônica Salmaso e Dori Caymmi lançam Canto Sedutor, álbum com a profundidade do Brasil plural

#MPB #ViolaBrasileira #Xilogravura #CulturaPopular

 Os cantores e intérpretes Dori Caymmi e Mônica Salmaso, duas das vozes mais consagradas do país, acabam de lançar Canto Sedutor, álbum do selo Biscoito Fino que faz jus ao sugestivo nome da gravadora. Teco Cardoso está à frente como produtor do projeto (que reúne 14 composições de autoria de Dori e do inseparável parceiro dele, Paulo César Pinheiro) e, além de tocar flauta, convidou para também entrarem no estúdio Tiago Costa (piano), Sidiel Vieira (baixo acústico), Neymar Dias (viola caipira), Lulinha Alencar (acordeon), Bré Rosário (percussão) e o Duo Imaginário, formado por Adriana Holtz e Vana Bock (cellos); o disco conta ainda com a participação da Saint Petersburg Studio Orchestra e Caymmi nos arranjos de base e nas cordas do violão.

E por falar em cordas, antes de prosseguir, vale aqui um destaque: todo o time convocado por Cardoso é afinadíssimo. Lulinha Alencar e Neymar Dias, por exemplo, tocaram com Mônica em Caipira, portanto, eles estão entrosados, há tempos. Mas ah, a viola de Neymar! Só ela tem um toque inconfundível, personalíssimo, fala por si. Como no antigo programa Qual é a Música, basta uma nota para saber: é ele quem tange o instrumento, dá sotaque de roça e ao mesmo tempo clássico às faixas. E cá entre nós, que os demais me deem licença para a deferência, pois aqui a opinião é pessoal: Neymar Dias tem nome de craque, mas como não é soberbo como o xará, confere ainda maior excelência a Canto Sedutor, do início ao fim do novelo!

Continuar lendo

1552 – Deo Lopes e Victor Mendes se unem e lançam pela Kuarup disco em parceria com canções inéditas

 Álbum Concerto Sentido  está disponível nas plataformas digitais e em cedê traz a obra do poeta do interior de São Paulo

Deo Lopes e Victor Mendes apresentam o disco Concerto Sentido, álbum que tem distribuição nas plataformas digitais e em formato físico pela produtora e gravadora Kuarup. Com composições inéditas de Deo Lopes, importante compositor do Vale do Paraíba, do Interior de São Paulo e uma das principais referências da MPB e da música regional do país, o disco é fruto do encontro entre duas gerações.

O trabalho nasceu após a participação de Deo na turnê de Nossa Ciranda, álbum solo de Victor Mendes, que saiu em 2017. Desde então os músicos se aproximaram e passaram a fazer releituras de músicas gravadas nos anos 1980 e 1990 em cinco elepês de Deo Lopes. Aos poucos, novas canções surgiram e tomando corpo com a convivência, os dois artistas deram origem ao projeto. Com a sutileza e a força da presença de Deo Lopes, Concerto Sentido aproxima dois artistas e gerações por meio da música.

Continuar lendo

1542 – Leyde &Laura (MT) são destaque do projeto Viola Encanto de Mulher, homenagem a pioneiras do gênero caipira

MPB #MúsicaCaipira #MúsicadeViola #MulherVioleira #VioleirasdoBrasil #CulturaPopular

Dupla de irmãs mato-grossenses e revelações como Lizandra e Victória e Mel Moraes vão se apresentar a partir de 1º de junho em teatros e em praça no bairro paulistano da Penha, sem cobrança de ingresso. Concertos serão tributos a Inezita Barroso, Helena Meirelles e As Galvão, entre outras vozes femininas. Com Cristina Aguilera, Midia Brazil Comunicação Integrada

Com objetivo de dar voz ao gênero feminino na música e como instrumentista de viola caipira, será promovido no sábado, 4 de junho, a partir das 14 horas, o projeto Leyde e Laura – Viola Encanto de Mulher. O espetáculo sem cobrança de entradas levará ao público relevantes expoentes do gênero na atualidade como as irmãs  Leyde & Laura reconhecidas pela crítica e pelos fãs como um dos mais aplaudidos duetos femininos da história da música caipiraCarol Viola & Duda Cintra, revelações da música de raiz; Lizandra e Victória, meninas violeiras da cidade de Nova Odessa (SP); Jéssica & Juliana, que participaram do programa Esquenta (Rede Globo) e foram finalistas do concurso Esquentanejo, revelador de novos talentos da música sertaneja; e  Mel Moraes, selecionada no Festival Viola da Terra, com a composição instrumental Primavera dos Pássaros. Os concertos da série terão por palco a Praça do Rosário, no bairro da Penha, reconhecido ponto turístico da Zona Leste da cidade de São Paulo, onde está a Igreja do Rosário dos Homens Pretos, construída no século XIX, patrimônio histórico tombado. 

Continuar lendo