Noite para contar aos netos!

A noite de 4 de junho ficará na memória! Estive no teatro do SESC Pompeia e em privilegiado assento na primeira fila acompanhei a gravação de mais uma participação do Rodrigo Zanc para o programa Sr. Brasil. Ao meu lado estavam Wilson Teixeira, Cláudio Lacerda, Andreia Regina Beillo, Elisa Espíndola, Enos Emerick, Isaías Andrade e tantos outros bons amigos.

Zanc cantou três faixas de "Fruto da Lida"
Zanc cantou três faixas de “Fruto da Lida”

Zanc cantou com apoio de Bruno Bernini, Thadeu Romano e Thiago Carreri as faixas “Eu sou da roça”, “Entalhes da Vida” e “Luz das Candeias”, contidas em “Fruto da Lida”, lançado em outubro de 2013. Este é o segundo trabalho do compositor de Araraquara, atualmente morando em São Carlos. Em 2006, Zanc colhera do seu variado e fértil pomar o álbum “Pendenga”.

O anfitrião, Rolando Boldrin, estava ainda melhor do que sempre é. Descontraído, iniciou o programa com o poema de sua autoria “Vamos tirar o Brasil da gaveta”. Assim que Zanc concluiu a primeira canção, Boldrin solicitou a viola do convidado e por um instante mostrou para a plateia o quanto é exímio no trato com as cordas. Era apenas uma “palhinha”, um “esquenta” para o ponto alto que ocorreria no terceiro bloco, quando brindou o público com duas composições dele. Que honra foi presenciar o próprio criador há apenas alguns metros cantando e tocando com brilhosos olhos de felicidade, como quem realmente se sente entre amigos, sua peça mais famosa: “Vide e Vida Marvada”! Moço vai ouvindo, vai ouvindo: não sei como contive as lágrimas por tamanha benção caída do céu, onde com certeza, Deus repetia o refrão fazendo um sinal de positivo para São Pedro “é que a viola fala alto no meu peito humano…”

Boldrin contou causos divertidíssimos e cantou "Vide e Vida Marvada".
Boldrin contou causos divertidíssimos e cantou “Vide e Vida Marvada”.

Não chorei, mas como ri e gargalhei de até perder fôlego. Aliás, mentira: chorei sim, mas de tanto rachar o bico com os causos que Boldrin contou já que meus dois de ver ficaram bem marejados. Uma das anedotas era sobre um caipira que resolveu criar uma galinha “americana”, gringa da crista aos pés, altiva, de olhos verdes, lavada a xampu e, perfumosa. Ao chegar ao galinheiro onde já “veviam” algumas aves brasileiras depenadas, feias, magras, piolhentas, a nova moradora bota banca, marrenta e com saracoteios de superioridade joga terra nos olhos das veteranas ao ciscar, entre outras hilárias tentativas de se impor.

Só estes momentos valeriam pelo valor do ingresso — que, se por acaso fosse cobrado, teria sido muito bem pago. Lucas Ventania, Daniel Franciscão e Sérgio Turcão ocuparam o palco durante o segundo bloco para a apresentação de mais três músicas. Ventania narrou que adotou como artista o nome antigo da aprazível cidade de Minas Gerais da qual saiu para a estrada. O município, atualmente, é Alpinópolis, cantinho emoldurado por montanhas na porção Norte das Alterosas.

 Lucas Ventania é de Alpinópolis (MG), antiga cidade cujo antigo nome ele adotou para tocar viola
Lucas Ventania é de Alpinópolis (MG), cidade cujo antigo nome ele adotou para tocar viola

Além dos mimos para Boldrin (uma “branquinha”, pimenta cumaru curtida em cachaça, queijo, uma colherzinha de madeira para os goles), o violeiro trouxe na bagagem os três álbuns da carreira e uma gaita. Com o instrumento de boca, Ventania iniciou a execução de “Peão”, sucesso de Almir Sater e Renato Teixeira, atendendo ao pedido do Sr. Brasil. Antes cantara “Orgulhosa” (Nhô Pai e Mário Zan) e “Felicidade de Caboclo” (Liu e Léo). Boldrin ainda fez uma reverência a Nhô Pai, abrindo esta parte do programa cantando, em coro com a plateia “Beijinho Doce”.

Encerradas as apresentações, a poesia das cantorias virou prosa no camarim. Entre um gole de café, novos e pitorescos causos ou piadas cheia de picardia e bom humor todos os convidados se confraternizaram, com Cláudio Lacerda e Wilson Teixeira reforçando a talentosa roda. Elogios mútuos e troca de gentilezas não faltaram. Turcão (integrante da famosa dupla com Jyca) e Daniel Franciscão (um dos membros da Orquestra de Violeiros Terra da Uva, de Jundiaí), por exemplo, presentearam este blogueiro com exemplares de álbuns de suas carreiras, pelos quais agradeço muitíssimo!

O Sr. Brasil gravado em 4 de junho ainda não tem data para ir ao ar. Mas fique atento às chamadas da TV Cultura e, enquanto ele não rola, vá curtindo outros que já estão programados e que costumam ser apresentados aos domingos, a partir das 10 horas, com reapresentação na quarta-feira posterior, a partir das 22 horas.

Agradecimentos especiais a Patrícia Maia Boldrin, produtora do Sr. Brasil, pela acolhida tão especial e simpatia.

Da dir. para a esq.: Bruno Bernini, Thadeu Romano, Thiago Carreri, Rodrigo Zanc e o Sr. Brasil, Rolando Boldrin
Da dir. para a esq.: Bruno Bernini, Thadeu Romano, Thiago Carreri, Rodrigo Zanc e o Sr. Brasil, Rolando Boldrin
Da dir. para a esq.: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin
Da dir. para a esq.: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin

 

 

 

Sepultura e Iron Maiden com sotaques caipira

Vignini e Zé Helder durante a apresentação no SESC Osasco
Vignini e Zé Helder durante a apresentação no SESC Osasco

O SESC Osasco trouxe a dupla Ricardo Vignini e Zé Helder na quinta-feira, 5 de junho, para a abertura do projeto “Caldo com Sons Brasileiros”. Ambos os violeiros integram o “Matuto Moderno”, banda reconhecida pela fusão da sonoridade da música caipira com clássicos do rock e se juntaram para tocar no Deck da Cafeteria faixas do premiado álbum “Moda de Rock – Viola Extrema”, gravado em 2011. O show começou com “Aces High“, do Iron Maiden. Depois o público curtiu momentos de raro virtuosismo com ambos dedilhando nas 10 cordas entre outros conjuntos cultuados pelos roqueiros de todas as idades Sepultura, Led Zeppelin e Pink Floyd, da qual emendaram magistralmente “In the flash“, do “The Wall”, com “Saudades de Matão“, composta em 1904 por Jorge Galati, maestro da banda brasileira Italo-Araraquara.

Ricardo Vignini
Ricardo Vignini

Vignini e Zé Helder, professores de viola, ainda tocaram Tião Carreiro, Índio Cachoeira e Gedeão da Viola. The Rolling Stones e “Matuto Moderno” também foram lembrados. Da segunda banda, que já tem 15 anos de estrada a música escolhida, “Topada”, é parceria de Vignini com  André Abujamra, ex-“Os Mulheres Negras”. O encerramento homenageou amantes da música clássica com a execução da Nona Sinfonia de Bethoven. Desta, brotou “Aqualung”, do Jethro Tull. O bis rolou com “Norwegian Wood”, de “Rubber Soul” (1965), um dos mais famosos trabalhos do The Beatles. Esta foi a primeira música que George Harrison utilizou sua cítara.

Quem perdeu a apresentação não precisa se lamentar. Os violeiros Ricardo Vignini e Zé Helder estarão de volta ao mesmo palco em 26 de julho, a partir das 19 horas, em mais uma ediçãodo projeto “Viola com Sons Brasileiros”.

Zé Helder
Zé Helder

 

 

Violeiro de Profissão” abre a porteira para Daniel Franciscão

ImagemImagem

O violeiro Daniel Franciscão nos brindou com um exemplar de Violeiro de Profissão, lançado no segundo semestre de 2013. Primeiro álbum da carreira de Franciscão, que também é fundador, regente e diretor musical da Orquestra de Violeiros Terra da Uva, de Jundiaí, o disco tem 13 faixas, duas com as participações de Cláudio Lacerda e de Wilson Teixeira. Ricardo Vignini, das bandas Matutos Modernos, Dotô Tonho e Mano Sinistra, toca em 12. Abrindo a porteira. Esta é, por sinal, uma das músicas instrumentais escolhidas para o repertório, juntamente com 8. Rio do Peixe”. Zé Paulo Medeiros também está presente, em 3. Casinha na Colina”, e Renato Teixeira torna o disco ainda mais marcante em9. Noite Serena”.

A cortesia foi feita na quarta-feira, 4 de junho, após a participação de Franciscão e Sérgio Turcão acompanhando o convidado especial Lucas Ventania (MG) na gravação de mais um programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin, a ser apresentado em breve pela TV Cultura.

“Violeiro de Profissão” é uma mistura de muito bom gosto de sons brasileiros e andinos, passeando por ritmos como baião, chamamé e toadas entre outras muitas influências que tornam a obra diversa e sem fronteiras. O universo das 10 cordas da viola caipira está muito bem representado, traduzindo as plurais linguagens do instrumento em canções de identidade singular. Elas evocam e trazem para o ouvinte mensagens de simplicidade, admiração à natureza e amor à profissão de cantador e de violeiro.

Contatos com Daniel Franciscão podem ser feitos pelo endereço virtual daniel.franciscão@hotmail.com.

Fotos:

Da esquerda para a direita: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin (Marcelino Lima)

Daniel Franciscão autografa “Violeiro de Profissão” para este blogueiro (Andréia Beillo)

 

Festa junina no Morumbi apresenta Cláudio Lacerda

Imagem

Imagem

Tiago Passos

O Barulho d’água acompanhou no sábado, 7 de junho, parte da programação do primeiro dia do “45º Arraiá do Paineiras”, promovido pelo tradicional Clube Paineiras do Morumby, situado na Zona Sul de São Paulo. Uma das atrações, o cantor e compositor Cláudio Lacerda, ocupou o palco acompanhado por Robson Russo (viola) e Tiago Passos (contrabaixo). Ao público, Lacerda apresentou entre outros clássicos da música de raiz “Vide e Vida Marvada”, de Rolando Boldrin, com a qual abriu a cantoria.

O autor de São Luiz do Paraitinga Elpídio dos Santos foi lembrado com “Você vai gostar”, também conhecida por “Casinha Branca”. De Renato Teixeira, Cláudio Lacerda escolheu “Meu Veneno” e “Romaria”. Pena Branca e Xavantinho, homenageados por meio de “Calix Bento” e “Cai sereno, cai”, e Tonico e Tinoco (“Canta moçada”), enriqueceram o repertório preparado com muito bom gosto para a festança caipira.

Músicas dos três álbuns de Cláudio Lacerda (“Alma Lavada, “Alma Caipira” e “Cantador”) complementaram a lista. Um dos maiores sucessos desta trilogia, “Canto Brasileiro”, ele assina em parceria com Eduardo Santana e no álbum “Cantador” tem a participação de Dominguinhos.

A plateia ainda ouviu “Canta que é bonito” (escrita a quatro mãos, com Júlio Bellodi) e “Bons Amigos”, moda das mais consagradas do violeiro paulistano, gravada recentemente pelo parceiro de estrada Rodrigo Zanc em “Fruto da Lida”. Zanc, por sinal, é companheiro de Lacerda em projeto de tributo a Pena Branca e Xavantinho. Com o amigo de São Carlos, mais Wilson Teixeira e Luiz Salgado, Lacerda integra o “4 Cantos”.

Vale a pena ressaltar que na sexta-feira, 13 de junho, Dia de Santo Antônio, Lacerda estará de volta ao Morumbi.  Ao lado de Zanc, ele concederá entrevista ao vivo para o “Terra Viva”, canal de agronegócios do grupo Bandeirantes, prevista para começar às 12h30.

 

Legenda:

De cima para baixo: Cláudio Lacerda, Robson Russo e Tiago Passos (Fotos de Marcelino Lima)

 

Borgetthi, Mario Zan e Gonzagão por sete sanfoneiros

Imagem
Maryhelena Gama
Imagem
Benícia de Jesus
Imagem
Claudete Alves
Imagem
Luzia de Almeida

Orquestra Sanfônica de São Paulo: gostou do nome? Então procure conhecer o trabalho deste ótimo grupo que tem à frente a maestrina Renata Sbrighi e cuja casa fica na Rua Pio XI, 570, no bairro da Lapa. Boa parte do público que compareceu no sábado, dia 7 de junho, ao Clube Paineiras do Morumby, à tarde, pode conferir (e curtiu, com certeza!) a animação dos músicos que a integram, entre os quais seis simpáticas senhoras, todas sanfoneiras virtuosíssimas, uma das quais, ainda de quebra, craque com o triângulo e exímia com o pandeiro, Benícia Maria de Jesus.

A Orquestra tocou na abertura do “45º Arraiá do Paineiras”. Muita gente, então, largou a criança (ou os pais!) para arrastar os pés defronte ao palco, entre as mesas, junto às e dentro das barracas de guloseimas, cutucada entre outras modas consagradas e típicas dos festejos juninos tais quais   “Saudades de Minha Terra” (Belmonte e Amaraí),Chalana” (Mário Zan), “Feira de Mangaio” (Luiz Gonzaga e Sivuca), “Milonga para as Missões” (Renato Borghetti). Tradicionais marchinhas de quadrilha como “Capelinha de Melão” também tiraram os sócios do Clube Paineiras do Morumby das cadeiras, ou os fizeram, no mínimo, bater palmas para acompanhar e marcar o ritmo de vários “forrós”.

Para saber mais visite a página www.sanfonica.com.br ou agende uma visita à sede pelo telefone (11)-3834-1512.

Imagem
Maestrina Renata Sbrighi
Imagem
Maria de Lourdes Martins
Imagem
João Baumann
Imagem
Sônia Gut e José Gut “Lemão”

Quadrilha tricampeã estadual

Imagem

A “Quadrilha Tia Bola” é tricampeã paulista do gênero e provou que não detém o título à toa ao passar pelo Clube Paineiras do Morumby antes de Cláudio Lacerda cantar para o público que prestigiava o “45º Arraiá do Paineiras”. Formada por 20 casais que se revezam em duas coreografias, a quadrilha de São Vicente, primeira cidade brasileira, é dirigida por Marcos Velho, a quem também cabe narrar as apresentações. Velho é, ainda, o estilista responsável pelo impecável e colorido figurino da “Tia Bola”, cujo tecido para as roupas “importa” de Fortaleza (CE). O e-mail para contatos é quadrilhatiabola@hotmail.com

ImagemImagem

 

Lanceiros da Liberdade também passam pelo Paineiras

????????O Rio Grande do Sul também esteve representado durante o “45º Arraiá do Paineiras”. A missão de trazer ao público uma amostra da rica cultura dos pampas, valendo-se de apresentações de danças típicas gaúchas, coube aos “Lanceiros da Liberdade”, estabelecidos em Taboão da Serra, cidade da região Metropolitana de São Paulo.

Devidamente paramentados pelo figurino de Alice Bianchini, os integrantes primeiro cantaram e bailaram graciosamente, aos pares formados por belíssimas prendas e versáteis peões ou coletivamente, animados por gravações (com destaque para a poética “Pintor das estrelas”, de Jorge Marino) cujas letras remetem aos costumes dos povos que ajudaram a formar o estado do extremo Sul do país — entre os quais alemães, italianos, portugueses e poloneses. A plateia teve a oportunidade de assistir ainda três rapazes, mais o garoto Luís Henrique, em desafios de chula, modalidade em que precisam demonstrar habilidade e destreza enquanto batem o solado ou os saltos das botas em exibições durante as quais dançam e saltam de um lado para outro de uma lança deitada no chão, sem poder tocá-la ou olhar onde está. O mote da chula é a conquista de uma dama pretendida por mais de um cavalheiro.

???????? ????????

Osasco terá dois shows do “Moda de Rock -Viola Extrema”

O SESC de Osasco terá como atrações nos dias 5 e 26 de junho, quintas-feiras, em ambas as ocasiões às 19 horas, os músicos Ricardo Vignini e Zé Helder. Eles vão apresentar com entrada franca as músicas do álbum “Moda de Rock – Viola Extrema”, lançado em 2011 e que se tornou sucesso de vendas e de shows tanto no Brasil, quanto no exterior, sobretudo nos Estados Unidos, e em 2013 arrebatou um dos troféus do 3º Prêmio Rozini de Excelência de Moda de Viola, entregue em noite de gala no Memorial da América Latina. A razão para tamanha repercussão é a adaptação de clássicos do rock para as cordas de duas violas, entre as quais “In the Flesh”, faixa de “The Wall”, do Pink Floyd, que nos dedos da dupla transformou-se em uma singela valsinha.

Para quem não consegue conceber a ideia de Pink Floyd tocado assim, procure imaginar “Aces High”, do Iron Maiden, e “Master of Puppets”, do Metallica, levadas em ritmo de pagode de viola. Além de músicas destas bandas, o “Moda de Rock” traz Led Zeppelin (“Kashmir”), Beatles (“Norwegian Wood”), Jimi Hendrix (“May This Be Love”), Megadeth (“Hangar 18”), Sepultura (“Kaiowas”), Nirvana (Smells Like Teen Spirit), Jethro Tull (“Aqualung”) e Ozzy Osbourne (“Mr. Crowley”). Participam do trabalho o também violeiro Renato Caetano e Edson Fontes, este integrante dos grupos “Os Favoritos da Catira” e “Matuto Moderno”.

Moda de Rock (Ulisses Matandos) (3)

 

Vignini e Zé Helder também integram o “Matuto Moderno” e seguem carreiras solos ou com outras formações. O primeiro, por exemplo, é autor do disco instrumental autoral “Na Zoada do Arame” (2010) e no domingo, 1º de junho, a partir das 18 horas, lançará no SESC do Belenzinho “Duas Gerações”, um belo disco instrumental de viola caipira que gravou em companhia com Índio Cachoeira. O músico terá acabado de chegar de um pulinho aos Estados Unidos, onde tocará na noite de quinta-feira, 29 de maio, em Indiana, como um dos integrantes do “Dotô Tonho” durante o Fourth Annual John Hartford Memorial Festival. A maratona teve início no domingo, 25, quando Ricardo Vignini juntou-se aos outros dois músicos do “Mano Sinistra” (canhoto, em italiano) Paulo Thomaz (ex-Centúrias e Firebox, atual Baranga e Kamboja) e Lucke (Frank Elvis e Los Sinatras, Houdinis, Malaco Soul) para uma apresentação do disco do trio lançado neste ano no espaço Serralheria, situado na Lapa.

Zé Helder já lançou “A Montanha” (Pedralva – 2004), “No Oco do Bambu” (São Paulo – 2009), com participações especiais de Ivan Vilela, Dani Lasalvia, Índio Cachoeira e Guca Domenico, e com o grupo Orelha de Pau (2002). A voz dele também pode ser reconhecida em trabalhos de diversos artistas, entre os quais Levi Ramiro (SP) e Walgra Maria (RS). O disco de Walgra, “Caminho da Fé”, foi produzido por Dércio Marques, que morreu em 2012 e assim como Ramiro é considerado um mestre por todos os violeiros e cantores dos gêneros caipira, de raiz e regional.  Zé Helder também já acompanhou Ceumar e tem composições gravadas por artistas do sul de Minas. Formado em Licenciatura Plena em Música, criou o curso de viola caipira no Conservatório de Pouso Alegre (CEMPA), e atualmente leciona o instrumento no Conservatório Municipal de Arte de Guarulhos.

Foto: Ulisses Matandos