1598 – Fabio Bergamini (SP) mescla música étnica, world music e improvisos do jazz em seu álbum de estreia

#MPB #MúsicaÉtnica #WordMusic #Escolados7Portões #Campinas #Belic

As oito faixas instrumentais de Nandri estão gravadas no primeiro disco do selo Belic Music com a participação de vários músicos brasileiros e de renome internacional

O instrumentista e compositor Fabio Bergamini, paulista de Campinas, lançará Nandri, primeiro álbum de sua carreira e que inaugurará o portifólio do selo Belic Music na quinta-feira, 8 de dezembro, data na qual as oito faixas já estarão disponíveis em todas as plataformas digitais e, também, do concerto de lançamento, a partir das 19 horas, na Escola dos 7 Portões (E7P Urbana), situada no bairro paulistano Sumaré. O evento incluirá apresentações de Bergamini para audição ao vivo do repertório de Nandri, espaço livre para os músicos presentes tocarem ou cantarem (jam session) e videoclipes.

Nandri é todo instrumental, bebe nas fontes da world music e da música étnica e prima por arranjos que conduzem a paisagens sonoras e visuais, em total harmonia com a complexidade de improvisos do jazz. Com três décadas de carreira, Bergamini já protagonizou turnês pelo mundo com o grupo português de projeção global Madredeus e outros renomados músicos. Em seu álbum de estreia, ele insere instrumentos que para os leigos ocidentais seriam exóticos, dos mais diversos cantos do planeta, promovendo um trabalho original e sem fronteiras, ao mesmo tempo brasileiro e universal.

Continuar lendo

1241 – Do eclético planeta Brasília (DF), Guardavento traz para a cena nacional”Apesar de tudo”, primeiro disco da banda

Álbum de dez faixas tem produção independente e aborda temas como angústia, solidão e melancolia em forma de confissões pessoais, imersas numa sonoridade brasileiro-urbana e contemporânea

O disco Apesar de Tudo, recentemente lançado pela banda Guardavento, abriu neste dia 5 de outubro as audições matinais aqui no boteco do Barulho d’água Música, situado em São Roque, cidade a 60 quilômetros da Capital paulista.

Constituída por Naiça Mel (vocal), Lídia Moreira (teclados), Anderson Freitas (guitarra/teclados), Humberto Florim (baixo) e Yan Britto (bateria), a Guardavento é de Brasília (DF), planeta sempre fértil para novas experiências e afirmação de grupos musicais, do Aborto Elétrico (um dos fundadores da Turma da Colina¹), formação da qual despontou o irrequieto e saudoso Renato Russo pré Legião Urbana, à Plebe Rude, passando pelo Capital Inicial e Os Raimundos e chegando a O Tarot (a “banda-caravana”, que mistura música cigana, misticismo e ritmos brasileiros), entre outras revelações que conseguiram se (nos) salvar detonando ou se colocando acima e apesar das mazelas institucionais próprias da capital federal — notadamente nestes tempos de retrocessos, queimadas e fakes que atingem a todos os tupiniquins -, promovendo ritmos e sonoridades que vão do punk ao rock e ao blues (como mandam bem a Brazilian Blues Band e a Procurados Blues Band!), ao reggae, especialidade da Natiruts, ao rap nervoso da Tribos da Periferia, da Viela 17 e da Câmbio Negro, e ao indie rock, pós-punk, garage rock, ska e música típica brasileira da Móveis Coloniais de Acaju.

O bom desta mescla é que não só a já sexagenária senhora consegue envelhecer mais leve e eclética, como acabam representados à altura integrantes de todas as tribos e trips, seja o Jeremias ou a filha nerd do recém-chegado senador do PSL (que incorporou cafonamente a patente militar ao nome de guerra) e que, apesar de nem ser candanga da gema, já não mais cai de paraquedas no Planalto Central e flana como se estivesse em casa pelos pubs, festivais e raves que se espalham como satélites à sombra da Praça dos Três Poderes e da Esplanada, espaços alternativos de contestação onde a vida rola sem chapa branca, livre, bela e solta, entre fumaças, risos, drinques e camaradagem pura, sem as sacanagens e conchavos dos palácios.

Apesar de tudo, gravado e produzido por André Zinelli e Diego Poloni, mixado e masterizado por Poloni, tenta dar um novo tempero ao guisado que já cozinha neste caldeirão brasileiríssimo de independência e resistência, trazendo pitadas da MPB, da world music e do pop internacional ao projeto derivado da parceria Florim e Freitas, A dupla, partir de 2017, compôs as músicas e encontraram Naiça para dar voz às suas inquietações e recados. Produtores experientes inclinados a experimentar e trazer novos “pratos” à mesa, Zinelli e Poloni colocaram suas colheres nesta sopa e Britto e Lídia, de aventais cingidos à cintura, também adicionaram irresistíveis ingredientes para deixar a receita dando água na boca.

Desta maneira, conta-nos Florim, é que as composições foram sendo “desconstruídas” no estúdio, “pensadas de dentro para fora, buscando consolidar uma identidade nova para o som” e apurar o conceito desejado para o álbum, sutil iguaria cujo sabor trata da influência do tempo sobre a percepção das emoções e o valor da memória. Temas como angústia, solidão, melancolia e devaneios borbulham em forma de confissões pessoais, imersas numa sonoridade brasileiro-urbana e contemporânea.

A banda Natiruts representa a capital federal entre as tribos do reggae (Foto: Lara Valença)

O disco da Guardavento tem dez faixas (clique aqui e o ouça ). O exemplar de Apesar de tudo que aqui ouvimos nos foi gentilmente enviado por Florim, a quem agradecemos em nome do grupo, e chama a atenção, ainda, pela apresentação quase minimalista do encarte em cuja capa há um único item: um aparentemente indecifrável bloco de alvenaria. A figura, contudo, permite pelo menos duas interpretações dentro da proposta da rapaziada: tanto poderia representar o que sobra depois de um processo de desconstrução como o que Florim mencionou, quanto o mínimo necessário para empreender o primeiro passo rumo ao objetivo inverso– juntando peça por peça da pilha até que num desenho mágico um todo se consolide e dê consistência à identidade com a qual o quinteto planeja fazer a cabeça de amigos e de fãs, dando seu recado ao universo, sem ser apenas mais um tijolo no muro.


¹A ditadura ainda era o regime brasileiro quando surgiu a  Turma da Colina , que reunia jovens filhos de diplomatas e de professores, entre o final da década de 1970 e o começo da década dos anos 1980, na Colina, um conjunto de prédios habitacionais na Universidade Nacional de Brasília (UnB), no Distrito Federal. A galera que não ficava atrás da mesa com o cú-na-mão curtia punk e rock e era constituída por futuros expoentes do rock brasileiro; nela despontavam Renato RussoFê Lemos e Flávio LemosAndré Pretorius, e Philippe Seabra entre outros. Desses encontros surgiram a Plebe Rude, a Aborto Elétrico, que se desmembrou gerando a Legião Urbana, e a Capital Inicial.

Nesse contexto, ainda, o punk foi, literalmente, um dos combustíveis daqueles jovens. Por volta de 1978, Pretorius, filho do embaixador da África do Sul, que trazia consigo uma vasta bagagem cultural e política, entrou para a patota, trazendo de uma de suas viagens à Europa vários vinis de punk rock . Como naquela época o material era muito difícil de ser achado, virou logo referência da turma que tinha como guru Renato Russo. Pretorius foi um dos primeiros parceiros musicais de Russo. Em 1978 ele, Renato, Fê e Flavio Lemos criaram a Aborto Elétrico, banda que revolucionou o rock brasileiro.

Os fãs de Legião Urbana, Plebe Rude e Capital podem saber mais sobre a Turma da Colina se descolarem o documentário de 2011 Rock Brasília, dirigido por Vladimir Carvalho, premiado como melhor documentário no Festival de Paulínia (SP) daquele ano.

Leia mais sobre as bandas de rock em Brasília e ouça uma playlist irada clicando nos linques abaixo:

https://www.metropoles.com/entretenimento/musica/rock-e-brasilia-e-uma-parceria-que-durara-para-sempre


CAMPANHA VIRTUAL

Você sabia que o Barulho d’água Música está promovendo campanha colaborativa para arrecadar fundos visando à compra de um pacote de armazenamento de imagens, áudios e vídeos, que permitirá um número ilimitado de postagens, sem corrermos riscos de perdemos as imagens das postagens mais antigas do blogue?

Temos mais de 1200 publicações ao longo de cinco anos;neste tempo contamos com um pacote limitado (gratuito) de 3GB que já está se esgotando e poderá ficar inacessível a qualquer momento, além de inviabilizar novas atualizações e o bloqueio do domínio.

O blogue Barulho d’Água Música é produzido sem nenhum financiamento oficial, de forma espontânea e gratuita, e é um importante meio de divulgação de músicos, compositores e produtores independentes que não encontram espaço na grande mídia.

Você sabia que sua eventual colaboração para este trabalho prosseguir poderá custar apenas o equivalente ao valor de um CD?

Veja mais detalhes no linque abaixo e desde já obrigado!

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/blogue-barulho-d-agua?utm_campaign=facebook&fbclid=IwAR2iEa-tlcEpgdv-hHbMWWRvdFMErC3YMIK4HSAdoq1G9-R-V1-6PNV9Gys

 

#ninguémsolteamãodeninguém
#diversidade
#tolerância
#pluralidade
#respeito
#resistência
#amor
#liberdade
#democracia
#PAZ

 

1223 -Ivan Vilela faz concertos em Guarulhos e em São Paulo após lançar álbum com Benjamim Taubkin

Violeiro, um dos mais conceituados do país, tocará no Sesc de Guarulhos e no Instituto Tomie Othake

Professor, pesquisador, compositor e um dos mais destacados violeiros do país, Ivan Vilela, será atração o neste sábado, 24, da unidade Guarulhos do Sesc paulista, onde se apresentará a partir das 18h30, acompanhado por Filipe Massumi, ao violoncelo, e por Ari Colares, à percussão. A distribuição do começará a partir das 17h30, no Centro de Música, para o concerto que deverá ocupar o Auditório (sala 4) e durante o qual o público ouvirá composições e arranjos que se utilizam de elementos das culturas populares brasileiras, mesclando-as com sonoridades das músicas clássica e e popular. Vilela transitará por diferentes paisagens sonoras, explorando texturas e contrapontos, mesclando sutilezas melódicas, nas quais o tonal e o polimodal se fundem num misto de cruzamentos rítmicos.

Além de músicas consagradas dos vários álbuns – como Paisagens, A Força do Boi e Solidão -, destacam-se no programa obras como Sertão e Castelo dos Mouros,  do álbum Encontro, gravado por Vilela em parceria com o pianista Benjamim Taubkin e lançado no começo de agosto, na unidade 24 de maio do Sesc paulistano.

Continuar lendo

1052 – Confira a programação oficial de atividades e eventos do 4º Prêmio Profissionais da Música em Brasília (DF)

Entre hoje, 16, e o sábado, 21, a Capital Federal terá extensa e variada agenda cultural antes da cerimônia de divulgação dos vencedores de 53 categorias entre 328 finalistas

Marcelino Lima, com assessoria da GRV

Brasília, que em 21 de abril comemorará 58 anos, já está respirando os bons ares que o 4° Prêmio Profissionais da Música levou ao Distrito Federal e que, até o final da noite do aniversário da Capital Federal, estará agitada por painéis, palestras, apresentações musicais e shows em tributo a Elis Regina e Roberto Menescal, coquetel, solenidades de premiação e eventos como um Pitching e uma festa, todas atividades relacionadas ao evento promovido pela GRV (Gustavo Ribeiro de Vasconcellos) Produções. Primeira atração oficial da quarta edição do Prêmio, o grupo candango O Tarot subirá ao palco do Shopping Pier 21 nesta segunda-feira, 16 de abril, a partir das 20 horas. O show terá duração de 75 minutos e, como os demais da agenda, entrada franca (confira agenda ao final da matéria)

Continuar lendo