1599 – Marco da viola caipira, Maracanãs completa 25 anos e trio original se reúne para concerto audiovisual comemorativo*

#MPB #MúsicaCaipira #MúsicadeViola #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #Campinas(SP)

* Com Cláudia Assencio e Rafael Bitencourt, Tempo D Comunicação e Cultura

Vídeo gravado na cidade paulista de Campinas (SP) será lançado no próximo dia 15/12 com os autores Levi Ramiro, Zé Esmerindo e Magrão e participações especiais de Ana Salvagni e Esdras Rodrigues

     Álbum considerado como referência no cenário da viola caipira, Maracanãs chegou a 25 anos de lançamento, marco que será celebrado com um concerto audiovisual protagonizado por Levi Ramiro, Zé Esmerindo e Magrão, tríade responsáveis pela gravação original, realizada em Campinas (SP), em 1997. Trio Maracanãs 25 Anos estreará na quinta-feira, 15/12, a partir das 20 horas, com transmissão gratuita pelo canal https://www.youtube.com/@leviramirovioleiro. Ramiro, Esmerindo e Magrão também trocarão dedinhos de prosa em bate-papo virtual com os espectadores, amigos e seguidores.

     O espetáculo deriva da gravação feita no Centro Cultural Casarão, em Barão Geraldo (Campinas), com direção de Mário de Almeida e produção executiva de Gabriela Góes. A cantora Ana Salvagni, que participou das gravações do álbum original há um quarto de século, e o violinista e rabequeiro Esdras Rodrigues atuarão como convidados especiais; Rodrigues representará José Eduardo Gramani, rabequeiro que fazia parte da primeira formação do disco Maracanãs. O projeto atual recebeu recursos do Programa de Ação Cultural (ProAc) 2021, de fomento à cultura do Governo do Estado de São Paulo e Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Continuar lendo

1154 – Sutileza e contundência, sem firulas, marcam novo disco de Ayrton Montarroyos (PE)

Pernambucano que vem recebendo diversos elogios da crítica pelo trabalho de pesquisa e interpretação da canção popular brasileira lança seu segundo disco, em parceria com o violonista do Sr. Brasil Edmilson Capelupi

A gravadora Kuarup está lançando Um mergulho no nada, segundo álbum do cantor de Recife (PE) Ayrton Montarroyos (Ayrton José Montarroyos de Oliveira Pires), no qual acompanhado pelo violonista Edmilson Capelupi interpreta por meio de um bem elaborado repertório clássicos da MPB e de contemporâneos como Ylana e Yuru Queiroga. E que ninguém se perca pelo nome escolhido por Ayrtinho — como é chamado por familiares como a avó Célia o jovem pernambucano nascido em 1995 – para batizar o álbum gravado em uma única apresentação no glamouroso Teatro Itália em 1º de abril de 2018, na cidade de São Paulo: pare o mundo por meros 35 minutos, menos que um dos dois tempos de pelada, e faça o julgamento apenas após terminar a última das 10 faixas — se é que pelo meio da audição o amigo ou seguidor já não estiver tomado por um “magnetismo inescapável”, como escreveu o crítico e jornalista Lucas Nobilo, que ouviu Um mergulho no nada “quatro vezes de enfiada” e também estamos fazendo desde que o disco chegou à redação, gentilmente cedido ao Barulho d’água Música por Rodolfo Zanke, a quem mais uma vez somos gratos.

Continuar lendo

1085 – Canção do Amor Distante, de Ana Salvagni e Eduardo Lobo, celebra os sentimentos presentes na saudade

Disco gravado em 2016 rememora canções clássicas de autores como Tom Jobim, Dominguinhos & Anastácia, Paulo César Pinheiro, Adoniran e Elomar
Marcelino Lima

A redação do Barulho d’água Música, caso fosse o estúdio de uma emissora de rádio, só tocaria boa música, pois, diariamente, baixam em nosso boteco, enviados de várias partes do Brasil, álbuns excelentes. O mais recente e que estamos tocando agora é Canção do Amor Distante, que Ana Salvagni e Eduardo Lobo lançaram em 2016. O amor ausente deixa saudade e melancolia e é tema universal e atemporal encontrado em todas as formas de criação artística. A nostalgia, o amor e a tristeza presentes na “saudade” são elementos propulsores para o artista que, por meio de sua criação, pode dar forma e vazão a estes sentimentos que o atormentam, ainda que, muitas vezes, a canção gerada não seja, necessariamente, triste. Na canção popular brasileira o amor distante é cantado desde sempre, vestido de roupagem diversa, tantas vezes com leveza, despojamento, lirismo e refinamento. Além disso, o tema é valorizado pela grande riqueza melódica, rítmica e harmônica das composições, ao longo de todo esse tempo.

Continuar lendo

927 – Violeiro Levi Ramiro lança “Purunga”, novo álbum solo e nono da carreira

1-Vasilha feita com a casca de plantas cucurbitáceas.(cabaças)
2-Planta da família das Cucurbitáceas(Lagenaria Vulgaris).Porongo

Barulho d’água Música vem sendo embalado por novidades fonográficas recentemente lançadas, aprovadas com louvor e com mais dez pontos de bonificação nos testes de excelência da redação: nunca antes na história deste veículo ouvimos tanta música de qualidade, material de incontestável contribuição para nosso cada vez mais precioso acervo e que tem deixado o quarteto Pablito Neruda, Leopoldo Rogério, Maria Júlia e Abigail Cristina visivelmente felizes! A mais recente aquisição, enviada de Pongaí (SP),  chegou com o remetente Levi Ramiro, uma saudação particularíssima nos desejando saúde e paz e um “som purunguístico”. Purunga, álbum despachado no interior do envelope, é o nono da carreira do violeiro, compositor e artesão, um dos mais respeitados nas rodas da música caipira e regional. Mais do que gravar 17 inéditas músicas (entre as quais quatro instrumentais), Levi Ramiro procurou revelar aos amigos e fãs etapas da confecção de uma nova viola [neste caso feita de cabaça], ilustrando o encarte com fotos de Adriano Rosa nas quais aparece em sua oficina particular manuseando ferramentas e dando vida ao instrumento.

Continuar lendo

717 – Unidade de conservação da Mata Santa Genebra (SP) completa 30 anos e comemora com diversas atividades

gamba

A Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) Mata Santa Genebra completou 30 anos de criação na quinta-feira, 5, e  para comemorar esta importante data, programou diversas atividades com o intuito de promover a integração entre a floresta e a comunidade e a gestão participativa da área. Durante todo o sábado, 7, por exemplo, haverá visitação aberta ao borboletário e serão oferecidas oficinas de hortas urbanas e de artesanato, além da apresentação do teatro de bonecos com o espetáculo Coração Verde, oficina de ecobrinquedos e shows. Todas as atividades serão na praça Peroba Poca, sem cobrança de ingressos  Os eventos serão coordenados pela Fundação José Pedro de Oliveira, instituição gestora da Mata Santa Genebra, com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura e da Secretaria do Verde de Desenvolvimento Sustentável de Campinas.

A cantoria começará  às 16 horas com Ana Salvagni e Choro da Mata, que oferecerão um espetáculo musical de sambas e serestas. Ana Salvagni reside na cidade e foi contemplada  na categoria de melhor disco de música Regional em 2010 com o Prêmio da Música Brasileira e no palco demonstrará que fez jus à honraria juntamente com o grupo cujo nome é um tributo à Mata Santa Genebra.

A partir das 17 horas,João Arruda, Sinhá Rosária recebem convidados especiais. João Arruda está completa em 2015 dez anos de carreira solo e em seus números envolve a plateia com cantigas, palmas e risadas ao mesmo tempo em que Sinhá Rosária, cantora e compositora, celebra a música e a alegria por onde passa com seus 80 anos de vida. Susana Travassos e Michi Ruzitscka encerrarão a programação a partir das 18 horas. Susana Travssos é uma das grandes vozes portuguesas da atualidade  e com o violonista austríaco interpretará fados antigos, temas contemporâneos e alguns clássicos da música popular brasileira.

2241763095_290bed352b_b

Foto: Leonardo Desordi

Em 5 de novembro de 1985 o Decreto Federal nº 91.885/85 instituiu a Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) Mata de Santa Genebra. Esta unidade de conservação (UC), com perímetro de 9 quilômetros e uma área de 251 hectares, é o maior remanescente florestal de Campinas e sua conservação é de fundamental importância para a manutenção da biodiversidade regional.

 

 

 

 

30º Aniversário da Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) Mata Santa Genebra
Data: 7 de novembro de 2015
Horário: das 9h às 19h
 
Programação:

9h às 16h – Visitação ao Borboletário

10h às 12h – Oficina Hortas Urbanas e Oficina de Artesanato
10h30 às 11h30 – Espetáculo “Coração Verde” Grumaluc
14h às 16h – Oficina de Ecobrinquedos

Apresentações musicais:

joão arruda

O campineiro João Arruda, que sempre protagoniza shows animados e com grande interação da plateia, cantará ao lado da também irriquieta Sinhá Rosária (Foto: Marcelino Lima/Acervo Barulho d’água Música)

16h – Ana Salvagni e Choro da Mata
17h – João Arruda, Sinhá Rosária e convidados
18h – Susana Travassos e Michi Ruzitschika

Local: Praça Peroba Poca – Rua Mata Atlântica, s/n, Bosque de Barão, Campinas

Mais informações: (19) 3749-7205

arvores

682- Invista no projeto “Canção do amor Distante”, de Ana Salvagni (SP) em parceria com o violonista Eduardo Lobo

ana salvagnig

A cantora Ana Salvagni (Campinas/SP) está convidando amigos e admiradores por meio de uma campanha virtual a ajudá-la a registrar em um álbum o projeto Canção do Amor Distante, que se consumado será o quarto da carreira, desta vez em parceria com o violonista e guitarrista Eduardo Lobo. Em 13 faixas com arranjos basicamente para voz e violão, Ana Salvagni pretende dar vazão à vontade de interpretar canções com maior densidade, tanto no texto, quanto na música. A Canção I, de Hilda Hilst e Zeca Baleiro,  a inspirou e ela observa que à medida em que outros ritmos, sonoridades e culturas foram incorporados ao repertório, muitas vezes a densidade deu lugar à leveza, favorecendo a condução musical mais ligada ao texto poético.

Continuar lendo

Violeiro e contador de causos tempera a sopa do projeto “Caldos com Sons Brasileiros” do SESC Osasco

DSC08023a

Paulo Freire é compositor, cantor, contador de causos, e produtor musical considerado referência entre violeiros da música caipira (Foto: Marcelino Lima, SESC Campo Limpo, 9 de julho de 2014)

O SESC de Osasco promoverá nesta quinta-feira, dia 24 de julho, no Deck da Cafeteria, a partir das 19 horas, mais uma edição do projeto “Caldos com Sons Brasileiros”, que consiste em oferecer a degustação de sopas enquanto o público ouve música raiz de viola e causos apresentados por um convidado especial. A atração desta noite é o cantor, compositor, escritor e produtor cultural e fonográfico Paulo Freire — o qual, apesar da indiscutível erudição e sabedoria, não é o homônimo educador.

Conhecido no meio como um dos mestres da viola caipira da atualidade, Paulo Freire reside em Campinas. É autor, entre outros álbuns, de “Alto Grande”, seu mais recente lançamento, “Redemoinho”, “Vai Ouvindo”, “São Gonçalo” e “Rio Abaixo”. As contribuições para a literatura incluem os livros “Lambe-Lambe” e “Nuá – A música nos mitos brasileiros”. Como produtor assina vários outros discos dos gêneros caipira e regional, entre os quais títulos da discografia da esposa, a poetisa Ana Salvagni. Paulo Freire também pode ser ouvido em trabalhos de diversos amigos e parceiros de estrada como o álbum “Capiau”, de Levi Ramiro,  por sinal o próximo a se apresentar em Osasco, na quinta-feira, 31.   

242fc7ad-e790-4051-9ead-b165ee83a659A entrada para curtir o projeto “Caldos com Sons Brasileiros” é franca. A sopa, cujo sabor varia, sai por R$ 6,50.  O SESC de Osasco fica na Avenida Sport Club Corinthians Paulista, 1.300, Jardim das Flores, com estacionamento gratuito.