929- Pedro Antônio retorna a São Paulo e lança “Plantação de Estrelas” no Sesc Belenzinho

Pedro Antônio será a atração do Projeto Música Raiz da unidade Belenzinho do Sesc da cidade de São Paulo na noite de domingo, 9 de abril, a partir das 18 horas, quando lançará Plantação de Estrelas, seu segundo álbum solo. Como convidados, ele receberá Tadeu Franco, Lula Barbosa e o irmão Antônio Galba; Jica Thomé (percussão) e Pratinha Saraiva (flauta) completarão o time de músicos responsáveis por apresentar à plateia tanto as composições do novo disco, quanto músicas do anterior, Carta ao Velho Rosa, além de temas gravados pelos grupos Mina das Minas e Terramérica. Com passagens pela Europa e por São Paulo, o cantador e compositor hoje mora em Uberlândia, cidade do Triângulo Mineiro na qual coordena Pedro Antônio convida, projeto no qual recebe expoentes da música regional brasileira.

Continuar lendo

906 – Zé Paulo Medeiros e Mari Ananias em Sampa: duas boas opções para quem aprecia música de qualidade

Artista natural de São Paulo, e não mineiro como publicamos em matéria recente aqui no Barulho d’água Música, e retomando a carreira após dez anos de hiato entre períodos sabáticos e de dedicação às atividades da empresa familiar que administra no ramo de laticínios e derivados, o cantor e compositor Zé Paulo Medeiros (foto acima) será atração gratuita do Teatro Décio de Almeida Prado no sábado, 10 de setembro, a partir das 21 horas.

Zé Paulo Medeiros relembrará nesta apresentação programada pela Prefeitura de São Paulo sucessos de mais de 30 anos de estrada e dos oito álbuns autorais que carrega na bagagem, incluindo a trilogia Casulo. Em algumas faixas da discografia, ele contou com participações especiais de músicos como Sergio Reis, Yassir Chediak, Tonico e Tinoco, Saulo Laranjeira, Osvaldinho da Cuíca, Rodrigo Sater, Maria Alcina, Cezar do Acordeon, Inezita Barroso, Cláudio Lacerda e Zé Geraldo, entre outros.

Para saber mais sobre Zé Paulo Medeiros visite a atualização 897 do Barulho d’água Música por meio do linque https://barulhodeagua.wordpress.com/2016/07/07/897-fiel-as-raizes-ze-paulo-medeiros-mg-canta-valores-como-a-simplicidade-caipira-no-projeto-imagens-do-brasil-profundo/

O endereço do Teatro Décio de Almeida Prado é a Rua Cojuba, 45 B, Itaim Bibi. Para mais informações há o telefone 3079-3438.

12088582_1169560626428580_4968936101786981596_n

Para quem curte boa música e os bons cantores que Sampa oferece, mas estiver e preferir ficar na ZL ao invés de esticar até a ZO no sábado, 10, a dica do blogue, sugerida pelo amigo e produtor cultural Joel Emidio da Silva, é dar um pulinho ao Bar do Frango, situado no Parque São Lucas, e conhecer o trabalho de Mari Ananias. Cantadora, poetisa e pesquisadora de literatura e cultura popular, Mari Ananias apresentará também a partir das 21 horas Flores de Quimera, com a participação da flautista Lu Bernardo, e repertório com canções de Elomar, Sivuca e João Bá, além de outras belas surpresas.

O Bar do Frango, um reduto dos mais tradicionais do bairro,  já recebeu nomes como Dércio Marques, Katya Teixeira, Enan Racan, Chico Branco, João Bá, Daniela Lasalvia, Antônio Pereira, Mauri de Noronha e Chico Pedro, Antônio Galba e Pedro Antônio. Para quem ainda não conhece vale a pena ir até a Avenida São Lucas, 479, Parque São Lucas, logradouro coladinho à igreja de São Lucas!

.

 

853 – Katya Teixeira (SP) recebe amigos e fãs em teatro lotado e lança Cantariar comemorando 21 anos de trajetória

A cantora, instrumentista e compositora Katya Teixeira (SP) recepcionou no palco e na plateia do teatro do Sesc Belenzinho, em São Pailo, na noite de sábado, 9 de abril, familiares, amigos, fãs e parceiros de estrada para festejar o lançamento de Cantariar, álbum com o qual marca 21 anos de carreira. O espetáculo merece adjetivos como deslumbrante e memorável, mas ambos, além de correr o risco de parecerem reducionistas, soariam com pouca fidelidade ao que foi visto e ouvido. Acompanhada por Cássia Maria (percussão), Ney Couteiro (violão) e Thomas Rohrer (rabeca), Katya Teixeira apresentou o repertório ao seu melhor estilo, costurando a apresentação com histórias sobre sua trajetória artística pelo Brasil afora e alguns países latino-americanas, narradas com bom humor mais acentuado do que o de costume, e interpretando com propriedade e deleite as canções que no disco, cuja distribuição agora cabe a Tratore, teve remasterização de Júlio Santin (SP).

Continuar lendo

849 – Pedro Antônio (MG) convida conterrâneo Zé Geraldo para rodada de prosa e cantoria em Uberlândia

O cantor e compositor Zé Geraldo visitará o Estado natal para promover no sábado, 16, em Uberlândia (MG) apresentação ao lado do conterrâneo Pedro Antônio marcada para começar às  21 horas. O palco reservado à cantoria é o do Teatro Municipal, em mais uma rodada do projeto Pedro Antônio convida, cujas temporadas ocorrem desde 2013. O anfitrião, acompanhado por sua banda,  fará as honras da abertura antes de Zé Geraldo relembrar sucessos do repertório próprio que o consagrou como o mais aclamado expoente do rock rural brasileiro, gravados em 16 álbuns. Antes do encerramento, os dois cantarão juntos.

Nascido em Rodeiro, na Zona da Mata mineira, onde admiradores construíram uma estátua para homenageá-lo, Zé Geraldo cresceu em Governador Valadares, situada no Vale do Rio Doce. Aos 18 anos desembarcou em São Paulo para estudar e tentar a fama dentro das quatro linhas de um gramado de futebol, sonho abortado após sofrer acidente automobilístico. A fatalidade o levou para a carreira artística assumidamente influenciada por Bob Dylan, marcada por poesia e um acento claramente contestador.

Entre 1975 e 1978 participou de e faturou troféus em inúmeros festivais, arando desta forma a terra para a gravação, em 1979, de Terceiro Mundo, o primogênito da discografia. Canções como Cidadão, Como Diria Dylan, Senhorita e Milho aos Pombos entretêm sucessivas gerações e são sempre solicitadas em seus shows. Rio Doce é outro destes clássicos, que, ultimamente,  Zé Geraldo vem cantando em tom de protesto e visivelmente entristecido devido à criminosa contaminação do rio pelos rejeitos do vazamento da barragem da Samarco/Vale do Rio Doce, em Mariana (MG), em novembro de 2015. Com esta canção, hino oficial de Governador Valadares, concorreu no Festival MPB-Shell de 1980.

pedro-antc3b4nio

Nascido em Paracatu, município da porção noroeste de Minas Gerais, Pedro Antônio (foto acima) interliga sonoridades da MPB à música raiz.  Está na estrada desde os 16 anos tanto como cantor, quanto como compositor e instrumentista. Nos primórdios da carreira tocava violão em bares noturnos de Brasília (DF), paralelamente aos estudos. Corria 1978 e, três anos depois,  já em São Paulo, passou a ter aulas  em contrabaixo com o professor Claudio Bertrami e Teoria Musical na Ordem dos Músicos. Ao final da década dos anos 1980, fundou, juntamente com o irmão Antônio Galba, os amigos de infância Márcio Pereira e Wellington de Faria, o grupo Mina das Minas, que ficou conhecido pelo trabalho vocal e instrumental, com o qual excursionou pela Europa e gravou dois discos (Mina das Minas, 1989, e Bacupari, 1997).

Pedro Antônio também foi vocalista da banda de música andina Terramérica, vencedora de vários festivais do Brasil no início da década do ano 2000, e gravou Bois do Brasil. Em 2011, saiu Carta ao velho Rosa, que abre sua discografia e recebeu indicação ao Prêmio da Música Brasileira. Em 2013, arrebatou uma das estatuetas da categoria Melhor Intérprete do 3º Prêmio Rozini de Excelência em Viola Caipira. Programas de emissoras como Rede Globo (Som Brasil) e TV Cultura (Viola Minha viola, Metrópoles e Sr. Brasil) já gravaram com Pedro Antônio, parceiro entre outros de Zé Alexandre, Consuelo de Paula, e João Bá. Recentemente, lançou Plantação de estrelas, no qual assina dez das doze faixas; Zé Paulo Medeiros (Água) e Carlos Alberto Haddad (Passarin) completam a obra que tem direção e os arranjos de Pedro Ferreira, já agraciado com um prêmio Grammy como produtor musical. Pedro Antônio contou em estúdio com músicos que são expoentes da cultura regional entre os quais João Bá e Levi Ramiro; Lula Barbosa; Professor André Campos e Coral Nossa Voz; Márcio Pereira, Adolfo e Vânia Figueiredo (Trem das Gerais) e dos filhos Lucas e Ângelo Cordeiro. As ilustrações e a capa surgiram dos traços do artista plástico Alonso Zagaia.

Para mais informações e reserva de ingressos há o telefone 99276-3926, que deverá ser precedido pelo código 34, DDD de Uberlândia.

H1n1-2

 

820 – Pedro Antônio lança “Plantação de Estrelas” com Lula Barbosa, Trem das Gerais e filhos em Uberlândia (MG)

O cantor e compositor Pedro Antônio fará apresentação de lançamento de Plantação de estrelas em 5 de março, quando receberá no Teatro Rondon Pacheco, situado em Uberlândia (MG), convidados como o paulistano Lula Barbosa. A partir das 20 horas, o anfitrião também contará no palco com o Coral Nossa Voz, do Conservatório Estadual de Uberlândia, regido por Gleicy Mônica e Simone Paiva; André Campos, Carlos Alberto Haddad, Márcio Pereira e o  grupo Trem das Gerais. Lucas e Ângelo Cordeiro, ambos filhos do artista, e um trio de cordas, também foram anunciados. A banda reunirá sob a regência de Pedro Ferreira os músicos Cajuzin (bateria); Márcio Bonesso (contrabaixo); Pedro Figueiredo (guitarra); Edson Júnior (violões); Marco Mello (sax e flauta); Antônio José (percussão) e o próprio Pedro Ferreira ao piano.

Continuar lendo

633 – João Arruda fala sobre a carreira, cultura popular e canta em nova rodada do Imagens do Brasil Profundo (SP)

arrudinha

O compositor, pesquisador e multi-instrumentista João Arruda, de Campinas (SP), animou mais uma rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo, realizado a cada quinze dias, sempre às quartas-feiras, na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. Abrindo a programação de setembro, João Arruda conversou com o curador Jair Marcatti sobre temas e ritmos relacionados à cultura brasileira e que influenciam sua carreira que, neste ano, completa 10 anos. O bate-papo transcorreu entremeado por músicas dos álbuns Celebra Sonhos e Venta Moinho, além de um terceiro, ao vivo, com músicas do show Entre Violas e Cordas (que está gravando), e as canções Minha História (João do Vale/MA) e Tapera (Vitor Ramil/RS). Para acompanhá-lo, Arruda chamou ao palco o violinista Antônio Galba e a cantora Katya Teixeira.

Continuar lendo

Luiz Salgado recebe Galba e Cláudio Lacerda em mais uma rodada do Imagens do Brasil Profundo, em SP

luiz salgado brasil profundo

O Barulho d’Água Música acompanhou na noite de ontem, 15 de julho, Sina de Cantadô, apresentação do cantador, violeiro e pesquisador Luiz Salgado (Patos de Minas/MG) no auditório da Biblioteca Mario de Andrade, em São Paulo, em mais uma rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo, que tem curadoria de Jair Marcatti. Salgado cantou músicas de sua carreira presentes nos álbuns homônimo ao show (aberto com o Canto a Oxalá), Trem Bão, já lançados, e Quanto mais meus óio chora mais o mar quebra na praia, que está em produção e terá financiamento coletivo pela plataforma partio.

Antonio Joao Galba, ao violino, e Cláudio Lacerda (Cláudio Lacerda), ao violão voz, fizeram participações das mais especiais em músicas consagradas da carreira de Salgado, como Noite e Viola, e ainda em Sinal, uma folia do goiano Domá da Conceição. O convidado de Marcatti mostrou, ainda, a novidade Flores de Outono, parceria dele com Consuelo de Paula (que estava na plateia)e gravará em Quanto mais meus óio chora…. O mineiro prestou seu tributo ao conterrâneo Dércio Marques cantando Leilão de Jardim, que ficou conhecida na voz de Diana Pequeno, entre outros intérpretes. Tudo sob as bençãos de São Gonçalo e prestigiado, ainda, pelo violeiro Sidnei de Oliveira, autor do álbum Prólogo e de um artigo recentemente publicado na revista da Editora Escala Filosofia, Ciência e Vida, na qual Oliveira aborda o risco de extinção das tradições ligadas à viola caipira pela aproximação da indústria cultural que, em breve, o blog publicará, na integra, como página especial.

Continuar lendo

João Bá: o menino está de volta e desafia o zumbi que veio por aqui zanzar querendo levá-lo para o lado de lá da lagoa

joão bá

João Bá em sua apresentação no distrito de Barão Geraldo (Campinas/SP): há pouco ele travou uma luta quase desigual com a coisa feia, mas a fibra de sertanejo aliada às preces, à prontidão e à fé de seus filhos, amigos e seguidores o ajudaram a livrar-se da mais forte das assombrações e colocaram-no mais uma vez no palco (Foto: Marcelino Lima)

 

O público que compareceu ou estava na Praça do Coco, no distrito de Barão Geraldo, em Campinas (SP), no sábado, 23 de maio, presenciou uma animada e emocionada apresentação do cantor e compositor João Bá (Crisópolis/BA). Somente há dois meses João Bá passara por uma delicada situação que por pouco não o levou para a outra margem da lagoa, o que deixaria muitos fãs e amigos pelo Brasil espalhados não apenas órfão de mais um mestre, como de um irmão mais velho que por sua sempre irreverência e espírito de menino irrequieto, além claro, de sua magnifica obra discográfica e artística (ele também é poeta e ator) já desfruta de um merecido lugar no coração e na crítica dos que batalham, como ele, pelo respeito às tradições e valorização da cultura popular. É tal qual um Hermeto Pascoal, um Heitor Villa Lobos, um Velho Lua, o malungo Elomar. A cirurgia que o livrou de um incômodo problema do sistema urinário no alto dos seus mais de oitenta anos foi bem sucedida, mas melhor ainda que a zelosa e delicada intervenção médica em Belo Horizonte (MG) foi o carinho e a prontidão de seus muitos seguidores e filhos que se mobilizaram em uma ciranda de orações, bons fluídos e contribuições financeiras pelo país afora para devolver o mais possível para ele toda sua energia e bem estar contra esta que foi uma luta desigual, mas que por hora dobrou a mais implacável das assombrações.

Continuar lendo