783 – Maria Alcina transforma Sesc do Campo Limpo (SP) em arraial durante show Asa Branca, em homenagem a Gonzagão

maria alcina arte 1

O Barulho d’água Música acompanhou no começo da noite de domingo, 3, a memorável apresentação que Maria Alcina (MG) protagonizou na unidade Campo Limpo do Sesc de São Paulo em tributo a Luiz Gonzaga.

Ícone da música nacional e conhecida tanto pelo timbre de voz, quanto pela irreverência, Maria Alcina botou a plateia para dançar do começo ao fim do show durante o qual interpretou de forma brilhante mais de 20 sucessos do Rei do Baião.

Maria Alcina surgiu do camarim apresentando Asa Branca e a caminho do palco a cantou como se orasse, parando para saudar o público e receber o carinho de vários admiradores. Ao encontrar uma senhora que estava no auditório, oriunda de Exu (PE), terra natal do homenageado, Maria Alcina “quebrou o protocolo” e deu um longo e fraterno abraço na conterrânea dele. Naqueles instantes, o hino de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira que batiza o espetáculo era acompanhamento apenas  pelo acordeonista Olívio Filho — um maestro estudioso da obra gonzaguiana e que também já tocou com Antônio Nóbrega e fez parte da banda de forró Bicho de Pé. Foi de arrepiar!

Além de Olívio Filho, ajudaram a transformar o Sesc em um inflamado arraial de forró e de outros ritmos presentes no repertório de Luiz Gonzaga os músicos Wander Prata (bateria), e Leandro Brenner (violão). Ao final, depois de cantar Bacurinha, atendendo pedidos do público, ela recordou Fio Maravilha (Jorge Ben Jor) com a qual começou a se projetar nacionalmente e conquistou Menção Honrosa do Júri Popular, mais o troféu Galo de Ouro em a interpretando na última edição do Festival Internacional da Canção, promovido em 1972, no ginásio Maracanãzinho, na cidade do Rio de Janeiro (RJ)

Continue Lendo “783 – Maria Alcina transforma Sesc do Campo Limpo (SP) em arraial durante show Asa Branca, em homenagem a Gonzagão”

701 -Embarque na Biblioteca Mário de Andrade (SP) e viaje com o Canto Livro para o mundo de Riobaldo e Diadorim

 

cntolivro
Foto de Guimarães Rosa no destaque: Acervo Fundo João Guimarães Rosa – IEB/USP

Em nova rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo, o curador Jair Marcatti receberá nesta quarta-feira, 28, a partir das 20 horas, Jean e Joana Garfunkel. Pai e filha conduzirão a plateia por uma viagem pelo sertão de Guimarães Rosa a partir do palco do auditório da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. A ida pelo universo roseano se dará por meio dos atalhos da oralidade e da canção brasileira, conforme a proposta do grupo Canto Livro, protagonista do show O Sertão na Canção, baseado no romance Grande Sertão:Veredas, do escritor mineiro de Cordisburgo.

Idealizado pelos  Garfunkel, o Canto Livro propõe aproximar literatura e música para encurtar a distância entre o livro e o público, promovendo num contraponto dinâmico e divertido. Os convidados de Marcatti estarão acompanhados por Pratinha Saraiva (flautas e bandolim) e tocarão canções como Avenida São João, Cotumaz, Primeiro Encontro, São Gregório, Mar de Cavalos, Batalha Final, todas compostas por Jean (violão) em parceria com o irmão, Paul Garfunkel, com arranjos de Natan Marques e permeadas por narração de trechos da obra que apresenta Riobaldo e Diadorim.

O projeto Canto Livro existe desde 2006, quando Jean Garfunkel – poeta, escritor e compositor com obras gravadas por intérpretes como Elis Regina, Zizi Possi, Margareth Menezes e Maria Rita – foi convidado a cantar num projeto dedicado a Guimarães Rosa por conta de sua pesquisa e visitas à cidade Morro da Garça, próxima à terra natal do escritor. Joana também já nutria grande admiração pela obra do autor mineiro: em 2002, escrevera pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo a tese Sentido e Significado em Grande Sertão Veredas. Juntos, ambos teceram a ponte entre a saga do jagunço Riobaldo e canções compostas pelos irmãos, transportando a joia da nossa literatura para o palco. Hoje, o Canto Livro oferece cerca de 30 espetáculos que enfocam as obras de Manuel Bandeira, Jorge Amado, Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Cora Coralina, Vinícius de Moraes, Manoel de Barros, Fernando Pessoa e Mia Couto, entre outros.

Paralelamente ao trabalho com o Canto Livro, Jean Garfunkel tem quatro discos gravados em dupla com Paul, mais 13 Pares e Um Fado Solitário, no qual homenageia treze parceiros com os quais vem traçando sua trajetória musical.  É poeta, ator, cantor, compositor e publicitário e durante mais de dez anos trabalhou como assistente de direção da atriz e diretora Myriam Muniz, além de compor trilhas para teatro. Integrante o grupo de estudos sobre a obra de Guimarães Rosa do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (USP) e realiza oficinas e palestras sobre música e literatura em bibliotecas, livrarias e espaços culturais. Como letrista tem parceiros ilustres como, Léa Freire, Sizão Machado, Mozart Terra, maestro Moacyr Santos, maestro Júlio Medáglia e o violonista Yamandú Costa.

Joana Garfunkel é narradora de histórias e psicóloga, autora de uma pesquisa acadêmica premiada sobre a obra Grande Sertão: Veredas. Trabalha desde 2005 com música e literatura, apresentando-se ao lado de artistas como Tavinho Moura, Natan Marques, Grupo Miguilins e Emiliano Castro.

Mergulho no Brasil de dentro

Dedos de prosa, boa conversa, música, imagens, artesanato e cultura popular. Essa é a receita de Imagens do Brasil Profundo – Um Olhar sobre a Diversidade Brasileira, projeto que envolve shows, debates, bate papos musicais e ações para crianças iniciado em abril e que se estenderá até dezembro, acolhido pela Biblioteca Mário de Andrade,  que ocorre quinzenalmente, sempre às quartas-feiras, sob a batuta do historiador e sociólogo Jair Marcatti, professor de Relações Internacionais e de Sociologia.

A ideia é mostrar e discutir por meio de músicas, filmes, manifestações populares e objetos o Brasil por dentro, aquele país que nas palavras do mestre Ariano Suassuna, escondido em rincões considerados profundos, é muito vivo. Ao invés de promover abordagens tradicionais, entretanto, Marcatti prefere convidar músicos, documentaristas, diretores de cinema, ativistas culturais e pesquisadores da cultura popular que em comum nutrem um modo de olhar aprofundado e amplo sobre o Brasil e trabalhos de pesquisa e resgate das nossas mais entranhadas tradições.

Com cada um dos participantes, Marcatti aborda aspectos do universo cultural e musical  brasileiro, de nossas trajetórias, continuidades e rupturas; daquilo que, sem nenhuma pretensão definidora, poderíamos chamar de identidades brasileiras, no plural, com a vantagem dos exemplos serem pontuados no calor da prosa, ao vivo, pelo som dos instrumentos, muitos artesanais, e pela apresentação de outras formas de expressão cultural.

As rodadas do Brasil Profundo começam sempre às 20 horas e não há cobrança de ingressos. Marcatti já recebeu neste ano Renata Mattar, da Companhia Cabelos de Maria, Magda Pucci, do grupo musical  e de pesquisas étnicas Mawaca, Cláudio Lacerda, Katya Teixeira e Cássia Maria, Benjamin Taubkin, Luiz Salgado, Paulo Dias, Galileu Garcia Júnior, Ivan Vilela, José Miguel Wisnick e João Arruda. Até dezembro haverá ainda sessões com Sidnei de Oliveira, em 4 de novembro, Consuelo de Paula, Trio José, Antônio Nóbrega e Conversa Ribeira.

A Biblioteca Mário de Andrade fica na Rua da Consolação, 94, e para mais informações disponibiliza o número de telefone 3775-0002.

 

676 – Após receber Renata Mattar e Magda Pucci, projeto Imagens do Brasil Profundo anuncia Jean e Joana Garfunkel em bate-papo sobre Guimarães Rosa

jair e moças

Ontem, 7 de outubro, Jair Marcatti recebeu na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, Magda Pucci e Renata Mattar, em mais uma rodada do Projeto Imagens do Brasil Profundo. Magda Pucci falou do seu trabalho e pesquisas sobre cantos de diversos países, com maior foco nos afros-brasileiros e indígenas que já resultaram em vários livros e também formam o vasto repertório do Grupo Mawaca, enquanto Renata Mattar abordou em sua palestra aspectos relacionados aos cantos de trabalho (ou de ofício) com os quais lida e entre outras frentes atua defendendo a perpetuação e a valorização desta manifestação da nossa cultura popular por intermédio das atividades da Companhia Cabelos de Maria.

Magda Pucci é arranjadora, compositora e intérprete, além de pesquisadora da música de vários povos há mais de 20 anos. Dirige e produz o Mawaca desde sua formação, grupo que recria músicas de diferentes tradições do mundo, tendo já realizado turnês na Espanha, Alemanha, China, Portugal, Bolívia, Grécia e França.

Formada em canto lírico pela faculdade Santa Marcelina, Renata Mattar foi diretora musical das apresentações Romeu e Julieta e Auto do Rico Avarento, ambas do grupo Romançal de teatro, formado por Ariano Suassuna, e de Auto da Paixão, de Romero de Andrade Lima. Como cantora e acordeonista, já fez parte do grupo As Orquídeas do Brasi”, de Itamar Assumpção, e do Comadre Fulozinha, além das apresentações  de A Vida É Sonho, de Gabriel Villela e Palavra Cantada, de Antonio Nóbrega, com quem trabalhou por cinco anos.

Em 2014, a Biblioteca Mario de Andrade iniciou, sob a curadoria de Jair Marcatti, o projeto Imagens do Brasil Profundo com o objetivo de trazer à tona um país mais interior. Nessa primeira fase, foram convidados grandes violeiros para falar sobre as ligações de sua música com a cultura caipira. Em 2015, o programa se ampliou, abrangendo agora outros aspectos das diversas culturas regionais do Brasil, que serão desvendados em diferentes formatos: shows, bate-papos musicais, debates e palestras.

joana e jean

A próxima atração do projeto Imagens do Brasil Profundo será um bate-papo musical com Jean e Joana Garfunkel, desta vez no dia 28 de outubro, no Auditório da BMA, a partir das 20 horas, com entrada franca.

Jean Garfunkel é poeta, escritor e compositor, já gravado por Elis Regina, Zizi Possi, Margareth Menezes e Maria Rita; Joana, filha de Jean é contadora de história, cantora e grande conhecedora da obra de Guimarães Rosa – ao ponto de “declamar” trechos enormes de sua obra, de cabeça. Pai e filha se uniram e criaram, em 2006, o Canto Livro, grupo musical cujo objetivo é aproximar escritores famosos da literatura com clássicos da música brasileira. Em cada show, eles constroem um repertório de canções recortado por textos com a temática de um autor homenageado.

A Biblioteca Monteiro Lobato, que neste mês estará iluminada em cor-de-rosa em apoio à campanha Outubro Rosa, de prevenção ao câncer de mama e oferece várias outras atividades culturais ligadas à música, à fotografia, à pintura e às artes plásticas fica na rua Consolação, 94, bem pertinho das estações República e Anhangabaú das linhas 3 Vermelha e 4 Amarela do Metrô!

we-are-pb

673 – Rhayfer Ferreira, pernambucano de Paulista, é novidade no acervo do Barulho d’água

rhaayfer 33

Em vários dos textos aqui publicados temos afirmado que a água mineira deve ser abençoada com algum elemento que não se verifica ou “batiza” com tamanha generosidade também o precioso líquido em outros estados quando o assunto é inspiração para compor, escrever, tocar, cantar, jogar bola. Guardada as devidas considerações, naturalmente, queremos dizer que Minas Gerais é o tal Estado — geográfico e na concepção roseana — que provoca uma tal “inveja branca” nos demais, embora, claro, não seja primazia das Alterosas fazer brotar genialidades em todos os campos de manifestação. Pernambuco e pernambucanos, que o digam, pois podem bater no peito e, altivos, dizerem que em Recife, cidades metropolitanas, litoral e sertão ninguém fica devendo nada ao resto da nação. Afinal, é terra de Luiz Gonzaga, de Antônio Nóbrega, de Paulo Matricó, de Lenine, de Chico Science, de Josué de Castro, de Gilvan Lemos, de Gilberto Freyre, de Virgulino Ferreira, do Santa Cruz, do Sport Recife, do Náutico, do Ibes…

Continue Lendo “673 – Rhayfer Ferreira, pernambucano de Paulista, é novidade no acervo do Barulho d’água”

670 – Imagens do Brasil Profundo recebe Renata Mattar e Magda Pucci na Biblioteca Mário de Andrade, em Sampa

A Biblioteca Mário de Andrade, situada em São Paulo, acolheu o projeto Imagens do Brasil Profundo, que tem curadoria do professor de Sociologia Jair Marcatti e cujo objetivo é trazer à tona um país mais interior. Quinzenalmente às quartas-feiras, a partir das 20 horas e com entrada franca, Jair Marcatti recebe convidados que tratam a cada nova rodada de aspectos das diversas culturas regionais do Brasil, desvendados em shows, bate-papos musicais, debates e palestras. Nesta quarta-feira, 7 de outubro, o palco do auditório estará reservado a um debate com Renata Mattar e Magda Pucci.

Continue Lendo “670 – Imagens do Brasil Profundo recebe Renata Mattar e Magda Pucci na Biblioteca Mário de Andrade, em Sampa”

649 – Cláudio Lacerda no Imagens do Brasil Profundo: a arte de melhorar o que já é ótimo!

cródio bma

Cláudio Lacerda, cantor e compositor paulistano, acompanhado por Daniel Franciscão (viola caipira) e Leonardo Padovani (violino), protagonizou na noite de quarta-feira, 16, mais um dos seus memoráveis shows, durante o qual cantou na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, sucessos da carreira que já soma três álbuns gravados, um prestes a ser colocado à disposição dos amigos e fãs (inúmeros, mas ainda poucos para um artista da sua magnitude e capacidade interpretativa e veia composicional!) e vários projetos dedicados à pesquisa, preservação e divulgação das tradições populares que abastecem o inesgotável e rico manancial da  música regional e de raiz nacionais, concebidos e costurados independentemente não sem mergulhar em dedicados estudos.  Cláudio Lacerda atendia ao convite do curador do projeto Imagens do Brasil Profundo, o professor de Sociologia Jair Marcatti, e mais uma vez provou: quando ele sobe ao palco o que já é normalmente ótimo pode ficar ainda melhor!

Continue Lendo “649 – Cláudio Lacerda no Imagens do Brasil Profundo: a arte de melhorar o que já é ótimo!”

633 – João Arruda fala sobre a carreira, cultura popular e canta em nova rodada do Imagens do Brasil Profundo (SP)

arrudinha

O compositor, pesquisador e multi-instrumentista João Arruda, de Campinas (SP), animou mais uma rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo, realizado a cada quinze dias, sempre às quartas-feiras, na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. Abrindo a programação de setembro, João Arruda conversou com o curador Jair Marcatti sobre temas e ritmos relacionados à cultura brasileira e que influenciam sua carreira que, neste ano, completa 10 anos. O bate-papo transcorreu entremeado por músicas dos álbuns Celebra Sonhos e Venta Moinho, além de um terceiro, ao vivo, com músicas do show Entre Violas e Cordas (que está gravando), e as canções Minha História (João do Vale/MA) e Tapera (Vitor Ramil/RS). Para acompanhá-lo, Arruda chamou ao palco o violinista Antônio Galba e a cantora Katya Teixeira.

Continue Lendo “633 – João Arruda fala sobre a carreira, cultura popular e canta em nova rodada do Imagens do Brasil Profundo (SP)”

628 – João Arruda (SP) fala sobre cultura popular e canta sucessos da carreira em nova rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo

joão arruda

O cantor e compositor João Arruda (Campinas/SP), que também é pesquisador e se define como sonhador inquieto, será a atração desta quarta-feira, 2 de setembro, do Imagens do Brasil Profundo, a partir das 20 horas, na Biblioteca Mário de Andrade, situada em São Paulo. A entrada é franca.

João Arruda é um artista múltiplo que se caracteriza pela irreverência e pela alegria. Ainda bem jovem, está completando em 2015 dez anos de carreira conhecida e apreciada inclusive fora do país, marca que vem comemorando apresentando o repertório do novo álbum que lançará em breve, Entre Violas e Couros. O disco será o terceiro da discografia autoral que inclui, ainda, Celebra Sonhos e Venta Moinho.

Continue Lendo “628 – João Arruda (SP) fala sobre cultura popular e canta sucessos da carreira em nova rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo”

Rubinho do Vale é atração de mais uma rodada do Canto & Viola, em Beagá (MG)

rubinhodovale

O projeto Canto & Viola terá mais uma rodada nesta quarta-feira, 24, quando a atração será o menestrel Rubinho do Vale, nascido em Rubim, cidade situada no Vale do Jequitinhonha (MG).  O menestrel que é mais conhecido por cantar seus sucessos ao violão, nesta apresentação marcada para começar às 19h30 tocará acompanhado por Maria das Dores, nome que escolheu para batizar sua viola caipira. O repertório terá músicas autorais e canções que marcaram a vida de Rubinho do Vale desde a infância, presentes na discografia de quase 30 álbuns que inclui discos para o público infantil, produzidos ao longo de 35 anos de carreira. O mais recente, Estrada,  tem a participação do filho, Davi Botelho, do violeiro Ivan Vilela, do cantor, compositor e bailarino pernambucano Antônio Nóbrega e da cantora Fernanda Takai.

Continue Lendo “Rubinho do Vale é atração de mais uma rodada do Canto & Viola, em Beagá (MG)”

Quinteto Armorial e Ariano Suassuna: somos todos filhos da mesma raiz, banhados no mesmo grande rio

o-SUASSUNA-facebook
A obra de Ariano Suassuna é essencialmente centrada na busca da valorização da cultura brasileira, notadamente a popular, mas traz elementos de outros povos e períodos que a universaliza
Amigos e seguidores: o Barulho d’Água Música baixou no armário de CDs e tirou para ouvir os quatro do Quinteto Armorial, grupo que em meados da década de 1970 incorporou-se ao e o Movimento Armorial, idealizado pelo genial Ariano Suassuna, que hoje Deus resolveu recolher ao andar de cima, um ano após a passagem de Dominguinhos e na mesma semana das porretadas que levamos com as partidas do João Ubaldo e do Rubem Braga.

capa-quinteto-armorial-1974
Capa do disco “Do romance ao galope nordestino”, do Quinteto Armorial, gravado em 1974 pela Marcus Pereira

Em um destes brilhantes trabalhos, “Do Romance ao Galope Nordestino”, há uma apresentação do grupo que se desmanchou na década dos anos 1980 e no qual despontara o brincante Antônio Nóbrega, feita pelo próprio Suassuna. O escritor e idealizador paraibano aproveitou o recado na contracapa do “bolachão” mais tarde remasterizado para elencar os propósitos do Movimento Armorial, que à época da gravação do disco (1974)  já estava presente na cerâmica, na tapeçaria, no teatro, na escultura, no romance, na poesia (incluindo a literatura de cordel), e na música, aproximando-se do cinema e da arquitetura, com elementos que davam suportes e valorizavam a cultura dos povos do sertão e das regiões jamais alcançadas pelos divulgadores e formadores de opinião.

As músicas do Quinteto Armorial são obras primas de rica execução melódica que a gravadora Marcus Pereira registrou. Elas são executadas por meio de pífanos, marimbas, violas (incluindo a nordestina e a sertaneja), instrumentos de percussão, gaitas, foles, rabecas, clarinete, trompetes, violinos, ganzás, matracas, caixas e uma porção de outros instrumentos, alguns rudimentares de fabricação anônima, os quais nos levam a um passeio que revisita a Idade Média. De lá,  a viagem vai nos trazendo agradavelmente aos dias atuais em composições trovadorescas, romanescas, provençais, ibéricas, com forte presença, ainda, de ritmos e sons do Cancioneiro Nordestino. Quer dizer: tudo entrelaçado e devidamente harmonizado, comprovando que o berço da nossa cultura popular é o mesmo da de outros povos, que há um universo para o qual tudo converge e no qual todos somos filhos de um mesmo embrião.
Há nesta fusão, portanto, uma evidente e clara cosmogonia, mesmo que através dos tempos cada povo, tribo ou nação tenha incorporado aos seus valores novos critérios de ver e de se relacionar, marcar sua presença no mundo e por meio dela transmitir seus legados. A arte e a cultura, por este ponto de vista, se universalizam, nos atam à mesma fonte, quer sejamos barrocos, pretos, brancos, índios, mouros, caipiras; ainda que prevaleça um tipo brasileiro entre tantos, ele traz em seu DNA está gênese.
Ariano Suassuna esta imerso neste caldo e, portanto, pelo alcance de sua obra ao mesmo tempo realista e visionária, tende a ser atemporal; se o homem desencarnou, o legado dos que como ele abrigavam espíritos evoluídos se pereniza, e, assim seu ciclo jamais se esgota, o próprio ser renasce e fica. É preciso um parênteses para observar que os tempos são outros, a velocidade de transmissão de ideias e de cânones diante da tecnologia que dispomos para a comunicação de massas tende a esvaziar e a pulverizar o que não servir às ideologias do consumo, da produção e da própria sobrevivência dos estados e seus estamentos. Mas o que tem raízes profundas, ainda que se modifique ou se adapte, jamais perde o conteúdo ou se contamina, segue incólume e sem cair na secularização; desperta novos seguidores mundo afora, novos marques, nóbregas, teixeiras, arrudas, ramiros, trancosos, ferreiras e assim o grande rio jamais seca. 

N.R.: Os discos do Quinteto Armorial são além do já citado “Do Galope ao Romance Nordestino” “Aralume”, “Sete Flechas” e “Quinteto Armorial”. O grupo era formado por Antônio José Madureira, Egildo Vieira do Nascimento, Antônio Nóbrega, Fernando Torres Barbosa e Edison Eulálio Cabral.