Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!


Deixe um comentário

974 – Cole no Sesc Pompeia (SP) e conheça Rebento, novo álbum instrumental do violeiro Ricardo Vignini!

Um dos violeiros mais atuantes do país, Ricardo Vignini, é o convidado do projeto Plataforma para a apresentação da quinta-feira, 20, no palco do teatro da unidade Pompeia do Sesc de Sampa. A partir das 21 horas, o cantor e compositor lançará o mais novo álbum da carreira solo, Rebento, que reúne 13 músicas instrumentais, das quais 10 de autoria própria. Para o show de lançamento, o violeiro chamará para a roda André Rass (percussão), Ricardo Carneiro (violão e guitarra), Sergio Duarte (gaita), Ari Borger (piano) e Bruno Serroni (violoncelo).

Continuar lendo


Deixe um comentário

959 – Expoentes paulistas da viola caipira se encontram no Casarão Cultural de Barão Geraldo (SP)

O Centro Cultural Casarão de Barão Geraldo reservou quatro datas do comecinho do mês de junho para promover o I Casarão das Violas, apresentações que levarão ao local expoentes paulistas de variadas vertentes do instrumento de dez cordas. A primeira atração também será mais uma rodada do premiado projeto Dandô Circuito de Música Dércio Marques, que neste ano atravessa a quinta temporada. Em 8 de junho, o anfitrião João Arruda receberá Rodrigo Zanc, cantador de Araraquara residente na vizinha São Carlos. No dia seguinte, 9, o contador de causos radicado em Campinas Paulo Freire levará ao público o show O Violeiro descoberto. Para o sábado, 10, está escalado o grupo sul-mineiro Vento Viola que, na bagagem, trará para lançamento o segundo álbum da trajetória, Em Nome do Vento. Nestes três dias, as apresentações começarão às 20 horas. Já no domingo, 11, o grupo Catira de São Gonçalo abrirá os trabalhos às 18 horas. Uma hora depois, Levi Ramiro e Jackson Ricarte, de Pirajuí e São José dos Campos, vão se revezar ao microfone para encerramento do projeto.

O Centro Cultural Casarão está localizado na rua Maria Ribeiro Sampaio Reginato, sem número, na altura do KM 15 da Estrada da Rhodia (sentido Paulínia). Não há cobrança de entrada e a colaboração para o “chapéu” que ajuda a manter as atividades do Casarão, passado sempre ao final dos espetáculos, é espontânea.

Sobre as atrações

Rodrigo Zanc além de tocar gosta de pesquisar a viola brasileira e suas influências, há mais de 20 anos vem lutando incansavelmente e sem concessões pela manutenção e propagação da cultura ligada ao instrumento. Em nome desta bandeira, já participou de vários festivais, dentre eles o Viola de Todos os Cantos, da EPTV – Rede Globo, e chegou às finais de 2005 e de 2007. Em 2006, lançou Pendenga, o primeiro CD. Em 2010, foi à Europa divulgar seu trabalho. Em 2013, produziu Fruto da Lida, selecionado para o 26º Prêmio da Música Brasileira. Pelo segundo ano no Dandô, Rodrigo Zanc também está à frente do projeto Viola para Dominguinhos (que retomará no segundo semestre) e integra o projeto 4 Cantos,  que ele e Cláudio Lacerda (Botucatu/SP) mantém desde 2011 juntamente com Luiz Salgado (Patos de Minas/Araguari-MG) e Wilson Teixeira (Avaré/SP).

O cantor, compositor e multi-instrumentista João Arruda, natural de Campinas (SP), possui destacado talento para tocar violas e instrumentos de percussão. Declara-se trovador apaixonado pela cultura e tradições populares e vem ganhando elogios como artista comprometido com a valorização e a criação de temas e canções da cultura popular brasileira e da América Latina. Além de músico, é produtor fonográfico. Sua obra pode ser encontrada em mais de 15 álbuns nos quais aparece como artista, convidado ou produtor. É constantemente requisitados para festivais, programas de rádio e emissoras de televisão e assina diversas trilhas sonoras para espetáculos, documentários e filmes. A trajetória musical inclui turnês por Brasil e exterior; com o grupo de Pífanos Flautins Matuá integrou o projeto Samarro’s Brazil realizando concertos na França e na Itália; já percorreu Argentina, Bélgica, Inglaterra e o País Basco com seu concerto Entre Violas e Couros. É idealizador e curador do projeto musical Arreuní, que promove encontros com diversos artistas brasileiros e convidados estrangeiros. Em 2007 lançou Celebrasonhos. Seu mais recente disco solo é Venta Moinho (2013), mas já está preparando o terceiro “filho”, Entre Violas e Couros, apenas com canções autorais gravadas ao vivo.

Paulo Freire é de São Paulo, mas fixou-se em Campinas. A surpreendente e inesgotável capacidade de contar causos, bem como o modo peculiar de tocar viola (este blogue já testemunhou ocasiões em que, inclusive, colocou-a com o tampo inferior voltado para o público, tocando as cordas, portanto, com os dedos invertidos, ou de costas) são resultantes de sua incursão ao sertão de Urucuia, região situada no noroeste de Minas Gerais, onde teve contato com valores da tradição rural e bebeu nas fontes onde Guimarães Rosa ambientou o consagrado romance Grande Sertão: Veredas. Além de músico com viagens a vários centros da Europa carimbadas no passaporte, é escritor e entre outros já dividiu trabalhos com Arnaldo Antunes, Mônica Salmaso, Luiz Tatit, Isa Taube, Cida Moreira e Ivan Vilela.

O  grupo sul-mineiro de Itajubá Vento Viola, reúne Clayton Roma César DameireLúcio Lorena e Aidê Fernandes. Em nome do Vento chegou em dezembro de 2016 e sucede Viola de Todos os Cantos (2000), que conta com a participação do violeiro Levi Ramiro e é considerado entre os amantes da música regional e caipira uma verdadeira relíquia por não dispor mais de cópias. Em Nome do Vento reúne 13 faixas e conta com as participações em três delas de Ronaldo Chaplin (Cheiro de Minas), João Lúcio (Amo Minas) e Adriano Rosa (Pinho e Violeiro).”

Nascido do encontro de violeiros, catireiros e foliões de reis durante encontro casual no Centro de Cultura Caipira e Arte Popular de Campinas, o grupo Catira de São Gonçalo completou o primeiro aniversário em 21 de maio.

Levi Ramiro brotou em Uru, situada na mesorregião de Bauru, e atualmente reside e em Pirajuí. Neste recanto, quando não está percorrendo a estrada ou pescando (hábito que por anos manteve em companhia do inseparável cão Pitoco, que recentemente partiu antes do combinado) também desempenha o ofício de luthier. Violeiros como Fabrício Conde (Juiz de Fora/MG) e João Arruda (Campinas/SP) tocam instrumentos feitos por Levi Ramiro, mas ele começou a carreira, inicialmente, dedicando-se ao violão popular. Somente na década dos anos 1990 quedou-se pela viola caipira. Passou, então, a absorver e a trazer em suas dez cordas todo o universo cultural que forma suas raízes. Com base em valores da cultura caipira e misturando elementos que formam a música brasileira, Levi Ramiro compõe poeticamente a simplicidade da vida interiorana e já gravou nove álbuns, o mais recente intitulado Purunga.

Jackson Ricarte ainda tinha 7 anos quando junto com a família deixou a cidade de Senador Pompeu (CE) para fixar moradia em São Paulo. Antes de fazer as malas, já ouvia Luiz Gonzaga e o xará Jackson do Pandeiro, ídolos cuja paixão passou a dividir com  Tião Carreiro e Almir Sater, dentre tantos outros compositores e cantores, vivendo na nova cidade. O pai percebeu a inclinação do garoto e quando o filho completou 11 anos o presenteou com um violão. Começava, então, o ciclo artístico que em poucas semanas o levaria a tocar o clássico Boiadeiro Errante (Teddy Vieira) sua música do panteão caipira predileta. Aos 12 anos, animava bares, praças e gradativamente ganhava o público com seu carisma e talento. Desde muito cedo, portanto, Ricarte assumiu que seria baluarte da música regionalista brasileira e, aos 18, passou a se dedicar ao estudo da viola caipira, simultaneamente abraçando a carreira profissional de músico. Apaixonado pelo instrumento de dez cordas, aprimorou a técnica na Escola de Música do Estado de São Paulo Tom Jobim, com os professores Rui Torneze e João Paulo Amaral. Neste período, Jackson Ricarte participou como solista da Orquestra Paulistana de Viola Caipira e residiu por um tempo na sede da Orquestra, o Instituto São Gonçalo, onde teve contato com rico acervo musical e dedicou-se a pesquisas que o levaram a conhecer entre novas influências Dércio Marques, Rubinho do Vale, João Bá, Katya Teixeira, Dani Lasalvia, Fernando Guimarães, Paulinho Pedra Azul, Cicero Gonçalves, Amauri Falabella, Chico Lobo, Pereira da Viola, Levi Ramiro, Socorro Lira, Elomar, Xangai, Vital Farias e Geraldo Azevedo dentre tantos outros menestréis da música regional. Neste ano lançou o primeiro álbum, Estrada Afora

Sobre o Circuito Dandô

Ao idealizar o Dandô Circuito de Música Dércio Marquesa cantora, compositora e pesquisadora paulistana de cultura popular Katya Teixeira pretendia fomentar a circulação de música de qualidade inquestionável por todo o Brasil, reunindo artistas de várias regiões, e, assim, além de criar intercâmbios, gerar novas plateias. Quem já se apresentou possui trabalhos reconhecidos e merece melhor projeção no panorama nacional, o que proporcionaria às pessoas acesso a outras linguagens e propostas produzidas fora da “grande mídia”.  Um artista sai de cada cidade e passa por todos os pontos do circuito, girando a roda de forma contínua. Cada edição conta sempre com uma atração do local recebendo e abrindo o espetáculo para o convidado, em shows de aproximadamente noventa minutos. Ao final, um bate-papo entre artistas e plateia fecha a apresentação.

O público de várias cidades de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina, do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais, de Goiás, de Pernambuco e do Distrito Federal já prestigiou shows da caravana, que neste ano chegará a Portugal, Argentina, Chile e Uruguai.

O objetivo de Katya Teixeira é, ainda, tornar popular o nome de Dércio Marques e seu inestimável legado não apenas para a música, mas para toda a cultura brasileira. Mineiro de Uberaba, Dércio Marques morreu em julho de 2012, em Salvador (BA), deixando como maior legado uma grande escola que transcende a composição musical e poética e propõe, ainda, uma postura mais íntegra e solidária de viver, voltada tanto para a preservação da natureza, quanto para o aprimoramento espiritual de cada indivíduo, sem deixar de lado o engajamento político e social. 

O Dandô recebeu em dezembro de 2014 o Prêmio Brasil Criativo na categoria Artes de Espetáculo/Música, no Auditório Ibirapuera (SP). Promovido pelo Ministério da Cultura, pelo Projeto Hub e pela 3M, o Brasil Criativo contemplou 22 projetos  perante um público de mais de 800 pessoas. 


Deixe um comentário

914- Edvaldo Santana e banda, incluindo metais, lançam “Só vou chegar mais tarde”, no CC Vergueiro

O Barulho d’água Música congratula-se, mais uma vez, com Edvaldo Santana que, entrando no 43° ano de carreira, brinda seu público com Só Vou Chegar Mais Tarde, oitavo álbum da carreira dele, marcada por um perfil de independência e irreverência. O novo disco está bombando sem parar aqui na redação do blogue, onde baixou devidamente autografado pelo cantor e compositor, e será apresentado em 25 de março, a partir das 19 horas, na Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural Vergueiro, ao lado da estação Vergueiro da linha 1/ Azul do Metrô de São Paulo. Cole lá, amigo ou seguidor, pois mesmo que o camelo passe no buraco da agulha nenhuma das 13 faixas (abaixo apresentadas em um primoroso texto do jornalista e escritor Jotabê Medeiros* que reproduzimos na íntegra) tocará em rádio ou será apresentada em programas de televisão…    

Continuar lendo


Deixe um comentário

887 – Dulce Quintal lança bolachão inédito, no Sesc Belenzinho (SP), e edições digitais dos três primeiros álbuns

A unidade Belenzinho do Sesc da cidade de São Paulo receberá em 25 de junho a cantora e compositora Dulce Quental (Rio de Janeiro/RJ), uma das precursoras do pop brasileiro, para lançamento do do elepê Música e Maresia. A apresentação, programada para o teatro que fica no terceiro andar do prédio, começará às 21 horas. O disco traz a marca atemporal da artista em gravações inéditas realizadas em meados da década de 1990 e com arranjos originais da época de composições feitas em parceria com Frejat, George Israel (Kid Abelha)e Luiz Carlini (banda Tutti Frutti). Dulce Quental, vocalista  da banda Sempre Livre, é autora de discos antológicos e assegura que fãs e críticos também ficarão surpresos pela atualidade sonora deste álbum que além dos citados Frejat e Carlini contará, ainda, com participações de músicos como Sasha Amback, Jaques Morelenbaum, Rodrigo Santos (Barão Vermelho), Sérgio Dias (Mutantes) e Nilo Romero (que assina a produção musical de algumas faixas).

Continuar lendo


Deixe um comentário

851 – Paulo Netho e Dráusio Silva (SP) comemoram 30 anos de projeto concebido para provocar festas e “desmilitarizar” pensamentos

O recitador Paulo Netho e o cantor e compositor Dráusio Silva vão se reencontrar no sábado, 16 de abril, a partir das 21h30, no Espaço Versátil Multi Eventos, situado em Osasco, para celebrarem 30 anos da realização do primeiro Poemashow, parceria que promoviam na cidade declamando e cantando sucessos da MPB e do rock em meados da década de 1980, embrião da carreira que ambos passaram a desenvolver como poeta, essencialmente, no caso de Paulo Netho, e músico, no caso de Dráusio, um dos integrantes da banda Subtotal. A apresentação terá a participação do também cantor e compositor Salatiel Silva, que ao lado de Paulo Netho forma a Cara de Pavio Produções Artísticas e desenvolve os projetos Balaio de Doi2, Drops Urbano, e Ciranda de Cantigas.

Continuar lendo


Deixe um comentário

826 – Lê Coelho vai do rock progressivo ao samba tradicional em “Tuvalu”, disco de estreia que lançará em Sampa

O palco do auditório da unidade Vila Mariana do Sesc de São Paulo estará reservado a partir das 20h30 da quinta-feira, 10, para o lançamento de Tuvalu –Uma História Oral do Nosso Tempo, primeiro álbum solo do compositor, cantor e violonista Lê Coelho. Durante a apresentação, além de faixas deste trabalho, o púbico ouvirá canções inéditas do cantor e compositor, além de releituras dos repertórios da Banda de Argila e do grupo Urubus Malandros, entre as quais Gota por Gota, gravada recentemente pelo cantor Lineker e para o single Equivocado, com a banda Meia Dúzia de 3 ou 4.

Continuar lendo


Deixe um comentário

815 – Cida Moreira brilha em “Soledade”, anuncia no Itaú Cultural (SP) novo show e que estrelará filme de terror*

Cida Moreira, uma das mais destacadas cantoras e intérpretes paulistas, ícone nacional desde a época da turma de vanguarda que armou seu bunker no teatro do Lira Paulistana, abriu em 18 fevereiro a temporada do projeto Quintas Musicais, do Itaú Cultural, em São Paulo, protagonizando o show do disco Soledade. Lançado em outubro de 2015 em homenagem a uma pequena cidade do sertão da Paraíba, o álbum revela a música brasileira em um roteiro tanto biográfico quanto histórico, trazendo as influências da artista e transportando o público a diferentes tempos e espaços. No palco, ela alia dotes dramatúrgicos da atriz que também é à proposta do disco que, em suas palavras, “discorre com emoção e lucidez sobre um país que está dentro do meu coração de brasileira, e encravado na inestimável experiência do conhecimento concreto dos lugares mais remotos e significantes.”

Acompanhada por Adriano Busko (percussão), Izaías Amorim (contrabaixo acústico e elétrico), Yuri Salvagnini (acordeom, teclado e piano) e Omar Campos (violões, viola e guitarra),  a própria Cida Moreira se encarrega da direção musical do show que começa caipira, com Viola Quebrada (Mário de Andrade), prossegue com interpretações bastante personalizadas de canções como Bom Dia (Gilberto Gil e Nana Caymmi); o domínio público Moreninha; Forasteiro (Hélio Flanders e Thiago Pethit); Poema, (Alice Ruiz); O Pulso (Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Tony Bellotto); e As Pastorinhas (Noel Rosa e João de Barro), passando por A Última Voz do Brasil (Tico Terpins, Zé Rodrix, Próspero Albanese e Armando Ferrante) em levada de rock. Dentro do roteiro cênico e sonoro do disco, apresenta, ainda, três canções que dialogam com a linha melódica, dramática e musical: Cajuína, (Caetano Veloso); Minha Nossa Senhora (Fátima Guedes); e Na Hora Do Almoço (Belchior).

Cida Moreira_ItaúCultural_foto2 Christina Rufatto

Projeções de imagens ao fundo do palco fazem de Soledade mais do que um simples show musical no qual Cida Moreira se reafirma como uma das intérpretes mais ecléticas da música nacional (Foto: Christina Rufatto/Itaú Cultural)

O perfeito resumo da ópera é que Cida Moreira segue sendo um fenômeno ao seu modo absolutamente independente e avesso às concessões. Na volta do Quintas Musicais, encantou e surpreendeu não apenas interpretando um primoroso repertório (no qual “uma música que não tem explicação!”, como se referiu à Construção, de Chico Buarque, por exemplo, ganhou um arranjo de calle de San Telmo), mas também dramatizando e declamando poemas que derivam e se fundem a canções atemporais e ecléticas, revelando um bom gosto por meio do qual aproveitou para homenagear compositores como Taiguara e Nico Nicolaiewsky — que partiram bem antes do combinado, e, assim como ela, seguem “fora das paradas de sucesso, mas no coração das paradas do prestígio”.

Completamente à vontade no palco para distribuir alfinetadas (nem sempre sutis ou veladas), fazer provocações, improvisar e contar piadas (inclusive sobre o atual momento político), gargalhar (muito!) e, irreverente, conversar com a plateia, Cida Moreira, em alguns momentos, parecia se tornar etérea, convocando a acompanhá-la, no máximo, um instrumento além do piano ao qual se sentara, trazendo ao Itaú Cultural uma atmosfera de intimismo que, convidando-nos a fechar os olhos, impunha como forma de devoção cúmplice silêncio da plateia e dos próprios músicos: eles pareciam, também, ascender, desconectados do tempo e do espaço — tal qual a pera esquecida na fruteira, não a apodrecer, mas a se revitalizar por sorver, nota a nota, a seiva conduzida por um floema harmoniosamente melódico. O tecladista e acordeonista Yuri, por exemplo, em vários momentos, quedava-se imerso, talvez, em meditação, demonstrando que estaria em respeitoso transe ou que estaria a absorver as canções tal qual ouvisse orações ou as rezasse. Amorim, encostado à parede, fora do alcance da luz, enquanto sorvia um copo d’água, também se manteve imóvel por um longo intervalo, contemplativo, com os olhos fixos na fonte de sua admiração: a diva que tem declarado amor a todos os admiradores — como se fossem únicos — e entre ela e o coração de cada um construiu pontes sólidas como se fosse mágica. 

Para estes momentos de enlevo e descontração contribuíram não apenas impecável iluminação, com predomínio de tons vermelhos (ora quentes, ora suaves), mas também projeções de imagens ao fundo do palco, em planos e ritmos com andamento ao compasso das músicas — e como nem sempre em linguagem linear ou lógica, beirando o onírico, com direito a um sol nascente elevando-se ao céu e, a cena final, uma ponta de unha, a lua crescente. Enfim, cada pausa ou gesto de Cida Moreira, cada variação do timbre de sua voz do grave ao agudo, todos os demais recursos artísticos empregados para enriquecer a apresentação musical em si, encaixaram-se perfeitamente na concepção do projeto: permitir ao público viajar entre sertão e cidade durante o desdobramento de um espetáculo concebido não apenas com rigor técnico e profissional, bem como, sem perder a ternura, com sensibilidade e a delicadeza. 

 Soledade é assim: um passeio pelo Brasil meu, de cantora e cidadã brasileira, dentro de uma poesia extraordinária e de sua música absolutamente deslumbrante”, comentou Cida Moreira, sem se omitir de, generosamente, dividir os aplausos e o marcante carinho do apinhado auditório (as poltronas das galerias inferior e superior foram todas ocupadas) com sua equipe de trabalho — dentro da qual há e mencionou, por exemplo, o autor das imagens e sua montagem em clipes, Murilo Alvesso; e o cenógrafo, iluminador e diretor geral Humberto Vieira. O disco Soledade, segundo ela, esgotou-se, mas em breve nova prensagem estará disponível e o show seguirá sendo oferecido em casas de grande afluência de público e a Virada Cultural paulistana, ao passo em que ela, paralelamente, costura outros projetos, inclusive um filme de “terror contemporâneo, maravilhoso” do qual será a mocinha e terá parte das locações no Capão Redondo (bairro do extremo da zona Sul de São Paulo), mais outro musical, Copo de Veneno, com Murilo Alvesso.  

 

Sobre Cida Moreira

Cida Moreira (São Paulo, 1951) estreou nos palcos brasileiros na década dos anos 1970, depois de cantar pela primeira vez na rádio Marconi, de Paraguaçu Paulista. Seu primeiro trabalho musical, Summertime, produção independente realizada ao vivo, foi lançado em 1981, no teatro do Lira Paulistana, mesclando clássicos do jazz e do blues, além da versão censurada de Geni e o Zepelim (Chico Buarque). Cantora, pianista e atriz, já lançou dez álbuns, dentre os quais Cida Moreira interpreta Brecht (1988), Cida Moreira canta Chico Buarque (1993) e A Dama Indigna (2011). Ganhou o prêmio de Melhor Atriz pelo filme O Que Se Move (2013), no Lakino Film Festival, em Berlim.

* Com Larissa Corrêa, jornalista do Itaú Cultural

soledade

*