1539 – BMDG Instrumental premiará quatro músicos mineiros com R$ 12 mil e duo poços-caldense está no páreo

#MPB #MúsicaInstrumental #PrêmioBDMGInstrumental #BeloHorizonte #PoçosdeCaldas

O BDMG Cultural realizará entre a sexta-feira, 27, e o domingo, 29 de maio, a etapa final do 21º Prêmio BDMG Instrumental evento que chega à maioridade e completa 21 anos de fomento à cena da música instrumental mineira e brasileira. As apresentações dos instrumentistas selecionados ocorrerão no Teatro Sesiminas, em Belo Horizonte, com entrada gratuita.

Na primeira etapa do prêmio, que ocorreu em abril, na sede do BDMG Cultural, foram selecionados por uma comissão formada pela violonista Cláudia Garcia, pelo artista sonoro Marco Scarassatti e pelo músico Thiago Delegado doze músicos finalistas. Eles são: Daniel Souza (guitarra); Duo Rodrigo Mendonça e Flávio Danza (flauta transversal e violão 7 cordas); Ezequiel Piaz (violão 7 cordas); Jaiminho Silva (piano); Lucas Ladeia (cavaquinho); Makely Ka (violão); Nara Pinheiro (flauta transversal); Samy Erick (guitarra e violão); Silas Prado (saxofone e flauta); Ulisses Luciano (trompete);. Wallace Gomes (violão); e Wellington Gama (bandolim). Cada instrumentista defenderá duas composições autorais e um arranjo, como de praxe na história da premiação, nas três noites da finalíssima.

Continuar lendo

1249 – João Arruda (SP) volta a Sampa e se apresenta com Déa Trancoso (MG) no Espaço 91

Músico, cantador e trovador de Campinas (SP) apaixonado pela cultura musical dos povos, por toadas de bumba meu boi do maranhão, sambas de roda do Recôncavo Baiano, samba rural paulista, congadas e folias, dentre outras cantigas, apresentará o espetáculo Entre Violas e Couros

O cantor, compositor e multi-instrumentista João Arruda estará de volta a cidade de São Paulo para apresentação no Espaço 91 neste sábado, 26, do projeto Entre violas e couros, que terá a participação especial da também cantora, compositora e escritora mineira Déa Trancoso, a partir das 20h30. Residente em Campinas (SP), Cantador, tocador de violas e percussões, Arruda é um trovador apaixonado pela cultura musical dos povos, artista comprometido com a valorização e a recriação de temas e de canções da cultura popular brasileira e da América Latina e costuma envolver as plateias sempre que sobe o palco para promover seus espetáculos solos. Entre cantorias, palmas e risadas, o público costuma viajar ao sabor de toadas de bumba meu boi do Maranhão, sambas de roda do Recôncavo Baiano, samba rural paulista, congadas e folias, dentre outras cantigas que o violeiro traz na sua bagagem de trovador.

Continuar lendo

918 – Museu da Casa Brasileira retoma apresentações dominicais em São Paulo com quatro concertos de orquestras

O Museu da Casa Brasileira (MCB) retomará a partir de 12 de março as concorridas apresentações gratuitas que sempre a partir das 11 horas e aos domingos lotam as dependências do terraço do prédio, com capacidade para até 400 pessoas, situado no bairro paulistano de Pinheiros. Nesta que será a 18ª edição do projeto Música no MCB, a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo programou uma série de quatro concertos com orquestras que executam estilos musicais variados, evidenciando a versatilidade deste tipo de formação. A temporada será aberta pela Orquestra Pinheiros, que reúne integrantes do Coral Esporte Clube Pinheiros (ECP) e oferecerá à plateia É Pop!, sob a regência de Murilo Alvarenga. O repertório recordará canções de conjuntos e artistas populares da música internacional, entre os quais The Beatles e Queen, mescladas a musicais da Broadway, em um formato inédito. Além do coral, haverá “canjas” com cantores convidados.

Repertório da Orquestra Pinheiros divulgado pelo MCB*:

01. The Fifth of Beethoven (L.v. Beethoven)/02. The Best of Earth and Fire (medley)/03. Bohemian Rhapsody (Freddie Mercury)/04. Beauty and The Beast (Alan Menken)/05. Body and Soul (J. Green)/06. Miss Celie’s Blues (Quincy Jones & Rod Temperton)/07. Oblivion (Astor Piazzolla)/08. Chiquilin de Bachin (A. Piazzolla & H. Ferrer)/09. Lady Madonna (Lennon & McCartney)/10. Something (G. Harrison)/11. Hey Jude (Lennon & McCartney)/12. Phantom Medley (Andrew Lloyd Webber)/13. Memory (Andrew Lloyd Webber)/
14. Feeling Good (A. Newley & L. Bricusse)/15. New York, New York (J. Kander & Fred Ebb)
16. Can’t Take My Eyes Off You (Frank Valli & B. Gaudier)/17. My Way (J. Reavux, C. François & Paul Anka)
18. Happy (Pharrel Williams)

Continuar lendo

Pamonha com uísque: Robson D’Angelo e Rogério Ribon encontram encruzilhada onde Mississípi e Piracicaba confluem

pe no blues arte 1

Os músicos Robson D’Angelo e Rogério Ribon poderiam ter formado mais uma dupla Robson & Rogério como tantas, com direito à fama no programa do Faustão e de serem os queridinhos da Fátima Bernardes, mas encontraram a encruzilhada na qual os rios Mississípi e Piracicaba se juntam e, na terceira margem desta confluência, onde apearam para beber da límpida água, encontraram Robert Johnson pescando com Tião Carreiro. Raul Seixas afinava uma viola e ao ver os dois rapazes perambulando por ali, convidou-os para fitar um cigarrinho de palha. Durante a prosa, o Maluco Beleza recomendou: para além do ouro dos tolos, busquem uma concepção alternativa de tocar. Não precisa, necessariamente, ser uma metamorfose, ou um ponto extremo fora da curva, mas seria bom algo que passe longe do rame-rame que mantém famílias como macacos adestrados aos domingos no sofá, com seus saquinhos de pipoca e olhos calmos, apesar de tanto mau trato aos ouvidos. D’Angelo e Ribon entenderam o toque, e entre um gole e outro, agora de uma boa destilada na roça, resolveram que botariam o pé na estrada. Unindo paixões ao agradável, conceberam após um ano e meio de pesquisas um projeto que ganhou um irrepreensível repertório no qual pamonha se come tomando uísque caubói.

Continuar lendo

Xote da periferia paulistana e blues do Piauí: Edvaldo Santana, lobo solitário que tem tupã e tem tupi, é atração com Badi Assad do Sr. Brasil

O piauilistano Edvaldo Santana,  parceiro de Leminski, Assumpção e Assunção canta rock, blues, baião, samba, xote, e está completando quatro décadas de carreira atualmente divulgando Jataí, do qual levou para o palco do Sr. Brasil a faixa A poda da rosa (Foto: Pierre Yves Refallo)

A partir das 10 horas deste domingo, 7, com toda a alegria e irreverência que o caracteriza, o cantor e compositor Edvaldo Santana (São Paulo/SP) estará sentado no famoso banco do programa Sr. Brasil, que irá ao ar pela TV Cultura a partir das 10 horas. Natural do bairro de São Miguel Paulista e piauiense de alma, Edvaldo Santana recebeu mais este convite de Rolando Boldrin no momento em que celebra quatro décadas de estrada, tempo em que constrói uma trajetória ímpar na qual além de composições individuais selou parcerias com Paulo Leminski, Itamar Assumpção, Sérgio Sampaio, Arnaldo Antunes, entre outros, sempre preservando a pegada independente, peculiar e engajada.

Continuar lendo