1603- Brasil dá adeus a Frei Chico, evangelizador da paz e do amor que a lombo de burro preservou e valorizou a cultura popular do Vale do Jequitinhonha

#MPB #CulturaPopular #ValedoJequitinhonha #Araçuai #Betim #RibeirãodasNeves #BeloHorizonte #Beagá #Zoeterwoude #Rotterdam #Holanda #Portugal

Franciscano que nasceu na Holanda, mas dedicou maior parte da vida de 83 anos ao combate à miséria socioeconômica e cultural em uma das regiões mais pobres do Brasil, não resistiu à meningite, após parada cardiorrespiratória. Corpo será sepultado em Araçuai, sua primeira casa no novo país

Agentes populares dos setores da cultura e da religiosidade do país se despediram comovidos de Frei Chico, frade franciscano que tinha 82 anos e nasceu em Zoeterwoude, cidade de Rotterdam (Holanda), mas que boa parte de sua vida dedicou aos pobres e a atividades socioculturais, humanitárias e espirituais no Vale do Jequitinhonha, em cidades como a capital do Estado de Minas Gerais e em no entorno da Grande Belo Horizonte. Franciscus Henricus van der Poel, seu nome de batismo, respeitado e incansável pesquisador de tradições brasileiras, morreu no dia 14 de janeiro, de meningite, no Hospital Madre Tereza, localizado em Araçuai, onde estava internando há uma semana e após sofrer neste período uma parada cardiorrespiratória. A Prefeitura de Araçuaí decretou três dias de luto para destacar a importância do frei não apenas para a localidade, mas para o país e o mundo. O corpo, transladado para Araçuaí, seria  sepultado na segunda-feira, 16, no túmulo onde se encontram os restos mortais de Frei Rogato Hoogma, no Cemitério de Nossa Senhora do Rosário, ao lado da Igreja do Rosário.

Entre outras atividades e ações que o tornaram elogiado e respeitado por inúmeros amigos e críticos estão a fundação do Coral Trovadores do Vale, mais livros dedicados à pautas culturais e ligadas à religiosidade. Frei Chico foi membro da Comissão Mineira de Folclore e do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, conselheiro do Centro da Memória da Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), docente no Instituto Carl Jung, palestrante na Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Belo Horizonte. Ainda como protagonista do cenário musical, integrou a Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) e atuou como palhaço da companhia Pano de Roda, do Teatro Terceira Margem, também de Beagá. 

Continuar lendo

1380 – Mais cinco atrações encerram o 4º Viola de Feira, da Picuá Produções

#ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #Viola10Cordas #MúsicaBrasileira #CulturaPopular

A hora do almoço com música de raiz e com ambiente de feira de eventos, o que unirá boa comida e ótima companhia.

A Picuá Produções Artísticas promoverá neste domingo, 25, a rodada de encerramento do 4º Viola de Feira, que teve início em 4 de abril, com apoio do Ministério do Turismo e do Governo do Estado de Minas Gerais, agora contemplado pelo Edital da Lei Aldir Blanc (Edital Nº 16/2020  processo nº 1397)l. Violeiros consagrados vem se revezando a cada domingo deste período a partir das 11 horas e suas apresentações podem ser acompanhadas pelo canal https://m.youtube.com/user/picuaproducoes, sem a necessidade, portanto, de sair de casa e promover aglomerações neste grave momento da pandemia de Covid-19 em todo o país.

O projeto Viola de Feira é idealizado por Wilson Dias com o apoio da esposa Nilce Gomes à frente da Picuá Produções. O casal entende do riscado e convidou conterrâneos mineiros e de outros estados para embalarem a hora do almoço com música de raiz e com ambiente de feira de eventos, o que unirá boa comida e ótima companhia. Os concertos do projeto Viola de Feira sempre lotaram o Centro Cultural Padre Eustáquio, em Belo Horizonte (MG), formato agora inviável devido à expansão do coronavírus. Em 2021, apesar de hoje o palco ser virtual, não faltará a qualidade que já popularizou o evento.

Continuar lendo

1169 – Marcos Zam, compositor paulista radicado em MG, tem disco em homenagem ao Paraopeba

Rio que banha cidades de vários estados a partir da nascente em Minas Gerais, afetado gravemente pela lama da barragem de Brumadinho, dá nome ao primeiro álbum do violeiro que tem mais de 500 composições próprias

As tradicionais audições aos sábados pela manhã aqui na redação do Barulho d’água Música neste dia 23/3 começaram com uma coletânea de músicas de Marcos Zam,  paulista de Santo André radicado na cidade de Betim, localizada na Grande Belo Horizonte, a 26 quilômetros da Capital de Minas Gerais.

A seleção de 20 trilhas foi disponibilizada pelo blogue Em Cantos Sagrado da Terra em junho de 2018 e destaca faixas de Paraopeba, disco gravado em 2008 beneficiado pela lei municipal de incentivo à cultura de Betim, o primeiro de Zam. Paraopeba  traz 13 faixas ao som de belas violas e instrumentos típicos do cancioneiro caipira, todas composições próprias em parcerias com amigos das mais poéticas que pedem parar um tempo a correria da vida para ouvi-lo, curtindo o balanço de uma rede ou um pedaço de broa de milho com café, ao pé do fogão de lenha. As trilhas são tocadas em ritmos dos mais diversos, da moda ao pagode de viola; entre as outras faixas pinçadas para a coletânea estão as clássicas Cuitelinho e Marcolino (Pena Branca) e  instrumental Mato Grosso; mas o destaque deste repertório é a faixa título, a número 7, que dá nome ao álbum, Paraopeba uma bela homenagem ao rio que hoje agoniza sofrendo os efeitos colaterais da lama que escorreu após o rompimento em 25 de janeiro da barragem de Brumadinho.

Continuar lendo