1553 – Mônica Salmaso e Dori Caymmi lançam Canto Sedutor, álbum com a profundidade do Brasil plural

#MPB #ViolaBrasileira #Xilogravura #CulturaPopular

 Os cantores e intérpretes Dori Caymmi e Mônica Salmaso, duas das vozes mais consagradas do país, acabam de lançar Canto Sedutor, álbum do selo Biscoito Fino que faz jus ao sugestivo nome da gravadora. Teco Cardoso está à frente como produtor do projeto (que reúne 14 composições de autoria de Dori e do inseparável parceiro dele, Paulo César Pinheiro) e, além de tocar flauta, convidou para também entrarem no estúdio Tiago Costa (piano), Sidiel Vieira (baixo acústico), Neymar Dias (viola caipira), Lulinha Alencar (acordeon), Bré Rosário (percussão) e o Duo Imaginário, formado por Adriana Holtz e Vana Bock (cellos); o disco conta ainda com a participação da Saint Petersburg Studio Orchestra e Caymmi nos arranjos de base e nas cordas do violão.

E por falar em cordas, antes de prosseguir, vale aqui um destaque: todo o time convocado por Cardoso é afinadíssimo. Lulinha Alencar e Neymar Dias, por exemplo, tocaram com Mônica em Caipira, portanto, eles estão entrosados, há tempos. Mas ah, a viola de Neymar! Só ela tem um toque inconfundível, personalíssimo, fala por si. Como no antigo programa Qual é a Música, basta uma nota para saber: é ele quem tange o instrumento, dá sotaque de roça e ao mesmo tempo clássico às faixas. E cá entre nós, que os demais me deem licença para a deferência, pois aqui a opinião é pessoal: Neymar Dias tem nome de craque, mas como não é soberbo como o xará, confere ainda maior excelência a Canto Sedutor, do início ao fim do novelo!

Continuar lendo

1547 – Jackson Carlos lança epê dedicado à memória dos quilombolas do Sertão do Valongo (SC)*

#MPB #MúsicaInstrumental #Escultura #ArtesPlásticas #CulturaPopular #SertãodoValongo #ComunidadeQuilombola #PortoBelo #Tijucas #SantaCatarina

*Com Nane Pereira

AfroEu tem três faixas instrumentais, com violão e fugelhorn, arte visual do urbanista, pintor e escultor Jean Tomedi, mais a participação especial do trompetista Bruno Soares

O guitarrista, violonista, produtor musical e diretor artístico Jackson Carlos lançou em todas as plataformas digitais o epê AfroEu, álbum que contém as faixas Saudade, Etéreos e Descendentes, instrumentais, com formação de violão e flugelhorn. O trabalho é inspirado na comunidade quilombola Sertão do Valongo, localizada no litoral de Santa Catarina; Etéreos e Descendentes incluem a participação especial do trompetista Bruno Soares. O processo criativo de AfroEu envolveu em parceria o artista visual, arquiteto e urbanista Jean Tomedi, convidado a produzir três esculturas durante pesquisa e vivência na comunidade quilombola.

Ouça o EP AfroEuhttps://spoti.fi/3mRAWMq 

No AfroEu os temas se conectam entre si e soam uma trilogia com texturas e ambiências que remetem a linguagens como a música erudita, o jazz europeu e a música brasileira”, afirmou. “As sonoridades e texturas do epê propõem uma viagem que passeia por diferentes continentes e fazem alusão ao desenvolvimento étnico de povos do mundo.

Continuar lendo

1541 – Mário Negrão Borgonovi (SP) lança álbum dedicado à bateria, seu instrumento de devoção

#MPB #MúsicaInstrumental #Samba #Jazz #CulturaPopular

Xeque Mate. segundo trabalho do baterista e músico paulista Mário Negrão Borgonovi, comemora os 50 anos de carreira do músico. À época do primeiro, Madeira Em Pé (1980), o autor ainda assinava apenas Mário Negrão e trouxe a público um álbum autoral considerado como um dos pioneiros da música instrumental brasileira, revelando um olhar musical sobre o meio ambiente, Conhecido como músico de estúdio, passou boa parte de sua carreira tocando com astros da música popular brasileira como Baden Powell, Antonio Adolfo, Paulo Moura, Raphael Rabello, Carlos Lyra, Claudete Soares, Clara Nunes, Chico Buarque, Egberto Gismonti, Leila Pinheiro, MPB-4, Paulinho Nogueira, Quarteto em Cy, Rosinha de Valença, Sérgio Ricardo, Toquinho, Vinícius de Moraes e Orquestra Sinfônica Brasileira, entre tantos outros. Agora, fez questão de observar que Mário Negrão foi uma marca que o acompanhou durante toda a carreira, pois Negrão é o sobrenome de sua mãe, mas neste segundo resolveu  homenagear o pai, já falecido, motivo pelo qual o sobrenome dele, Borgonovi, é usado no álbum e na assinatura.

Continuar lendo

1538 – Chico Lobo lança O Tempo É Seu Irmão e celebra mais de 40 anos de carreira com convidados especiais

#MPB #ViolaCaipira #VioladeDezCordas #ViolaBrasileira #MinasGerais #BeloHorizonte #SãoJoãoDelRey #CulturaPopular #GravadoraKuarup

27º álbum do violeiro mais atuante da cena brasileira tem participações especiais de Luiz Caldas, da dupla Kleiton & Kledir, da cantora Tetê Espíndola e do cantor Sérgio Andrade

Segundo especialistas em inovação, a necessidade de se reinventar existe há muito tempo, faz parte da história da humanidade. Tanto quanto mudar é questão de sobrevivência. Assim o violeiro mineiro, compositor e cantador Chico Lobo, em 2021 consagrado com o quarto troféu do Prêmio Profissionais da Música (PPM) na categoria Melhor Artista Raiz Regional e com a Medalha de Honra da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) pela sua relevante atuação na cultura e sociedade, colocou em prática justamente isso, em plena pandemia de Covid-19. Após lançar Alma e Coração, em 2020, já nesse processo de ousar e criar, tornar-se outro, Chico Lobo não parou e no ano passado produziu, em parceria com a Kuarup, mais um álbum nesses tempos difíceis.

Continuar lendo

1534- Giancarlo (RS/MG) lança em Brumadinho Por Onde Vamos, segundo álbum da carreira, já disponível no formato digital

#MPB #MúsicaGaúcha #Moeda(MG) #Herval(RS) #CulturaPopular

O músico e cantautor Giancarlo Borba está lançando hoje, 14 de maio, o segundo álbum autoral da carreira, Por Onde Vamos, com canções que propõe reflexões sobre as crises sociais, políticas e ambientais. A apresentação está marcada para a cidade de Brumadinho (MG) e coincide com a chegada do disco às plataformas digitais pela distribuidora QUAE. Giancarlo Borba terá a companhia de músicos convidados e líderes indígenas e a renda da bilheteria será revertida para o apoio às retomadas indígenas Kamakã Mongoió e Xucuru Kariri na região. Com produção musical assinada pelo cantautor e direção artística de Sol Bueno, Por Onde Vamos traz provocações de um lugar no presente que reflete sobre quais caminhos a humanidade quer prosseguir. Se ainda não sabemos de um mapa ou ponto de chegada que contemple o pleno respeito à vida, no perguntar-se para onde ir pode habitar a poética de sonhar utopias que caminham. E talvez aí more o sonho do cantador: cantar utopias que caminham pode ser força e movimento para que corpos e vidas possam ser bom de bem viver e esperançar.

Continuar lendo

1533 – Tuia (SP) lança álbum de inéditas e parcerias para marcar 25 anos de carreira

#MPB #FolkRock #RockRural #FolkPop #Country #CulturaPopular #Jacareí #ProdutoraeGravadoraKuarup

 Semente Que O Amor Dará traz o sucesso Flores da Manhã e as participações especais de Zeca Baleiro, Guarabyra e Renato Teixeira

Já chegou às plataformas digitais Semente Que O Amor Dará, novo álbum do cantor e compositor paulista Tuia, que tem distribuição pela produtora e gravadora Kuarup. O disco é o quinto disco da carreira do músico e compositor de Jacareí (SP), cidade do Vale do Paraíba, que fez parte nos anos 1990 do grupo Dotô Jéka, umas das bandas pioneiras do estilo rock rural no Brasil. Semente Que o Amor Dará brinda amigos e fãs com nove músicas inéditas autorais e em parcerias e participações de Zeca Baleiro, Guarabyra e Renato Teixeira. Além dos três convidados, integraram as gravações Ricardo Vignini (viola slide); Reginaldo Lincoln, da banda Vanguart (baixo e backings); Fábio Tagliaferro (violino); Mário Manga (cello); e Kadu Menezes (bateria).

Continuar lendo

1528- Cantigas de andar, novo álbum de Osni Ribeiro (SP), reúne memórias, histórias do autor e crônicas do seu tempo e lugar

#MPB #MúsicaCaipira #MúsicadeViola #CulturaCaipira #CulturaPopular #Botucatu #DandôCircuitodeMúsicaDércioMarques

* Com Mercedes Cumaru

As andanças do cantador, compositor e violeiro Osni Ribeiro por diversos palcos Brasil afora serviram de inspiração para a gravação deste mais recente álbum de sua discografia, Cantigas de Andar, já disponível nas plataformas digitais, Partindo da emblemática Botucatu, onde nasceu e reside, Osni Dias contou que “dos encontros e rodas musicais nas cidades por onde passei e mesmo nos caminhos virtuais que desbravamos durante a pandemia [da Covid-19] surgiram novas canções, muitas delas parcerias inéditas. O ‘andar’ artístico continuou e até ampliou-se em formato online. Assim, o álbum revisita essas passagens e apresenta os frutos dessas interações”. O nome Cantigas de Andar faz referência ao conceito do Dandô – Circuito de Música Dércio Marques, projeto coletivo que também ‘anda’ pelo Brasil impulsionando a circulação de shows. “Faço parte do circuito desde 2018 e isso permitiu maior capilaridade para os meus trabalhos autorais, proporcionando interações com plateias e artistas de muitas e diferentes localidades e linguagens”, observou Ribeiro.

O repertório do novo disco incorpora ao trabalho autoral de Osni Ribeiro os traços e as influências de seus parceiros musicais que, da mesma forma, protagonizam, defendem e mantêm vivas as características das tradições culturais e propõem um novo diálogo com a atualidade. Na composição utilizo elementos de nossas raízes culturais e uma linguagem musical que proporciona às plateias a proximidade com um universo que muitas vezes é pintado com cores que não condizem com a realidade e com a história de nossa cultura”, ponderou.

Assim, para Osni Ribeiro, Cantigas de Andar procura ressignificar o movimento da música que flui dos interiores para as metrópoles e carrega na sua essência elementos de ligação e afetividade entre os grandes centros urbanos, as pequenas cidades e o campo. Apresenta novas perspectivas musicais a partir dos regionalismos diversos que sobrevivem dentro de uma nação continental e que necessitam de cuidados com suas matrizes culturais, de reconhecimento e do fortalecimento da sua identidade. É asica caipira, regional, que nos dá a oportunidade de sabermos quem somos e de onde viemos. Cuidar das raízes, sempre, mas sem perder de vista os brotos, flores e frutos, naturais do cultivar, inerentes à dinâmica da cultura, reforçou 

Cantigas de Andar reúne 13 canções assinadas por Osni Ribeiro e parceiros de composições, dos mais recorrentes aos novos, em todas as faixas, o que ampliou consideravelmente os sotaques, as linguagens e as temáticas musicais do disco. Pela ordem de execução, ela são:

1.Rio Acima, Rio Abaixo – Feita com Fernando Vasques, conterrâneo de Botucatu;
2.Porte de Almas Parceria tripla com Vasques e com o mineiro Marcelo Taynara;
3.Rio Amargo – Novamente tripla parceria, desta vez com os poetas mineiros
Paulo Nunes e Juca da Angélica (in memoriam);
4.Nada é Casual– Composição de estreia do escritor Joel Emídio da Silva (SP)
na criação musical;
5.Manhã Violeira – Composta com Bernardo Pellegrini, de Londrina (PR);
6. Milonga Pra Cuidar Da Alma – Milonga caipira com sotaque gaúcho de
Rodrigo Rocha, de Encruzilhada do Sul;


Disponível em todas as plataformas digitais e em https://tratore.ffm.to/cantigasdeandar


7.Estações – Trabalho compartilhado com Alexandre Lemos, compositor
carioca consagrado com músicas gravadas por Renato Teixeira e Ney Matogrosso;
8.Dança de Nhanderu – Com o parceiro mais recorrente, premiado poeta e
escritor Marco Cremasco;
9.Viagem de Folia– Com o poeta mineiro Paulo Nunes;
10.Tanto Trem – Com o jornalista, pesquisador, escritor e poeta Sérgio Santa Rosa;
11.Simples Assim – Parceria com o companheiro de cantorias e vizinho de  Botucatu Cláudio Lacerda;
12.O Pó da Rabiola – Parceria inédita com o pernambucano Tavinho Limma, radicado em Ilha Solteira (SP) e amigo de festivais há mais de 30 anos;
13.Viola Que Chora – Com o poeta mineiro radicado em Brasília Edimar Silva

O TRADICIONAL E O CONTEMPORÂNEO COMO BROA E CAFEZINHO

Nascido em Botucatu, no interior de São Paulo, Osni Ribeiro começou sua trajetória musical em 1981 cantando música caipira com o parceiro José Lira. Em 1986, já em carreira solo, passou a se apresentar em casas noturnas e projetos alternativos. Rodou São Paulo, Minas Gerais e Paraná participando de festivais de MPB, um deles, o Festival de Música e de Poesia de Paranavaí (PR), o Femupo, onde e quando nos tornamos amigos em 1997 e ano no qual passou a desenvolver trabalhos de pesquisa e composição baseado na música do interior de São Paulo com influência rítmica e temática da música caipira.

Em 2018, integrou a coletânea Viola Paulista I lançada pelo selo SESC/SP, com curadoria de Ivan Vilela. Fez parte de montagens musicais como Mazzaropi, o Carlitos Caipira, Sobre Trilhos e Canções, No Coração do Brasil tributo à Tonico e Tinoco e SP CaipiraCriou, dirige e apresenta a série virtual Manhã Violeira, programa de entrevista expoentes e emergentes da cena da viola, da música e da cultura caipira. Entre as temáticas de destaque presentes em seu trabalho estão a valorização e difusão da música caipira de raiz, a viola e o constante diálogo entre o tradicional e o contemporâneo na música brasileira.  A discografia inclui Osni Ribeiro” (1994), Bebericando (1996), Arredores (2018) e, agora, Cantigas de Andar, disponível em todas as plataformas virtuais). Rabiola, primeiro álbum de viola integralmente instrumental está em fase de preparação.

Leia mais sobre Osni Ribeiro ou conteúdos a ele relacionados aqui no Barulho d’água Música em:

https://barulhodeagua.com/tag/osni-ribeiro/

1527 -Dia do Jazz: Hot Club (SP) apresenta canções de Django Reinhardt e Noel Rosa em início de turnê paulista*

#MPB #Jazz #CulturaPopular

Contemplado pelo ProAc, o espetáculo 111 anos de Django e Noel, do Hot Clube Piracicaba reúne músicas que compõem álbum recém lançado pelo grupo

*Com Rafael Bitencourt e Claudia Assencio, Tempo D Comunicação e Cultura

Com o objetivo de apresentar releituras de canções de dois importantes compositores do início do século passado que até hoje são cultuados em seus segmentos musicais, o Hot Club de Piracicaba (HCP), fará circular por sete cidades do Estado de São Paulo o espetáculo 111 anos de Django e Noel, promovendo apresentações com entrada franca entre abril e agosto. A iniciativa foi aprovada no ProAC Direto e conta com realização do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, com produção da Empório Produções. E para marcar o Dia Internacional do Jazz neste sábado, 30 de abril, a estreia deste projeto inédito, que conecta a música de Noel Rosa à de Django Reinhardt, não poderia ser em um ponto melhor: o Coreto Elpídio dos Santos, espaço popular que respira música e fica na Praça Doutor Oswaldo Cruz, em São Luiz do Paraitinga, onde as primeiras notas subirão ao ar a partir das 15 horas. Depois, serão contempladas Sorocaba (21/5), Campinas (3/6), Bauru (18/6), Ilha Bela (9/7), Piracicaba (23/7) e, finalmente, Campos do Jordão (6/8).

Continuar lendo

1529- Selo Belic Music chega ao mercado com foco na música instrumental e na canção brasileira*

#MPB #MúsicaInstrumental #Rock #Blues #Vanerão #Chacarera #Choro, #Baião #Forró #CaxiasdoSul #RS #Eindhoven #Holanda #CulturaPopular

* Com Verbena Assessoria: Eliane Verbena / João Pedro

Após mais de 10 anos de atuação no mercado artístico e cultural, a Belic Arte.Cultura está lançando o selo Belic Music que, em um primeiro momento, enfocará a música instrumental brasileira e na canção brasileira de artistas e grupos atendidos pela agência. O novo braço comercial entra no mercado musical com títulos dos seguintes artistas nos próximos meses – Beba Trio, Choro Pro Santo, Fábio Bergamini, Filó Machado e Quarteto de Cordas Vocais, cujos lançamentos serão divulgados oportunamente, além de outros programados ainda para este ano.

Continuar lendo

1524- Dulce Quental (RJ) exalta o silêncio em Sob o Signo do Amor, um disco de enamoramento e resistência*

#MPB #Rock #Literatura #CulturaPopular

Em seu sexto álbum de estúdio, a compositora carioca convida o ouvinte a mergulhar nas pausas de suas novas canções enquanto vive uma história de amor num mundo que está desabando

*Com Marcelo Costa e Eliane Verbena

 

Silêncio. Dulce Quental tem algo para revelar: “Voltei pra mim / Estou de volta”, ela canta em A Pele do Amor, faixa que acena para John Lennon (Hold On) e também traz o título de seu sexto disco solo, Sob o Signo do Amor (Cafezinho Edições, 2022), primeiro disco de inéditas desde Beleza Roubada (Sony/BMG, 2004). Nesse intervalo, Dulce lançou o vinil Música e Maresia (Discosaoleo/Cafezinho Edições, 2016), resgatando canções “perdidas” gravadas na década dos anos 1990, e o DVD homônimo gravado ao vivo e em parceria com o Canal Brasil, em 2017, além de compor e ser gravada por diversos parceiros.

A espinha dorsal de Sob o Signo do Amor, porém, foi composta num autoexílio involuntário em Angra dos Reis (RJ) refugiada numa casinha rústica à beira mar, em 2020, em meio à pandemia de Covid-19, quando compôs e registrou a maioria das canções no formato violão e voz enquanto dividia o espaço com a natureza, o oceano, o céu, a lua, morcegos, golfinhos, pescadores e tartarugas. São canções novas, frescas, emocionais e repletas de silêncios que convidam o ouvinte a entrar num universo tão pessoal quanto social.

Continuar lendo