1277 – Álbum Sons Sobre Tons, da OCAM, traz homenagens a Tomie Ohtake

Disco tem regências de Gil Jardim, Filipe Fonseca e Enrico Ruggieri e traz entre novos compositores os vencedores de concurso inspirado na artista plástica japonesa

O álbum Sons sobre Tons – Criações Musicais sobre Ideias Visuais (distribuição Tratore), da Orquestra de Câmara (OCAM) da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), é  reflexo de uma determinada cena de compositores da cidade de São Paulo. A primeira parte, gravada em 2016, traz componentes da OCAM daquele ano, executando obras de Alexandre Lunsqui e Valéria Bonafé. A outra parte, de 2019, mostra os vencedores do Concurso de Composição Musical Tomie Ohtake, promovido em, 2019: Wellington Gonçalves, Paulina Łuciuk e Yugo Sano Mani. O exemplar que ouvimos enquanto escrevíamos esta atualização nos foi gentilmente enviado pelos jornalistas da cidade de São Paulo Beto Priviero e Moisés Santana, da Tambores Comunicações, aos quais somos gratos e agradecemos por apoiarem nosso trabalho.

Considerada um dos principais organismos artísticos da USP, a OCAM tem 25 anos e confirma, com este lançamento, a diretriz de praticar programação aberta e eclética, explorando universos sonoros plurais. Nestas mais de duas décadas, tornou-se referência no âmbito das orquestras profissionalizantes, promovendo trabalho caracterizado pela qualidade de performance musical e concepção arrojada com que desenvolve suas ações. Criada pelo maestro Olivier Toni (1926/2017) em 1995, possui um corpo sinfônico de 45 músicos, selecionado entre alunos do Departamento de Música da USP e instrumentistas ligados à orquestra via cursos de extensão. Desde 2001, é dirigida pelo maestro Gil Jardim, que procura fazer com que os alunos interajam com a amplitude de possibilidades musicais.

Gil Jardim à frente da OCAM (Foto: Marcelo Macauê)

Gil Jardim, cuja versatilidade tem permitido desenvolver trabalhos na área erudita e popular, é autor do livro O estilo antropofágico de Heitor Villa-Lobos (2006) e lançou O Soprador de Vidro (1999), escrito para o Balé do Teatro Castro Alves (Salvador/BA), e Villa-Lobos em Paris (2006). Este recebeu os prêmios Diapason d’Or e Prime (Revista Bravo). E produziu, fez arranjos atuou em espetáculos e discos de Milton Nascimento, Gilberto Gil, Naná Vasconcelos, John McLaughlin, Branford Marsalis e outros.

CD ‘Sons sobre Tons’

Em 2016, foram gravadas as obras Fibers, Yarn and Wire e Carreteis II, de Alexandre Lunsqui, e A menina que virou chuva, de Valéria Bonafé. Lunsqui é professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e considerado único pela forma com que constrói seus discursos musicais. Valéria oferece obra de densidade dramática, um pequeno ‘réquiem’ dedicado a uma sobrinha que viveu poucos minutos. 

As gravações de 2019 trazem os vencedores do Concurso Tomie Ohtake. Em parceria com o Instituto do mesmo nome, a OCAM organizou o evento com objetivo de fomentar a criação entre estudantes. Realizado em três categorias, cada uma foi inspirada em uma obra da artista japonesa, naturalizada brasileira, Tomie Ohtake (1913-2015). Os vencedores foram Wellington Gonçalves, com Dinâmica de fluidos/ensemble, Paulina Łuciuk, Afterimage. Homage to Tomie Ohtake/orquestra de câmara) e Yugo Sano Mani A escuridão, o corpo vermelho e o fascínio/orquestra de cordas). Gil Jardim é responsável pela regência, mas atuam também os regentes Filipe Fonseca (Carretéis II) e Enrico Ruggieri (A escuridão, o corpo vermelho e o fascínio).

Obras de Othake que inspiraram os vencedores do concurso todas sem títulos

Gonçalves, 30 anos, foi membro do estúdio PanAroma, importante centro de pesquisa e difusão de música eletroacústica. Com relação à obra ele disse: “todo material contínuo se deforma quando submetido a uma força”. 

Sano Mani, 26, que faz mestrado em Sonologia/Processos de Criação Musical na USP, comentou: “Quis viver um processo no qual vem o fascínio gerado pela visão que me atingiu, não uma interpretação hermética”.

A polonesa Paulina, 26, Mestre em Composição pela Academia de Música de Cracóvia (Polônia), vive há dois anos no Brasil, e comentou:  “É uma ilusão de ótica na qual a imagem continua aparecendo mesmo após a exposição à imagem real ter terminado. É uma ‘pós-imagem’.”

Leia sobre Tomie Othake em:

http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa4437/tomie-ohtake

Artista: OCAM–ECA/USP (Orquestra de Câmara da Escola de Comunicações e Artes da USP)
CD: Sons sobre Tons – Criações Musicais sobre Ideias Visuais
Regência: Gil Jardim, Filipe Fonseca e Enrico Ruggieri
Distribuição Tratore – www.tratore.com.br – (11) 3085 1246 – Preço: R$ 30, (em média)
Disco digital disponível para download ou streaming: iTunes, Google Play, Spotify, Deezer, Apple Music

imprensa | Tambores Comunicações |
(11) 3887 7430 – 99966 9320 | tamborescom@uol.com.br

1276 – Gil Jardim rege OCAM e grava clássicos nacionais com gaitista Gianluca Littera

|| tambores comunicações || assessoria de comunicação

Repertório traz releituras de Chico Buarque, Milton Nascimento, Cartola, Djavan, Paulo Bellinati, Cesar Camargo Mariano , com participação de Léa Freire, Ari Colares e Neymar Dias, entre outros

O gaitista italiano Gianluca Littera descobriu a música brasileira na adolescência. Como conta, ‘foi amor à primeira escutada’. Na década dos anos 1970, um amigo apresentou para Luca um disco do violonista Baden Powell (1937-2000) e “com aquela música diferente, num equilíbrio perfeito entre ritmo e melodia”, relembrou, observando que naquele tempo ainda não havia as facilidades das redes sociais, e conseguir LPs brasileiros, na Itália, não era tarefa fácilGianluca não desistiu. Teve acesso a outros LPs, viu shows de músicos brasileiros em Roma, ficou amigo de alguns deles e se envolveu tanto, que, em 2003, foi convidado a tocar no Brasil, com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo Paulo (Osesp). Foi quando conheceu Gil Jardim, diretor artístico da Orquestra de Câmara da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), maestro que, por coincidência, tinha sido chamado pela Osesp para dirigir o concerto.

Continue Lendo “1276 – Gil Jardim rege OCAM e grava clássicos nacionais com gaitista Gianluca Littera”

1273 – Sesc Belenzinho recebe Zé Geraldo e banda para lançamento de Hey Zé!, pela Kuarup

Álbum de onze faixas, uma das quais uma versão de clássico cantado por Hendrix, traz participações especiais da filha  do cantor e compositor mineiro, Nô Stopa, Chico Teixeira, João Carreiro e Duofel

O ano de 2020 começará com um presente para os admiradores e amigos do cantor e compositor mineiro Zé Geraldo: três dias seguidos de shows na unidade Belenzinho do Sesc paulistano, entre 3 e 5 de janeiro, para lançamento de Hey Zé! 17º álbum da carreira do consagrado autor de Cidadão, Milho aos Pombos e Senhorita, entre outros sucessos. Hey Zé! é uma parceria do selo Sol do Meio Dia com distribuição da produtora e gravadora Kuarup e um exemplar do álbum nos foi gentilmente enviado pela Kuarup, à qual agradecemos a toda equipe em nome de seu diretor artístico Rodolfo Zanke, enviando nossos votos de um feliz Ano Novo.

Continue Lendo “1273 – Sesc Belenzinho recebe Zé Geraldo e banda para lançamento de Hey Zé!, pela Kuarup”

1263 – Eliana Pittman lança álbum acústico, pela Kuarup, e resgata show gravado em Paris há 50 anos

Disco tem o dedo do produtor Thiago Luiz Marques e traz 18 músicas em formato acústico, com violão e percussão

Chega ao mercado, pela Kuarup Produtora, Ontem, Hoje e Sempre, novo trabalho da cantora Eliana Pittman. O álbum, gravado em formato acústico com violão e percussão, reúne 10 regravações de músicas de autores como Vinicius de Moraes, Martinho da Vila, Fito Paez, Caetano Veloso, Chico Cesar, Candeia, Cazuza e Gilberto Gil entre outros e um exemplar do disco nos foi gentilmente enviado pela Kuarup, a cuja equipe agradecemos em nome do seu diretor artístico, Rodolfo Zanke. Como bônus, há mais oito faixas, ao vivo, resgatadas de um show gravado em 1970, em Paris, capital da França, na boate Dom Camillo, com repertório de clássicos da Bossa Nova.Com este trabalho, festejo com orgulho e gratidão o meu ontem e o meu hoje, que vem a ser o meu sempre”, afirmou a cantora. 

Continue Lendo “1263 – Eliana Pittman lança álbum acústico, pela Kuarup, e resgata show gravado em Paris há 50 anos”

1262 – Rumo aos cem anos, guarânia ganha livro acadêmico e campanha para virar Patrimônio da Humanidade

Para Fazer Chorar as Pedras (…) de Evandro Higa, traz uma investigação etnomusicológica sobre o ritmo que existe desde 1925 e aborda também a polca e o chamamé, para explicar as contribuições, semelhanças e diferenças da música paraguaia no cenário musical brasileiro

A Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade do Estado de São Paulo (USP) promoveu hoje, segunda-feira, 25 de novembro, durante aula da disciplina Música Caipira e Enraizamento, ministrada pelo professor Alberto Ikeda, o lançamento de Para Fazer Chorar as Pedras: Guarânias e Rasqueado em um Brasil Fronteiriço, livro de Evandro Rodrigues Higa publicado pela Editora da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Para Fazer Chorar as Pedras é essencialmente uma investigação etnomusicológica sobre a guarânia e o rasqueado no Mato Grosso do Sul nas décadas de 1940 e 1950, mas também passa por outros gêneros musicais, como a polca paraguaia e o chamamé, para explicar as semelhanças e diferenças entre eles no cenário musical brasileiro.

Bem além da terra do samba, somos também a terra da guarânia, da polca paraguaia brasileira, do chamamé, entre outros gêneros musicais, afirmou Ikeda, professor do Programa de Pós-Graduação em Música da ECA. Para ele, a obra é a primeira a mostrar com propriedade e referências as influências da música paraguaia no Brasil, principalmente na região de fronteira entre os dois países. Ainda segundo Ikeda, a obra se destaca por ser pioneira no assunto e preencher um vácuo da pesquisa histórico musical sobre as influências ibéricas na música popular e caipira no Brasil.

Continue Lendo “1262 – Rumo aos cem anos, guarânia ganha livro acadêmico e campanha para virar Patrimônio da Humanidade”

1257 – Violeiro e compositor Levi Ramiro (SP) está entre os vencedores do 5º PPM

Troféus para 67 artistas, profissionais, produtores culturais e representantes de empresas ou projetos do segmento foram entregues em Brasília (DF), em cerimônia promovida no Clube do Choro

O cantor, compositor, violeiro e luthier paulista Levi Ramiro é um dos contemplados com o Troféu Parada da Música, entregue em Brasília (DF) na noite de domingo, 3 de novembro, aos vencedores de 67 categorias do 5º Prêmio Profissionais da Música (PPM). Ramiro se tornou o campeão da categoria Violas e Violeiros da modalidade Criação, em cuja final concorreu com nomes respeitados no universo da viola caipira, entre os quais o mineiro Chico Lobo, vencedor nas edições de 2015, 2016 e 2017 e finalista também em 2018, Pedro Vaz (DF), Victor Batista (GO), Mazin Silva (SC), João Triska e André Siqueira, ambos do Paraná, mais a famosa dupla brasiliense Zé Mulato e Cassiano. A cerimônia de entrega dos troféus transcorreu no Clube do Choro, uma das mais conceituadas casas de espetáculos do Planalto Central.

Continue Lendo “1257 – Violeiro e compositor Levi Ramiro (SP) está entre os vencedores do 5º PPM”

1254 – Kuarup lança “Mário Sève”, disco em comemoração aos 60 anos do flautista e saxofonista carioca

Album ao vivo do prestigiado músico é inspirado em temas tradicionais do Brasil e Argentina e conta com a participação de Cecilia Stanzione, além de homenagens ao Época de Ouro e Jonas Silva

A produtora e gravadora Kuarup está lançando um novo álbum do flautista, saxofonista, arranjador e pesquisador carioca Mário Sève, disco com título homônimo que apresenta temas instrumentais de autoria própria, alguns gravados pelos quintetos Aquarela Carioca e Nó em Pingo D’água e outros inéditos. Gravado ao vivo em 1º de maio de 2011 na sala do Itaú Cultural, o disco inclui canções como Sem Preparo, e em parceria com o letrista paulistano  Guilherme Wisnik, além de Una MilongaCanción Necesaría e Zamba Para Sus Manos, com a cantora e letrista argentina Cecília Stanzione, intérprete vocal do álbum. As composições são inspirações contemporâneas no universo sonoro das músicas tradicionais brasileira e argentina. Usando uma terminologia portenha poderiam ser classificadas como aires de choros, milongas, modinhas, tangos, valsas, zambas e baiões. O exemplar que estamos ouvindo aqui no boteco do Barulho d’água Música nos foi gentilmente enviado por Rodolfo Zanke, diretor artístico da Kuarup, a quem e à equipe agradecemos.

Continue Lendo “1254 – Kuarup lança “Mário Sève”, disco em comemoração aos 60 anos do flautista e saxofonista carioca”

1248 – Kuarup e Saravá Discos se unem para lançar raridades de Taiguara

De cantor romântico em festivais dos anos 1960 a compositor mais censurado do Brasil na década seguinte, exilado duas vezes pelos militares, o uruguaio deixou uma fita cassete com quatro gravações inéditas, agora recuperadas pelo colecionador Marcello Borghi; em uma delas, apresenta sua versão para Caminhando, de Geraldo Vandré, em outra, exalta o escritor negro Lima Barreto

A gravadora Kuarup e a Saravá Discos, do cantor e compositor Zeca Baleiro, lançaram em todas as plataformas digitais nesta sexta-feira, 18 de outubro, quatro gravações inéditas de Taiguara reunidas no EP Taiguara Como Lima Barreto, aproveitando o mês de nascimento do artista, que é de 9 de outubro. Os áudios foram recuperados de fitas cassetes do colecionador Marcello Pereira Borghi,  que também assina a produção dessa raridade. Além da minuciosa recuperação do áudio das fitas originais, a direção artística de Zeca Baleiro envolveu a gravação por estrelas da MPB de novos instrumentos e de um coral.

Taiguara Chalar da Silva (1945-1996) nasceu em Montevidéu (Uruguai) e morreu precocemente, vítima de um câncer, em São Paulo. Depois de grandes sucessos românticos nos festivais dos anos da década  de 1960, Taiguara se tornou o compositor mais censurado do Brasil na década seguinte. Perseguido pelo regime militar, foi para o exílio duas vezes. No segundo retorno, já nos anos 1980, Taiguara incluía as chamadas “canções de protesto” em seus shows.

Continue Lendo “1248 – Kuarup e Saravá Discos se unem para lançar raridades de Taiguara”

1231 – Thamires Tannous (MS/SP) gira pela Europa com Canto-Correnteza, seu segundo álbum autorala Europa

Álbum é uma mistura de influências desde às raízes sul-mato-grossenses até a porção árabe da cantora. De selo independente, sucede  Canto pra Aldebarã, de 2014, que rendeu a ela  o Prêmio Grão da Música

A cantora e compositora Thamires Tannous está girando por cidades da Europa como Liubliana, capital da Eslovênia, Coimbra e Lisboa, ambas em Portugal, e Linz, na Áustria, onde vem apresentando o seu mais novo álbum, Canto-Correnteza, o segundo de sua carreira, lançado oficialmente há pouco mais de um mês, em 8 de agosto, na unidade 24 e Maio do Sesc paulistano. Com 10 faixas, disponível nas plataformas virtuais e à venda nas boas lojas do gênero, com distribuição pela Tratore, Canto-Correnteza foi o disco escolhido para abrir neste 7 de setembro, Dia da Independência cá em Pindorama, as audiências matinais de todos os sábados que promovemos na redação do Barulho d’água Música.

Continue Lendo “1231 – Thamires Tannous (MS/SP) gira pela Europa com Canto-Correnteza, seu segundo álbum autorala Europa”

1225 – Instituto CPFL e produtora Kuarup lançam selo dedicado à música contemporânea brasileira 

Catálogo conversa com obra e conceitos do modernista Mário de Andrade e reúne gravações com André Mehmari, Renato Braz, Marília Vargas, Thibault Delor e Quarteto Camargo Guarnieri, entre outros expoentes da moderna música que o país e músicos estrangeiros vêm produzindo

O Instituto CPFL, ligado ao grupo CPFL Energia (Companhia Paulista de Força e Luz), em parceria com a Kuarup — premiada produtora cultural independente que tem em seu acervo obras de, entre outros, Villa-Lobos, Baden Powell, Renato Teixeira, Paulo Moura e Xangai está lançando um novo selo, dedicado à música contemporânea brasileira. Disponível nas plataformas digitais, o catálogo do selo Instituto CPFL & Kuarup possui, ao todo, 12 álbuns de concertos realizados no programa Música Contemporânea, única série brasileira regular de concertos que contemplam a música do nosso tempo, sempre aos sábados, na Sala Umuarama do Instituto CPFL, em Campinas, disponibilizados no sítio eletrônico e transmitidos aos domingos pela Rádio Cultura FM de São Paulo (FM 103,3 MHz).

Os álbuns reúnem apresentações de grandes intérpretes da música brasileira e mundial tais como os pianistas Paulo Henrique Almeida e André Mehmari, a soprano Marília Vargas, o contrabaixista Thibault Delor, o cantor Renato Braz e grupos como o Quinta Essentia Quarteto, o Quarteto Camargo Guarnieri, o Quaternaglia e a Camerata Latino-Americana. As gravações são de 2015.

Em mais de 16 anos de atividades, o Instituto CPFL, através de seu programa Música Contemporânea, promoveu diversos concertos e estreias mundiais de alguns dos maiores intérpretes da música de nosso tempo“, disse Mário Mazzilli, diretor-superintendente do Instituto CPFL. “Surgiu assim um dos raros e mais longevos programas regulares de música contemporânea, um espaço de experimentação e ampliação da experiência sensorial que só a canção é capaz de produzir”, emendou Mazzilli . Nada mais justo que o resultado de parte desses encontros, sempre gratuitos em nossa sede em Campinas, seja agora disponibilizado a todos nas plataformas de streaming.” 

Sobre os Álbuns:

Engenho Novo – Marília Vargas e André Mehmari

Gravado em 09/05/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL. 

Marília Vargas: soprano, André Mehmari: piano. 

Em sua busca incessante pela essência da música brasileira, Mário de Andrade pesquisou os sons do país de Norte a Sul, construiu um arcabouço teórico justificando a opção nacionalista em arte e, em seu caso, sobretudo na música de invenção. Passados 70 anos da morte de Andrade, esta apresentação se debruçou sobre a realidade musical brasileira atual a partir de suas reflexões, mostrando a produção dos compositores que seguiram a cartilha do autor de Macunaíma. André Mehmari recria o texto musical dos acompanhamentos de canções muito conhecidas. O primado é da voz meta perseguida por Mário de Andrade, determinado a estabelecer as bases do canto em português.

Solista da Camerata Latino-Americana – Thibault Delor

Gravado em 12/09/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Thibault Delor: contrabaixo 

Um concerto solo de piano ou mesmo de violino, seria usual. Entretanto, a proposta de um concerto solo para contrabaixo é inusitada. Neste contexto, Thibault Delor, um francês apaixonado pela música brasileira, conduz os ouvintes pelas praias nacionalistas por onde caminham Francisco Mignone e Claudio Santoro até chegar em John Contrate. Villa-Lobos e Fernando Pessoa são os anfitriões desta programação.

Canela: as Músicas da América Latina – Renato Braz e Quarteto de Violões Maogani

Gravado em 10/10/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Renato Braz: voz, violões: Carlos Chaves, Marcos Alves, Paulo Aragão e Sergio Valdeos 

A música popular da América Latina foi construída com ingredientes de diversas procedências, que misturados às cores e ao jeito de cada povo fizeram surgir uma infinidade de ritmos e gêneros. Um roteiro musical que sai do Brasil e passa pela Argentina, Chile, Paraguai, Peru, Colômbia, Venezuela e Cuba muitas destas canções e melodias constituem produtos das matrizes que encantaram Mário de Andrade, em seu ideário de construção de uma música nacional brasileira a partir da realidade latino-americano, distanciando-se das matrizes europeias.

Música Para Sopros de Nielsen – Quinteto de Sopros de São Paulo

Gravado em 14/03/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Alexandre Silvério: fagote, Joel Gisiger: oboé, José Ananias Souza Lopes: flauta, Nikolay Alipiev: trompa, Sergio Burgani: clarinete.

Um concerto construído em torno da obra camerística mais famosa, e ainda assim raramente tocada, de Carl Nielsen: o seu quinteto de sopros, criação da sua plena maturidade. As demais obras gravitam no universo da música da primeira metade do século 20. Como as variações Sérias do carioca Ronaldo Miranda sobre uma melodia de Anacleto de Medeiros, o divertido Scherzo do francês Eugene Bozza, especialista na escrita para sopros ou as igualmente bem-humorada Three shanties do britânico Malcolm Arnold. Uma pequena gema do italiano Nino Rota, mundialmente conhecido pelas trilhas de cinema para Federico Fellini, antecede as duas peças finais assinadas por Nielsen: primeiro a encantadora Children are playing para flauta solo; e em seguida o quinteto, obra-prima da música para sopros no século 20.

Falando Brasileiro – Quinta Essentia Quarteto

Gravado em 24/10/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Flauta doce: Felipe Araújo, Fernanda de Castro, Gustavo de Francisco e Renata Pereira

Fazer música de câmara com flautas doces é transitar no velho e no novo mundo das expressões musicais. No Brasil, a relação com o antigo nos fascina pelo risco criativo que corremos em nossas interpretações de um texto musical: esta é a profissão de fé artística do Quinta Essentia. Em Falando Brasileiro há muitas criações originais para flautas doces e arranjos de melodias consagradas que fazem parte do imaginário popular brasileiro. Esta mistura entre a matriz europeia e as cores dos sons nacionais espalhados pelo país reflete-se nas suítes e quartetos do argentino Eduardo Escalante, que veio para São Paulo aos 12 anos, em 1949 e naturalizou-se brasileiro, sendo aqui aluno de Camargo Guarnieri; do gaúcho Bruno Kiefer; e do petropolitano César Guerra-Peixe, que transitou pela vanguarda experimental e também pelo nacionalismo preconizado por Mário de Andrade. 

Músicas do Brasil Para Quarteto de Sopros – Ensemble Brasileiro de Música Moderna

Gravado em 14/11/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Filipe de Castro: flautas, Eduardo Freitas: clarinetes, Douglas Braga: saxofones, Osvanilson Castro: fagote. 

Flauta, clarinete, saxofone e fagote são instrumentos que integram a orquestra sinfônica à europeia, mas também as bandinhas espalhadas pelos coretos dos quatro cantos do Brasil. É este Brasil multicolorido, filtrado pela criação de grandes compositores, de ontem e de hoje, que compõe o programa deste concerto. Entre os do passado, Heitor Villa-Lobos, o criador que mais personificou o ideal artístico perseguido por Mário de Andrade. A seu lado, César Guerra-Peixe, que num gesto corajoso mergulhou nas músicas populares do Recife (PE) e de lá saiu com uma nova agenda estética, a do nacionalismo tal como pregado por Mário de Andrade. Entre os criadores atuais, o saxofonista Douglas Braga, integrante do Ensemble Brasileiro de Música Moderna, assina duas composições de sabor bem brasileiro.

O Quaternaglia: solos de violão para o orixá da justiça, do trovão, dos raios e do fogo.  Foto: Gal Opido

Xangô – Quaternaglia

Gravado em 28/11/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Chrystian Dozza: (violão Sérgio Abreu, 2012, nº 621), Fábio Ramazzini: (violão Sérgio Abreu, 2002, nº 474), Thiago Abdalla: (violão Sérgio Abreu, 2002, nº 463), Sidney Molina: (violão 7 cordas Sérgio Abreu, 1997, nº 359). 

Um grande arco histórico da criação brasileira em sentido amplo, em arranjos especiais para quarteto de violões. O concerto Brasileira, em arranjo de João Luiz, e as Bachianas Brasileiras nº 9, arranjadas por Thiago Tavares e o Quaternaglia. A suíte de Ronaldo Miranda, Canção sem fim, de Sérgio, irmão de Sidney Molina, uma peça de um dos integrantes do quarteto, Chrystian Dozza (Sobre um tema de Egberto Gismonti), três criações de João Luiz dedicadas ao grupo e Maracatu da Pipa, de Paulo Bellinati, completam a apresentação de um dos mais destacados quartetos de violões brasileiros, com intensa atuação no exterior. Xangô remete a uma obra de Almeida Prado, um dos artistas mais interessantes da música clássica brasileira na segunda metade do século 20. Almeida Prado compôs Xangô para piano e utiliza o Canto de Xangô, breve tema transcrito por Mário de Andrade no Ensaio sobre a música brasileira. Na tradição iorubá, xangô é o orixá da justiça, do trovão, dos raios e do fogo. 

A Música Para Violino e Piano de Nielsen e Sibelius – Maria Fernanda Krug e Karin Fernandes

Gravado em 28/03/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Maria Fernanda Krug: violino, Karin Fernandes: piano.

Sibelius, Nielsen e Richard Strauss são conhecidos por suas obras  sinfônicas. São raras as chances de se ouvir suas obras camerísticas. Sibelius gostaria de ter sido violinista; não se firmou como instrumentista, mas transformou o violino numa de suas preferências. Além de um belo concerto, ele compôs obras como esta densa sonatina. Já Nielsen era violista de profissão, conhecia profundamente as cordas. E sua escrita revela essa intimidade com o instrumento. Já a sonata de Richard Strauss, de 1888, foi uma espécie de adeus à música de câmara. Uma sonata de ambições orquestrais.

As Vozes Íntimas de Jean Sibelius – Quarteto Camargo Guarnieri

Gravado em 25/04/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Violinos: Elisa Fukuda e Ricardo Takahashi, Silvio Catto: viola, Joel de Souza: violoncelo. 

O quarteto Vozes Íntimas é a única obra de música de câmara de grandes ambições da maturidade de Sibelius. O Adagio di molto é seu centro de gravidade. Ele escreveu, sobre três acordes pianíssimo em mi menor, a expressão latina voces intimae, daí o título, confirmado em carta: “Estas vozes íntimas transportam para o além”. Seu biógrafo Tawaststjerna fala em longínquos murmúrios de um mundo remoto. De fato, Sibelius parece fazer um corpo-a-corpo no limite do silêncio.  O adagio também é o tempo escolhido por Anton Webern para o movimento de quarteto escrito em 1905, quando ele era aluno de Schoenberg. O quarteto número 2 de Guarnieri é um exemplo de sua maestria no gênero. 

O Piano de Carl Nielsen – Paulo Henrique Almeida

Gravado em 11/04/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Paulo Henrique Almeida: piano

O dinamarquês Carl Nielsen era pianista amador. Fez sua fama como sinfonista, mestre das grandes formas. Mas, embora pequena, sua produção para piano é bastante significativa. A Chacona, o Tema e variações e a Suíte foram compostos entre 1916 e 1919; e as três peças, nove anos depois. São, portanto, peças da maturidade. O pesquisador francês Guy Sacre qualificou as três primeiras como “obras-primas da música para piano do século 20”. Até onde se sabe, não há notícia de que tenham sido publicamente tocadas no Brasil antes desta noite.

Câmara da Camerata Latino-Americana Convida Duo Palheta ao Piano – Jairo Wilkens e Clenice Ortigara

Gravado em 27/06/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Jairo Wilkens: clarinete, Clenice Ortigara: piano. 

O clarinete é um instrumento que está no ponto de fusão entre a música popular e erudita no Brasil. Desde a época dos chorões a figura do clarinetista impactou como instrumentista e liderança musical a produção da música erudita brasileiro, tornando-se um dos grandes divulgadores de novos compositores. Recentemente o pesquisador brasileiro Ricardo Dourado Freire publicou uma tese onde apontou o desenvolvimento da identidade do clarinetista brasileiro a partir da visão de Mário de Andrade. Na visão de Mário de Andrade, a música de uma sociedade é desenvolvida passando por três estágios: música universal (música religiosa), música internacional (música de concerto) e música nacional (música de influência popular e folclórica). Ricardo Dourado Freire aponta o papel fundamental que o clarinetista, como instrumentista e como liderança musical teve na etapa brasileira da formação da música nacional. O presente concerto aborda obras de compositores brasileiros que escrevem para clarinete dialogando sob esta influência da fusão popular e erudita.

Camerata Latino-Americana (Suite Contemporânea Brasileira) – Camerata Latino-Americana

Gravado em 13/06/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Simone Menezes: direção artística e regência. Violinos: Pablo de Léon, Ana de Oliveira, Maria Fernanda Krug e Pedro Della Rolle. Violas: Gabriel Marin e Wallas Pena. Violoncelos: Raïff Dantas Barreto e Moisés Ferreira. Thibault Delor: contrabaixo. Sarah Hornsby: flauta. Jairo Wilkens: clarinete. Peter Apps: oboé. Matthew Taylor: fagote. Rogério Zaghi: piano.

Mário de Andrade, embora um vanguardista, cunhava suas pesquisas não na erudição como um fim em si, mas tratava a vanguarda como uma forma necessária de expor suas novas descobertas, que estavam ligadas a pesquisas folclóricas e conexões com o povo. Assim, embora um vanguardista, ele não era um erudito desconectado em sua comunicação com o homem leigo. O concerto tem como obra central as Danças Características Africanas de Heitor Villa-Lobos, obra que prenuncia as ideias vanguardistas de Mário de Andrade e da Semana de Arte Moderna de 1922. A partir daí orbitam em torno deste centro estético obras de Pitombeira, Piccolotto, uma obra de juventude de Flô Menezes e uma estreia do compositor pernambucano Beetholven Cunha.

 Sobre o Instituto CPFL

Com 16 anos de atividades, o Instituto CPFL é a plataforma de investimento social privado do Grupo CPFL Energia, que tem sede em Campinas. A missão do Instituto CPFL é integrar os programas culturais, sociais e esportivos da companhia em uma única rede, transformando por meio do conhecimento as comunidades onde atua. Por meio do Circuito CPFL, o Instituto CPFL promove gratuitamente em diversas cidades sessões de cinema, concertos, corridas e passeios ciclísticos, além de ações sociais voltadas ao fortalecimento da cidadania. Em 2019, estão previstas iniciativas em cerca de 100 localidades, alcançando um público presencial estimado de milhares pessoas. O Instituto CPFL é responsável também pela difusão do conhecimento por meio das transmissões e do acervo online dos encontros do Café Filosófico CPFL, tradicional programa de debates que pode ser acompanhado pelo público no Youtube, no sítio eletrônico, no app institutocpflplay, no Facebook e na TV aberta. O programa editado é exibido aos domingos, às 21h, na TV Cultura.

Sobre o Grupo CPFL

O Grupo CPFL, ​​​​​​​​​​​​​​​com mais de 100 anos de história e atuação, tornou-se uma empresa de energia completa, com negócios em distribuição, geração, comercialização de energia elétrica e serviços, hoje considerado uma das maiores empresas do setor elétrico brasileiro. Leva energia a 9,6 milhões de clientes por meio de quatro distribuidoras¹ que abrangem cerca de 700 municípios dos estados de São PauloMinas Gerais, Rio Grande do Sul, e Paraná  e ao longo dos anos firmou-se entre as líderes no segmento de energias renováveis no Brasil com uma matriz diversificada: com atuação em fontes hidrelétricas, solar, eólica e biomassa. 

Mas não é apenas manter esta posição de liderança que estimula o grupo. “Nós sabemos, por exemplo, do papel. crucial que o setor energético desempenhará em relação ao futuro do planeta”, informa a CPFL em nota no portal da empresa. “Por isso, enquanto todos esperam que uma empresa de energia cumpra o seu papel, nós buscamos fazer mais do que isso: desenvolvemos programas de conservação e conscientização sobre o uso eficiente da energia elétrica, investimos em redes inteligentes, mobilidade urbana elétrica e muito mais. No ramo de geração, possui capacidade instalada no setor de 3.297 MW, sendo 95,6% de fontes renováveis

Sobre a Kuarup

Especializada em música brasileira de alta qualidade, o seu acervo concentra a maior coleção de Villa-Lobos em catálogo no país, além dos principais e mais importantes trabalhos de choro, música nordestina, caipira e sertaneja, MPB, samba e música instrumental em geral, com artistas como Baden Powell, Renato Teixeira, Ney Matogrosso, Wagner Tiso, Rolando Boldrin, Paulo Moura, Raphael Rabello, Geraldo Azevedo, Vital Farias, Elomar, Pena Branca & Xavantinho e Arthur Moreira Lima, entre outros.

Kuarup Música/Rádio, Imprensa e TV/www.kuarup.com.br

Telefones: (11) 2389-8920 e (11) 99136-0577 Rodolfo Zanke rodolfo@kuarup.com.br

¹ CPFL Paulista, CPFL Piratininga, CPFL Santa Cruz e RGE