Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!


1 comentário

843 – Em turnê pelo Brasil, Aline Frazão canta “Insular” com Ceumar, Socorro Lira e Susana Travassos, no Bixiga

A cantora, compositora, guitarrista e produtora Aline Frazão (Luanda/Angola) percorrerá cinco cidades do Brasil durante abril para divulgação do álbum três de sua carreira, Insular, que apresenta novas parcerias — com a poetisa conterrânea Ana Paula Tavares, , e a rapper portuguesa Capicua–  além de uma versão  para Susana, de Rosita Palma, com a participação especial de Toty Sa’Med. Aline Frazão vem se firmando desde o lançamento do primeiro disco Clave Bentu (2011) como um dos nomes sonantes da nova geração de músicos angolanos. Embora atualmente viva em Lisboa, simultaneamente ao trabalho musical integra o painel de cronistas do jornal Rede Angola, para qual assina uma crônica por semana.

Clave Bantu oferece repertório autoral gravado em Santiago de Compostela e conta com duas parcerias inéditas com os escritores angolanos José Eduardo Agualusa e Ondjaki. Depois deste primeiro trabalho, Aline Frazão trouxe a amigos e fãs Movimento, em 2013. Com este vieram as turnês internacionais que a conduziram a Cabo Verde, Quênia, Etiópia, Tanzânia, Alemanha, Brasil, Portugal, Suíça, Noruega e Áustria. Já Insular a levou a Jura, uma pequena ilha da Escócia, e contou com a produção do britânico Giles Perring, mais a considerada decisiva participação do guitarrista Pedro Geraldes (Linda Martini). Luanda acolheu o primeiro concerto, a 31 de outubro do ano passado.

Críticos têm apontado que o mais recente compacto como “um manifesto de economia poética” feito “da mesma matéria dos grandes discos de Paul Simon e Caetano Veloso, porque respira da mesma universalidade e sabedoria”.  Ao tecer os elogios, eles ainda observam: “É um caso sério esta rapariga de 27 anos, que finta as suas origens e as baralha com iguais doses de profundidade e simplicidade, tarefa a que muitos autores se dedicam, mas poucos conseguem”.

A primeira escala neste retorno ao Brasil de Aline Frazão será em Belo Horizonte (MG), conforme cronograma abaixo. Em São Paulo ela cantará a 13 de abril, na casa Mundo Pensante, situada no tradicional bairro do Bixiga. Irão acompanha-la a portuguesa Susana Travassos, Socorro Lira (Brejo do Cruz/PB) e Ceumar (Itanhandu/MG). 

Apresentações de Aline Frazão no Brasil

insular

8 de abril, 20h
Sesc Palladium, Belo Horizonte (MG)
Participações de João Pires e da Nath Rodrigues
Ingressos: R$ 25,00 (inteira) e R$ 12,50 (meia)

10 de abril, 18h
Santander Cultural, Porto Alegre (RS)
Ingressos: R$ 12,00

13 de abril, 20h
Mundo Pensante, São Paulo
Participações: Ceumar, Socorro Lira e Susana Travassos
Rua Treze de Maio, 825, Bela Vista (Bixiga), 11 5082-2657
Ingressos: R$ 15,00

11 de abril, 20h
Teatro Esperança, Jaguarão (RS)
Ingressos: R$ 20,00

15 de abril, 22h
Participação: Natasha Llerena
Bar Semente, Rio de Janeiro (RJ)
Ingressos: R$ 30,00

Anúncios


Deixe um comentário

828 – País lamenta perda de Naná Vasconcelos (PE), eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo

Pernambuco vive desde o fim da manhã de hoje, 9 de março, luto oficial de três dias em respeito ao percussionista Naná Vasconcelos, que morreu em decorrência de complicações de um câncer de pulmão, no hospital de Recife onde convalescia desde 29 de fevereiro. Naná Vasconcelos sofreu parada respiratória por volta das s 7h40. Amigos e familiares velarão o corpo na Assembleia Legislativa de Pernambuco antes do sepultamento, marcado para as 10 horas da quinta-feira, 10, no Cemitério de Santo Amaro.

Assim que o esquife chegou ao prédio da Casa Legislativa foi recepcionado por amigos e familiares, entre os quais se encontravam a viúva, Patrícia Vasconcelos, e a filha do casal, Luz Morena. O grupo Maracatu Nação Porto Rico protagonizou homenagem ao percursionista, considerado símbolo da união dos maracatus de Pernambuco. ‘‘Toque o tambor que Naná chegou/ Todas as nações vêm saudar nesse carnaval”, ouvia-se entre outros versos entoados pelo grupo, liderado por Chacon Viana. “Naná deixava bem claro que não tem mestre, nem ninguém melhor, o mestre é só o do céu. Com seu papo pé no chão, conseguia que as nações do estado se unificassem e se tornassem uma só. Ele tinha uma coisa que Deus que deu. Ele não precisava se sacrificar tanto, ele já tinha nome”, disse Chacon Viana.

“Naná Vasconcelos partiu fazendo música no quarto do hospital nos últimos dias de vida”, afirmou Patrícia Vasconcelos. “Ele vivia a música, respirava a música”, complementou a ex-mulher. “Todo momento que falava sobre isso se sentia melhor”.  A viúva ainda observou que o ex-marido “espalhou muito amor e muita música pelo mundo todo”. Assim, para ela, “essa é uma perda material, mas a música e a humildade dele como lição, além de respeito ao próximo, ficarão”.

 A mulher de Naná Vasconcelos ainda enfatizou a obra dele em prol de crianças, mas que beneficia também outras faixas etárias. “Como músico, o trabalho que ele fazia com crianças se transporta para todas as idades. Era uma missão de vida se preocupar com o futuro de crianças que moravam na rua e que tinham problemas de deficiência.” 

Uma das coroas de flores destacou a inscrição “Amém e amem”, que, de acordo com o contrarregra de Naná Vasconcelos, Edelvan Barreto, era a mensagem que o músico gostaria de ver postergada. “Amém e amem ele compôs da primeira vez que se internou, no ano passado”, afirmou o amigo. “Essa música deve se propagar em toda a humanidade nesse mundo perturbado que vivemos hoje.”

Além de decretar o luto oficial, o governador Paulo Câmara divulgou a seguinte nota:

“Pernambuco acordou triste. O silêncio causado pelo desaparecimento de Naná Vasconcelos em nada combina com a força da sua música, dos ritmos brasileiros que ele, como poucos, conseguiu levar a todos os continentes. Naná era um gênio, um autodidata que com sua percussão inventiva e contagiante conquistou as ruas, os teatros, as academias”

A morte de Naná Vasconcelos também consternou parceiros de estrada, tais quais os conterrâneos  Lenine e Alceu Valença, e Gilberto Gil. Marcelo Melo, da banda Quinteto Violado, declarou que convivia com Naná Vasconcelos desde a década dos anos 1960. “Tínhamos um quarteto vocal, o Bossa Norte. Naná era uma pessoa muito querida, muito amiga. Eu assumi o Quinteto e ele, a vida dele. Eu tinha muito carinho por ele e era um talento muito grande”.

Nana Vasconcelos 2

Naná Vasconcelos abriu durante 15 anos o Carnaval do Recife, mantinha projetos sociais nos quais a música é veículo de inserção e no mundo inteiro era aclamado como mestre percussionista, inclusive por B.B.King (Foto: Prefeitura do Recife)

Apelido é herança de avó

Naná Vasconcelos passara quase um mês no mesmo hospital de Recife, em 2015, quando o câncer que o acometeu foi diagnosticado, apenas um ano após exames gerais que nada haviam detectado em seu organismo. Quando recebeu alta, em agosto, discorreu sobre o desafio de enfrentar a doença, demonstrando fé. ‘Tenho de enfrentar com força, pensamento positivo. E vou enfrentar com o pensamento de que vou chegar lá”.

Assim, mesmo em tratamento que incluiu sessões de quimioterapia e de radioterapia, por 40 dias, manteve a agenda e não largou dos tambores e dos berimbaus Entre os compromissos que honrou abrilhantou a abertura do Carnaval do Recife, no Marco Zero, neste ano, puxando cordão formado por mais de 400 batuqueiros. Ainda durante a folia, dividiu o palco com o Clube Carnavalesco Misto Pão Duro, grupo centenário homenageado no carnaval do Recife, com o Maracatu Nação Porto Rico, também celebrado, e com os cantores Lenine e Sara Tavares, de Cabo Verde.

Naná era apelido, perpetuado por uma das avós do então menino Juvenal de Holanda Vasconcelos, desde muito cedo apaixonado pela vibração das batidas que o levaram a adotar o ofício de percursionista. Na década dos anos 1960,  transferiu-se do Recife para o Rio de Janeiro e na Cidade Maravilhosa gravou, de saída, dois discos com Milton Nascimento. Depois, com o amigo Geraldo Azevedo, em São Paulo, participou do Quarteto Livro, que acompanhou Geraldo Vandré no Festival da Canção.

A obra de Naná Vasconcelos disseminou-se fora e dentro do Brasil e trouxe, gradativamente, respeito e fama. Integrante do grupo Jazz Codona, com o qual lançou três discos, chegou a gravar com B.B. King, com o violinista francês Jean-Luc Ponty e com a banda Talking Heads, liderada por David Byrne, um dos grupos precursores do movimento new wave. Por aqui, além de Milton Nascimento, seguia a bater bola com Caetano Veloso, Marisa Monte e Mundo Livre S/A, entre outros expoentes com os quais mantinha parcerias. A marca de Naná de Vasconcelos também está em trilhas sonoras para filmes nacionais e norte-americanos e, por oito vezes! revistas especializadas em música nos Estados Unidos o elegeram “o melhor percussionista do mundo”.

A fama não o envaideceu, pois Naná Vasconcelos acreditava que por meio da música poderia transformar e melhorar a vidas. Assim pensava, assim agia: encabeçava projetos sociais como o Língua Mãe, acolhendo crianças da América do Sul, da Europa e da África, ao passo que, paulatinamente, inseria a música no cotidiano das comunidades carentes do Recife como forma de incentivo à educação e cultura.

Como mestre carnavalesco, a contribuição de Naná Vasconcelos perdurou por pelo menos 15 anos, período no qual o primeiro grito sempre era dele, colocando em marcha  doze maracatus, 600 batuqueiros e o coral Voz Nagô, com ponto alto sempre às sexta-feiras. O que sempre se vê nestes dias nas ruas de Recife é o público rendendo-se à beleza e à euforia para acompanhar um dos mais coloridos e vigorosos espetáculos populares que o Brasil oferece. Em 2017, quem puxará os foliões?

naotemdesculpa5


Deixe um comentário

614 – Fred Martins lança na Sala Funarte (RJ) “Para Além do Muro do Meu Quintal”, gravado em Portugal

fred martins

A Sala Funarte Sidney Miller, localizada no Centro do Rio de Janeiro, será o palco para o cantor e compositor Fred Martins lançar Para Além do Muro do Meu Quintal, em show marcado para a quinta-feira, 20 de agosto, a partir das  19 horas, com ingressos a preços populares. Fred Martins vai se apresentar acompanhado pelo violoncelista Lui Coimbra, além do saxofonista Marcelo Martins. Para Além do Muro do Meu Quintal foi  gravado em Lisboa, Portugal, com produção musical do pianista e arranjador açoriano Paulo Borges e participações especial dos cantores Renato Braz e da cabo-verdiana Nancy Vieira . O título remete a um verso de Alberto Caeiro, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, extraído do poema  Noite de São João

Continuar lendo


1 comentário

Fabrício Conde abre porteiras e estabelece novos territórios culturais com seu recente disco, Fronteira

fconde

Fabrício Conde, compositor, escritor e contador de causos é conterrâneo de Murilo Mendes, leitor de Borges e de Guimarães Rosa, estudou com Ivan Vilela, aprendeu manhas e mandingas com a avó e Antônio Macário, curte cinema italiano e já agradou aos ouvidos da Rainha Elizabeth com suas composições repleta de raízes e de sonoridades universais

O Barulho d’água Música recebeu para o acervo do blog o novo álbum de Fabrício Conde (Juiz de Fora/MG), compositor e um dos vencedores do XIV Prêmio BDMG de Música, promovido em Beagá. Fronteira,  nome do trabalho, foi produzido com apoio da Prefeitura da cidade mineira situada na Zona da Mata, com incentivos da Lei Murilo Mendes, escritor que lá nasceu e residiu, com participações de Laura Delgado (voz), Márcio Hallack (piano) e Rodrigo Biss (rebeca). Fabrício Conde toca cuatro venezoelano, viola de cabaça (arte do luthier e violeiro paulista Levi Ramiro) e ronroco; para cada uma das 11 faixas faz um breve comentário revelando particularidades da composição. Samba Venezoelano, por exemplo, com a qual abre o concerto, foi composta nos aeroportos de Santiago, capital do Chile, e de Guarulhos (SP). “A ideia de compor este samba surgiu devido ao fato de alguns amigos, por brincadeira, chamarem o meu cuatro venezoelano de cavaquinho”, conta.

Corta!

Fabrício Conde não é compositor de viola caipira? Como, então, está fazendo samba, e, ainda mais com instrumento estranho a nossa cultura?

Continuar lendo


Deixe um comentário

Wilson Dias canta para Fernando Brant e recorda Cesaria Evora e Cora Coralina em projeto Música no Mercado (SP)

wdiasartemercado

O cantor e compositor Wilson Dias, mineiro de Olhos d’água residente em Beagá, fez na quinta-feira, 18,  homenagem das mais marcantes ao conterrâneo Fernando Brant, um dos baluartes do Clube da Esquina e dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos, que há uma semana morreu na capital mineira, vítima de complicações após uma intervenção cirúrgica para transplante de fígado, aos 68 anos. Em sua passagem por São Paulo convidado pela unidade Carmo do Sesc para se apresentar na praça do Mercado Municipal, na zona cerealista do Centro paulistano, Wilson Dias cantou Promessas do Sol, sucesso de Brant e  Milton Nascimento gravado por Bituca em Gerais.  

Continuar lendo