1505 – Sai de cena Maria da Paixão Jesus (MG), cantora e multiativista que fez história em Osasco (SP)

#MPB #Teatro #Cinema #Televisão #EducaçãoArtística #MovimentoNegro #EmpoderamentoFeminino #Osasco 

Ainda menina, deixando o interior mineiro no começo dos anos 1960, a artista cresceu em Osasco, onde a cena cultural desafiava a ditadura militar. Com personalidade forte e marcante conquistou seu espaço nos palcos e nas telas a partir de um anuncio de jornal, tornando-se ainda professora e combativa mulher que se autodenominava anarquista  e não fazia concessões aos modismos

A atriz e cantora Maria da Paixão Jesus morreu na sexta-feira, 18 de fevereiro, na cidade de Osasco, situada na Região Metropolitana da Grande São Paulo, distante 15 quilômetros da Capital, São Paulo.

Mineira de Bocaiúva, Maria da Paixão de Jesus desenvolveu carreira artística e de ativista cultural a partir de 1967. Quando tinha ainda apenas 16 anos, em 1969, a jovem recortou do Diário da Noite um anúncio sobre a procura de atores para a montagem de versão brasileira do musical Hair (protagonizada, entre outros, por Sônia Braga, Araci Balabanian, Antônio Fagundes, Ney Latorraca, Armando Bógus). Foi aprovada nos testes promovidos e com sua presença na montagem dirigida por Ademar Guerra e Altair Lima que ficou em cartaz por nove meses no Teatro Bela Vista, no badalado bairro Bixiga, Maria da Paixão (que já tinha intensa atuação em Osasco) abriu de vez as cortinas para novas atuações e passou a realizar uma série de trabalhos. A lista inclui Morte e Vida Severina, A Moreninha, Jesus Cristo Superstar, Ópera do Malandro

Continuar lendo

1040 – Alesp entrega em 6 de abril dez troféus e diplomas aos indicados para o 2º Prêmio Inezita Barroso

Premiação atende a Projeto de Lei do deputado estadual Marcos Martins, que também concedeu título de cidadã osasquense à Rainha da Viola Caipira e transformou Osasco na capital estadual do instrumento

Por Marcelino Lima, com Cláudio Motta Júnior

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) entregará na manhã da sexta-feira, 6 de abril, as homenagens aos dez indicados para receber o Prêmio Inezita Barroso, criado após aprovação do Projeto de Resolução 31/2015, de autoria do deputado estadual Marcos Martins (PT), para valorizar a cultura caipira de raiz e qualquer forma de arte popular que a complemente. O Prêmio começou a ser distribuído em 2017 e neste ano de sua segunda edição recebeu 25 indicações e uma autoindicação. “Eu gostaria que todos os apresentados fossem contemplados, mas o texto da lei fala  que podemos premiar apenas dez”, afirmou Marcos Martins. Quando exercia mandato de vereador na Câmara Municipal de Osasco, Martins concedeu em 10 de fevereiro de 2004 a Inezita Barroso o título de cidadã osasquense e é autor do Projeto de Lei estadual que em 2007 transformou a cidade na Capital da viola caipira.

Continuar lendo